O capital humano leva em conta os atributos que um colaborador adquiriu através de experiência, educação e perícia. Se utilizando desse termo e conceito, as empresas podem enxergar e valorar ainda mais a capacidade de seus funcionários independente de seus cargos e níveis. Podendo formá-lo em um caminho de desenvolvimento profissional e, consequentemente, influenciando nos resultados da empresa.

 

Um profissional que reúna capacidades, habilidades, conhecimento e informação importantes para a execução das suas atividades pode ser visto como um capital humano da organização. A soma de educação com experiência para garantir um desenvolvimento próprio contínuo e que, por consequência, vai agregar também ao crescimento da empresa onde ele trabalha.

Para que você entenda um pouco mais sobre o quanto isso é importante para o mundo corporativo, preparamos este post!

Nos tópicos abaixo, vamos explicar tudo o que você precisa saber a respeito do capital humano — desde o seu conceito e contextualização histórica às melhores estratégias que o RH pode aplicar para geri-los.

Boa leitura!

O que é capital humano?

Você sabe o que é capital humano? Embora o termo seja até que recente, sua aplicação já está amplamente difundida no mercado.

Afinal, foi em 1950 que Theodore W. Schultz compartilhou os resultados de seus estudos a respeito do assunto, evidenciando a existência e a consequente importância do capital humano nas organizações.

E sua definição já foi explorada, na abertura deste artigo, mas vale o reforço de acordo com as palavras do próprio Schultz:

“Capital humano é a capacidade de conhecimentos, competências e atributos da personalidade de uma pessoa ao desempenhar um trabalho de modo a produzir valor econômico”.

Não à toa, a gestão de pessoas está intimamente relacionada a esse desenvolvimento de competências, atributos e conhecimentos. Pois a empresa pode proporcionar o aprimoramento de cada um desses aspectos.

E o colaborador, em resposta, adquire mais ferramentas e recursos para realizar um trabalho mais primoroso, continuamente, enquanto também se desenvolve (como pessoa e profissional).

 

Da onde surgiu o estudo sobre o capital humano?

A ideia de Theodore W. Shultz (que também venceu o prêmio Nobel da Economia, em 1979), partiu de uma série de estudos básicos que já apontavam a melhoria na performance e no nível de satisfação dos profissionais quando as empresas se preocupavam com o bem-estar deles.

Ou seja: em vez de cobrança e pressão, exclusivamente, ele identificou que o capital humano poderia ser melhor trabalhado. A valorização desse tipo de profissional é uma mina valiosa e inesgotável — para todos os envolvidos.

Qual é a diferença entre capital humano e capital intelectual?

Antes de falarmos especificamente sobre o desenvolvimento do capital humano, é bom diluirmos um conceito que tende a ser confundido dentro do assunto.

O capital intelectual, diferentemente do capital humano, abrange também outas questões que vão além do conhecimento inerente aos seus funcionários. Isso inclui:

  • patentes e registros;
  • banco de dados internos (como informações de clientes, parceiros e concorrentes);
  • redes de relacionamento.

Portanto, o significado de capital humano não se estende a essas questões complementares que, direta ou indiretamente, não se baseiam exclusivamente no perfil do seu profissional.

E a importância da valorização do capital humano para as empresas?

Empresas que valorizam o capital humano têm uma série de aspectos positivos em sua estrutura organizacional — bem como no dia a dia produtivo.

Quer ver só? Abaixo, reunimos os principais benefícios de trabalhar a valorização do capital humano na sua organização:

  • os erros de execução são menores. Afinal de contas, o trabalho de lapidação é incessante, o que aprimora incessantemente o expertise dos seus funcionários na realização das tarefas;
  • a produtividade é maior. Algo que já pode ser percebido, por si só, quando o interesse em desenvolver os profissionais ocorre por parte da empresa;
  • a motivação e o engajamento se tornam maiores também, por consequência.

Isso em uma percepção mais imediata. Mas o desenvolvimento do capital humano também se evidencia, positivamente, por outros fatores.

 

Retenção de talentos

Já reparou que a motivação e o engajamento continuamente maiores fazem com que o profissional queira ficar na empresa e, muitas vezes, sequer avalie novas oportunidades?

Identificar e trabalhar o capital humano faz isso com os seus funcionários. Com o tempo, o turnover pode ser reduzido e, assim, o investimento em boas práticas para isso já se pagam só com a redução de custos e prejuízos associados ao elevado índice de demissão, por exemplo.

 

Nível de excelência em constante crescimento

Sua empresa se torna, lenta e gradativamente, em referência. Resposta que se percebe quando o capital humano é desenvolvido, já que eles vão realizar as suas atividades com um primor continuamente elevado.

 

Cultura e clima organizacional saudáveis

Simbolicamente, no DNA da sua empresa, pode-se dizer que a saúde da mesma vai permanecer inabalável. Tudo porque o trabalho com o capital humano estimula a colaboração, o respeito e a satisfação coletiva.

Assim, diminui o nível de estresse, as intrigas, as brigas e a pressão exacerbada ou injustificada. E vale um adendo: essa reputação é percebida externamente também.

Algo que, por consequência, pode atrair mais clientes e, também, mais profissionais alinhados com a cultura da organização — e, obviamente, interessados em crescer com a organização.

Qual é a relação do capital humano e o setor de RH?

O capital humano está intrinsecamente relacionado às responsabilidades de um setor de RH moderno, sabia?

Afinal de contas, por meio do trabalho alinhado com novas tecnologias e as melhores práticas no desenvolvimento dos seus talentos, é possível obter um trabalho rico nesse sentido. Por exemplo:

  • a avaliação do perfil de profissionais para cada cargo da empresa se traduz em processos seletivos (recrutamento e seleção) mais ágeis e precisos, e menos custosos;
  • mais produtividade e eficiência para o RH, que vai reconhecer os melhores índices a serem observados para garantir o constante desenvolvimento do seu capital humano;
  • precisão na seleção e na organização de novos treinamentos e desenvolvimentos de profissionais;
  • assertividade na realização de avaliações de desempenho e na elaboração de um plano de carreira.

É inegável, portanto, que o uso de softwares e novas tecnologias facilitam o trabalho do RH. Mais automatização e posicionamento analítico e estratégico, por exemplo, que vão se converter facilmente no investimento em capital humano.

Afinal, menos burocracia e processos permitem aos seus especialistas de RH a total dedicação na identificação de novas oportunidades e de carências, também, para melhorar a empresa como um todo.

Qual é a relação entre capital humano e liderança?

Quando falamos no desenvolvimento de lideranças dentro da empresa, o conceito de capital humano é amplamente necessário.

Afinal, o RH vai saber, antecipadamente, quais características observar, desenvolver e lapidar nos seus talentos internos (ou mesmo avaliar nos processos seletivos). E aí, esses elementos podem ser trabalhados nos treinamentos, nas avaliações ou mesmo nas estratégias de um plano de sucessão na empresa.

Como desenvolver e fazer um investimento no capital humano?

A qualificação dos funcionários é um tema constantemente discutido internamente pelas empresas, diante da busca por resultados e a mensuração do rendimento de cada um deles. 

O capital humano leva em conta os atributos que um colaborador adquiriu por meio da sua experiência, educação e perícia, como já havíamos apontado. 

Utilizando esse termo e conceito de capital humano, as empresas podem enxergar e valorizar ainda mais a capacidade dos seus funcionários. Independentemente de seus cargos e níveis, podendo formá-los em um caminho de desenvolvimento profissional e influenciando nos resultados da empresa.

Por isso, para que você tenha diversos exemplos de capital humano dentro da empresa, preparamos uma lista com alguns pontos que melhor influenciam no desenvolvimento do capital humano. Confira!

 

1. Plano de carreira

Trace sempre um plano de carreira para o seu colaborador. Essa é uma forma de conseguir valorizar o trabalho dele e consequentemente ajudá-lo a evoluir na profissão. 

Quando pensamos nas vantagens de se traçar um caminho de investimento no seu funcionário, podemos dizer que todos saem ganhando. Tanto o profissional, que tem a chance de crescer e se desenvolver a cada dia, como a empresa, que pode alcançar maiores resultados financeiros por meio do capital humano.

Reter um talento não é fácil! Portanto, investir nas suas habilidades e oferecer formações para que ele se desenvolva e cresça mais a cada dia pode ser o caminho para que a empresa atinja seus objetivos. 

Promova um colaborador que já atua na empresa. Prefira alguém que já conhece a sua rotina e faz um bom trabalho. É melhor do que investir todas suas fichas em um novo funcionário que terá que se adaptar a sua cultura do zero.

 

2. Autonomia da equipe

O capital humano está completamente ligado ao engajamento e confiança da sua equipe. Se você tem um funcionário que não confia em si, ou pior, não se sente à vontade para tomar uma decisão sozinho ou alinhado com a equipe, sua empresa pode estar indo ladeira abaixo.

Dê autonomia ao seu funcionário, apoie e ajude ele a tomar decisões. Crie um laço de confiança e ofereça a possibilidade de ele assumir responsabilidades diariamente. 

Dê espaço para as pessoas da sua equipe e valorize os funcionários que você tem em mãos.

 

3. Engajamento

Ter um funcionário engajado e uma equipe que lute com “unhas e dentes” pelos objetivos são parte do capital humano. 

Lidar com a emoção do funcionário é um desafio diário. Fazê-lo se sentir importante é maior do que qualquer benefício financeiro .

O colaborador de uma empresa precisa se sentir útil. É necessário que ele tenha um bom relacionamento com seus superiores, que seus sonhos estejam vivos e que a empresa lhe permita sonhar com voos mais altos, como promoções, plano de carreira, desenvolvimento profissional.

A motivação de um funcionário não está apenas ligada ao financeiro. Está ligada com questões intangíveis, como emoções e envolvimento com a própria empresa. Invista no capital humano, invista nos seus profissionais, alcance resultados.

 

4. Liderança

Para uma equipe estar engajada é sempre necessário que se tenha um bom líder gerindo o time. Exemplos arrastam multidões e nada melhor do que um superior que demonstra interesse, se mostra engajado e luta para que sua equipe cresça junto.

Não é possível mensurar um capital humano quando não se tem alguém que consiga gerir os colaboradores que vão alcançar esses resultados. Um dos primeiros investimentos, para que um funcionário alcance e produza valor econômico, é a presença de um bom líder.

 

5. Bonificação

A bonificação é realidade em muitas empresas e podem ser uma forma de influenciar os colaboradores a atingirem uma meta. Usar recompensas em contrapartida de resultados é uma forma de se investir em capital humano e no desenvolvimento do funcionário.

Conceder um bônus pode ser uma forma de reconhecimento pelo trabalho feito. Uma demonstração de que você confia no seu funcionário e na sua equipe e que eles fizeram um bom trabalho, rendendo resultados financeiros para a empresa através de suas habilidades e conhecimento.

O que é capital humano e como ele influencia nos resultados da empresa?

 

6. Capacitação e treinamentos

As empresas estão em uma busca incessante para aumentar a produtividade da sua equipe, mas como fazer isso sem investir nos seus colaboradores?

Se você quer atingir novos resultados com seu capital humano, desenvolva as competências dos seus funcionários com treinamentos. E isso serve tanto para funcionários antigos, dessa maneira eles podem evoluir conforme as exigências do mercado e da empresa, como para os novos funcionários, que podem ter sua adaptação facilitada dentro da cultura da empresa e dos processos.

Como a tecnologia ajuda na gestão do capital humano?

Conforme havíamos adiantado, a tecnologia é um diferencial e tanto para o setor de RH analítico. Portanto, vale a pena o investimento em softwares de gestão que podem ajudar ativamente na construção e no desenvolvimento do seu capital humano.

E sabe por quê? Por meio de uma solução integrada, a sua empresa se beneficia por:

  • mensurar e compilar em relatórios completos os índices de desempenho que o seu setor está de olho para realizar os objetivos;
  • cruzar dados relevantes para a tomada de decisão mais assertiva e ágil;
  • automatizar processos mecânicos e repetitivos, colocando a sua empresa em serviço de atividades mais estratégicas e menos burocráticas.

Para o desenvolvimento do capital humano da sua organização, esse pode ser um primeiro — e significativo — passo rumo ao crescimento exponencial dos seus talentos internos.

Quer entender um pouco mais a respeito do assunto? Então, aproveite para ler também nosso artigo que explica, detalhadamente, a relação entre o software de gestão e o capital humano da sua empresa!