júnior pleno sênior

Júnior, pleno, sênior: entenda as diferenças entre cada classificação

Júnior, pleno, sênior, quem nunca se deparou com essas denominações ao se candidatar a uma vaga de emprego, por exemplo? A questão é que nem todo profissional sabe diferenciar esses três níveis de hierarquia na empresa.

Podemos dizer que júnior, pleno, sênior se diferenciam em vários aspectos como nível de responsabilidade, maturidade profissional, complexidade das tarefas e até mesmo o tempo de casa.

A grande questão, apesar desses níveis possuírem suas próprias características, é que cada empresa determina os critérios para as vagas de júnior, pleno, sênior.

O esquema de senioridade, então, não segue um padrão e pode ser variável. Onde a empresa tem liberdade para determinar quais competências são necessárias para assumir cada nível.

Quer saber quais as principais diferenças entre júnior, pleno, sênior? Nesse artigo vamos fazer um comparativo em vários aspectos para detalhar e diferenciar cada um desses níveis profissionais.

Qual a definição de júnior, pleno, sênior? 

As hierarquias dentro da empresa, por mais que as definições de características sejam distintas, leva muito em consideração a experiência profissional e o nível de responsabilidade que determinado colaborador vai assumir.

Para ficar mais fácil de entender o significado de júnior, pleno, sênior destacamos abaixo algumas das caraterísticas a esses perfis.

Júnior: recém-graduado, pouca experiência profissional e sem autonomia para tomar decisões na empresa. 

Pleno: maturidade profissional, executa tarefas mais complexas e tem um poder de decisão limitado, já que a palavra final é do seu superior. 

Sênior: lidera projetos e equipes, além de ter autonomia para tomar decisões. É um profissional mais experiente e muitas vezes com pós-graduação e MBA. Possui um alto nível de responsabilidade. 

Diferenças entre júnior, pleno, sênior

Agora que conhecemos um pouco das características dos perfis júnior, pleno e sênior elencamos abaixo os principais pontos e diferenças entre essas classificações. Confira! 

Experiência de mercado

O grau de conhecimento e principalmente o tempo de experiência profissional também determina a diferenciação entre os níveis júnior, pleno, sênior. Quanto maior o tempo de atuação no mercado mais chances o profissional tem de assumir um cargo de alta importância na empresa.

Júnior: são recém-formados e costumam ter no máximo 5 anos de experiência profissional.

Pleno: possuem extensões como graduação e MBA e seu nível de experiência pode variar entre 6 a 9 anos.

Sênior: Assume a função de gestor e líder de equipes e projetos. Por esse motivo seu nível experiência no mercado precisa ser altíssimo, superando os 10 anos em muitos casos.

Tempo de casa

O tempo de casa, muitas vezes em função de um plano de carreira também conta nos degraus entre júnior, pleno, sênior. Muitas empresas apostam no crescimento dos seus profissionais e apostam na evolução deles para que se desenvolvam e passem por todos os níveis: júnior, pleno, sênior.

Júnior: recém-formados e consequentemente com pouco tempo de casa. O nível júnior é um dos pontos de partida da profissão e se destacar a partir daí, impacta diretamente na evolução profissional.

Pleno: é comum que os profissionais do nível pleno possuam mais tempo de casa e até já tenham sido promovidos na empresa para assumir tal cargo. Essas promoções ocorrem principalmente em empresas que possuem um organograma e um plano de carreira bem definidos.  

Sênior: esse profissional é o que tem mais tempo de casa. Até por isso é quem acompanha de perto os processos e o funcionamento da organização e tem um grande poder de decisão para mudar os rumos da empresa. 

Hierarquia na gestão

Num modelo profissional de trabalho com cargo júnior, pleno, sênior é fundamental que cada um tenha claramente seu papel e o esquema de hierarquia para saber a quem recorrer ao pedir conselhos ou sugestões na execução das tarefas.

Júnior: é um dos que mais precisa de orientação para exercer seu trabalho. Está sempre em busca de um norte, baseado no que os superiores e os mais experientes têm a dizer. Por isso está num nível abaixo de hierarquia.

Pleno: sua experiência e as competências adquiridas na teoria e na prática da profissão o coloca acima do nível júnior, trainee e estagiário. Muitas vezes inclusive está à frente de tomadas de decisão, ao lado do superior, e apoia o andamento de determinadas tarefas.

Sênior: é sempre quem tem a última palavra e até por isso está próximo de decisões referentes ao planejamento estratégico da empresa de uma forma geral. Coordena projetos, possui uma grande autonomia, lidera equipes e trabalha muito próximo da diretoria da empresa.

Salário

Quanto maior o nível de responsabilidade do cargo maior deve ser o salário do profissional em questão. Sendo assim, o salário é um dos principais pontos que diferem júnior, pleno, sênior. A variação salarial pode ser de até 50% entre os diferentes perfis.

Júnior: possui um salário mais baixo, um degrau acima do trainee. Até porque esse profissional é recém-graduado e a exigência de sua função é menor.

Pleno: a exigência técnica e de experiência faz com que o salário desse profissional seja superior ao do Júnior. Muitos inclusive potencializam sua experiência com pós ou MBA.

Sênior: muitas vezes abaixo apenas da diretoria ou do cargo máster, o sênior é o que possui o maior salário no comparativo. Seus vencimentos podem ser até quatro vezes maior do que de um profissional Júnior.

Nível de responsabilidade

A complexidade da função e o nível de responsabilidade nas tarefas é outro quesito que diferencia as funções júnior, pleno, sênior. Quanto maior o cargo, maior o poder de decisão e a necessidade de gestão das próprias ações.

Júnior: O cargo destinado a recém-formados diminui o nível de responsabilidade. Principalmente porque ele assume tarefas mais simples e que não exigem um conhecimento técnico mais apurado.

Pleno: Chegando no nível pleno o cenário já é diferente em relação ao nível de responsabilidade. As tarefas nesse caso já exigem uma experiência e um conhecimento técnico maior. É comum inclusive que esse profissional esteja sempre apoiando os líderes nas tomadas de decisão, funcionando como um braço direito dos superiores.

Sênior: Por assumir as tarefas mais complexas na empresa seu nível de responsabilidade é muito grande. Até porque esses profissionais são responsáveis por gerenciar projetos e liderar equipes. A autonomia para tomar decisões também eleva seu nível de responsabilidade. 

A importância dos níveis de hierarquia na empresa

Conhecer os níveis de hierarquia de uma empresa seja júnior, pleno, sênior é importante tanto para o profissional, que deseja crescer na carreira, como para a empresa, que busca construir um plano de carreira eficaz. 

Já ensinamos aqui no blog sobre como montar o plano de carreira perfeito no artigo “Modelo de plano de carreira: aprenda a fazer o ideal para sua empresa”

 

Afinal, possuir um organograma organizado e conhecer as características que determinam cada um desses níveis hierárquicos faz com que as promoções e novas contratações sejam mais assertivas.

Pudemos ver que para diferenciar os níveis júnior, pleno e sênior devemos levar em consideração itens como experiência de mercado, salário e nível de responsabilidade. Cada um desses aspectos constrói e também diferencia o júnior, pleno, sênior. 

Entendeu a importância de diferenciar os níveis de hierarquia na sua empresa? Deixe um comentário no blog e comente como funciona a diferenciação de perfis e cargos na sua organização.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.