Inscreva-se

Turnover involuntário: o que é e como reduzi-lo?
Admissão

Turnover involuntário: o que é e como reduzi-lo?

O turnover involuntário é a demissão motivada internamente, e não pela vontade do profissional. O índice elevado no turnover involuntário se configura em custos e problemas logísticos para a empresa, como os encargos trabalhistas e as despesas com novas contratações.

Existem diversas razões para uma empresa decidir-se pelo desligamento de um ou mais profissionais do seu quadro de colaboradores. Por isso, é importante avaliar como está esse número em sua organização. Do contrário, como saber se a sua empresa realmente está se desenvolvendo e economizando recursos valiosos?

Acompanhe esta leitura e aprenda conosco tudo sobre o turnover involuntário!

 

O que é o turnover involuntário?

Diferentemente do colaborador insatisfeito que busca novas oportunidades ou do veterano profissional que opta pela aposentadoria, o turnover involuntário segue o caminho oposto.

Ou seja: a rotatividade ocorre por uma decisão da própria empresa. E isso pode acontecer por uma série de motivos, como:

São situações diversas que se traduzem no aumento do índice de turnover da empresa. E é importante ter esse valor sob constante monitoramento, uma vez que ele pode indicar outros problemas graves na gestão da organização.

Por exemplo: se o desempenho de muitos colaboradores está aquém do esperado e três colaboradores já foram demitidos, será que o problema são os subordinados, mesmo, ou o líder da equipe — ou mesmo o fluxo de trabalho, que está cheio de gargalos produtivos?

Com isso, a empresa eleva o índice de turnover, arca com mais despesas, investe recursos e tempo na contratação, integração e no treinamento de novos profissionais e pode estar às vésperas de reviver esse ciclo novamente.

 

E as diferenças com o turnover voluntário?

Como visto, se o turnover involuntário se refere ao desligamento motivado pela empresa, o modelo conhecido como voluntário é aquele em que o profissional se demite.

É bom compreender que, independentemente do tipo de turnover, os motivos devem ser esclarecidos detalhadamente. Assim, o RH da empresa tomará as devidas precauções para que o aumento do índice não se transforme em uma constante na empresa.

>> A Xerpa criou um livro digital que aborda tudo sobre o turnover e quais as principais ações para reduzi-lo! Basta você clicar aqui e você irá acessá-lo agora mesmo 😉

 

Como calcular o turnover involuntário?

Para cada modelo de turnover existem razões variadas que podem levar à sua execução. Como já destacamos, isso influencia no desempenho e crescimento da empresa, mas não só isso.

Afinal de contas, para cada demissão (involuntária ou não) há um fator relevante por trás. E isso ajuda ao RH compreender os motivos que ocasionaram a decisão.

Além disso, existe o cálculo do turnover, que permite a avaliação precisa do índice — se está elevado demais ou dentro do que se considera normal na condução de um negócio.

Como parâmetro, há um consenso entre os especialistas do setor de recursos humanos que a média aceitável de turnover gira em torno de 5%.

Vamos aprender, então, como calcular o turnover involuntário e saber se esse valor está acima ou abaixo da média tida como normal?

 

Cálculo turnover voluntário

  • comece anotando o número total de colaboradores;
  • considere, agora, o número de colaboradores demitidos da empresa no último ano;
  • avalie também quantas pessoas foram contratadas pela empresa no mesmo período;
  • divida o número de pessoas demitidas pela quantidade total de profissionais.

Um exemplo prático para que não restem dúvidas para você: digamos que, no último ano, sua empresa tinha 500 colaboradores, demitiu 100 colaboradores e contratou 20 nesse período.

Assim, teríamos o cálculo de 50 / 420 * 100 = 23,8%. Um turnover elevadíssimo, portanto.

Entendemos que a rotina do RH é cheia de processos e contratempos. Por isso elaboramos uma planilha que calcula o turnover. É bem simples de usá-la. Basta colocar algumas informações e a mágica acontece! Responda o formulário e você  irá recebê-la agora mesmo. Ah, você pode baixá-la e compartilhar com outros profissionais 😉


Qual é o impacto do turnover involuntário elevado?

Extrapolamos no exemplo acima apenas para ilustrar o quanto isso é prejudicial para o desenvolvimento da sua empresa, como um todo.

Perceba que, com um turnover elevado, será necessário:

  • arcar com os custos de demissão e admissão;
  • investir na integração com a equipe e os outros setores;
  • trabalhar novamente todo o clima organizacional;
  • perder talentos em potencial para a concorrência;
  • ter um eventual impacto no relacionamento com os clientes;
  • perder a produtividade que havia a partir da familiaridade com as pessoas e os processos.

Consequências palpáveis e intangíveis, portanto, que podem frear o desenvolvimento da organização onde você trabalha, certo?

 

Como prevenir-se contra o aumento do turnover involuntário?

Se o RH atua de perto com os índices de turnover, é possível perceber que as causas para esse número elevado sejam identificadas com o tempo.

Muitas delas podem fugir ao controle de uma medida de prevenção. Por exemplo: uma crise financeira que assola o dia a dia corporativo, e que não há prazo para a sua resolução.

Nesses casos, o desligamento de colaboradores se torna uma decisão que não se resolve com medidas práticas apontadas pelo setor de RH.

Só que outros motivos que levam ao turnover involuntário podem ser contornados, como:

 

Como reduzir o turnover involuntário:

Viu como isso pode servir de orientação básica para que o turnover involuntário seja potencialmente reduzido no dia a dia da empresa?

Por mais que algumas questões do turnover involuntário não dependam do departamento pessoal, os conflitos e a desmotivação podem ser facilmente resolvidos com uma atenção às questões que impedem o crescimento sustentável da empresa.

 

E, se você está em busca de novas soluções para velhos problemas que acontecem dentro da organização onde você trabalha, não pare nessas dicas sobre o turnover involuntário.

Para isso, assine a nossa newsletter (preenchendo o seu nome e endereço de e-mail no canto inferior direito do blog da Xerpa) e receba em primeira mão todas as nossas dicas e novidades!

 

 

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *