O turnover é o índice de rotatividade de uma empresa. Quando muito elevado, pode gerar custos exorbitantes e, muito baixo, pode se traduzir em um período de estagnação do empreendimento. Daí, a importância em saber o turnover ideal de acordo com a realidade, os objetivos e as necessidades de cada negócio.

 

A rotatividade de funcionários — ou seja, a proporção entre admissões e demissões — é um assunto inesgotável para muitas empresas.

E, com isso, muitos profissionais tendem a questionar (a si e aos colegas) a possibilidade de calcular um índice de turnover ideal para, então, mantê-lo sob controle.

Só que vale destacar o seguinte: existe um valor considerado saudável e que pode variar. Afinal, cada empresa é única, ainda que coexistam dentro do mesmo nicho de mercado.

Por isso, neste post vamos explorar a ideia de turnover ideal com base nessa média sadia e, principalmente, os meios que o setor de RH pode perseguir para mantê-la. Confira!

 

O que seria um turnover ideal?

Imagine que uma empresa do mesmo setor de atuação que a sua tenha um turnover ideal de 15%. De primeira, diga-nos: você acha que esse mesmo valor seria aplicável para a sua realidade?

Oras, tomando os números de outros empreendimentos como único parâmetro não é uma boa ideia. Afinal de contas, são valores que não condizem com o perfil da sua marca e, tampouco, com o contexto em que ela se encontra.

Não à toa, a ideia de turnover ideal tem sido constantemente desmantelada do vocabulário corporativo.

 

Por que a ideia de turnover ideal não faz mais sentido?

É fácil complementar o que apontamos anteriormente: uma empresa com um turnover de 20% pode ter menos prejuízos do que uma empresa com turnover de 10%.

Um exemplo: se, desses 20%, as posições são de fácil recolocação e baixo custo, a medida pode nem impactar de maneira negativa a imagem da empresa.

Especialmente, se os motivos que impulsionaram as demissões já eram previstos, não arranhando a reputação de uma empresa por ter tantas demissões em pouco tempo.

Percebe, então, o quanto essa ideia de turnover ideal é ilusória, tamanha a sua flexibilidade?

E vale destacar também que um “turnover zero” é também preocupante. Isso porque demonstra que a sua empresa estagnou.

Sem a rotatividade, não são atraídos novos talentos, os profissionais se acomodam e a empresa não avança por meio dessa revitalização de sua própria mão de obra.

Neste vídeo de 1 minutinho explicamos melhor o que acabamos de dizer acima!

 

Por que se atentar ao índice de rotatividade?

Paralelamente ao contexto do turnover ideal temos esse valor médio e adaptável à realidade de cada empresa: o turnover sadio.

Com ele, cada empreendimento esboça o valor médio que não vai impactar negativamente — e de maneira direta ou indireta — o seu desenvolvimento.

Pois é bastante reconhecido os efeitos de um turnover elevado para qualquer negócio. Entre eles, os custos que podem ser divididos em:

 

Custos primários

São os custos que estão diretamente associados ao desligamento e à contratação de um novo profissional, como:

  • despesas com o recrutamento e seleção;
  • encargos com a demissão;
  • investimentos em treinamento e integração;
  • tempo de trabalho investido na assimilação do recém-contratado à suas funções.

Existem, ainda, outras questões a serem analisadas, como:

 

Custos secundários

São os gastos que não podem ser mensuráveis em cifras, mas que são imediatamente sentidos quando um profissional abandona as suas funções, como:

  • perda de produtividade;
  • tempo de adaptação do novo profissional (impactando a rotina do setor, até então);
  • influência exercida pelo desligamento de um dos colaboradores.

Existem, ainda, os custos que já havíamos apontado a respeito da reputação da empresa, dependendo das razões que culminaram no repentino — ou crônico — aumento na rotatividade de funcionários.

>> A Xerpa criou um livro digital que aborda tudo sobre o turnover e quais as principais ações para reduzi-lo! Basta você clicar aqui e você irá acessá-lo agora mesmo 😉

 

O que é um turnover sadio?

Nesse contexto tão difícil de controlar e, o turnover ideal é aquele que está amplamente alinhado e monitorado pelo setor de RH, mas com base nos seus objetivos e necessidades.

Além, é claro, da “qualidade” dessa rotatividade. Como já apontamos, demissões previstas não devem ser consideradas como exclusivamente prejudiciais, por exemplo.

Portanto, cabe à liderança de cada setor, em conjunto com o RH, o contínuo monitoramento das métricas mais relevantes para o momento da empresa.

Só que não fica apenas nisso. A seguir, vamos aponta outras medidas que contribuem para você diagnosticar — e manter — o turnover ideal no seu ambiente de trabalho. São elas:

 

Aprimore o processo de contratação da empresa

Um dos índices de turnover mais prejudiciais para uma empresa é aquele motivado pela falta de alinhamento entre o perfil do profissional com a cultura da organização.

Como resultado, o trabalho é dificultado e ambas as partes vão se desgastando. E todo esse tempo se traduz em prejuízos múltiplos para todos os envolvidos.

Dessa maneira, convém saber o perfil desejado para cada vaga. Assim, a assertividade na contratação contribui ativamente para manter o turnover ideal na sua empresa.

>> Confira as dicas para criar um processo de recrutamento e seleção assertivo que colocarmos neste livro digital: e-Book – O Processo De Recrutamento Perfeito.

 

Estimule o engajamento das equipes

Faça parte do estímulo e encorajamento ao desenvolvimento dos seus profissionais. Isso agrega muito à rotina e reduz as demissões por desmotivação ou falta de perspectiva.

 

Ofereça um plano de carreira

Como um complemento à ideia anterior, o plano de carreira ajuda na retenção de talentos na empresa.

Mais que isso: também gera atrativos suficientes para atrair profissionais interessados em trabalhar com vocês.

Consequentemente, a empresa consegue desenhar um modelo para ter o turnover ideal sempre em rotação, e nunca desequilibrado.

 

Integre, treine e capacite

Por meio de uma gestão transparente, objetiva e focada no bem-estar e no desenvolvimento dos colaboradores, o turnover ideal para a organização é mantido.

Sem falar que os colaboradores aprendem, têm sede por crescerem mais e vão retribuir com mais conhecimentos aplicados em suas respectivas rotinas de trabalho.

Veja, então, o quanto isso permite que o seu empreendimento não fique estagnado, uma vez que os colaboradores — no geral — estão em constante evolução.

>> Neste post explicamos TUDO sobre treinamento e capacitação, confira: Treinamento e capacitação de funcionários: o que preciso saber sobre o assunto?

 

Como anda o turnover ideal na sua empresa?

Como deve ter dado para perceber, identificar o turnover ideal para a sua empresa é um trabalho flexível, em constante desenvolvimento.

No entanto, com base nessas métricas devidamente diagnosticadas, a liderança e o RH adquirem um tempo de resposta veloz para remediar problemas e evitar que a empresa caia em uma mesmice de baixa produtividade e nenhum avanço.

O que nos leva a perguntar: como anda o turnover ideal na sua empresa? Quais são os desafios que o setor de RH mais enfrenta para reduzir o índice?

Compartilhe conosco, no campo de comentários, para ampliarmos esse assunto!