Inscreva-se

Turnover funcional e turnover disfuncional: saiba como diminuir os impactos da alta rotatividade
Cultura da Empresa

Turnover funcional e turnover disfuncional: saiba como diminuir os impactos da alta rotatividade

Turnover funcional é quando o colaborador com um mau desempenho pede demissão por conta própria. Já no turnover disfuncional é o profissional de alto rendimento que pede para sair.

Você sabe quais os tipos de turnover e o impacto deles nos resultados da sua empresa? Neste artigo falaremos sobre a alta rotatividade como um sinal de alerta para o RH. De que forma um turnover disfuncional, que está relacionado a perda de um talento, pode ser um prejuízo? E por que um turnover funcional, que acontece quando um profissional de péssimo desempenho pede demissão, pode ser benéfico?

Saiba tudo em nosso artigo. Confira!

 

A influência do turnover funcional e turnover disfuncional nos resultados

Turnover é uma palavra que está relacionada a alta rotatividade de colaboradores dentro da empresa. Essas constantes entradas e saídas podem ser um sinal de alerta para você rever sua política de recursos humanos.

O turnover é causado por duas situações: demissão ou pedido de demissão. Contudo, ele é dividido em vários tipos:

  • Turnover disfuncional;
  • Turnover funcional;
  • Turnover voluntário;
  • Turnover involuntário.

 

Independente do motivo que ocasionou a saída, o turnover pode gerar perda de dinheiro para a empresa. E, o prejuízo não se limita apenas nisso! Ocorre também uma redução de produtividade, já que a cada novo colaborador a adaptação começa do zero.

É através da medição do turnover que a empresa tem a oportunidade de rever sua política de benefícios, cultura organizacional, planos de carreira e estratégias para retenção de talentos.

Se o turnover vêm acontecendo com frequência na sua empresa, chegou o momento de rever todo o plano para conseguir recolocá-la no caminho dos resultados.

Não sabe como fazer isso? Abaixo explicaremos o conceito de cada tipo de turnover para você entender as possíveis razões da saída de um colaborador da sua empresa.

 

Turnover funcional

O turnover funcional acontece quando um colaborador insatisfeito e que não vêm fazendo um bom trabalho pede demissão. Apesar de saídas de colaboradores na maioria das vezes serem vistas como algo negativo, no turnover funcional o movimento é positivo.

Por meio do turnover funcional a empresa pode:

  • Poupar dinheiro com processo de demissão: a lei da CLT possui inúmeros encargos para empresa. Então, quando um colaborador está com um péssimo desempenho e pede demissão, isso gera um alívio – principalmente nos cofres.
  • Contratar um profissional mais adequado para a vaga: com a saída desse colaborador, os recrutadores têm a oportunidade de construir e divulgar a vaga corretamente para atrair o perfil mais adequado.

 

Turnover disfuncional

Se o turnover funcional é positivo para a empresa, o turnover disfuncional é um péssimo acontecimento. No turnover disfuncional, a organização perde um profissional de alto desempenho, que decide sair por conta própria.

Essa saída pode trazer inúmeros prejuízos pela empresa. Tanto de qualidade de produção na equipe, quanto a perda de reputação dela no mercado para futuras contratações. Afinal, nenhum profissional vai desejar estar em uma empresa “ruim para trabalhar”.

Em casos de turnover disfuncional, é preciso que sua empresa saiba reconhecer as próprias fraquezas para melhorar a política de retenção de talentos e o plano de carreira.

Diferente do turnover funcional, que pode ser um alívio, o turnover disfuncional é um grande problema.

 

Outros tipos de turnover

Dentre os tipos de turnover, além do turnover disfuncional e turnover funcional, podemos citar mais dois tipos que afetam a empresa na busca por resultados. Saiba mais sobre eles abaixo.

 

Turnover voluntário

Assim como no turnover funcional, o turnover voluntário é uma decisão única e exclusivamente do colaborador. Essas saídas ocorrem muito em níveis superiores, quando um profissional recebe uma proposta mais vantajosa e acaba optando por uma saída.

 

Turnover involuntário

Esse movimento de turnover é feito pela própria empresa. No turnover involuntário quem decide pela saída do colaborador é a organização. Porém, diferente do turnover disfuncional, aqui a empresa tem gastos com o processo de demissão.

 

Os motivos de uma saída

Uma pesquisa da consultoria BambooHR revelou que 44% dos colaboradores que pediram demissão alegaram que a principal motivação foi em função de terem um chefe tóxico.

E não é só isso! Existem muitos outros motivos que podem estar desmotivando os seus colaboradores e gerando saídas. Preparamos uma lista com as cinco principais causas para geração do turnover funcional, turnover disfuncional e turnover voluntário. Confira!

  • chefe tóxico;
  • trabalho à exaustão;
  • baixa remuneração;
  • péssimo ambiente de trabalho;
  • falta de reconhecimento.

 

Chefe tóxico

Egocêntricos, exageradamente exigentes e impulsivos, essas são algumas das características dos chefes tóxicos, que podem causar danos irreparáveis a empresa. Esse tipo de liderança costuma usar o poder do cargo de maneira tirana e inadequada.

Eles pouco se preocupam com suas atitudes e costumam criar um péssimo ambiente de trabalho, pois não se importam com as opiniões da equipe. Essa arrogância desmotiva os colaboradores e o turnover é uma consequência.

 

Trabalho à exaustão

Conseguir equilibrar qualidade de vida com trabalho é uma das questões essenciais no cenário atual de mercado. Excesso de trabalho todos os dias, levando o colaborador a um estresse elevado e a exaustão, pode motivar o turnover funcional e o turnover disfuncional.

Uma pesquisa do TINYpulse sobre o engajamento dos profissionais revelou que 70% acreditam que não tem tempo suficiente na semana para realizarem seus trabalhos. Então, se forem sobrecarregados, muitos colaboradores não hesitarão em optar por uma saída da empresa.

 

Baixa remuneração

Se a sua empresa paga abaixo da média do mercado e pouco se importa em realizar aumentos gradativos de salário, o turnover será uma consequência em breve.

A mesma pesquisa de engajamento do TINYpulse revelou que 25% dos profissionais sairia de uma empresa se recebessem 10% a mais em outra organização.

Ou seja, se sua empresa paga mal, os colaboradores estarão durante todo tempo procurando outro emprego.

 

Péssimo ambiente de trabalho

É impossível aguentar um péssimo ambiente de trabalho. Ele influencia completamente no rendimento dos colaboradores. Quer medir a felicidade dos seus colaboradores? Avalie primeiramente o clima da sua empresa.

Oferecer um ambiente em que a equipe se dá bem e os gestores valorizam os colaboradores influencia positivamente na busca por objetivos.

Agora se as pessoas não se dão bem, se há excessivo autoritarismo e estresse, o desempenho tende a ser péssimo. E, consequentemente, haverá o aumento da rotatividade.

 

Falta de reconhecimento

Não possuir um bom plano de carreira, mostrando ao colaborador onde ele pode chegar se fizer um bom trabalho, pode causar um dos tipos de turnover.

Todo colaborador que está engajado com o trabalho e executa bem sua função espera ser valorizado e sempre receber bons feedbacks. Empresas que não criam uma política de reconhecimento profissional geram alta rotatividade.

 

Diminuindo o turnover

Reconhecendo as causas da rotatividade na sua empresa, chegou a hora de encontrar soluções. Por isso preparamos uma lista com algumas estratégias para engajar os seus colaboradores, evitando a desmotivação e diminuindo as altas taxas de turnover funcional e turnover disfuncional.

 

Crie um plano de carreira

Quando o colaborador tem a exata noção de onde pode chegar profissionalmente na empresa, as chances de ele se dedicar ao trabalho para evoluir é muito grande.

Portanto, quando o RH cria um plano de carreira, que contém as possibilidades de promoção e recebimento de bônus, ele está se prevenindo para evitar a rotatividade.

Desta forma, o profissional pode perceber o real valor dele para a empresa e se sentir valorizado profissionalmente.

 

Valorize a política de benefícios

Uma boa política de benefícios pode ser uma excelente alternativa para reduzir a rotatividade da sua empresa. Os benefícios são grandes diferenciais do mercado. Eles vão além da remuneração salarial e oferecem maior bem-estar a equipe.

Pense em alternativas como: vale-cultura, flexibilização de horários, vale-alimentação, vale-refeição, por exemplo, como uma forma de agrado ao seu colaborador.

 

Aplique uma pesquisa de clima

Você sabe realmente o que o seu colaborador acha da empresa? Pode ser que o que você acredita não seja de fato o que ele pensa sobre o trabalho executado.

A pesquisa de cima surge como uma boa opção para avaliar e coletar informações mais exatas e relevantes sobre a opinião dos funcionários e a motivação deles.

Dessa forma, é possível mensurar a satisfação deles e aplicar estratégias para diminuir a sua taxa de turnover, seja de um turnover funcional, turnover disfuncional ou outros tipos.

Ouvir o que o colaborador tem a dizer pode ser o primeiro passo para identificar os erros da empresa. Assim, você será mais assertivo e eficaz nas estratégias de motivação dos profissionais.

 

Dê feedbacks constantes

O feedback é uma excelente ferramenta para reduzir o turnover. Com ele, o líder consegue apontar o que realmente espera do colaborador.

Através do feedback o colaborador terá uma visão dos seus pontos fracos e fortes e pode oferecer opções para ele se aprimorar. Um retorno construtivo pode ser uma demonstração de que você se importa com o trabalho dele e o valoriza.

Quando o profissional se sente parte importante na empresa, as chances de ele querer sair são menores do que aqueles que não se sentem valorizados.

Quer saber mais alternativas para diminuir o turnover funcional e turnover disfuncional? Recomendamos que você baixe esse eBook gratuito. Nele você conhecerá estratégicas eficazes na retenção de talentos. Responda o formulário e receba:


Minimizando os impactos do turnover

Medir a taxa de turnover é o primeiro passo para que sua empresa consiga fazer uma análise sólida sobre os principais pontos em que ela precisa evoluir.

Se a sua empresa passa por um alto índice de turnover funcional, turnover disfuncional, turnover voluntário e turnover involuntário, talvez ela esteja em um momento crítico. Já que a alta rotatividade tem total influência sobre os resultados.

Contudo, é possível se prevenir do turnover adotando algumas estratégias que vão desde uma reconstrução da sua política de RH, até um diálogo aberto com seus profissionais.

Ainda mais importante é prever esse cenário sondando e conversando abertamente com seus profissionais. Descubra o que o agrada e o que não agrada na empresa.

Pode ser desde o valor do salário, benefícios oferecidos, ambiente ou até o nível de pressão e estresse.

O engajamento dos colaboradores é parte essencial para que os profissionais produzam mais e deem resultados. Com a diminuição do turnover, a empresa terá impactos positivos nos seus objetivos.

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe nas suas redes sociais e ajude mais pessoas a entenderem os impactos da alta rotatividade na empresa.

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *