tempo para contratar versus qualidade de contratação

Tempo para contratar versus qualidade de contratação: entenda como funciona essa relação

Hoje em dia, as empresas devem considerar profundamente a relação entre o tempo para contratar versus qualidade de contratação. Principalmente, pois o processo seletivo deve ser ágil e o perfil do profissional tem que estar alinhado à identidade da empresa, o que se torna um quebra-cabeça para o RH.

 

As estatísticas sobre o tempo de contratação são bem objetivas: elas mensuram o tempo que foi necessário para contratar qualquer posição dentro da empresa.

Só que você já deve ter percebido o quanto esse tempo aumentou consideravelmente — especialmente, quando comparado com o que era necessário há alguns anos.

Assim, é importante levar em consideração o tempo para contratar versus a qualidade de contratação. Pois a agilidade é um diferencial e tanto para se distanciar da concorrência e garantir um perfil profissional alinhado ao DNA e às expectativas e necessidades da empresa.

A chave, claro, é contratar as pessoas certas. Mas, como fazer isso? Comece indo na direção certa com a leitura deste post, em que vamos estabelecer a importância e a relação do tempo para contratar versus a qualidade de contratação e como qualificar o seu processo seletivo a partir disso.

Confira!

 

O tempo para contratar versus a qualidade de contratação

O tempo para contratar versus a qualidade de contratação é uma preocupação constante para os recrutadores, que são pressionados a fazer as duas coisas.

Ou seja: obter novos funcionários rapidamente, garantindo que eles sejam as pessoas certas para as suas respectivas posições. Atingir esse equilíbrio é fundamental.

Para isso, reunimos algumas ideias que podem servir de norteamento para você aplicar internamente e, assim, qualificar o seu processo de recrutamento e seleção de colaboradores. Veja só!

 

>> Produzimos um livro digital que apresenta um passo a passo para a produção de um planejamento de recrutamento e seleção assertivo. Clique aqui e acesse agora mesmo!

 

Gerenciamento de desempenho

Ao ponderar essa questão, os olhos de muitas pessoas vão direto para a palavra “qualidade”. E é essa a grande relação entre tempo para contratar versus a qualidade de contratação.

Isso porque a qualidade tem que estar intrínseca em ambas as questões: no processo seletivo e na tomada de decisão.

E mesmo depois de dividir as duas definições, se a qualidade das novas contratações parece difícil de medir, provavelmente, é porque você está tentando tirar a subjetividade do cálculo.

Tome, por sua vez, o gerenciamento de desempenho. Existe muita subjetividade no processo e, ainda assim, temos critérios que contribuem com uma decisão mais precisa e assertiva.

Portanto, você pode gerenciar essas métricas e também qualificar o tempo para contratar versus a qualidade de contratação. Claro, as expectativas podem ser diferentes, mas o processo deve ser o mesmo.

 

Avaliações de desempenho

Similar ao anterior, mas estamos falando, aqui, do acompanhamento dos seus profissionais contratados.

E sabe qual é a importância disso na relação entre o tempo para contratar versus a qualidade de contratação? As respostas são fundamentais para entender a assertividade do seu processo seletivo.

Com o tempo, você consegue diagnosticar quais contratações não estavam de acordo com o perfil desejado, bem como as competências, comportamentos e habilidades que faltaram nos processos anteriores.

Isso contribui para que você entenda a dinâmica do processo seletivo ideal para a sua organização. E, consequentemente, torne-o mais produtivo e eficiente nas próximas vezes.

 

Crescimento interno

Muitas empresas se esquecem que o desenvolvimento interno dos seus recursos humanos é um grande aliado para equilibrar o tempo para contratar versus a qualidade de contratação.

Afinal de contas, a promoção se torna um efeito imediato na satisfação e motivação do profissional, à medida que agiliza o processo seletivo para a empresa.

Para tanto, convém o aumento de investimento nessa área, a fim de lapidar os colaboradores para que assumam posições de mais responsabilidade, na empresa, e estejam preparados para isso.

 

Métricas de acompanhamento

Além das avaliações citadas acima, é importante que você consiga monitorar o desempenho dos profissionais periodicamente.

Por exemplo: mês a mês, com base em softwares de gestão que facilitem a visualização do tempo que foi levado para realizar uma atividade. Além disso, o engajamento e a motivação do indivíduo podem ser observados.

Assim, ganha-se em termos subjetivos, é verdade, mas que permitem observar o quanto a cultura da empresa está de acordo com o perfil dos colaboradores.

Para o processo seletivo, isso significa que você pode estar gerindo um negócio de maneira equivocada — ou seja: distante dos seus próprios pilares institucionais — ou que os recém-contratados é que estão longe dessa linha tênue, agindo mais por conta própria.

 

Perguntas pertinentes nas entrevistas

Aqui vai uma boa dica para equilibrar o tempo para contratar versus a qualidade de contratação: melhore as questões efetuadas nas entrevistas.

Isso pode ajudar a reduzir a rotatividade da empresa, bem como garantir que o perfil desejado esteja dentro do escopo entre os candidatos a uma vaga na empresa.

E nada de questões simplórias, como: “de 1 a 5, o quanto você se considera um líder?”.

A ideia, aqui, está em conhecer a pessoa. Conversar, compreender e avaliar, posteriormente, como ela reagiria em cada tipo de situação. Até por isso, dinâmicas contribuem para uma avaliação interessante sobre o perfil dos profissionais sob pressão ou em grupo.

 

Banco de talentos

Empresas que valorizam o tempo para contratar versus a qualidade de contratação têm um banco de talentos constantemente atualizado.

Ou seja: não esperam que abra uma vaga, internamente, para analisar os currículos enviados. Pelo contrário: o banco é atualizado com frequência, com uma filtragem inicial dos arquivos mais alinhados à cultura e às necessidades da empresa.

Com isso, diante de uma oportunidade em aberto, boa parte do processo já foi encaminhado para uma rápida e efetiva resolução.

 

Retenção de talentos

Por fim, é fundamental que, internamente, a sua empresa consiga mensurar e aprimorar constantemente o nível de satisfação dos colaboradores.

O poder da retenção de talentos é determinante para que o tempo para contratar versus a qualidade de contratação seja sempre menor, em primeira instância, e melhor no segundo quesito.

Afinal de contas, a motivação vai permanecer elevada para todos que sabem ser possível crescer na sua organização, bem como o afinco e engajamento nas atividades.

 

O momento de qualificar o processo seletivo

E então, deu para perceber a importância do tempo para contratar versus a qualidade de contratação e, especialmente, como alcançar o equilíbrio entre ambas as prioridades?

Esperamos que essas dicas possam ajudar nos seus processos internos, mas não deixe de comentar, logo abaixo, a respeito dos desafios que você mais encontra para manter o tempo para contratar versus a qualidade de contratação em perfeito balanceamento!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.