Small caps

Small caps: o que são e quais são as melhores opções do mercado

Quem acompanha a Bolsa de Valores (B3) com certeza já ouviu falar em small caps, nome dado às ações de empresas que têm baixo valor de mercado. Mas nem todo mundo sabe realmente como elas funcionam, qual é o seu potencial de valorização e quais são as melhores opções para investir nesse tipo de ativo.

Pensando nisso, montamos este guia com tudo o que você precisa saber sobre as small caps, incluindo dicas valiosas para reduzir os riscos de investimento e acertar na escolha dos seus títulos. Se interessou? Continue conosco!

O que são small caps?

Small caps são ações de companhias de baixa capitalização, cujo valor de mercado está entre US$ 300 milhões e US$ 2 bilhões. Para que um ativo entre nessa classificação, também são analisados aspectos como o volume de negociações na Bolsa de Valores e o faturamento anual.

Em geral, as small caps são emitidas por dois tipos de organizações:

  • empresas novas, que diversificam o seu setor de atuação, mas não são líderes de mercado;
  • empresas com algum tempo de mercado, mas que pertencem a setores de menor expressão na economia, podendo ou não ser líderes de mercado.

O fato de esses ativos serem provenientes de empresas menores não significa que eles sejam menos atrativos: eles podem oferecer retornos bem altos, embora o risco de perdas também seja maior, como veremos mais adiante.

Como as ações são classificadas na Bolsa de Valores?

Além das small caps, existem no mercado vários outros tipos de ações, classificadas conforme o nível de capitalização das empresas. Entre as mais conhecidas estão as large caps, também chamadas de blue chips. O apelido vem dos jogos de cassino, onde as fichas azuis geralmente são as que valem mais.

Ao contrário das small caps, as large caps são ações de grandes empresas, cujo valor de mercado ultrapassa os US$ 10 bilhões. Elas costumam ser bem populares entre os investidores, já que são emitidas por companhias sólidas, rentáveis e líderes em seus setores.

No entanto, a capitalização não é o único fator a ser considerado ao classificar uma large cap. Também é preciso observar se o ativo possui qualidades como boa visibilidade, alta liquidez, baixa volatilidade e estabilidade no mercado.

Por exemplo: existem ações de empresas que valem mais de US$ 2 bilhões, mas que ainda são consideradas small caps, pois os ativos têm baixa liquidez, ou seja, são mais difíceis de vender na Bolsa.

Ativos na B3

Apesar de as small caps e as large caps serem as categorias mais conhecidas, elas não são as únicas. Conheça abaixo todos os tipos de ativos na B3 de acordo com o valor de mercado das companhias:

  • nanocaps: ações de empresas que valem menos de US$ 50 milhões;
  • microcaps: ações de empresas que valem entre US$ 50 milhões e US$ 300 milhões;
  • small caps: ações de empresas que valem entre US$ 300 milhões e US$ 2 bilhões;
  • mid caps: ações de empresas que valem entre US$ 2 bilhões e US$ 10 bilhões;
  • large caps: ações de empresas que valem entre US$ 10 bilhões e US$ 200 bilhões;
  • mega caps: ações de empresas que valem mais de US$ 200 bilhões.

É bem raro encontrar companhias que emitem nanocaps listadas na B3, pois o custo para realizar a abertura de capital é alto, o que dificulta o processo para empresas menores. 

Entre as ações com menos risco, o nível máximo a que as empresas brasileiras chegam é o de large caps, com títulos como os da Petrobrás (PETR4), Vale (VALE3) e Ambev (ABEV3). Se você não está habituado a esse tipo de investimento, saiba que os códigos (como o PETR3) representam os nomes com os quais os ativos são negociados na Bolsa.

Apesar de não existir nenhuma mega cap nacional, você pode obter facilmente esse tipo de ação. Por serem emitidas por empresas conhecidas mundialmente, como Microsoft (MSFT34), Facebook (FBOK34) e Apple (AAPL34), elas estão disponíveis em vários países, incluindo o Brasil.

>> Quer aprofundar seus conhecimentos sobre o mercado financeiro? Confira este outro post do blog: O que são ações? Descubra tudo sobre o assunto! <<

Quais são as vantagens de investir em small caps?

A principal vantagem das small caps em relação às large caps é o potencial de lucro que elas oferecem.

Por serem emitidas por empresas robustas e estáveis, é pouco provável que as blue chips tenham grandes picos de valorização. Por outro lado, as small caps geralmente vêm de empresas que estão em franco crescimento, com um futuro promissor pela frente e alto potencial de retorno.

Muitas empresas que hoje têm alta capitalização começaram como small caps. Um bom exemplo é a Magazine Luiza, cujo valor dois papéis saltou de R$ 0,99 em 2015 para R$ 170 em 2019.

É comum que companhias com excelente gestão e ótimos resultados em seus setores sejam ignoradas pelos investidores por conta do baixo volume de negociações. Ter visão de mercado e saber identificar essas oportunidades é uma maneira eficiente de ganhar dinheiro incluindo small caps na sua carteira de investimentos.

Quais são os riscos das small caps e como evitá-los?

Como todo investimento, quanto maior é o potencial de ganho, maiores são os riscos envolvidos. No caso das small caps, alguns riscos são bem particulares desse tipo de ação. Confira abaixo quais são eles e como evitá-los.

Baixa liquidez

Por serem emitidas por empresas menores, as small caps não têm tanta procura no mercado, ou seja, são ativos de baixa liquidez

Com isso, você pode ter dificuldades para encontrar um comprador quando desejar vendê-las ou precisar negociá-las por um valor bem abaixo do que elas valem. Em casos extremos, você pode não conseguir vender seus títulos nem reduzindo muito o preço.

A boa notícia é que analisar esse risco é bem simples. Basta observar a quantidade diária de negociações acessando a plataforma gráfica e olhando o indicador “Volume”.

Possível má precificação

Ações de empresas em expansão podem ser difíceis de precificar, já que não se sabe direito quais serão os resultados reais da companhia a longo prazo.

Para reduzir as chances de perdas, defina um nível de retorno que te deixe mais confortável para assumir esse risco. Se você observar que o ativo vem tendo uma valorização abaixo desse limite mínimo, pense bem antes de comprar.

Outra boa dica é comparar os indicadores das small caps com os de títulos de empresas do mesmo setor que estão no mercado há mais tempo. Assim, é possível avaliar o preço com mais precisão.

Menor atenção dos analistas

É natural que a maior parte dos analistas financeiros dêem mais atenção às large caps, o que torna mais difícil encontrar materiais completos e atualizados sobre small caps.

Para lidar com esse problema, as empresas classificadas como small caps costumam ter um portal de relacionamento com investidores onde divulgam informações simples e claras sobre seus ativos.

Por isso, antes de incluir essas ações na sua carteira, dê uma olhada no site para saber mais detalhes sobre os títulos que está comprando.

Gestão das empresas

Como as empresas que oferecem small caps costumam ser novas no mercado, é difícil ter certeza sobre a qualidade da sua gestão. Quando se trata de organizações maiores, as informações costumam ser de mais fácil acesso, sobretudo tudo por conta do interesse da imprensa.

Para mitigar este risco, fique de olho em todos os dados possíveis sobre a empresa, incluindo seu setor de atuação, tamanho do mercado, competidores e detalhes sobre a gestão estratégica e financeira do negócio.

Quais são as melhores small caps para investir em 2020?

Para avaliar o potencial das small caps é fundamental ficar de olho no índice SMLL, que indica os principais ativos desse mercado. Para compor o índice, as ações devem estar fora da lista das principais empresas da B3, que juntas acumulam 85% do valor total da Bolsa.

Mesmo com baixa capitalização, as small caps têm conquistado cada vez mais a preferência dos investidores. Em 2019, o índice SMLL teve alta de 58,2% e a tendência é que isso continue em 2020, tendo em vista que a queda da taxa Selic aqueceu o mercado de ações.

Como estamos falando de renda variável, o cenário pode mudar a todo momento: o que é bom hoje pode não ser amanhã, e vice-versa. Porém, dado o histórico recente, é possível apontar small caps que podem obter bons resultados em 2020. Confira alguns exemplos:

Trisul (TRIS3)

Entre as maiores incorporadoras de imóveis do Brasil, atualmente tem ações negociadas a valores próximos dos R$ 15, tendo obtido uma valorizado de 228% no último ano.

PetroRio (PRIO3)

A maior petroleira privada do Brasil oferece ativos por cerca de R$ 44, tendo valorizado 275% em um ano.

Via Varejo (VVAR)

Dona de grandes marcas como Pontofrio e Casas Bahia, tem ações por aproximadamente R$ 14, com alta de 150% no último ano.

Agora que você já sabe o que são small caps e como elas funcionam, que tal colocar o que aprendeu em prática? Estude bem o mercado e analise o cenário para investir sempre nas melhores opções. E não se esqueça de diversificar a sua carteira: essa é a chave para obter bons resultados e se tornar um investidor de sucesso.

 

Gostou do artigo? Siga-nos nas redes sociais e recebe em primeira mão os nossos melhores conteúdos sobre o mercado financeiro. Estamos no Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.