Oferecer ou não um plano de saúde? Essa é uma dúvida recorrente dentro das empresas que buscam cada dia mais escolher benefícios capazes de atrair e reter talentos. Entretanto, se o chamado índice de sinistralidade for alto a empresa pode ter prejuízos.

A sinistralidade nada mais é do que a relação entre o prêmio, pago pelas empresas aos convênios, e as despesas das operadoras com o número de procedimentos realizados. 

O alto índice de sinistralidade faz com que os gastos da empresa com os aumentos dos valores dos planos de saúde sejam cada vez mais altos. 

Um levantamento da consultoria Mercer Marsh Benefícios revelou que os convênios médicos já são o segundo maior custo das empresas, atrás da folha de pagamento.  

É importante destacar que o plano de saúde não é um benefício obrigatório perante a lei da CLT, mas pode ser um diferencial competitivo. Uma pesquisa recente da Catho revelou que o plano de saúde é um benefício motivacional no trabalho para 74,6% dos brasileiros.

Nesse cenário, avaliando a sinistralidade como um fator de risco para as contas da empresa é importante criar ações para diminuí-la. Por isso, preparamos algumas dicas para lhe ajudar nesse desafio. Confira!

O que é sinistralidade

Quando um colaborador aciona o convênio médico para agendar uma consulta, marcar um exame ou um procedimento abre-se uma ocorrência chamada sinistro. 

A sinistralidade pode ser explicada como a relação entre os custos gastos com esse sinistro e o prêmio pago pela empresa, que é a receita que as operadoras dos planos recebem. 

Se o índice da sinistralidade for alto, ou seja, se os custos ultrapassam a receita, o valor dos planos acabam aumentando e as empresas precisam gastar mais para mantê-los.

 

Como calcular o índice de sinistralidade

Para saber se o valor do contrato com a operadora do plano de saúde sofrerá com reajustes, devido a uma elevação do índice de sinistralidade, é necessário realizar um cálculo considerado simples.

 

  • Sinistralidade = Sinistro / prêmio pago

 

Se a empresa deseja saber a porcentagem é só multiplicar o resultado por 100. Caso o valor da sinistralidade seja maior de um ano para o outro, certamente existirão reajustes nos planos.

Dessa forma, se a empresa arca com todos os custos dos planos de saúde dos seus colaboradores seus gastos serão maiores ano a ano. Se houver coparticipação, os funcionários também sofrerão com o aumento.

Mas como evitar o alto índice de sinistralidade? Abaixo falaremos sobre o assunto.

Dicas para diminuir o índice de sinistralidade

Para evitar um alto índice de sinistralidade as empresas precisam desenvolver estratégias para manter o bem-estar e a qualidade de vida dos colaboradores. Evitando assim, que haja um número excessivo de sinistros.

Separamos 5 dicas que podem reduzir a sinistralidade. Confira!

 

Fomentar medidas preventivas

Muitas pessoas acham que só devem ir ao médico quando estão muito doentes. Contudo, não existe melhor remédio do que a prevenção. Então, uma das medidas mais recomendadas para reduzir a sinistralidade é fomentar medidas prevenção na empresa.

Seja estimulando os colaboradores a fazerem exames regulares e até mesmo acompanhando aqueles que têm problemas crônicos como diabetes, dores na coluna, tendinites e outros.

 

Estimular hábitos saudáveis

O RH das empresas podem também ultrapassar os limites da teoria e partir para a prática, estimulando hábitos saudáveis. Neste sentido é possível reduzir a sinistralidade com práticas internas.

Por exemplo, ações de quick massage, ginástica laboral, incentivo a uma alimentação saudável, oferecendo frutas e sucos naturais nos períodos de descanso e até planos com academias para instigar a prática de exercícios físicos.  

Afinal, colaboradores que mantém uma qualidade de vida melhor tendem a ficar menos doentes e consequentemente vão menos ao médico. Diminuindo, dessa forma, o índice de sinistralidade.

 

Criar campanhas de conscientização

Campanhas de conscientização podem fazer não só com que os colaboradores se previnam de doenças, mas usem conscientemente o plano de saúde.

Ou seja, é possível criar ações internas que impactem na diminuição da sinistralidade. 

Como, por exemplo, estimulando a vacinação, uso de preservativo para evitar doenças sexualmente transmissíveis, combate ao tabagismo e recomendações de alongamento a cada período trabalhado.

Mas as campanhas de conscientização podem ser direcionadas também ao uso do convênio. 

Explicando que o uso indiscriminado do plano pode ser oneroso para a empresa e que pode acarretar até em um corte futuro do mesmo. Isto é, o convênio médico deve ser usado quando necessário.  

Essas ações podem ser via vídeo, panfleto, e-mail, jornal mural e o que mais a empresa achar necessário para chamar a atenção dos colaboradores.

 

Desenvolver programas de acompanhamento de saúde

Investir no bem-estar e na qualidade de vida dos colaboradores aumenta em até 86% sua produtividade, segundo pesquisa da Sodexo

Sendo assim, se mostra fundamental a preocupação da empresa em relação a saúde dos seus colaboradores, podendo diminuir assim a sinistralidade.

Por meio disso, programas internos de acompanhamento da saúde dos empregados podem ser benéficos

Ações rotineiras de medição de pressão, cálculo do índice de massa corporal, programas de saúde mental, acompanhamento com nutricionista, entre outras ações, podem ajudar.

Acompanhar de perto a qualidade de vida do colaborador pode preveni-lo de doenças e consequentemente diminui a sinistralidade.

 

Adote a coparticipação

A coparticipação pode ser um alívio financeiro para a empresa, isso porque o colaborador arca com parte dos custos do plano de saúde.

Adotar esse modelo pode fazer com que o colaborador faça um uso mais consciente do convênio. 

Pois, sabe que se extrapolar os limites de uso, sem necessidade, pode acarretar em um alto índice de sinistralidade, que futuramente aumentará o valor a ser pago pelo plano.

Os cuidados com a sinistralidade

Os planos de saúde passaram a ser um benefício extremamente atrativo que as empresas podem oferecer aos seus colaboradores. 

Entretanto, é extremamente necessário um investimento consciente nessa área, para que ela não traga prejuízos financeiros à organização. Diminuir o índice de sinistralidade, portanto, pode fazer com que gastos sejam elevados desnecessariamente. 

Neste sentido, a empresa tem um papel fundamental para estimular o uso consciente do plano. Desenvolvendo ações de prevenção para manter o bem-estar e a qualidade de vida dos colaboradores.

Gostou do nosso artigo? Siga a Xerpa nas redes sociais (Facebook, Instagram e LinkedIn) e fique ligado nos melhores conteúdos de RH e gestão do mercado.