Como sair do endividamento: principais vilões e dicas financeiras

sair-do-endividamento

Como sair do endividamento e evitar que as dívidas se acumulem? Essa dúvida não é apenas sua, acredite.

Em janeiro de 2021, o endividamento fora de controle alcançou um índice maior que nos últimos 11 anos no cenário brasileiro — 66,5% das famílias tinham algum tipo de dívida, segundo informações da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). 

Com efeito, os tempos de crise econômica refletem não somente no desemprego e na inflação alta, como também nos orçamentos dos brasileiros. 

Para responder a essa pergunta, separamos alguns tópicos importantes que podem te ajudar a entender como sair do endividamento rapidamente. Veja os principais assuntos que abordaremos neste artigo:

  • Principais tipos de dívidas;
  • Vilões do endividamento fora de controle;
  • Como calcular seu endividamento?;
  • Dicas de como sair do endividamento;
  • Conheça o Xerpay;
  • Então, é possível sair do vermelho?

Para saber mais a respeito, continue a leitura e aprenda tudo sobre como sair das dívidas rapidamente! Bom proveito!

Principais tipos de dívidas

Antes de tomar qualquer atitude, precisamos conhecer um pouco sobre os principais tipos de endividamento que configuram a dor de cabeça de tantos consumidores e empresários. 

Há três categorias mais comuns e é essencial conhecê-las para que você identifique o seu caso e entenda qual delas você se enquadra. Confira abaixo:

Endividamento esporádico/passivo

O endividamento esporádico normalmente acontece devido a imprevistos. Logo, ele não é caracterizado por ser uma dívida frequente. 

Neste caso, é comum que o devedor saiba como sair do endividamento sem chegar a comprometer o seu orçamento doméstico ou empresarial.

Apesar de ser um tipo ocasional, ainda sim é importante que os hábitos de consumo sejam revistos e você coloque um planejamento financeiro em prática para evitar endividamento fora de controle. 

É possível, por exemplo, fazer e manter uma reserva para emergências e realizar cortes de despesas para continuar com sua saúde financeira em dia.

Endividamento recorrente/ativo

O endividamento recorrente pode ser confundido com um imprevisto financeiro, mas não se engane. Esse tipo de dívida apresenta falhas no planejamento da vida financeira pessoal ou empresarial, posto que ocorre frequentemente. 

No geral, é possível notar que os endividados conseguem pagar as suas dívidas após um curto período de tempo, porém, apresentam “recaídas”. 

E isto não configura um bom tipo de pagador, pelo contrário. Esse perfil precisa de um momento de crise para entrar nos eixos, mas comete o mesmo erro muitas vezes, o que em algum momento, pode o levar a níveis mais altos, como veremos abaixo.

Superendividamento

Quando a pessoa fica impossibilitada de pagar as suas dívidas e compromete o orçamento para o sustento familiar e empresarial, chamamos de superendividamento. 

Apesar de ser uma grande dívida, é possível sair do vermelho com planejamento financeiro, evitar parcelamentos e procurar ajuda profissional em órgãos de defesa do consumidor do seu município. 

Vilões do endividamento fora de controle

endividamento-fora-controle

Já sabemos que mais da metade das famílias brasileiras estão endividadas, mas por que elas estão no vermelho? 

As razões que levam ao endividamento são as mais diversas, mas citaremos abaixo os três vilões mais comuns para o consumidor, veja a seguir:

Cartão de crédito

Ao ser bem utilizado, o cartão de crédito pode ser um aliado no seu planejamento financeiro

Contudo, quando usado inconscientemente, ele pode se tornar um vilão. É preciso ter cuidado, uma vez que comprar sem ver o dinheiro sair do seu bolso imediatamente, abre possibilidade de consumir itens que não são necessários.

>>> Medo na hora de usar o cartão de crédito? Confira nosso artigo com 10 dicas para usá-lo de maneira consciente e evitar o endividamento: 10 dicas para usar o cartão de crédito de forma consciente. <<<

Ao fazer o pagamento mínimo ou parcial da fatura, automaticamente você entra para o crédito rotativo. O chamado crédito rotativo é um grande vilão quando o assunto é endividamento das famílias brasileiras, já que os juros são abusivos.

Cabe destacar que os juros brasileiros não são apenas os mais altos do mercado nacional, mas também internacionalmente: o Brasil é um dos países com a taxa de juros mais alta do mundo, passando de 300% ao ano.

Desse modo, as parcelas viram uma bola de neve e o endividamento fica fora de controle.

Parcelamento de compras

Parcelar compras pode ser uma solução bem vantajosa, visto que pode viabilizar aquisições que não seriam possíveis à vista. 

Entretanto, é crucial que o consumidor fique atento em relação às parcelas com juros. Por exemplo, geralmente os seguros de carro incluem uma taxa para parcelamento acima de quatro ou cinco vezes. 

Além disso, é fundamental evitar parcelar compras de consumo imediato ou mensal, como mercado, farmácia ou restaurantes. Se você precisa ir a esses lugares frequentemente para consumir mais produtos, não há motivos para parcelamento.

Sem o controle sobre as parcelas mesmo sem juros abusivos, pode se tornar fácil perder a visão do todo e, ao fim do mês, as pequenas parcelas se tornarem uma grande dívida, de maneira que você não consegue quitá-las. 

Cheque especial

O cheque especial deve ser usado somente em emergências, dado que os juros são bem altos, cerca de 8% ao mês. 

Vale ressaltar que indicamos uma reserva de emergência para evitar entrar no cheque especial, uma vez que cada dia negativo significa mais juros correndo na sua conta. Por isso, é um recurso que você precisa correr para cobrir.

Entrar constantemente no cheque especial pode gerar uma dívida grande ao fim do mês, então avalie a contratação de um empréstimo para sair do endividamento e não ter mais surpresas desagradáveis.

Como calcular o endividamento?

No caso de dívidas empresariais, é bastante pertinente saber como calcular o endividamento a fim de entender os ativos da empresa que estão comprometidos para financiar o capital de terceiros. 

O cálculo é bem simples e leva em consideração dados do balanço patrimonial dividido em ativo e passivo de curto e longo prazo.

Vale reforçar que os ativos são direitos, como: contas a receber, e os passivos são obrigações, como contas a pagar. Se você quer entender como calcular o endividamento, confira o tópico abaixo.

Fórmula para cálculo do endividamento

A fórmula de como calcular um endividamento é: 

IE = (Passivo / Ativo) x 100

Bem fácil, não é? A sigla IE significa “índice de endividamento”. Na prática, basta apenas dividir o valor total das dívidas – de curto e longo prazo – pelo total do ativo e multiplicar por 100. 

Como exemplo, vamos supor que a sua empresa tenha R$ 1.000.000 de ativos totais e R$ 500.000 de passivos de curto prazo e R$ 200.000 de passivos de longo prazo. Logo, temos o seguinte cálculo:

IE = (700.000 / 1.000.000) x 100

IE = 70%

O índice de endividamento da empresa seria de 70%. Cabe salientar que quanto menor for a porcentagem obtida, melhor será para a sua empresa. 

Entenda mais sobre o índice no artigo: ‘Índices de endividamento: conheça os principais, como calculá-los e como tirar sua empresa do vermelho’.

Dicas de como sair do endividamento

Uma das piores sensações é sentir que o endividamento está fora do controle. É uma situação complicada, dado que a inadimplência é capaz de causar insônia, queda do apetite, até mesmo desenvolver depressão, ter ataques de pânico ou ansiedade, de acordo com estudos do The Employer’s Guide to Financial Wellness 2019

Para saber como sair do endividamento e preservar a sua saúde emocional, certifique-se de:

  • Anotar as suas pendências financeiras;
  • Entender a sua situação de ganhos e despesas;
  • Consultar a sua situação no CPF, para verificar se está com nome sujo;
  • Renegociar as suas dívidas;
  • Economizar o seu dinheiro fazendo cortes;
  • Realizar um bom planejamento.

Anotou tudo? Para nos aprofundarmos em alguns itens que requerem maior atenção, abaixo você pode conferir algumas dicas preciosas.

1. Saiba o quanto você ganha e gasta

O primeiro passo de como sair do endividamento é conhecê-las. Essa é uma etapa universalmente conhecida, mas executada por poucos, porém de extrema importância.

Para sair do endividamento fora de controle de vez, é primordial entender o seu comportamento financeiro e separar seus ganhos e gastos.

No momento em que você organiza as suas despesas em relação à quantia do seu ganho, é possível visualizar tudo aquilo que não é essencial e poderia ser reduzido ou, até mesmo, cortado. 

Desse modo, você pode determinar prioridades. Por exemplo, contas em atraso devem ser quitadas o mais rápido possível, não pelo seu valor, mas por causa dos juros mais altos que podem acumular, especialmente no caso de juros sobre juros.

2. Renegocie as suas dívidas

Após listar toda a sua receita e as suas despesas em uma folha de papel ou até mesmo em uma planilha, o próximo passo de como sair do endividamento é começar as negociações por ordem de prioridade.

Entre em contato com os credores e expresse a sua intenção de chegar a um acordo interessante e justo para ambas as partes.

Não entre em desespero se não puder pagar a quantia total em uma única parcela. Neste caso, é mais confortável dividir as contas em pequenas parcelas e de pouco a pouco você conseguirá manter os pagamentos em dia.

Vale dizer que é imprescindível priorizar as dívidas que possuem juros mais altos, por exemplo, os gastos com cartão de crédito

Após as renegociações, não esqueça de registrar os valores no seu planejamento mensal para que você administre a quitação da sua dívida.

3. Ajuste o seu orçamento

Se a situação está apertando e o seu orçamento estiver ficando menor ao fim do mês, é provável que seja preciso implementar alternativas que equilibrem as finanças

Nem sempre é necessário fazer corte de gastos e sim remanejar as despesas. Por exemplo, tomar um café de R$3 em uma máquina todos os dias por mês, resultará em R$90 ao mês. 

Esse valor poderia ser investido de forma equilibrada visando economizar despesas, visto que o quilo do café pode ser adquirido por um valor menor. 

Tome cuidado também para não cair nas tentações mais fáceis, como o cheque especial ou cartão de crédito. Pensando nisso, é válido estabelecer um critério para utilizar esses recursos.

O principal é que no processo de como sair do endividamento, você esteja aberto a reinventar seu estilo de vida, mesmo que por algum tempo, até voltar a estabilidade financeira e sair do endividamento pessoal ou empresarial. 

Uma boa ideia é separar os gastos em quatro grupos: alimentação, básicos, contornáveis e desnecessários. 

4. Invista em educação financeira

Para sair do endividamento e manter uma vida financeira saudável, é importante que toda a sua família e sua empresa receba educação financeira

Ao renegociar a sua dívida e ajustar o seu orçamento, é necessário ter conhecimento e responsabilidade ao gerir o planejamento financeiro para quitar e evitar as dívidas.

Você pode procurar vídeos de profissionais no YouTube que compartilham diversos ensinamentos de maneira gratuita. Ler livros sobre o assunto, procurar plataformas, cursos, palestras e workshops que podem te ajudar nesse processo.

 

Conforme você buscar e investir em conhecimento, você estará aumentando sua qualidade de vida e construindo o saber em relação a como aplicar os métodos, trabalhar com metas mensais, definir objetivos de curto, médio e longo prazo, além de saber como sair do endividamento e se manter afastado dele.

Conheça o Xerpay

Além das opções acima, o Xerpay é uma plataforma de gestão da Xerpa com o objetivo de oferecer uma alternativa valiosa para reduzir situações negativas, tanto para o colaborador quanto para a empresa, agregando benefícios para ambos.

Se você ou sua empresa estão endividados e procuram uma maneira rápida e responsável de se livrar desse problema, utilizar a plataforma é uma excelente alternativa, visto que com o Xerpay você pode:

  • Adiantar uma parte do salário (sem pagar juros);
  • Adiantar seu 13° proporcional;
  • Pagar boletos;
  • Organizar suas finanças;
  • Ter acesso a um programa de orientação financeira etc.

 

Tudo isso a custo zero para a sua empresa! Entre em contato com a gente para receber mais informações sobre como esse serviço pode te ajudar na saúde financeira da sua marca e auxiliar no planejamento das dívidas. 

Com ele, é possível se organizar e esquecer o endividamento fora de controle!

Então, é possível sair do endividamento?

A resposta é: sim! É possível sair das dívidas rapidamente se você estiver disposto a se organizar, planejar e priorizar o acerto de contas. 

Infelizmente, a educação financeira é um assunto pouquíssimo difundido no Brasil. 

Porém, nunca é tarde para começar a se planejar. Busque sobre planejamento financeiro em notícias, no Xerpay ou em livros que agreguem conhecimento e saiba como sair do endividamento pessoal!

Pensando nisso, reveja hoje suas finanças, siga as nossas dicas de como sair do endividamento e tenha a coragem de mudar. Só assim você poderá alcançar saúde financeira e dizer “nunca mais” para endividamento fora de controle. 

Gostou das nossas dicas de como fugir do endividamento fora de controle?  Então, compartilhe com seus amigos nas redes sociais!

Confira outros artigos que você pode se interessar