sair do aluguel

Guia completo: como sair do aluguel e investir na casa própria?

Descobrir como sair do aluguel é uma das buscas mais comuns dentro dos lares brasileiros.

Todos nós temos sonhos e objetivos na vida, independentemente da grandeza ou da urgência dessa conquista, algumas são praticamente unanimidades:

  • a estabilidade financeira,
  • emprego bem remunerado,
  • melhor condicionamento físico,
  • compra de um imóvel próprio são exemplos claros.

Para muitos, sair do aluguel é a principal prioridade. Ter uma casa ou apartamento para chamar de seu e contar com as suas diversas possibilidade de rendimento, tornam o investimento ainda mais interessante.

Entretanto, para sair do aluguel é preciso:

  1. organizar suas finanças criteriosamente;
  2. criar um planejamento financeiro eficiente;
  3. procurar poupar dinheiro sempre;
  4. escolher a forma de pagamento mais adequada;
  5. encontrar o imóvel certo;
  6. começar a buscar fontes de renda extra.

Leia também: Planejamento financeiro pessoal: o que é e como implementá-lo [+ Modelo de Planilha]

Para te ajudar a realizar um desses grandes sonhos preparamos um guia completo de como sair do aluguel.

Continue acompanhando o post, conheça todos os detalhes dessa jornada e prepare-se. Boa leitura!

Quais as vantagens de sair do aluguel?

Por envolver um valor aquisitivo bastante expressivo, o investimento na compra da casa ou apartamento próprio, mesmo que seja um sonho, pode acabar sendo postergada por medo e falta de conhecimento.

Não se deixe enganar! Considere a lógica de investimento e entenda por quais motivos sair do aluguel é interessante. Comece a organizar já a realização desse sonho!

Para facilitar essa compreensão, confira a seguir 8 vantagens de sair do aluguel.

1. Otimização da sua vida financeira

A primeira vantagem de sair do aluguel é a ressignificação do seu desembolso mensal.

Dar um propósito estratégico a esse capital permite trocar uma despesa por um investimento, e assim, otimizar a sua vida financeira.

O valor do aluguel é cobrado mensalmente em troca do direito de usar uma propriedade por um período determinado em contrato.

Devido ao reajuste anual, essa quantia só tende a subir. Além de representar uma porcentagem significativa do seu rendimento, não é acréscimo nenhum para sua vida financeira.

Já o planejamento para a compra da casa  ou apartamento próprio é um investimento na aquisição de uma propriedade particular.

Seja por meio de uma economia criteriosa e rigorosa ou por meio do pagamento de um financiamento, o valor é aplicado para um benefício futuro próprio.

2. Facilidade e praticidade de compra

Imóveis são patrimônio seguros e de grande valor que, a princípio, exigem certo esforço, dedicação e disciplina econômica para serem adquiridos. No entanto, existem diversas medidas facilitadoras que podem auxiliar nesta jornada. Alguns exemplos são:

  • o parcelamento do valor do imóvel,
  • financiamentos bancários,
  • consórcios privados,
  • projetos do governo federal (Ex.: Minha Casa Minha Vida),
  • aplicações financeiras de geração de renda extra, e assim por diante.

Outro facilitador é o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Ao optar pelo uso do saldo desse fundo, o comprador pode parcelar, quitar ou dar lances estratégicos com o valor, recebendo uma carta de crédito como benefício.

3. Conquista de uma segurança patrimonial

Sair do aluguel também sugere a conquista de uma segurança patrimonial, isso por se tratar da aquisição de um bem durável, que traz estabilidade ao futuro da sua família.

Além de oferecer essa segurança, diante das imprevisibilidades da vida, a compra de uma casa ou apartamento próprio significa também deixar uma herança relevante para os seus dependentes.

O aluguel por contrapartida, exige a gestão diária de incertezas e vicissitudes, tais como:

  • a correção de valores anuais,
  • possibilidades de despejos,
  • necessidade de reformas,
  • inevitabilidade de mudanças,
  • situações de carência emergenciais, e assim por diante.

4. Criação de uma futura fonte de renda

Outra vantagem de sair do aluguel e investir na compra da casa  ou apartamento próprio é a possibilidade de valorização do imóvel.

Considerando bem a região da cidade, o desenvolvimento urbano do bairro, a infraestrutura e mobilidade local, as condições físicas e legal da propriedade, a valorização financeira é uma consequência inevitável.

Em outras palavras, essa valorização pode servir de motivador para novos investimentos, tais como a sua venda para a compra de uma casa maior ou o aluguel, para gerar uma fonte de renda extra.

Alugar a propriedade pode ser uma alternativa bastante interessante, já que o valor do imóvel é mantido como patrimônio e você ainda recebe uma quantia mensal pela locação.

5. Liberdade para fazer do seu jeito

Quando se mora de aluguel na propriedade de outra pessoa, qualquer mudança, mesmo que seja essencial e indispensável, exige aprovação.

De um furo na parede a uma reforma no sistema hidráulico ou seja qual for o problema, o proprietário deverá autorizar a modificação.

Assim, a inconveniência da burocracia e a falta de liberdade para adequar o espaço às suas necessidade e preferências podem ser fatores bastante maçantes.

Além disso, pode ser um pouco desanimador investir dinheiro, esforços e expectativas em projetos que não serão permanentes, e que talvez você tenha que abandonar.

Portanto, o investimento em uma casa  ou apartamento próprio pode lhe proporcionar também mais liberdade. Seja para:

  • escolher a cor das paredes,
  • trocar as mobílias,
  • reformar um espaço específico, dentre outro.

Você pode deixar o imóvel com a cara da sua família, tornando-o no seu lar.

6. Eliminação das burocracias do aluguel

Fechar um contrato de aluguel implica diversas burocracia:

  • visitas infinitas ao cartório,
  • reconhecimento de firma e certidões,
  • vistorias no espaço,
  • pagamento de parcelas adiantadas,
  • necessidade de fiadores,
  • identificação de todos os moradores fixos – já que em alguns casos, a quantidade de inquilinos ainda é limitada – , dentre outras várias questões que podem ser uma dor de cabeça.

Mesmo mantendo uma rotina bem organizada quanto aos pagamento e documentações, a imobiliária mediadora ainda pode gerar problemas sérios pela:

  • gestão ineficiente,
  • atendimento falho,
  • contato dificultado com o proprietários.

Além de tudo isso, o inquilino sofre com as questões de instabilidade quanto a sua permanência no local ou renovação contratual. Sair do aluguel significa dar fim a todos esses trâmites.

7. Criação de uma identidade social

Outra vantagem que deve ser considerada ao pensar sobre alugar ou comprar imóvel é a condição de criar uma identidade social.

Quando uma família se muda constantemente, é difícil criar raízes e construir um relacionamento íntimo com a vizinhança e o bairro. Até mesmo a criação de rotinas pode ser prejudicada.

Especialmente para as crianças, uma mudança incessante de grupos sociais pode influenciar suas habilidades cognitivas como:

  • confiança,
  • noção de pertencimento,
  • criação de laços genuínos,
  • lealdade, dentre outros.

Investir em um casa ou apartamento próprio, pode refletir em âmbitos sociais valiosos que vão além da posse de uma propriedade.

8. Conquista de uma realização pessoal

Assim como dissemos, sair do aluguel é uma realização pessoal: a conquista do sonho da casa própria é um evento significativo que merece o devido reconhecimento.

Ser o dono de um imóvel, que exigiu esforço, dedicação, disciplina financeira e muita paciência, gera uma contemplação subjetiva inafiançável.

Desta forma, sair do aluguel também pode influenciar a sua satisfação e autoestima. Por isso, o seu valor vai muito além das fronteiras financeiras.

Qual é o cenário imobiliário de 2020?

Devido a pandemia do novo coronavírus (Convid-19), uma baixa relevante é identificada nos lançamentos imobiliário em todo país.

Segundo os Indicadores Imobiliários Nacionais de 2020, a queda foi de 14,8% em relação ao 4º trimestre do ano passado.

No entanto, a crise econômica gerada pela quarentena obrigatória, que impõe a necessidade de distanciamento social para evitar uma disseminação ainda mais perversa da doença, impulsionou o mercado de compra e venda de imóveis.

As vendas aumentaram em 26,7%, insinuando uma redução significativa nos valores de oferta do mercado. Em outras palavras, o momento favorece negociações de compra.

A necessidade e a urgência por recursos emergenciais diminuiu os preços das propriedades, facilitando o acesso a bons imóveis.

Se você já planejava sair do aluguel e está disposto a iniciar uma jornada de compra, o momento atual favorece financeiramente essa aquisição.

Desta forma, vale a pena conhecer as ofertas e entender se é ou não uma opção para o seu planejamento.

Leia também: Coronavírus e investimentos: onde investir na crise?

Quais as principais dicas para sair do aluguel?

Sair do aluguel pode ser mais simples do que você imagina. Evidentemente, não será uma mudança imediata ou que demande pouco esforço, afinal estamos falando de uma compra de alto valor aquisitivo. Mas isso não quer dizer que o processo seja penoso ou complicado.

Para te ajudar nesse processo, preparamos dicas fundamentais para tornar a jornada de compra da sua casa ou apartamento descomplicada e eficiente. Confira!

Organize suas finanças criteriosamente

A primeira dica para sair do aluguel é conhecer a fundo suas próprias finanças, a partir da organização financeira.

Tenha na ponta da língua os valores exatos de:

  • rendimento,
  • gastos fixos,
  • a média de despesas supérfluas,
  • o montante remanescente, dentre outros.

Ao entender o fluxo de aplicação do seu dinheiro, fica mais fácil direcioná-lo com responsabilidade:

  • ajustando hábitos de consumo,
  • cortando gastos,
  • definindo valores mensais para essa reserva de investimento.

Assim, a previsão do tempo necessário para arrecadar o valor inicial dessa jornada fica mais clara, tornando a economia uma medida mais consciente e natural. Afinal, quanto mais comprometido estiver com o plano, mais rápido ele sairá do papel.

Nessa fase, valem os mantras básicos da educação financeira:

  • anote todos os seus gastos,
  • classifique as suas despesas,
  • procure economizar sempre que for possível,
  • estude as suas dívidas,
  • verifique o seu crédito,
  • ajuste manias de consumo, e assim por diante.

Quer saber como aumentar seu score de crédito e assim ter mais chances de conseguir um bom financiamento? Confira o vídeo abaixo.

Crie um planejamento financeiro eficiente

Outra dica essencial para sair do aluguel e conquistar o sonho da casa ou apartamento próprio é estruturar um orçamento familiar financeiro eficiente.

Grosso modo, planejamento financeiro pessoal é um plano estrategicamente criado para gerir o uso do dinheiro, visando atingir metas e objetivos específicos.

Neste caso, um planejamento deve ser organizado para sair do aluguel e comprar um imóvel em especial.

Como essa metodologia estimula um uso inteligente dos seus recursos financeiros, o seu rendimento é superior. Em outras palavras:

  • o desperdício é minimizado,
  • o consumo inconsequente é reduzido,
  • a poupança é otimizada,
  • os prazos e vencimentos passam a ser respeitados, e assim por diante.

Procure poupar dinheiro sempre

Para sair aluguel é comum precisar de um montante inicial para dar entrada no processo de compra. Por isso, poupar deverá ser uma regra geral.

O ideal seria procurar um especialista em finanças para indicar a porcentagem necessária de reserva mensal e quais as opções de investimento mais seguras e rentáveis do mercado para multiplicar esse capital com qualidade.

Existem diversas opções de aplicação financeira, tais como:

E como as particularidades de cada uma podem gerar confusão, uma orientação profissional seria um diferencial significativo.

Escolha a forma de pagamento mais adequada

O pagamento à vista costuma ser a forma mais econômica de efetivar uma compra. No entanto, sendo realistas, esta não é uma prática tão acessível para a maior parte da população.

Mas não se desespere, existem alternativas bastante interessantes de pagamento no mercado. Veja as duas mais atrativas:

Financiamento

O financiamento é uma prática de pagamento parcelado, em que taxas de juros são acrescidas ao valor mensal de quitação.

Após dar o montante da entrada, seja com o dinheiro poupado ou mesmo com o saldo do FGTS, o pagamento do restante é cobrado mensalmente.

A instituição financeira exigirá alguns documentos para validar a transação, tais como:

  • comprovante de renda,
  • extratos bancários,
  • score de créditos,
  • nome limpo nos maiores bureaus de crédito do país (SPC, SCPC, Serasa), etc.

Mais adiante vamos explorar o financiamento do programa federal Minha Casa Minha Vida.

Leia também: Nome sujo? Descubra se você está com esse problema [GUIA] ????

Consórcio

Outra alternativa de pagamento para dar início ao processo de aquisição de uma casa  ou apartamento próprio e sair do aluguel é o consórcio imobiliário.

Nessa modalidade, as taxas e encargos são acrescidas uma única vez, eliminando a incidências de juros nas parcelas mensais.

Além disso, não há a cobrança de entradas, facilitando a contratação do serviço. As operações de consórcio são garantidas e fiscalizadas pelo Banco Central (BC).

Encontre o imóvel certo

Escolher o imóvel certo também é uma dica essencial deste investimento. Faça uma busca criteriosa no mercado:

  • conheça suas opções,
  • considere a região,
  • a disponibilidade do espaço físico,
  • os preços,
  • as características do imóvel,
  • as condições legais,
  • a infraestrutura urbana, e assim por diante.

Mas lembre-se de que existe um limite no orçamento e você deve respeitá-lo. Somente dessa forma, o planejamento funcionará de maneira eficiente e a compra não comprometerá a sua saúde financeira.

Por isso, não se canse de procurar alternativas e jamais tome decisões no impulso. Esse é um investimento que pode mudar a sua vida, por isso exige responsabilidade e paciência.

Comece a buscar fontes de renda extra

Como vimos, para sair do aluguel você pode precisar de um certo capital inicial. Por isso, conseguir fontes de renda extra pode ser uma alternativa para agilizar o processo.

Existem diversas opções que podem te ajudar nessa jornada para você ganhar dinheiro no final de semana, tais como:

  • dirigir nos finais de semana como motorista de aplicativos (UBER, 99 táxis, etc.);
  • preparar quitutes por encomenda (bolos, tortas, salgadinhos e doces de festa, biscoitos, chocolates, etc.;
  • dar aulas particulares (instrumentos musicais, disciplinas escolares, habilidades especiais, danças, etc);
  • fazer artesanatos;
  • ser babá;
  • ser babá de pet;
  • alugar a vaga de garagem;
  • alugar um quarto nos finais de semana (Airbnb);
  • vender objetos ou roupas que não usa mais;
  • pegar freelas (redação, edição de vídeo, modelagem, tradução, etc,).

Com o suporte da internet, essa oferta e procura se torna ainda mais simples. Sua chance de conseguir uma renda extra é otimizada e quem sabe, você não acaba descobrindo um talento ou paixão que possa se tornar sua fonte primária de rendimento.

Como sair do aluguel com o programa Minha Casa Minha Vida?

Um dos tipos de financiamentos mais procurados no país é o Minha Casa Minha Vida (MCMV), programa do governo federal.

Criado em 2009, o programa já beneficiou mais de 5,5 milhões famílias brasileiras, tornando o sonho da casa própria uma realidade.

O MCMV é uma opção interessante porque tem taxas de juros mais baixas que a média trabalhada no mercado (os valores variam entre 5% a 9% ao ano) e suas parcelas são definidas considerando o orçamento mensal do comprador, facilitando a sua contratação e organização financeira.

Contudo, Para entrar no programa, é necessário passar por algumas etapas de seleção, que contam com regras gerais e específicas. Veja a seguir:

Gerais

As parcelas do financiamento não podem ultrapassar um valor que corresponda a 30% da renda familiar mensal que, por sua vez, precisa ser inferior a R$ 9 mil

O imóvel financiado não pode ultrapassar o teto de valor estabelecido conforme a região do país e o comprador deve estar em dia com suas obrigações eleitorais, ter CPF ativo e apresentar seus documentos de identificação oficiais.

Específicas

As regras específicas estão ligadas a faixa de renda do trabalhador e os valores correspondentes às parcelas, aos subsídios do governo, aos juros e aos meses para a finalização dos pagamentos.

Em detrimento disso foram criadas 4 categorias que separam os interessados, são elas:

  • FAIXA 1

A faixa 1 é destinada a quem possui rendimentos de até R$ 1.800 por mês. O empreendimento nesta faixa pode ser custeado em até 90% de seu valor total.

  • FAIXA 1,5

A faixa intermediária contempla interessados que recebem até R$ 2.600 de renda bruta. O subsídios é de até R$ 45.000 para financiar imóveis com o valor de até R$ 135.000.

  • FAIXA 2

A faixa 2, por sua vez, é reservada para compradores que recebam de R$ 2.600 a R$ 4.000. Nesta faixa, o valor do subsídio é definido mediante simulação oficial.

  • FAIXA 3

A quarta categoria é chamada de faixa 3, que contempla famílias com renda bruta de até R$ 9.000. Nesse caso, o financiamento pode ser feito com recursos do FGTS.

Quais os principais erros cometidos que dificultam a conquista do imóvel?

Por se tratar de um feito expressivo, sair do aluguel pode acabar sendo feito de maneira equivocada. Ou seja impulsividade ou por falta de conhecimento específico.

Confira a seguir alguns exemplo de erros comuns cometidos nesse processo.

  • falta de planejamento financeiro eficiente;
  • não ter metas e objetivos pecuniários claros;
  • falta de controle dos gastos (gastar mais do que se ganha);
  • não conhecer a fundo os detalhes de suas finanças;
  • ter hábitos de consumo descontrolados;
  • falta de uma reserva de emergência;
  • não saber priorizar os objetivos financeiros;
  • ter medo de investir;
  • desconhecer educação financeira;
  • não procurar orientação profissional sobre investimentos e aplicações;
  • não quitar dívidas antigas ou pendências financeiras;
  • fechar um acordo que esteja fora dos seus limites orçamentários.

Como você pôde ver no decorrer deste post, sair do aluguel não é um sonho inalcançável.

Com organização, planejamento criterioso, disciplina e muita paciência, a conquista do sonho da casa ou apartamento próprio pode se tornar uma realidade a médio e longo prazo.

Além, é claro, de não se deixar influenciar por opiniões desmotivadoras de terceiros e por apelos consumistas do mercado.

Portanto, se sair do aluguel é um desejo real, estude as vantagens apresentadas acima, siga as nossas dicas e comece um planejamento financeiro.

Existem possibilidades infinitas para atender o seu sonho, basta que você conheça as suas opções e se dedique integralmente a sua escolha.

Economize e invista com a ajuda do Xerpay!

A Xerpa tem uma nova ferramenta, o Xerpay, que vai transformar a sua relação (ou a de seus funcionários) com o próprio salário.

Ao se cadastrarem no sistema, você (ou seus colaboradores) podem sacar seus pagamentos quando quiserem, de forma simples e instantânea.

Assim e possível evitar multas em pagamentos atrasados ou perda de dinheiro com juros de empréstimos.

Ao contrário permite que sobre dinheiro no final do mês, facilitando que você se torne um investidor.

Se você trabalha para uma empresa, pode acessar nosso site a indicar sua empresa para participar de nosso programa.

Conheça mais sobre o Xerpay e agregue mais esse benefício para a equipe da sua empresa.

Caso você queira ir além das dicas que vimos aqui, aceite o nosso convite para curtir a nossa página no Facebook e seguir-nos no Instagram e LinkedIn! Lá, reunimos muitas dicas relevantes sobre o assunto, e você também pode interagir com a nossa base de seguidores!

E aí, curtiu o post? Te ajudou a clarear as ideias? Então, porque você não assina a nossa a newsletter? Preparamos conteúdos como este toda semana e você pode receber em primeira mão!

 

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.