Saiba como calcular o ROI em RH

O setor de RH também precisa usar métricas para medir o desempenho na produtividade do trabalho e o desenvolvimento das finanças. Uma dessas métricas é o ROI, bastante usada em empresas para analisar a viabilidade e o retorno de um determinado investimento.

Você sabe o que é isso? Confira o artigo de hoje e veja como calcular o ROI em RH!

O que o ROI significa exatamente?

ROI significa Retorno Sobre o Investimento (Return On Investment, em inglês). Ele calcula o percentual de retorno sobre um investimento específico. Pode-se dizer que ROI é a relação entre o capital que foi investido em determinada ação e o que ela gerou efetivamente de lucro ou prejuízo.

O ROI contribui, portanto, para otimizar as finanças de qualquer setor. Nas empresas, ele é muito aplicado no setor de marketing. No mundo dos jogos, é usado com frequência pelos jogadores de pôquer.

Quais são os desafios para medir ROI em RH?

Medir o ROI no setor de RH envolve alguns desafios específicos decorrentes das características e das atividades da área. Veja alguns exemplos:

As ideias ultrapassadas de alguns gestores de RH

Muitas vezes, o gestor de RH pode considerar que não é viável se preocupar com ROI e com questões financeiras em um setor que trabalha prioritariamente com contratações, benefícios, folhas de pagamento e desligamentos.

Ele pode considerar, inclusive, que o setor de RH não afeta tão profundamente assim as receitas da empresa ou, ainda, julgar que o setor não é muito prestigiado dentro da organização. Contudo, chegou a hora de mudar essa forma de pensar.

Com as novas tecnologias de gestão, é possível inovar o setor de RH, transformando-o em um importante gerador de valor para a empresa. O RH estratégico pode ajudar o negócio a reduzir custos e diminuir riscos, otimizando o tempo na rotina dos funcionários a fim de que seja possível uma dedicação mais integral dos colaboradores.

A burocracia no RH impede uma gestão estratégica

Alguns aspectos burocráticos no RH atrapalham o desenvolvimento de estratégias para melhorar o trabalho no departamento. Entre esses aspectos burocráticos, podemos citar a gestão de benefícios da empresa, o gerenciamento do ponto e a gestão das férias.

O ROI em RH se propõe a deixar o setor mais estratégico, aproximando-o do setor financeiro e permitindo que ele seja responsável por tomar iniciativas relacionadas a investimentos mais promissores. Vale lembrar que a permanência dos funcionários em uma empresa depende do fato de eles gerarem mais lucros do que custos.

A pouca quantidade de funcionários na empresa

Percebe-se que existe, nas empresas, uma relação quantitativa muito importante quanto à maior ou menor aproximação do RH com o setor financeiro. Essa relação quantitativa refere-se ao número de funcionários que trabalham na organização.

Quanto menos funcionários tem a empresa, mais distante fica o RH de questões financeiras, priorizando os aspectos burocráticos e operacionais, principalmente em empresas com até 50 funcionários. Quanto maior a empresa e seu número de colaboradores, a relação entre RH e finanças costuma se tornar mais evidente.

Em empresas que têm entre 50 e 250 funcionários, por exemplo, a aproximação entre RH e o setor financeiro já é perceptível. Em organizações com mais de 250 funcionários, busca-se maior transparência entre esses dois departamentos.

A necessidade de treinamento do setor de RH para aplicar o ROI

O ROI é uma métrica que mede o desempenho dos processos, avaliando o desempenho do dono, do desenvolvedor do programa e das pessoas que participam. Os dados coletados são aplicados para melhorar o programa e não para julgar o desempenho dos indivíduos.

É comum que muitos gestores de RH temam mensurar o ROI e se sintam inseguros para realizar esse procedimento. Por isso, é importante que todo o setor de RH seja treinado na metodologia ROI para aplicá-la da forma certa.

A verdade é que o setor de RH ainda não investe o suficiente nessa métrica. Estima-se que, aproximadamente, 3% do orçamento de RH seja investido na medição dos programas em níveis variados.

Todas as iniciativas de RH podem ser medidas?

Sim, mas nem todas precisam ser mensuradas na prática. O nível de ROI deve ser analisado apenas quando necessário. Programas mais curtos e baratos, por exemplo, geralmente não necessitam da avaliação do ROI. Tampouco os programas cujo objetivo é o cumprimento de um regulamento ou norma.

Entre as iniciativas que se aconselha que sejam mensuradas estão o recrutamento e a seleção, a contratação, a divulgação de vagas, o treinamento e ações similares.

A Sociedade de Gestão de Recursos Humanos dos EUA (SHRM) publicou cases de sucesso de ROI, nos quais foram avaliadas ações das seguintes áreas:

  1. seleção, integração e retenção;
  2. segurança, saúde e bem-estar;
  3. aprendizagem, desenvolvimento e mudança;
  4. relacionamento com funcionários, engajamento e conformidade;
  5. sistemas de recompensa, remuneração e gestão de desempenho.

As organizações que têm calculado o ROI nesse tipo de atividades estão obtendo bons resultados. Isso porque tais iniciativas ajudam na obtenção de recursos e aumentam o comprometimento das empresas com o setor de RH.

Com isso, a área vem a assumir uma nova posição, tornando-se um propulsionador de negócios. O RH deixa de ser visto como um custo necessário, e começa a significar um real investimento estratégico.

Como calcular o ROI?

Em regra, para calcular o ROI em RH, deve-se seguir alguns passos:

  1. Meça o benefício recebido de um investimento,
  2. Subtraia dele o total aplicado 
  3. Divida o resultado pelo investimento
  4. Multiplique por 100

Veja um exemplo de um treinamento que custou R$ 80.000,00 ajudou a efetivar R$ 150.000,00 em vendas. Assim:

1) Benefício recebido pelo investimento: 150.000;

2) Subtraindo o total investido: 150.000 – 80.000 = 70.000;

3)Dividindo o resultado pelo investimento: 70.000/150.000 = 0,46;

4) Multiplicando por 100:  0,46 x 100 = 46%.

Isso significa que a empresa conseguiu uma taxa de retorno de 46%.

Para entender mais profundamente o cálculo de ROI em RH, é importante conhecer as considerações de Jack Phillips, presidente do ROI Institute, nos Estados Unidos.

Para cada programa de RH, é analisada a reação a ele (nível 1: reação). Depois, considera-se o aprendizado que foi necessário para que o programa funcione (nível 2: aprendizado). Em seguida, mede-se a forma como os profissionais desenvolveram o programa (nível 3: aplicação e execução).

Com a aplicação, surge o impacto nos negócios da empresa (nível 4: impacto). Finalmente, calcula-se o ROI, convertendo as medidas em dinheiro (nível 5: ROI). Essa metodologia é a mesma usada por gestores financeiros para fazer o cálculo de ROI nas finanças gerais da empresa.

Que boas sugestões podem ser seguidas para medir o ROI?

Para aplicar o ROI em RH, recomenda-se buscar aprofundar os conhecimentos, participando de  workshops e cursos que ensinam a mensurá-lo. Pode-se também fazer isso através de livros sobre o assunto — como, por exemplo, a obra “Revelado o valor do RH: por que e como medir o ROI”, de Jack J. Phillips e Patricia Pulliam Phillips.

Depois, você estará preparado para escolher quais tipos de programas podem usados para medir o ROI (geralmente, os mais caros são os preferidos, pois agregam mais valor aos negócios).

Agora que você já sabe mais sobre a importância de calcular o ROI em RH, aproveite para ler um post sobre o que acompanhar no que se refere aos indicadores na gestão de RH. Até a próxima!

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *