Inscreva-se

Redes sociais e mercado de trabalho: qual a relação entre eles?
Cultura da Empresa

Redes sociais e mercado de trabalho: qual a relação entre eles?

Redes sociais e mercado de trabalho se tornaram aliados nos processos de seleção. Confira em nosso artigo o que é relevante ou irrelevante para selecionar um candidato.  

Neste artigo vamos falar sobre redes sociais e mercado de trabalho. Falaremos sobre a importância das redes sociais nos processos de seleção, destacando o que deve ou não ser levado em conta pelos recrutadores. Saiba mais em nosso artigo.

 

A relação redes sociais e mercado de trabalho

O brasileiro já é o segundo colocado em número de horas nas redes sociais. São mais de nove horas dedicadas a internet e mais de três horas diárias gastas nas redes sociais – Facebook, Twitter, Instagram, LinkedIn e etc. -, segundo estudo da agência “We Are Social”.  

Com esse poder da internet no país, onde mais de 69% da população está online, conforme dados do IBGE, redes sociais e mercado de trabalho estão trabalhando lado a lado.

As empresas vêm utilizando as redes sociais dos candidatos como um dos processos para selecioná-los ou não para a vaga. Antes utilizadas apenas em caráter pessoal, as redes sociais passaram a ter um grande peso para construir uma boa imagem profissional.

Mas você sabe o que o seu RH deve levar em conta no momento de avaliar as redes sociais dos candidatos? Ou quais pontos podem queimar o filme dos profissionais?

Preparamos um guia com os principais pontos dessa relação entre redes sociais e mercado de trabalho. Confira!

 

A importância da rede social no mercado

Atingir um número ilimitado de profissionais e atrair talentos são dois dos principais pontos que vêm influenciando as empresas a investirem em suas redes sociais. Atualmente, 92% das empresas possuem uma rede social, revelou o relatório da Social Media Trends.

E quando as empresas se aproveitam do cenário das redes sociais, elas estão adotando uma estratégia para otimizar tempo em seus processos seletivos. Nesse panorama é possível ter informações em tempo real e atualizadas sobre as experiências do profissional.

Com inúmeros dados complementares sobre o candidato em mãos, é possível evitar futuros equívocos na escolha de um perfil considerado ideal. Dando aos recrutadores a possibilidade de serem mais assertivos nas escolhas dos profissionais.

Recomendamos que, após a leitura, você leia esse eBook. Nele você irá entender como criar um processo de R&S eficaz! Responda o formulário e receba. É gratuito!


O que avaliar nas redes sociais

A rede social é um espaço democrático e livre, porém, ter cautela no que se posta é essencial. Principalmente quando se pretende criar uma boa imagem profissional. Você como recrutador sabe quais pontos deve levar em conta antes de recrutar um candidato?

Se ainda não sabe, selecionamos algumas questões para ficar de olho e ser mais assertivo para definir o perfil profissional ideal para sua empresa.

 

Fique atento aos comentários

Os recrutadores devem estar atentos aos que seus candidatos compartilham e as opiniões que emitiram sobre empresas, chefes e companheiros anteriores de trabalho.

É bom se precaver daqueles que criticaram os trabalhos anteriores ou que compartilharam conteúdos para denegrir a imagem da antiga empresa. Ética profissional tem muito valor no mercado.  

As redes sociais e mercado de trabalho podem até não ser preocupação de alguns candidatos, mas precisa ser para a empresa. Afinal, ninguém vai querer um profissional que fica criticando o local de trabalho e que pouco se importa em respeitá-la.

 

Veja o que ele compartilha

Quando você contrata um profissional espera não só postura dele no ambiente de trabalho, mas também deseja que ele respeite sua empresa lá fora. Por isso, muitos recrutadores precisam avaliar se as postagens dos candidatos condizem com a cultura da empresa.

Em um ambiente onde as redes sociais e mercado de trabalho caminham juntos, os colaboradores também representam a empresa fora do ambiente de trabalho.

Dessa forma, na hora de contratar, leve em conta as postagens que não condizem com a cultura interna da organização e que possam futuramente denegrir a imagem da empresa.  

 

Não aceite preconceitos

Certamente, nenhuma empresa vai querer um profissional que ofende pessoas nas redes sociais. Comentários que fogem da linha do respeito não devem ser ignorados.

As consequências de ofensas denigrem não só a imagem pessoal, mas também profissional da pessoa e recaem sobre a empresa que ela representa.

Quando os recrutadores conseguem aliar redes sociais e mercado de trabalho em sua pré-seleção, ele se resguarda de possíveis atitudes negativas de um futuro colaborador. Se ele se comporta mal nas redes sociais, ele continuará agindo assim dentro da empresa.

 

Avalie os erros de ortografia

Erros de ortografia e gramática nas redes sociais precisam ser avaliados. Apesar de nas redes sociais muitas pessoas utilizarem uma linguagem mais informal, isso não quer dizer que elas podem escrever errado.

Escrever corretamente é obrigatório no quesito redes sociais e mercado de trabalho. Então, se você ficou com uma imagem negativa sobre a forma como seu candidato escreve nas redes sociais, é melhor nem arriscar com ele para a ocupação vaga.

Se tiver com dúvidas sobre sua qualidade de escrita, mesmo depois de avaliar o que ele escreve nas redes, aplique um teste presencial para colocá-lo a prova.

 

A primeira impressão é a que fica

Esse pode ser apenas um detalhe em um processo de recrutamento, mas a avaliação da foto de perfil é o cartão de visitas de um candidato. Se você é recrutador, a foto de perfil pode ser uma arma de pré-seleção.

Principalmente se você estiver recrutando pelo LinkedIn.

Candidatos de boné, com óculos de sol, já demonstram pouco entendimento de uma foto feita para o lado profissional. O problema não é a foto em si, mas por ela estar sendo utilizada em uma rede social profissional.

Se uma foto de perfil lhe causar má impressão, é melhor avaliar se esse candidato se encaixa no perfil que você está buscando.

 

O papel de cada rede social

Entre as redes mais utilizadas pelas empresas em um processo de seleção e que são avaliadas pelos recrutadores estão o Facebook, Twitter, LinkedIn e Instagram. Confira o papel que cada uma delas tem para auxiliar a empresa em uma pré-seleção.

 

Facebook

Os usuários do Facebook costumam postar opiniões, matérias de interesse próprio, assim como compartilhar com amigos, gostos, hobbies e etc.

Por isso, essa rede social pode servir como critério de avaliação da personalidade e do perfil pessoal do seu candidato.

Tendo em mãos alguns dos hobbies e posturas, é possível conhecer melhor se é aquele o perfil que você quer para representar sua empresa – dentro e fora do ambiente de trabalho.

Avaliar o Facebook pode ser um complemento a todo seu processo de pré-seleção. Com um papel que ajuda a evidenciar traços comportamentais que deem um feedback para o recrutador escolher ou eliminar um possível candidato.

 

LinkedIn

O LinkedIn continua sendo a rede social preferida dos recrutadores – sua essência tem o objetivo de focar o lado profissional.

Através dele, os recrutadores podem ter um currículo mais completo do que o recebido. Os candidatos costumam atualizar as informações quase que em tempo real.

Além disso, o profissional pode expor ainda mais sobre suas habilidades e competências. O linkedIn também permite recomendações de terceiros – uma grande vantagem na hora de selecionar o candidato ideal.

Você também pode encontrar candidatos com alguma habilidade específica para a vaga através de uma pesquisa de palavra-chave, onde o LinkedIn entrega perfis relacionados.

 

Twitter

Com sua característica construída em comentários curtos sobre os mais variados assuntos, o Twitter pode ser uma boa ferramenta para o recrutador avaliar opiniões dos candidatos.

Se o LinkedIn pode definir o papel profissional, o Twitter pode revelar preferências, hábitos e um pouco mais da personalidade do seu futuro colaborador.

 

Instagram

Segundo uma pesquisa da empresa Opinion Box, o Instagram já possui mais de 800 milhões de usuários ativos. No Brasil mais de 25% das pessoas dizem que essa é a rede social que mais utilizam.

Seja para seguir postagens de marcas ou acompanhar a vida pessoal de amigos e famosos. Essa é uma rede que ganhou força no mercado. 89% das pessoas dizem que acompanham ao menos uma vez por dia as postagem do Instagram.

Falando em marcas, por exemplo, 50% das pessoas afirmam que já compraram algo que viram no Instagram, revelou a mesma pesquisa. Além de vendas, essa rede também é uma ferramenta de análise por parte dos recrutadores.

Por meio do Instagram, as empresas podem avaliar preferências e hábitos do candidato e até o seu comportamento fora da empresa. Isso contribui com uma análise correta do perfil do candidato, minimizando as chances de erro na contratação.  

 

O que pode queimar o filme do candidato

As redes sociais passaram de puramente pessoal, para profissional e influente na hora de conseguir um emprego. E alguns pontos podem queimar o filme do candidato diante do recrutador. Selecionamos alguns deles abaixo.

  • foto de perfil na rede profissional com boné ou óculos de sol;
  • comentários e compartilhamentos racistas e ofensivos;
  • postagens com erros de português;
  • críticas a empresas e chefes anteriores.

Esses são alguns dos principais pontos que são levados em conta pelos recrutadores no momento da seleção. Por isso, é bom ser bem comedido ao se expor nas redes sociais. Principalmente se estiver em busca de um emprego.

 

O que não levar em conta

Se por um lado existem pontos que queimam o filme do candidato nas redes sociais, outras questões devem ser irrelevantes em um processo de seleção para o recrutador. Citamos alguns deles abaixo.

  • orientação sexual;
  • raça;
  • estado civil;
  • religião.

Aliás, existe uma lei que dá respaldo ao colaborador caso ele sofra qualquer tipo de preconceito da empresa com relação a ele. Confira o que diz a LEI Nº 9.029:

Art. 1o  É proibida a adoção de qualquer prática discriminatória e limitativa para efeito de acesso à relação de trabalho, ou de sua manutenção, por motivo de sexo, origem, raça, cor, estado civil, situação familiar, deficiência, reabilitação profissional, idade, entre outros, ressalvadas, nesse caso, as hipóteses de proteção à criança e ao adolescente previstas no inciso XXXIII do art. 7o da Constituição Federal.(Redação dada pela Lei nº 13.146, de 2015)(Vigência)

A influência das redes sociais no mercado de trabalho

As redes sociais se tornaram uma excelente ferramenta para os recrutadores ao longo dos anos. Atualmente, é muito bem aproveitada nos processos de recrutamento e seleção.

Com os desafios das empresas para encontrar o perfil ideal para a vaga, as redes sociais e mercado de trabalho são grandes aliados. Uma simples análise das redes sociais do candidato pode decidir pela sua contratação ou não.

Isso acontece porque, em alguns casos, os recrutadores se deparam com postagens que literalmente queimam o filme do candidato. E, de alguma forma, já é uma prevenção para que a empresa não esteja equivocada ao selecionar um profissional.

 

As redes sociais atualmente se tornaram vitrines do mercado de trabalho. Elas sustentam as informações complementares às encontradas no currículo.

Quando utilizadas de maneira estratégica, as redes sociais oferecem aos recrutadores um universo amplo para recrutamento e pré-seleção.

E você como avalia a relação das redes sociais e mercado de trabalho? Deixe seu comentário no post e conte para nós.

Related posts

Deixe uma resposta

Required fields are marked *