previdência

Previdência: tudo o que você precisa saber antes de investir

A previdência privada é um investimento simples e de baixo risco para o investidor. Basicamente, ele é composto por aplicações mensais, com valores pré-fixados, e que se valoriza mais em longo prazo. Afinal de contas, é com base nesses investimentos periódicos que a rentabilidade vai crescer gradualmente, sendo uma boa pedida para a aposentadoria, por exemplo.

 

Para quem está em busca de um investimento em longo prazo, com facilidades de saques para alterar os seus planos, a previdência privada pode ser uma ótima pedida.

Diferentemente do Tesouro Direto, por exemplo, essa modalidade de investimento tem sido considerada para agregar mais praticidade para o investidor. Principalmente, porque não precisa de muito para abrir a sua previdência.

Quer saber, então, por que você poderia considerar esse tipo de investimento para alcançar os seus objetivos financeiros? Neste post, vamos falar tudo a respeito da previdência. Siga com esta leitura, e aproxime-se de novas metas em sua vida!

O que é e como funciona a previdência privada?

A previdência privada é um investimento simples e de baixo risco para o investidor. Basicamente, ele é composto por aplicações mensais, com valores pré-fixados, e que se valoriza mais em longo prazo. 

Afinal de contas, é com base nesses investimentos periódicos que a rentabilidade vai crescer gradualmente, sendo uma boa pedida para a aposentadoria, por exemplo.

Só que os investidores também recorrem à previdência em outros cenários que podem surgir em curto, médio e longo prazo em suas vidas, como:

  • funcionários e regime CLT — ou funcionários públicos — podem contar com a previdência para complementar as suas respectivas rendas na previdência pública;
  • maneira de agregar uma renda mensal aos futuros herdeiros;
  • profissionais liberais que não contribuem para o INSS.

De maneira simplificada, a previdência tem servido para contribuir como um complemento de renda, para o futuro, mas como um investimento de baixíssimo risco também.

Quais são os planos de previdência privada?

Uma maneira interessante de compreender se o seu investimento favorito vale a pena é a partir dos custos associados a ele.

Nesse caso, a previdência não é um dos principais meios do investidor por conta de alguns custos relacionados à sua manutenção, como:

  • custódia;
  • taxas de carregamento (entrada e saída);
  • administração (normalmente, cobradas pela instituição financeira que você optou pelo plano).

Por outro lado, são investimentos fáceis de acompanhar. O investidor não precisa acompanhar nada: basta ter a quantia mensal determinada previamente para que o próprio banco fala, automaticamente, o aporte.

Só que, complementarmente, você pode escolher entre dois tipos diferentes de previdência — e que devem ser escolhidos de acordo com o seu perfil de investidor, objetivos e necessidades —, além de outros aspectos importantes que veremos a seguir!

 

PGBL ou VGBL

Siglas para Plano Gerador de Benefício Livre e Vida Gerador de Benefício Livre, respectivamente, eles têm muita coisa em comum, mas, no que tange as suas diferenças, a principal delas é a tributação.

Por exemplo: no PGBL, o Imposto de Renda recolhido virá com base no total que você vai resgatar — e com a possibilidade de ter os aportes abatidos diretamente no Imposto de Renda.

Já no VGBL, o Imposto de Renda vai incidir apenas na rentabilidade que você conquistou ao longo do período.

 

Tributação

Complementarmente, você deve escolher o modelo de tributação do seu investimento. Na previdência, isso ocorre das seguintes maneiras:

  • progressivo, no qual 15% do que foi aplicado vai ficar retido na fonte (pode chegar a até 27,5%);
  • regressivo, em que a retenção vai girar entre 35 e 10%. Isso depende do tempo que você mantém o dinheiro aplicado — quanto mais tempo, menos impostos você vai pagar.

Está conseguindo identificar quais pontos da previdência têm mais a ver com você?

Vale a pena investir na previdência?

Embora muitas pessoas fiquem entre o Tesouro Direto ou a previdência direta, existem muitos outros tipos de investimentos que podem ser considerados.

E o motivo para a popularidade desses dois primeiros se deve, principalmente, às facilidades para investir. Só que, quando analisamos a previdência friamente, também encontramos alguns pontos interessantes que valem considerá-la para começar investindo R$ 100 ou até menos, de acordo com os seus objetivos, como:

  • facilidade de personalização do seu plano de previdência, o que permite uma alternativa interessante em médio ou longo prazo;
  • facilita a composição de uma renda estável para o futuro (como nos casos que citamos acima);
  • flexibilidade de portabilidade, garantindo que o investidor possa levar o seu investimento para outra instituição, se preferir;
  • meio prático para gerar uma disciplina financeira ao investidor — podendo ser o primeiro contato que você vai ter com o mundo dos investimentos.

Entretanto, como já citamos, a previdência também acumula alguns pontos de atenção que fazem com que muitas pessoas optem por outros tipos de investimentos.

Por exemplo: as taxas praticadas reduzem, posteriormente, os ganhos adquiridos ao longo do tempo. Além disso, a tributação pode ser um problema — especialmente, ao considerar que existem investimentos que são livres de impostos.

A rentabilidade, em si, também não um dos maiores atrativos da previdência. O próprio Tesouro Direto costuma chamar mais a atenção dos investidores que estão dando os seus primeiros aportes.

Com isso, responder à pergunta “vale a pena investir na previdência” não é tão simples de responder: para quem já tem estabilidade financeira e está pensando, exclusivamente, em um conforto e renda para o futuro, até pode ser uma ideia interessante.

Só que os custos diretos e indiretos podem fazer com que o investidor se desmotive ao calcular o quanto ele pode adquirir, em longo prazo — principalmente, comparando com outras opções.

Só que, no geral, a previdência é um instrumento interessante para dar os primeiros passos nesse universo. Ainda mais, se você pretende diversificar a sua carteira de investimentos futuramente.

 

Quer contar para gente como foi — ou está sendo — a sua experiência com a previdência? Então, deixe um comentário, logo abaixo, e vamos expandir essa discussão com as suas próprias histórias sobre o assunto!

 

 

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.