política de remuneração

Como elaborar uma política de remuneração na empresa?

O mercado de trabalho se tornou um ambiente altamente competitivo tanto para empregado como para empregadores. Se antes um bom salário era suficiente para segurar um profissional por anos na organização, hoje não é mais. Por isso, muitas empresas vêm investindo pesado em uma boa política de remuneração

Neste sentido, por meio da política de remuneração, existe um acréscimo ao salário por meio de benefícios e participação nos lucros, por exemplo.

Com isso, a política de remuneração passou de gasto desnecessário para instrumento estratégico empresarial obrigatório. É uma ferramenta motivacional capaz de influenciar na decisão de um profissional sobre ficar ou não em uma empresa.

Entretanto, existem inúmeros desafios para implementar uma boa política de remuneração. Neste artigo vamos falar sobre a importância da política de remuneração e dar dicas sobre como construí-la.

O que é política de remuneração

A política de remuneração pode ser descrita como um conjunto de estratégias que tem por objetivo recompensar os colaboradores pelo trabalho prestado.

Por meio da política de benefícios, a empresa é capaz de motivar seus colaboradores e consequentemente impactar diretamente na produtividade deles. Facilitando a atração e retenção de talentos na empresa.

“O sistema de remuneração é o conjunto de instrumentos coerentes e alinhados com a estratégia da empresa, de natureza material e imaterial, que constituem a contrapartida da contribuição prestada pelo empregado aos resultados do negócio, através do seu desempenho profissional e se destinam a reforçar a sua motivação e produtividade”. (CÂMARA 2000, apud Rito 2005, p.45).

6 dicas para implantar uma política de remuneração

Para construir uma boa política de remuneração é importante se atentar a pontos como: plano de cargos e salário, benefícios, comissões e bonificações e muito mais. Abaixo vamos falar sobre cada um deles.

 

Crie um plano de cargos e salários

O primeiro passo para construir uma boa política de remuneração é conhecer o funcionamento da empresa. Isso parte do pressuposto de descrever bem os cargos, salários e funções, para assim avaliar a remuneração e os benefícios.

Com essas informações, em parceria com os próprios colaboradores e gestores do setor, a política de remuneração se torna mais assertiva. Já que com esses dados em mãos fica mais fácil criar estratégias específicas para cada cargo. 

Além disso, um plano de cargos e salários permite que o colaborador tenha uma visão ampla sobre possíveis promoções e oportunidades de crescimento dentro da empresa.

 

Desenvolva uma política de benefícios

90% dos profissionais consideram os benefícios profissionais como um grande fator motivador para mantê-los na empresa. O salário é prioridade para apenas 20%, revelou uma pesquisa do Insper.

Sendo assim, uma boa política de remuneração passa necessariamente por um plano de benefícios efetivo. Convênio médico, vale-alimentação, vale-cultura, trabalho em home-office são alguns dos benefícios mais comuns oferecidos pelas organizações.

O ideal nesse caso é fazer uma pesquisa interna para que os colaboradores votem sobre qual o benefício mais desejado internamente. Pois dessa forma, a ação estratégica se torna mais eficaz.   

 

Ofereça participação nos Lucros e Resultados

Dedicação e empenho para o alcance de metas e objetivos. Toda empresa sonha em ter um time engajado e produtivo. Dentro desse cenário existem vários estímulos ao colaborador que podem potencializar a produtividade.

Numa política de benefícios a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) pode ser uma ótima opção. Isso porque dentro dessa estratégia o colaborador pode se sentir ainda mais importante dentro da empresa e reconhecer o impacto direto que ele tem nos resultados.

Assim, os profissionais “vestem a camisa” da empresa com maior interesse, já que sabe que os lucros da organização também darão a ele um retorno positivo financeiramente e profissionalmente falando.

 

Valorize o trabalho com comissões ou bonificações

Uma comissão ou bonificação nada mais é do que um acréscimo de pagamento feito pelo empregador como forma de reconhecer e valorizar os trabalhos prestados pelo empregado.

Ela normalmente está interligada a um alcance de metas e resultados pré-determinado pela empresa. É uma remuneração variável e pode ocorrer mensalmente, bimestralmente, trimestralmente e anualmente, conforme critérios criados pela própria organização.

É importante nesse caso de comissões e bonificações, dentro da política de remuneração, que a empresa deixe claro aos funcionários o funcionamento dessa mecânica. 

Em vista que, ele saberá exatamente o caminho que precisa seguir para alcançar os objetivos colocados a ele para alcançar esse benefício. 

 

Possibilite o adiantamento salarial

Segundo o SerasaConsumidor, cerca de 41 milhões de brasileiros pegariam um empréstimo para pagar algum gasto que surgiu inesperadamente. 

Pensando nisso, muitas empresas adotaram em sua política de remuneração o adiantamento salarial.

Com ele, o colaborador recebe um valor adiantado pelos serviços prestados e consegue evitar possíveis imprevistos com contas e dívidas. Um que ganha força no mercado é o salário sob demanda

Nele não existem datas específicas para o colaborador receber um adiantamento. O próprio colaborador tem liberdade para pedir um valor proporcional do seu salário mesmo que tenha trabalhado apenas uma semana.

Além de ser uma estratégia que abre margem para uma flexibilidade trabalhista, o salário sob demanda é objeto de engajamento e valorização dos colaboradores. É também uma demonstração de preocupação da empresa com o bem-estar pessoal do colaborador.

 

Mensure os gastos das ações

A implantação de uma política de remuneração exige da empresa pés no chão. De nada adianta ter uma ótima ideia no papel se o plano é inviável financeiramente para a organização. 

O ideal é que a política de remuneração seja uma estratégia a longo prazo e que sua empresa tenha como arcar com os custos.

Tentar colocá-la em ação sem que haja um prévio planejamento ou um valor destinado a esse processo pode sujar a imagem da empresa. 

Pois, ela não terá como cumprir combinados, pagar bonificações, benefícios e etc., podendo até gerar futuros processos trabalhistas.

Política de remuneração: diferencial competitivo essencial 

A política de remuneração é uma estratégia essencial, tanto para quem busca aumentar sua competitividade de mercado como na atração e retenção de talentos. Além disso, ações de política de remuneração tem um sentido de valorização profissional. 

São recompensas além do salário que tem um alto poder motivacional, impactando diretamente nos resultados. Porém, uma boa política de remuneração exige da empresa planejamento, que compõe uma análise minuciosa de investimentos e gastos. 

É determinante ter uma visão ampla do mercado e dos concorrentes e avaliar onde a empresa deseja chegar com a implantação da política de benefícios e quais instrumentos serão necessários para alcançá-la.

Ademais, é fundamental que toda a estratégia esteja devidamente alinhada com os colaboradores da organização. Toda a política de remuneração precisa ter uma comunicação transparente e justa para que seja realmente assertiva.

Quer ficar por dentro dos melhores conteúdos de RH e gestão do mercado? Siga a Xerpa nas redes sociais (Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn).

 

 

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.