Oferecer um salário que atenda às expectativas dos colaboradores é essencial para manter a equipe engajada. É claro que bons talentos não são motivados apenas pela remuneração, mas isso não quer dizer que a empresa possa descuidar desse aspecto. Nesse cenário, fazer uma pesquisa de satisfação salarial é uma das tarefas mais importantes do RH.

Essa iniciativa funciona como um termômetro para avaliar se os salários praticados pela empresa estão no caminho certo. As respostas dos colaboradores ajudarão a identificar problemas e montar um plano de ação para solucioná-los. Quer saber mais sobre como essa ferramenta funciona? Continue acompanhando o post!

Por que fazer uma pesquisa de satisfação salarial?

Muitas empresas acreditam que pagar os salários em dia e oferecer os benefícios obrigatórios por lei são o suficiente para manter os colaboradores satisfeitos e motivados. No entanto, não é bem assim que funciona.

Por mais que os pagamentos não atrasem, o ideal é que os salários estejam sempre na média do mercado, ou até acima, se a empresa quiser ser realmente competitiva na guerra pelos talentos.

Isso porque quando se trata de salário, comparações são inevitáveis. Quando um funcionário descobre que outras empresas pagam vencimentos maiores para o mesmo cargo, ele se sente desvalorizado, o que causa frustração, desmotivação e queda de produtividade.

O mesmo vale para os benefícios. Foi-se o tempo em que bastava cumprir o básico para manter os colaboradores satisfeitos. Hoje, é preciso ir além do vale-transporte, vale-refeição e plano de saúde, adicionando ao pacote vantagens relevantes para o dia a dia dos profissionais.

Convênios com academias, lanches gratuitos, espaços para descanso e planos de carreira são apenas alguns exemplos do que pode ser feito. Com criatividade, é possível encontrar as alternativas ideais para o perfil da empresa e da equipe.

 Para saber mais sobre esses benefícios, confira este outro artigo do nosso blog: Benefícios adicionais: uma valorização fora da caixa 

A pesquisa de satisfação salarial serve para medir se todos esses requisitos estão sendo cumpridos. As respostas dos colaboradores ajudarão a identificar falhas na política salarial da organização, evidenciando os pontos que precisam de melhorias mais urgentes.

Sem a pesquisa, fica muito mais difícil perceber o que precisa mudar, o que pode causar danos à gestão de pessoas e aos resultados do negócio. Confira alguns deles a seguir.

 

Queda na produtividade

Insatisfação com o salário gera queda de motivação, o que prejudica os níveis de produtividade e concentração na equipe. Com isso, as taxas de erros, perdas e retrabalho tendem a aumentar, derrubando a qualidade das entregas e os resultados do negócio.

Sem uma pesquisa de satisfação salarial, as chances de identificar a real razão por trás da baixa produtividade diminuem bastante. Quando não se sabe o motivo, resolver o problema se torna praticamente impossível.

 

Evasão de talentos

A pesquisa de satisfação salarial também é uma ótima estratégia para evitar a evasão de talentos. Quando um profissional sente que seu salário está defasado, o caminho natural é ele começar a buscar novas oportunidades em outras empresas, muitas vezes até concorrentes.

Se a empresa identificar o problema antes disso acontecer, é possível conversar com o colaborador e corrigir a rota, aumentando o poder de retenção de talentos da organização.

Como realizar a pesquisa de satisfação salarial?

Como toda iniciativa de gestão de pessoas, a realização de uma pesquisa de satisfação salarial requer planejamento e transparência. Caso contrário, o medida trará mais problemas do que soluções, gerando um efeito completamente oposto do que o esperado.

Os principais passos para planejar e realizar uma pesquisa de satisfação salarial são:

  • definir a periodicidade;
  • analisar o cenário;
  • definir o público;
  • elaborar as perguntas.

A seguir, explicamos mais detalhes sobre cada uma dessas etapas. Confira.

 

Definir a periodicidade

A pesquisa de satisfação salarial deve ser uma política da empresa, não apenas uma medida esporádica. O ideal é que seja definida uma periodicidade para sua realização, seja ela anual ou semestral.

Com isso, os colaboradores saberão que a empresa está interessada em atender suas necessidades e manter os salários sempre atualizados. Além disso, é uma forma de a organização estar sempre a par do nível de satisfação do time.

 

Analisar o cenário

Apesar de a pesquisa de satisfação salarial ter uma periodicidade preestabelecida, é preciso analisar o cenário constantemente para verificar a necessidade de eventuais pesquisas emergenciais.

Se surgirem sinais de insatisfação no ambiente de trabalho, fique alerta: o motivo pode ser o salário. Alguns desses indícios são:

  • conflitos;
  • queda de produtividade;
  • aumento de faltas;
  • problemas de pontualidade;
  • aumento nos pedidos de demissão;
  • reclamações recorrentes.

Definir o público

A pesquisa será feita com todo o grupo de colaboradores ou apenas com um dos times? Tudo vai depender da necessidade do momento.

O questionário anual deve ser aplicado em toda a empresa, mas se for identificado algum problema pontual em uma equipe específica, é possível, sim, elaborar uma pesquisa mais direcionada.

O importante é que isso seja definido antes que a pesquisa seja preparada e divulgada, a fim de evitar confusões.

 

Elaborar as perguntas

A pesquisa de satisfação salarial deve ser rápida, direta e relevante. Utilize uma ferramenta de questionários online com perguntas como: “você está satisfeito com a sua remuneração?” e “você tem alguma sugestão para melhorarmos o pacote de benefícios?”. 

É importante que haja espaço para comentários escritos, para que os colaboradores consigam realmente expressar seus pontos de vista e sugerir melhorias.

Outro ponto importante é que a pesquisa seja anônima, para preservar a identidade dos envolvidos. Afinal, ninguém quer ser exposto aos colegas e chefes, principalmente quando se trata de um assunto tão delicado.

A ideia é usar a pesquisa de satisfação salarial para avaliar o cenário geral, como ponto de partida para estudar a situação de cada colaborador mais a fundo. Depois, com conversas individuais, será possível observar caso a caso e implementar soluções eficientes.

 

Agora que você já sabe como fazer uma pesquisa de satisfação salarial, que tal colocar o que aprendeu em prática? Assim, a empresa consegue monitorar de perto a satisfação da equipe e implementar medidas para garantir o engajamento e a produtividade dos funcionários no dia a dia.

 

Se você gostou do artigo, não se esqueça de assinar a nossa newsletter. Assim você recebe diretamente no seu e-mail os nossos principais conteúdos sobre gestão de pessoas!