pagamento on-demand

Pagamento on-demand: o que é e como adotar o salário sob demanda!

O pagamento on-demand ou, salário sob demanda, é uma modalidade já popular, que visa agregar a flexibilidade para que os colaboradores recebam pelas horas trabalhadas, mas ainda não pagas. Algo que alivia muitos dos problemas financeiros — e aqueles gerados pelos desafios em fechar as contas.

 

Ter uma (breve) relação de amor e ódio com a renda mensal não é algo que acontece apenas dentro de sua casa, tá? Acredite: é um drama cotidiano para muitas pessoas — dentro e fora do Brasil.

A pesquisa CareerBuilder, conduzida em 2017, atestou que 78% dos entrevistados mal conseguem liquidar as contas com o seu ordenado.

Além disso, dos mais de 3 mil entrevistados, cerca de ¾ deles também atestaram que estão com uma ou mais dívidas acumuladas. Sinal claro de que algo precisa ser mudado, concorda?

E essa transformação pode vir em um conceito ainda pouco explorado no país: o pagamento on-demand.

Mas não se preocupe se o termo também não soou familiar para você, porque este post vai esclarecer as suas dúvidas e apontar o caminho para uma verdadeira revolução na sua empresa. Confira!

Por que mexer na forma de pagamento dos funcionários?

O bem-estar financeiro tem se tornado uma tendência forte para os profissionais de RH implementarem nas empresas. E por quê? É um assunto que impacta na rotina.

Quer um exemplo disso? Com base na maciça presença de pessoas endividadas, na pesquisa acima, dá para ter uma ideia do semblante preocupado que as pessoas vão ao trabalho.

E isso interfere na produtividade, na empatia, na motivação e no engajamento deles. Sem falar que esse estresse e desgaste acumulados também são despejado nas atividades profissionais.

Ou seja: mais obstáculos no caminho dos seus talentos, que vão produzir abaixo da capacidade, preocupar-se mais e ter reflexos negativos em suas avaliações, minando o seu desenvolvimento — pessoal e profissional.

O que é o pagamento on-demand ou salário sob demanda?

Nessa necessária flexibilização para reduzir o absenteísmo, a baixa produtividade e os sintomas psicológicos de problemas pessoais, o pagamento on-demand tem se popularizado como uma solução pra lá de atrativa.

E o que isso seria? Em uma tradução livre, o termo se refere a uma forma de remunerar os profissionais de acordo com os dias já trabalhados, mas ainda não quitados.

Por exemplo: se a empresa tem o costume de fazer os pagamentos dos seus recursos humanos apenas no dia 30, ou no quinto dia útil de cada mês, os profissionais estão limitados a isso.

Se uma conta pendente vai vencer os juros nesse período em que já não há mais dinheiro em conta, as dívidas se acumulam. Agora, quando o profissional pode receber o pagamento dos dias já trabalhados quando quiser, ele tem flexibilidade para planejar o seu mês.

Vale observar, também, que já percebemos algo nesse sentido em alguns trabalhos mais alinhados ao momento digital e dinâmico da Era Digital: o serviço de transportes via aplicativos.

Nele, os motoristas têm acesso facilitado ao pagamento, não tendo que esperar, exclusivamente, até o final do mês para receber os seus ganhos.

Como o pagamento on-demand funciona nas empresas?

O exemplo anterior tem muito a ver com uma categoria de serviços nascida no berço da Era Digital, é verdade. E isso nos leva a perguntar: e em setores tradicionais da economia?

As empresas acostumadas aos modelos tradicionais de pagamento — bem como as leis trabalhistas vigentes — podem ser impeditivos tremendos para a implementação do pagamento on-demand.

Acontece que não é tão desafiador assim, quando analisamos o processo. Afinal de contas, se já conseguimos automatizar a folha de pagamento, o passo seguinte é igualmente possível.

Portanto, o básico para que o pagamento on-demand funcione, por aqui, é o controle assertivo das horas de trabalho dos colaboradores.

Por meio delas é possível fazer um cálculo em tempo real do pagamento devido que já está disponível para saque.

Nos Estados Unidos e em outros países, o pagamento on-demand tem seguido uma estrutura padronizada de aplicativos para a conferência e solicitação de saque. Por exemplo:

  • o setor de RH envia (ou o próprio sistema e/ou aplicativo encaminha automaticamente) as horas trabalhadas dos funcionários;
  • o sistema calcula as horas e transforma-as em saldo disponível para saque;
  • o colaborador tem acesso ao valor e pode retirar o quanto julgar necessário;
  • o pagamento é debitado na sua conta — no mesmo dia ou no próximo dia útil.

Isso dá um controle maior, para o colaborador, de suas despesas. O que evita prejuízos com juros e vencimentos de contas, por exemplo, e facilita o planejamento do orçamento mensal.

A boa notícia é: isso já chegou no Brasil! O Xerpay foi lançado pela empresa Xerpa em 2019 e já promete uma solução inovadora no pagamento dos colaboradores. O aplicativo é simples e fácil de usar, possibilitando que o funcionário saque o seu salário acumulado – dias já trabalhados. Clique aqui e entenda mais sobre esse benefício corporativo.

Quais são os benefícios do salário sob demanda?

Como vimos, até aqui, o surgimento e a popularização global do salário sob demanda têm bastante a ver com o momento em que vivemos.

Mas, acima disso, tem tudo a ver com a preocupação corporativa com o bem-estar financeiro dos seus ativos mais valiosos: as pessoas.

Em primeiro lugar, porque o salário sob demanda dá mais controle do profissional sobre as suas finanças. Eles deixam de ser tão dependentes (ou reféns) das datas — de pagamentos e de vencimentos.

Com uma boa orientação sobre educação financeira, essa modalidade agrega mais flexibilidade e empoderamento às pessoas.

Além disso, empresas que já investiram nesse tipo de solução identificaram as seguintes mudanças, na rotina corporativa, após a implementação do pagamento on-demand:

  • controle maior das finanças;
  • mais motivação e engajamento dos profissionais (trabalhando, inclusive, mais horas);
  • menos ausências causadas por conflitos pessoais;
  • menos estresse gerado por situações financeiras alarmantes.

Outro ponto interessante identificado: com uma boa dose de atenção ao bem-estar financeiro dos profissionais, as empresas perceberam que os saques antecipados visavam, exclusivamente, quitar as contas ou para a realização de compras de emergências — fraldas e medicamentos, por exemplo.

Nada de compras por impulso, portanto, mostrando o quanto a empresa pode ser participativa também no desenvolvimento pessoal do seu quadro de funcionários.

Para as empresas, resta um alinhamento para tornar a transação mais ágil, segura, automatizada e sem impedimentos com as instituições financeiras.

Só que os retornos gerados têm se mostrado altamente benéficos — para as corporações e, claro, para os colaboradores.

Quando considerar o uso do pagamento on-demand?

Graças à tecnologia atual e suas inovações contínuas, as empresas podem se antecipar às situações de emergência. E mais: podem se mostrar realmente preocupadas com os seus ativos.

Por meio do pagamento on-demand, um importante passo é dado nessa direção.  Por isso, o momento para essa transição pode ser agora ou em curto prazo.

Afinal de contas, os benefícios colhidos dessa prática são imediatos! Uma solução rápida, portanto, e apenas à espera de um planejamento eficiente para a sua implantação.

 

E você, ficou com alguma dúvida a respeito do pagamento on-demand e quer saber como essa modalidade pode se adaptar facilmente à rotina da sua empresa? Então, deixe um comentário, logo abaixo, e nós responderemos às suas dúvidas o quanto antes!

 

 

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.