Orçamento familiar

Como fazer um orçamento familiar: 6 passos para elaborar o seu

Entrar no vermelho todos os meses é o medo da maioria das famílias brasileiras e a realidade de outras tantas. Por isso, uma das formas de evitar esse cenário é por meio do orçamento familiar.

Com ele é possível controlar os gastos de forma mais clara e efetiva. Afinal, se você não sabe para onde vai o próprio dinheiro todos os meses, a chance de se endividar é altíssima.

Sendo assim, possuir um planejamento financeiro transparente evita estresses, mas principalmente diminui os riscos de ultrapassar os limites do orçamento familiar.

Apesar da importância do orçamento familiar, você sabe como montá-lo?

Neste artigo vamos dar um passo a passo para lhe ajudar nesse desafio de organizar as finanças. Confira!

Como planejar um orçamento familiar: passo a passo

Será que montar um orçamento familiar é tão complexo quanto dizem?

Abaixo separamos alguns passos que vão te fazer perceber que esse planejamento não é um bicho de sete cabeças e que é super possível colocá-lo em prática com alguns passos, entre eles:

  1. Liste todos os gastos;
  2. Organize seu planejamento entre despesas e receitas (fixas e variáveis);
  3. Anote todas as entradas de renda;
  4. Defina os limites de gastos;
  5. Escolha a forma de registrar e acompanhar o orçamento;
  6. Faça a análise periódica dos gastos.

Abaixo você confere os detalhes de como planejar um orçamento familiar. Acompanhe-os!

1. Liste todos os gastos

Uma tarefa complexa, mas necessária. Listar todos os gastos é parte essencial do orçamento familiar.

Esse precisa ser o passo inicial para a família reunir todas as despesas de uma forma geral.

E quando falamos em todas é todas mesmo, incluindo:

  • conta de luz;
  • TV;
  • Internet;
  • IPVA;
  • supermercado;
  • IPTU;
  • aluguel;
  • condomínio;
  • cinema;
  • shows;
  • jantares fora, e por aí vai!

Trace uma linha com os gastos fixos e mês a mês vá acrescentando os variáveis. Isso porque listando tudo fica mais fácil fazer cortes e reconhecer em que ponto é possível economizar.

Para isso você pode contar com algumas ferramentas de gestão financeira como planilhas e aplicativos. A seguir, algumas dicas de quais podem ser mais eficientes.

2. Organize seu planejamento entre despesas e receitas (fixas e variáveis)

Todo o orçamento contém despesas fixas e variáveis e receitas fixas e variáveis. Pois, é por meio dessas somas e subtrações que você terá o valor exato de quanto está gastando em detrimento ao que está recebendo.

Dentro de despesas fixas estão contas como:

  • luz;
  • aluguel;
  • telefone;
  • internet e etc.

Já nas variáveis se insere:

  • comer fora;
  • passeios;
  • shows;
  • presentes e tudo que não é fixo no orçamento mensal.

Em relação a receitas fixas estão:

  • salário;
  • freelas fixos;
  • pensões;
  • aposentadorias e outros.

Na variável podemos citar os bônus e comissões também.

3. Liste todas as entradas de renda

Saber exatamente de onde vem o seu dinheiro é o primeiro passo para o sucesso do orçamento familiar. Isso porque listar todas as entradas de renda faz com que você tenha maior organização financeira.

Portanto, como dissemos anteriormente, liste toda renda fixa da família e vá revisando e acrescentando mês a mês qualquer receita variável.

Ter o controle do que se ganha é essencial na construção do orçamento familiar.

Uma vez que controlar tudo que entra e tudo o que sai do seu orçamento familiar, contribui para que você possa cortar gastos para sobrar dinheiro, evitar o vermelho e ficar no azul todos os meses.

Orçamento familiar

Fonte: Finanças Forever

4. Defina os limites de gastos

Estipular um limite do que se pode gastar no mês também colabora para que o orçamento familiar dê resultado.

Por exemplo, se você tem uma receita familiar de 10 mil reais e sua despesa total, entre fixa e variável, é de 6 mil reais, você terá então 4 mil reais de sobra.

Com isso, você sabe que tem uma receita disponível de 4 mil livres que podem ser investidos, guardados ou gastos de alguma forma.

Essa conta parece simples, mas segundo uma Pesquisa de Orçamento Familiar recente feita pelo IBGE, a maior parcela do orçamento das famílias brasileiras é destinada ao pagamento de dívidas.

Por isso, é tão importante contrapor as despesas (fixas e variáveis) com as receitas (fixas e variáveis), definindo assim seu limite de gastos mensal.

5. Escolha a forma de registrar e acompanhar o orçamento

De nada adianta ter todos os dados mentalmente se eles não estão visíveis para que a família possa analisá-los. Assim, é recomendável que sempre haja uma forma de organização e planejamento que ajude nessa rotina.

Independente do modelo, seja em planilhas desenhadas ou digitais, o importante é que literalmente você se encontre nele e consiga preenchê-lo e ajustá-lo de forma prática e rápida.

Esses métodos de anotação e registro contribuem para que você amplie sua visão sobre cada gasto detalhadamente.

Sabe aquele termo “tudo no papel”, é exatamente isso que uma planilha de orçamento familiar tem por objetivo.

Orçamento familiar

6. Faça a análise periódica dos gastos

A análise periódica de ganhos e gastos pode ajudar no estabelecimento de metas de curto, médio ou longo prazo.

Isso porque tendo uma visão de quanto entra e quanto sai você pode traçar objetivos e fazer cortes de orçamento.

Confira alguns exemplos que separamos de orçamento familiar em curto, médio e longo prazo.

  • Orçamento em curto prazo (1 ou 2 anos): Reservar parte do seu orçamento para comprar um eletrodoméstico, uma viagem, um curso ou um presente para o filho.
  • Orçamento em médio prazo (3 a 5 anos): Juntar dinheiro para comprar um carro novo ou ingressar em algum curso de médio/longo prazo ou faculdade.
  • Orçamento em longo prazo (daqui a 6 a 10 anos): Guardar dinheiro para comprar uma casa, uma viagem longa internacional, casamento e viagens de lua de mel.

O orçamento familiar e o impacto na vida financeira

Elaborar um orçamento familiar parece bem complexo num primeiro momento, mas seguindo um passo a passo ele se torna prático e efetivo na vida financeira da família.

Dado que com o orçamento familiar fica mais fácil planejar:

  • compras;
  • gastos;
  • investimentos;
  • economias.

Com ele, há um controle e um gerenciamento maior e melhor do dinheiro.

Evitando gastos desnecessários e principalmente eliminando boa parte do estresse financeiro da família.

Inclusive, você sabia que o estresse financeiro, em função da falta de planejamento financeiro, pode impactar até na rotatividade das empresas?

Esse foi um dos temas abordados recentemente no blog no artigo: “Como o estresse financeiro aumenta a rotatividade de funcionários”

Logo, tendo em vista o orçamento que se tem, diminuem as chances de se gastar por impulso e acima do limite que a família tem disponível.

Desse modo, o orçamento familiar não é só uma ferramenta opcional da saúde financeira, mas objeto essencial para quem deseja sair do vermelho todos os meses.

Gerencie seus recebimentos

O salário sob demanda é uma nova forma de remuneração que permite que você tenha o controle mais efetivo do seu salário.

Xerpay é uma ferramenta da Xerpa que oferece salário sob demanda. Ao se cadastrarem no sistema, os colaboradores podem sacar seus pagamentos quando quiserem de forma simples e instantânea.

Bom neh? Então indique o Xerplay para a sua empresa! Basta preencher o formulário no site.

Conheça mais no vídeo abaixo.

Descubra porque a empresa deve investir mais em programas de bem-estar financeiro. Boa leitura!

E aí, curtiu? Então, siga a Xerpa nas redes sociais FacebookInstagram e LinkedIn e acompanhe artigos como este sempre!

E você, já organiza o orçamento familiar todos os meses? Como você gerencia o seu dinheiro? Compartilha nos comentários conosco!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.