Você sabe o que é cheque especial? Trata-se de uma espécie de crédito pré-aprovado pelas instituições financeiras, e que consiste em ceder um saldo específico para que a sua conta bancária nunca fique no vermelho. Acontece que essa conveniência e praticidade se converte em juros elevados que pode, com o tempo, empurrar as pessoas para dívidas ainda maiores e difíceis de sair.

Talvez, o significado do que é cheque especial já tenha sido mencionado em uma conversa com gerentes de banco, colegas de trabalho ou mesmo à mesa, em reuniões familiares. Você sabe, no entanto, por que tanta gente teme “entrar no cheque especial”?

Especialmente, por se tratar de uma solução aparentemente tão prática e ágil, aí reside o perigo. Essa modalidade de empréstimo pode afetar a sua vida pessoal e profissional, uma vez que a solução rápida contra as dívidas pode se acumular em um problema ainda maior devido as taxa de juros do cheque especial serem muito altas,

Quer saber mais a respeito do que é cheque especial e ele como funciona e, ainda, entender como evitá-lo para resolver os seus problemas? Basta seguir com a leitura deste post!

O que é cheque especial?

Resumidamente, o que é cheque especial refere-se a uma modalidade de crédito pré-aprovado pelas instituições financeiras (com base no perfil de cada cliente) que é usada automaticamente assim que a conta bancária é zerada.

Isso significa que, em vez de cair no débito, o consumidor daquele banco consegue obter renda extra, convenientemente, para quitar as suas despesas ou mesmo lidar com imprevistos financeiros.

Como funciona o cheque especial?

É engraçado considerar que um tipo de empréstimo tão popular, no país, seja igualmente tão misterioso para a maioria. Afinal, é uma solução tão prática e à mão, que as pessoas costumam considerar as implicâncias dessa decisão quando os elevadas taxas do cheque especial pingam diariamente.

Ou seja: nem tudo que é conveniente e cômodo é tão benéfico quanto parece.

Sem o devido planejamento financeiro, você pode assumir uma dívida ainda maior e mais longa do que a anterior ou do que teria que arcar de multa, se não pagasse um ou mais boletos em dia.

Vamos explicar, então, como funciona o cheque especial:

  • quando acaba o saldo em sua conta-corrente, o usuário pode solicitar (em caixas eletrônicos) a quantia desejada para suprir esse déficit. Ou ainda, tê-lo cadastrado para que seja debitado automaticamente caso o saldo seja inferior a zero;
  • o valor do cheque especial pode ser usado tanto em saques quanto para pagamentos ou transferências;
  • você também pode usá-lo, claro, para complementar alguma aquisição. Por exemplo: você tem um débito de R$ 600, mas só tem R$ 200 na conta-corrente e R$ 500 pré-aprovado de cheque especial. Assim, você pode fazer uso da quantia que bem entender para complementar a sua compra.

Acontece que, em seguida, entram os juros e as taxas do cheque especial, que ocorrem em dias corridos — e não úteis —, e com taxas elevadíssimas, que dificultam a vida dos requerentes.

Por que o cheque especial tem juros altos?

Aí está uma pergunta que, para muitos, não se têm resposta fácil. Mas é simples, sim: o cheque especial carrega juros elevados porque, normalmente, os bancos pedem poucas garantias para concedê-lo.

Com isso, os correntistas podem obter uma renda extra, e rápido, sem as burocracias solicitadas em um pedido de empréstimo, por exemplo. Tudo isso transcorre, então, sem avaliações, garantias ou contratos que estipulem condições prazos.

Só que, exatamente aí, mora o perigo para muitos que assumem o cheque especial: a falta de um planejamento que quite, rapidamente, esse débito.

Uma vez que os juros são elevados, ocorre que a dívida tende a se acumular e, se surgem novos imprevistos, a pessoa endividada está em uma situação delicada que pode evoluir para quadros de estresse ou, até mesmo, de depressão.

Como evitar o uso do cheque especial?

É claro que evitar o uso do cheque especial pode ser uma tarefa difícil — especialmente, para quem não possui um planejamento financeiro. Só que é possível observar as melhores alternativas e aprender a tomar decisões mais assertivas para que, com o tempo, a sua situação financeira seja aprimorada.

Para que você aplique essa melhoria em sua rotina, abaixo destacamos algumas dicas relevantes sobre o assunto. Dê uma conferida!

1. Analise os seus gastos e compare-os com a sua renda mensal

Coloque, no papel, tudo o que você costuma gastar em um mês. Tanto as contas fixas quanto as variáveis. Isso ajuda a calcular um custo médio que você tem. Em seguida, compare-o com a sua renda mensal.

Isso é importante para que você tenha um mínimo planejamento financeiro e evite fazer compras por impulso ou que forcem você a busca uma renda rápida, como o cheque especial.

2. Faça uma reserva financeira

Com base na dica acima, tenha também uma reserva. Ou seja: dedique uma parcela da sua renda mensal para eventuais necessidades e imprevistos.

A importância disso é clara, fazendo com que você tenha tempo hábil para lidar com eventuais débitos ou gastos que não estavam dentro do seu planejamento.

E o melhor: quando isso se torna um hábito, você adquire mais conforto financeiro para considerar objetivos maiores, como um período de férias em outra cidade ou, até mesmo, um investimento em automóveis ou imóveis.

Ter um objetivo claro ajuda na economia e no planejamento financeiro.

3. Atenção com o cadastro do cheque especial no débito automático

Para muitas pessoas, o cheque especial se torna uma modalidade sorrateira, até, à disposição para eventuais necessidades. Só que, para quem não está a par disso ou não tem o hábito de checar as finanças regularmente, pode se transformar em uma armadilha para lá de prejudicial.

Isso porque as taxas do cheque especial são praticados diariamente, como alertamos acima. Isso pode fazer com que a sua dívida aumente rapidamente, impactando na sua renda e na realização de pequenas ou grandes aquisições ao longo do mês.

4. Avalie a possibilidade de substituir dívidas

Funciona assim: caso os juros do cheque especial estejam elevados, experimente pesquisar no mercado outras opções de empréstimos — desde que tenham taxas menores do que as que você vem pagando.

Assim, o novo empréstimo quita a dívida anterior e você tem melhores condições e parcelas mais acessíveis para lidar, ao longo dos próximos meses. Uma boa maneira de negociar o seu caminho para fora dessa situação incômoda.

Como evitar o cheque especial, mesmo em situações de imprevisto?

Vimos que as taxas do cheque especial podem ser extremamente prejudiciais à sua saúde financeira, e a longo prazo, até a sua saúde psicológica. Tudo isso interfere na qualidade da vida pessoal e profissional das pessoas.

Se você é dono de empresa, você pode ajudar seu colaborador a poupar e ainda economizar dinheiro, oferecendo uma forma moderna de realizar o pagamento do salário. Ao invés de pagar R$ 136 de juros no cheque especial, ele pode gastar só R$ 9 no adiantamento. Como isso é possível? Com o Xerpay!

Xerpay é uma ferramenta da Xerpa que oferece salário sob demanda. Ao se cadastrarem no sistema, os seus colaboradores podem sacar seus pagamentos quando quiserem de forma simples e instantânea.

O Xerpay já trouxe resultados para diversas empresas como:

  • 10% de aumento de retenção de talentos;
  • 20% de melhoria da produtividade dos colaboradores;
  • 100% de aumento de atração de candidaturas às novas vagas.

Conheça mais sobre o Xerpay e agregue mais esse benefício para a equipe da sua empresa.

Agora, para complementar o que vimos ao longo deste post, que tal conferir os grandes benefícios que você pode ter, no seu dia a dia corporativo, se a empresa investir mais em programas de bem-estar financeiro? Boa leitura!

Agora que você sabe o que é cheque especial, queremos ouvir um pouquinho mais de você: ele já trouxe alívios para a sua saúde financeira ou teve alguma experiência desagradável? Compartilhe a sua história conosco, no campo de comentários deste post!