Perseverança, inovação e muito foco (e transpiração): esses são alguns ingredientes em comum entre as mulheres empreendedoras que ingressaram em um mercado brasileiro pouco aberto ao sucesso delas. Por isso, resgatamos a história de algumas mulheres que mostraram o caminho das pedras para que você se inspire e, com isso, comece a pavimentar a sua trajetória empreendedora!

 

Ousadia, transpiração, desejo de inovar e muito foco para enfrentar, todos os dias, os desafios comuns ao empreendedorismo no país — e ao fato de que as mulheres ainda batem de frente com a porta do sucesso.

Vale reforçar, entretanto, que esse cenário tem se modificado de maneira relevante: entre 2015 e 2017, a proporção de mulheres tidas como “chefes de domicílio” havia aumentado de 38 para 45% das pessoas pesquisadas.

Assim, as mulheres empreendedoras estão, definitivamente, em foco hoje em dia. E, neste post, queremos trazer mais luz para as suas ambições e objetivos contando 8 histórias de mulheres empreendedoras.

Confira, e descubra o que você pode ter em comum — e o que pode se inspirar — na trajetória de outras mulheres empreendedoras!

1. Ana Fontes

A executiva Ana Fontes decidiu, após 17 anos de experiência no ramo, que era hora de assumir as rédeas de sua própria carreira e, assim, encontrar a felicidade que o atual emprego, à época, já não proporcionava.

Ao seguir para essa empreitada, Ana Fontes encontrou-se com outras mulheres empreendedoras e identificou uma série de desafios e erros em comum. Assim, nasceu a Rede Mulher Empreendedora.

Desde 2010, esse espaço dedica-se exclusivamente ao empreendedorismo feminino com notícias, dicas e uma série de debates atuais sobre o tema. Dessa maneira, inspira mais mulheres empreendedoras a buscarem os seus próprios caminhos de sucesso.

2. Sarah e Julinha Lazaretti

A Alergoshop chegou ao mercado como uma solução para as irmãs Sarah e Julinha Lazaretti. Na busca por produtos específicos para lidar com os problemas da filha de Sarah, o negócio próprio mostrou-se a alternativa mais assertiva para o nicho tão pouco explorado até então.

Da ideia à concepção passou-se um tempo até que, em 1993, as mulheres empreendedoras lançaram a Alergoshop, que já conta com um catálogo de mais de 280 produtos para as pessoas alérgicas.

3. Zica Assis

Aí está mais uma mulher empreendedora que viu, no mercado, uma carência a ser explorada. Zica Assis estava insatisfeita com os cosméticos que encontrava para cuidar dos seus cabelos cacheados. Assim, após a realização de cursos e muitos testes de fórmulas, ela chegou a um resultado ideal para os seus objetivos.

Para quem não sabe, o Instituto Beleza Natural nasceu a partir daí, tornando-se uma grande referência nos cuidados de cabelos crespos e ondulados — todos com produtos feitos internamente.

4. Lênia Luz

Um bom indicativo de que as mulheres empreendedoras se inspiram: Lênia Luz decidiu buscar uma resposta comercial para as suas ambições, no empreendedorismo, e alcançou-a em 2012 ao lançar o Empreendedorismo Rosa.

Trata-se de um blog que produz e reúne uma série de conteúdos pensados para outras mulheres empreendedoras. Assim, ela ajuda a empoderar pessoas que pensam de maneira similar, e estão em busca de soluções para alcançar o seu sucesso profissional (e pessoal, consequentemente).

5. Patricia Bonaldi

A estilista é uma das grandes referências nacionais no mundo da moda, atualmente, com enfoque nos vestidos de festa principalmente. Tudo porque ela percebeu que poderia expandir a sua ideia inicial (uma loja de artigos para festas) em algo abrangente — mas sem sair do nicho onde já acumulava experiência.

Contudo a PatBO já tem três lojas próprias, hoje em dia, e conexões nacionais e internacionais que ajudam a impulsionar o talento de outras mulheres empreendedoras no meio.

6. Luiza Helena Trajano

Esse é um dos mais famosos cases de mulheres empreendedoras: como a Luiza Helena Trajano começou a empreender, no interior de SP, e consolidou uma das principais marcas varejistas do país: o Magazine Luiza.

Em uma das listas da revista Forbes, Trajano acumulava uma fortuna que ultrapassava marca de R$ 1 bilhão. Mais que isso: a empreendedora é presença certa em debates sobre o assunto em toda parte, o que destaca o seu faro mercadológico e habilidade para não apenas ser bem-sucedida, mas em compartilhar o seu amplo conhecimento.

7. Chieko Aoki

A fundadora da Blue Tree Hotels, uma das principais redes hoteleiras do país, tem sua trajetória marcada no ramo desde a década de 1980. De lá para cá, Chieko Aoki buscou ampliar os seus conhecimentos em uma formação na área de Direito, na USP, e é constantemente associada a um dos grandes nomes de liderança no país.

Com isso, a marca que ela mesma ergueu carrega um nome forte não apenas para o mercado, mas para as mulheres empreendedoras. Já que ela também faz parte de diversos grupos, como:

  • LIDE, o Grupo de Líderes Empresariais;
  • LIDE Mulher;
  • integrante do Conselho de Empresários da América Latina (CEAL);
  • integrante da Academia Brasileira de Marketing.

Currículo tão inspirador quanto invejável, não é mesmo?

8. Sônia Hess de Souza

Por fim, temos a trajetória de Sônia Hess de Souza para analisar. Afinal, a Dudalina nasceu lá na década de 1950 com a dona Adelina Clara Hess de Souza, quando ela passou a produzir camisas a partir das sobras de tecidos que ela adquiria.

A marca, uma das principais de camisetas do país, teve uma nova figura à frente de suas ações: Sônia Hess de Souza, que, em 2003, assumiu o comando da empresa. Para tanto, foram 19 anos dedicados à história de batalhas e conquistas de sua mãe.

Como resultado disso, Sônia respondeu pelo aumento de 50% do faturamento da empresa. Isso, sem falar na diversificação do repertório de produtos da marca, que produz as peças de muitas empresas de destaque no mercado nacional.

O que as mulheres empreendedoras têm em comum?

Vivemos um momento em que as mulheres empreendedoras estão mais e mais em evidência. Especialmente, em um mercado que não reconhecia plenamente esse aspecto tão comum às pessoas em geral, e não aos gêneros.

Portanto, é fácil identificar, em cada um dos perfis acima, a perseverança, a sede por conhecimento e a gana por vencer. Isso tudo em meio aos naturais desafios que todo e qualquer empreendedor embarca ao investir em uma ideia própria, no Brasil.

Para além dessas características, é importante mencionar o senso de liderança e de inovação — elementos fundamentais para colocar as suas ideias em prática. 

E isso pode ocorrer antes mesmo de investir em um negócio próprio. Há um nome para as mulheres empreendedoras — todos os profissionais, na verdade — que usam e abusam dessa característica dentro das empresas. Caso queira saber mais a respeito, aproveite para conferir também nosso artigo que explica o que é o intrapreneur e como usá-lo a favor do seu negócio!