millennials e a geração Z no ambiente de trabalho

4 fatos sobre millennials e a geração Z no ambiente de trabalho

Millennials e a geração Z no ambiente de trabalho estão a cada dia mais integrados — ainda que existam múltiplas diferenças entre ambos os perfis. Dentro das empresas, as gerações se misturam e dividem as expectativas e interesses que marcaram suas respectivas épocas.

E, para as organizações, isso se traduz em desafios múltiplos para manterem-se fiéis às suas identidades, mas igualmente atrativas para o mercado de trabalho ainda composto, em sua maioria, pelos millennials e agora com o crescente desenvolvimento da geração Z.

De maneira que a sua empresa organize-se para ser um ambiente inclusivo para todos e muito bem alinhado às tendências mercadológicas, preparamos este post. Vamos falar um pouquinho de tudo, a seguir, dentro dos seguintes tópicos:

  • Quem são os millennials, geração X, Y, Z e baby boomers?
  • Quais são as características dos millennials e a geração Z no ambiente de trabalho?
  • Como isso impacta o processo de recrutamento e seleção?

Então, siga com a leitura e aprenda as diferenças entre millennials e a geração Z no ambiente de trabalho!

Quem são os millennials, geração X, Y, Z e baby boomers?

A passagem de gerações é um ciclo natural de nosso amadurecimento. Hoje em dia, os termos mais parecem ingredientes de uma sopa de letrinhas, mas é fácil de compreendê-los e aplicá-los ao contexto atual do mercado de trabalho.

Comecemos, então, com os baby boomers, que são aqueles nascidos entre os anos de 1946 e 1964. É uma média elevada de brasileiros, hoje em dia, correspondendo a pouco mais de 30% da população.

A geração X, por sua vez, corresponde a 55 milhões de pessoas. São as pessoas nascidas entre 1965 e 1981, e uma geração que precede os millennials — correspondendo a pessoas entre 1982 e 1995, aproximadamente. Percebe-se, então, que os millennials e a geração Z — cujos representantes nasceram próximos à virada do século 20 para o 21 — traduzem-se nas gerações mais novas.

Como consequência disso, temos choques contínuos de metodologias, tendências, pensamentos e tecnologias. Os millennials, por exemplo, estão mais inseridos em um contexto digital do que a geração X, que vive quase um contraste pesado com as novas estruturas sociais que a geração Z encontrou desde os seus primeiros anos de vida.

Não à toa, os millennials e a geração Z no ambiente de trabalho causam uma disruptura que, dentro das empresas, consiste em um trabalho equilibrado para aceitar as mudanças, torná-las palpáveis para as gerações anteriores e prepararem o terreno para o que a geração atual vai representar, futuramente.

Quais são as características dos millennials e da geração Z no ambiente de trabalho?

Colocar ambas as gerações sobre análise pode mostrar um pouco mais sobre o desafio do setor de RH, atualmente, para ser um ambiente inclusivo e que não se permite estagnar diante de tantas inovações no mercado. 

Afinal de contas, a geração Z pode encontrar muito mais facilidades para lidar com novas tecnologias, ao passo que os millennials ainda são maioria no mercado de trabalho. É importante conciliar esses dois pontos e, para isso, vamos ver um pouco mais sobre o perfil médio de ambas as gerações!

1. Cargos de liderança

Recente pesquisa apontou que, embora sejam distintas, as gerações mais recentes têm também algumas similaridades. O estudo ouviu 18 mil profissionais em 19 países, e percebeu que no contexto de ambições para ascender na empresa existem alguns pontos interessantes.

Por exemplo: a gerações Y e X encaravam a estabilidade profissional com mais cuidado. Já os millennials e a geração Z no ambiente de trabalho se comportam com mais flexibilidade sobre o assunto. 

Para eles é mais importante sentir-se bem, desafiado e valorizado, dentro da empresa, do que a ideia de fincar raízes sem uma razão bem sólida. Assumir os cargos de liderança, portanto, depende exclusivamente da atratividade da organização para manter esses profissionais sempre engajados e interessados.

Isso pode ser um desafio especialmente elevado para empresas que não oferecem planos de carreira e, tampouco, planos de sucessão profissional. Ao sentirem que a empresa onde trabalham não promovem planejamentos em longo prazo para os funcionários, as gerações atuais podem seguir para uma direção diferente em pouco tempo.

2. Empreendedorismo

As gerações X e Y olham com mais cuidado a possibilidade de largar uma carreira estável para abrir um negócio próprio. Por sua vez, esse é um pensamento que surge com força também entre os millennials e a geração Z no ambiente de trabalho, mas com uma diferença: eles esperam por uma oportunidade flexível.

Ou seja: não basta empreender como os baby boomers empreendiam, por exemplo. O contexto digital explica muito a facilidade com a qual a geração Z reflete sobre uma atuação autônoma no mercado.

3. Relação com novas tecnologias

Esse é um dos pontos mais divergentes entre os millennials e a geração Z no trabalho, bem como acontece com as pessoas nascidas antes disso. Afinal de contas, são pessoas que amadureceram em torno de processos analógicos e em uma sociedade pouco informatizada.

São elas, inclusive, que resistem às mudanças revolucionárias, como o uso de soluções 100% digitais e de novas tendências mercadológicas, como o home office. É inegável, então, que o RH deve inserir-se tecnologicamente, mas atraindo pontos de interesse para as gerações ainda acostumando-se a uma sociedade majoritariamente digital.

Vale, então, uma leitura complementar e relacionada a este tópico, especificamente: temos um artigo que apresenta algumas dicas para trabalhar em modelo de home office — algo que tornou-se especialmente comum em decorrência da pandemia do coronavírus!

4. Treinamento dentro das empresas

O desenvolvimento profissional é visto com muito interesse pelos millennials e a geração Z. Para eles, os treinamentos servem para motivá-los, desafiá-los e engajá-los a crescerem na empresa e também nos futuros passos de suas respectivas trajetórias profissionais.

Entretanto, há um equilíbrio interessante, aqui, a respeito do método de ensino: a geração Z prefere um ambiente presencial, enquanto a geração X desponta como mais interessada em treinamentos on-line.

Como isso impacta o processo de recrutamento e seleção?

É de se imaginar que a empresa, embora tenha uma cultura organizacional definida e perfis profissionais desenhados para o preenchimento de cada cargo, tenha que inovar também em seus processos seletivos.

Afinal de contas, existe uma divisão ainda bem estabelecida de gerações no mercado de trabalho. E, como vimos, nem sempre o sonho de consumo dos mais jovens concilia perfeitamente com a demanda de gerações anteriores.

Daí, a importância em ter um processo de recrutamento e seleção definitivo, seja para atrair millennials ou a geração Z. Isso vai ajudar a afunilar os interessados pela vaga e também a tornar mais assertiva a contratação dentro das expectativas da própria organização.

Por isso, dê uma conferida nas dicas que selecionamos abaixo para aproximar-se aos poucos da geração mais atual do mercado e que, dentro de alguns anos, vai ser maioria e logicamente em alinhamento aos processos da sua organização:

  • apresente-se como uma empresa multidisciplinar, focada em soluções digitais e de plataformas múltiplas e integradas;
  • reinvente-se ao deixar os profissionais em posições mais analíticas e estratégicas, e menos embasadas em processos mecânicos, repetitivos e burocráticos;
  • tenha um processo seletivo definido, que teste as capacidades e habilidades dos candidatos;
  • mostre o plano de desenvolvimento profissional da empresa. Mostre que o crescimento de todos e o trabalho colaborativo são pilares institucionais da organização;
  • demonstre flexibilidade no trato com os funcionários e observe com atenção as novas tendências do seu setor de atuação e de novas tecnologias;
  • foque no desenvolvimento da marca também. Os profissionais das atuais gerações gostam de marcas engajadas e que eles se identifiquem com elas.

Tornar a geração Z mais interessada no perfil da sua organização é um caminho interessante para abrir portas ao futuro e, ainda, aproximar-se dos perfis geracionais anteriores. Com planejamento, cuidado e atenção aos diferentes perfis que compõem o quadro de funcionários, você integra a todos em um modelo atual de trabalho, com menos obstáculos e muito mais colaboratividade.

 

Saiba, entretanto, que é possível ir além no trabalho focado em desenvolver a sua marca para todo tipo de profissional — indo além dos millennials e a geração Z no ambiente de trabalho: ao assinar a nossa newsletter (é só preencher os seus dados no cantinho direito do nosso blog) você recebe diretamente na sua caixa de e-mail as nossas dicas e novidades mais fresquinhas! Nos vemos lá!