microgerenciamento

Por que o microgerenciamento pode estar destruindo a sua empresa?

Microgerenciamento é um comportamento gerencial de uma liderança impotente, insegura e autoritária, caracterizado pela prática de controle e monitoramento excessivo da sua equipe, situação e/ou ambiente de trabalho. Esse sintoma é prejudicial, já que compromete a produtividade, motivação e satisfação dos colaboradores.

Esta forma de gerenciamento é um dos grandes erros que um dirigente pode cometer em termos de gestão de pessoas. Muito mais do que afetar o rendimento da força de trabalho operacional de uma organização, o microgerenciamento afeta a qualidade de vida e o bem-estar das pessoas.

A liderança é uma prática que exige capacitação contínua, por isso cargos gerenciais precisam estar sempre atualizados às necessidades da sua equipe e a realidade do mercado. Se você buscar construir lideranças de sucesso na sua empresa, recomendamos a leitura deste programa de desenvolvimento com dicas fundamentais!

O microgerenciamento é uma das consequências de uma liderança fraca, contudo existem maneiras de evitá-lo e corrigi-lo. Quer saber como? Então, acompanhe o post e saiba tudo sobre esse comportamento e garanta que ele não aconteça.

O que é microgerenciamento?

A primeira vista, o nome pode sugerir uma prática de gerenciamento funcional para microempresas ou para equipes pequenas dentro de uma organização. Mas no microgerenciamento, referências de pequeno porte só tem no nome.

O microgerenciamento é uma consequência gigantesca de uma gestão problemática, caracterizada por uma liderança fraca, insegura e controladora. Neste tipo de liderança, os colaboradores não possuem autonomia, liberdade e nem permissão para a proatividade criativa. Consequentemente, altos níveis de estresse, revolta, desânimo, dentre outros são gerados na empresa. 

A exagerada necessidade de domínio das situações e posturas profissionais se torna abusiva e pouco motivadora. Mesmo que pareça uma preocupação genuína da liderança com a qualidade da entrega de um serviço, essa conduta microgerencial é um reflexo de autoritarismo. O gestor apenas quer que as coisas acontecerem a sua maneira.

É preciso estar muito atento, porque esse tipo de liderança afeta a eficiência (excelência nos processos) e eficácia (consecução dos resultados) da organização como um todo.

Como identificar um líder de microgerenciamento?

Independentemente do perfil do gestor, o fato é que a liderança é um respeito adquirido e não imposto. Um bom líder motiva sua equipe, cativa um vínculo, estimula seu desenvolvimento e desperta o melhor em cada profissional. Um mau líder faz uso inadequado do poder e pratica o microgerenciamento.  

É fácil identificar um microgestor, já que são muitos os sintomas que definem esse problema. Um gestor que pratica o microgerenciamento não está preocupado em  ensinar ou colaborar para que a atividade seja feita da melhor maneira, apenas está focado em ordenar que tudo seja feito do seu jeito. 

Confira as principais características que definem um microgestor:

  • poder de decisão exclusivo para si;
  • os colaboradores não têm autonomia;
  • proíbe conversas paralelas entres os colaboradores;
  • qualquer atividade deve ter autorização e ser fiscalizado por ele;
  • todos os processos devem ser avisados, mesmo que sejam rotineiros;
  • ideias são travadas se não forem iniciativas dele;
  • querer ser copiado em todos os e-mails;
  • equipes não podem participar de projetos de outras áreas sem autorização;
  • não delega funções;
  • o foco está nos detalhes minuciosamente;
  • qualquer erro se torna uma grande problema;
  • supervisiona os colaboradores constantemente;
  • ignoram a opinião e/ou experiência dos colaboradores;
  • solicita atualizações sobre os projetos a todo momento;
  • pede relatórios constantemente;
  • julgam os resultados insatisfatórios;
  • não confia na equipe.

Quais as causas do microgerenciamento?

Existem basicamente duas causas principais para o microgerenciamento, o pessoal e o organizacional.

Pessoal

O gestor já é uma pessoa insegura, com dificuldades de confiar nos outros. Por isso, se torna obsessivo por detalhes; acredita que é indispensável para que as atividades sejam feitas. 

Organizacional

O gestor segue a política interna da organização, em que a burocracia e a cultura organizacional geram desconforto no clima organizacional. Neste caso, os cargos de liderança costumam ser instáveis.

Quais os principais problemas do microgerenciamento?

Confira a seguir os principais problemas oriundo do microgerenciamento.

Limitação da proatividade dos funcionários

Limitados pela autoridade do gestor, muitos talentos desperdiçam sua capacitação, conhecimento e experiência, que podiam ser usados para potencializar a evolução organizacional. Além disso, a falta de oportunidade de expor e desenvolver essas habilidades frustram e desmotivam a força de trabalho.

Ambiente de trabalho estressante

Com a cobrança excessiva, comportamento rude e controle desgastante, o ambiente de trabalho se torna estressante, pouco estimulante e desagradável. Consequentemente, o clima organizacional é afetado, prejudicando a produtividade da equipe.

Gestor não é um exemplo

Na política de microgerenciamento, talvez o mais prejudicado seja o próprio gestor. Ele fica mal visto pela sua equipe, se torna um líder mesquinho e tem a sua capacidade de liderança questionada. Os colaboradores não o admiram e obedecem por medo do poder que o seu cargo representa.

Alta rotatividade de colaboradores

Uma das consequências mais visíveis do microgerenciamento é a alta rotatividade dos colaboradores, o que também implica na perda de talentos especiais. A insatisfação com o ambiente de trabalho, relacionamento interpessoal, andamento do plano de carreira, desenvolvimento profissional, dentre outros faz com que o colaborador busque novas oportunidades.

Perda da visão do negócio

Outro problema do microgerenciamento é a perda da visão do negócio. Ao se dedicar ao gerenciamento minucioso dos projetos, o gestor acaba perdendo a noção macro do empreendimento. Isso faz com que análises importantes para a evolução da empresa no mercado não sejam feitas de forma adequada e os resultados finais sejam desastrosos. 

Para que a empresa trabalhe com todo seu potencial, uma boa liderança é indispensável. Portanto, o microgerenciamento deve ser evitado a todo custo. É preciso confiar na sua força de trabalho e oferecer condições para que ela se desenvolva, afinal todos trabalham movidos para atingir as mesmas metas organizacionais

Ter o respeito e admiração dos funcionários é a melhor maneira de atingir resultados satisfatórios e assegurar o crescimento da empresa.

E aí, se identificou? Então, conta pra gente aqui nos comentários como foi a sua experiência com esse tipo de liderança.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.