mercado financeiro

MERCADO FINANCEIRO: o que é e como ele funciona!

O mercado financeiro vive na boca da população: dos chefes aos noticiários, o termo é usado para explicar a economia, o impacto financeiro em nossas vidas, o pedido de aumento salarial… Tudo faz parte, direta ou indiretamente, do que esse setor causa no país e ao redor do mundo inteiro.

Mas, na prática, acostumamo-nos a distinguir o mercado financeiro como consequência, quando ele é a causa para isso tudo que mencionamos acima. O que nos leva a perguntar: você sabe o que é mercado financeiro?

Não estranhe se não souber definir em detalhes. Pois estamos falando de um setor que engloba muitas, muitas variáveis e assuntos pertinentes para todos os segmentos da sociedade.

Para ajudar a sanar todas as dúvidas, preparamos este guia completo sobre o que é o mercado financeiro, a sua estrutura e como ele atua na economia do país — bem como nas finanças pessoais.

Boa leitura!

O que é mercado financeiro?

Resumidamente, o mercado financeiro pode ser visto como um ambiente que reúne e concentra todas as compras e vendas de produtos financeiros. É claro que, embora agregue significado, essa explicação não chega nem perto de observar até onde vai a influência do setor.

Vamos a um exemplo prático, então? A instituição financeira onde você concentra a sua renda na conta corrente faz uso da quantia que não está em aplicações de investimento. Faz parte dos acordos em abrir uma conta bancária, permitindo que os bancos usem para os mais diversos fins, como empréstimos financeiros.

Outro exemplo da amplitude do mercado financeiro é a bolsa de valores, local que concentra investidores e emissores. Investimentos, empréstimos, ações… Isso tudo pertence ao espectro do mercado financeiro.

Quem são os atuantes desse tipo de mercado?

Por se tratarem de muitas vertentes dentro do conceito de mercado financeiro, vamos esmiuçar os seus participantes para que você entenda, parte a parte, o seu funcionamento!

Emissores

Eles são as instituições que emitem títulos. Por título, podemos entender diversos tipos de produtos financeiros, como um crédito concedido ou mesmo a distribuição de ações.

Emissores, então, são comumente conhecidos como os grupos ou empresas que abrem-se para o capital no mercado financeiro. É o caso, por exemplo, da Ambev, na qual as pessoas podem investir em suas ações ou, ainda, o próprio governo ao emitir títulos públicos do Tesouro Direto.

Quer saber mais sobre o Tesouro Direto? Temos um post completo sobre o assunto — aproveite para dar uma conferida assim que finalizar este artigo!

Investidores

São as pessoas que investem seus recursos nesses títulos citados acima. Isso pode se configurar, como vimos, por meio do empréstimo de dinheiro a partir de aplicações (como o Tesouro Direto) ou também com a compra de ações. 

E, por mais que os investidores possam ser pessoas e também empresas, esses perfis compartilham o mesmo objetivo: conservar o patrimônio ou multiplicá-lo.

Intermediários

Intermediários, no mercado financeiro, são aqueles que realizam as operações entre os emissores e investidores. Ou seja: eles unem ambas as partes para que realizem os seus interesses.

Corretoras de valores são bons exemplos de intermediários nessas situações.

Quem mais movimenta o mercado financeiro?

Além dos elementos destacados anteriormente, o mercado financeiro é regido por outros agentes de grande importância para a sua manutenção e desenvolvimento — além da devida regulação e fiscalização. Vamos conhecê-los, logo abaixo!

Banco Central

Uma das figuras centrais da economia do Brasil, o Banco Central (ou BC) tem, entre seus principais objetivos, assegurar a estabilidade do poder de compra da moeda e um sistema financeiro sólido e eficiente. 

Na prática, o Banco Central controla a inflação do país, bem como a emissão do câmbio vigente no país, além de outros fatores importantes para o desenvolvimento econômico e controle de índices monetários — como a determinação da taxa SELIC.

Comissão de Valores Mobiliários

Órgão importante para o mercado financeiro, porque se ocupa da fiscalização do Mercado de Valores Mobiliários, cujos produtos financeiros podem ser traduzidos em ações e de fundos de investimento.

CMN – Conselho Monetário Nacional

Por fim, temos o Conselho Monetário Nacional, que é o órgão máximo do Mercado Financeiro.

Ele não tem função executiva, cabendo ao “CMN” normatizar o mercado, ou seja, criar normas e supervisionar o seu cumprimento.

O que mais é movimentado no mercado financeiro?

Como vimos o que é mercado financeiro e quem são os seus principais protagonistas, hora de entender o motivo pelo qual existem tantas transações ocorrendo em um ritmo alucinante no seu dia a dia.

No geral, estamos falando de todo tipo de operação que envolvem os mais variados tipos de investimentos no país, bem como as suas devidas negociações. Alguns exemplos:

  • títulos públicos;
  • ações;
  • fundos imobiliários;
  • CDB;
  • debêntures;
  • LCI e LCA.

Esses produtos financeiros, portanto, podem ser considerados alguns dos muitos ativos que circulam pelo mercado financeiro diariamente. Só que, além disso, existe uma divisão para a qual cada um dessas “mercadorias” se movimentam e agregam valor em diferentes áreas da sociedade. Vamos entender mais sobre isso logo abaixo!

Mercado de crédito

No mercado financeiro, os créditos se constituem na oferta de recursos seja para curto ou médio prazo. Normalmente, são concedidos por bancos e instituições financeiras — e podemos citar os empréstimos como ativos presentes no mercado de crédito.

O controle, fiscalização e regulamentação do setor fica sob a responsabilidade do Banco Central.

Mercado de câmbio

Toda operação cambial ocorre nesse tipo de mercado. É o caso das trocas entre a moeda nacional (o Real) e moedas estrangeiras, como o dólar.

Aqui, o controle e fiscalização também ficam sob a tutela do Banco Central.

Mercado monetário

No mercado monetário, o Banco Central tem atuação destacada e bastante diversificada. Tendo em vista o controle da taxa de juros e das operações de oferta do Real, a instituição trabalha por meio de algumas estratégias, como:

  • a quantidade de reais em circulação;
  • os índices de juros; 
  • a concessão de crédito do país.

Com esse trabalho estratégico, o Banco Central busca fortalecer a economia. Só que a produção de moeda não depende do BC para isso, embora ele monitore a quantidade que circula como bem adiantamos: esse trabalho fica por conta da Casa da Moeda, exclusivamente.

Mercado de capitais

Para os investidores do mercado financeiro, os capitais são valiosíssimos — parte fundamental das transações realizadas por eles e os intermediários. Aqui, podemos ficar por dentro de tudo o que acontece na Bolsa de Valores e todas as negociações relativas a eles.

E quais são os principais tipos de investimentos?

Deve ter dado para perceber que, para as pessoas, o mercado financeiro é fundamental para a manutenção de nossa sociedade. Entretanto, todos podem ter um pouco de participação ativa nesse processo.

Se você já começou a economizar dinheiro no dia a dia e pretende transformar esse dinheiro parado em lucros, continuamente, o mercado financeiro é uma das saídas mais procuradas pelas pessoas.

Para tanto, é importante compreender algumas noções básicas sobre o setor, a fim de considerá-las para o devido alinhamento com os seus objetivos, necessidades e também com o seu perfil de investidor.

Basicamente, os investimentos se enquadram em duas categorias:

  • investimentos de renda fixa;
  • investimentos com renda variável.

Destacamos, acima, a importância em saber o seu perfil e objetivos porque os tipos de investimentos vão se diferenciar pelas taxas praticadas, para o investidor, os lucros e também pelos riscos de perdas. 

No geral, as aplicações de renda fixa são consideradas mais conservadoras porque contam com uma taxa de rendimento previsível. Ou seja: o investidor vai saber, exatamente, o quanto as suas aplicações vão render, e em quanto tempo. A renda variável, por sua vez, conta com lucros mais agressivos, mas a oscilação pode justamente tornar a negociação mais arriscada caso ocorram prejuízos.

A dica básica que muitos especialistas trazem para os investidores iniciantes no mercado financeiro é a seguinte: nunca invista aquilo que você não tem disposição para perder. Se você está acumulando o patrimônio exclusivamente para conservá-lo, os riscos de perda não podem ser tolerados, concorda?

Vamos falar a seguir, então, de alguns investimentos de renda fixa que podem ajudar a compreender melhor como funciona o mercado financeiro nesse sentido!

Tesouro Direto

Tido como um dos investimentos mais seguros do mercado, o Tesouro direto se caracteriza pela troca dos seus investimentos por títulos públicos no qual ocorre uma espécie de empréstimo para o governo federal.

Um bom substituto para a poupança, por exemplo, e com boa rentabilidade. Existem alguns tipos de investimentos no Tesouro Direto, que são:

  • Tesouro IPCA+;
  • IPCA+ com juros semestrais;
  • Tesouro Prefixado.

Pode ser uma boa oportunidade para ingressar no mercado financeiro e também em investimentos seguros e com boa taxa de retorno.

CDB

Sigla para Certificado de Depósito Bancário, o CDB é emitido por instituições financeiras e contam com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), o que concede o retorno do investimento caso o emissor (as instituições financeiras, no caso) entrem em processo de falência.

LCI e LCA

São siglas para as letras de crédito dos setores imobiliário (LCI) e do agronegócio (LCA). São alternativas isentas de Imposto de Renda e nas quais os seus recursos são alocados a um dos setores citados.

Letra de Câmbio

Letra de câmbio, ou LC, é um título de dívida no qual o emissor é uma financeira. 

Debênture

Caso empresas com capital aberto necessitem de recursos para um novo projeto ou investimento, eles recorrem aos debêntures. Portanto, os investidores alocam os seus recursos em um fundo no qual essas empresas recorrem diante da necessidade de captar recursos.

O rendimento desse tipo de investimento é bom, mas os riscos também se elevam, nesse sentido, por oferecer menos garantias aos eventuais prejuízos.

Por onde começar a investir no mercado financeiro?

Os exemplos acima são, apenas, algumas das muitas possibilidades que você tem para investir no mercado financeiro. Para começar esse tipo de atividade, portanto, você deve iniciar fazendo um mapeamento dos seus objetivos financeiros, as suas necessidades e o alinhamento de cada modalidade com o seu perfil.

Com base nisso, você pode escolher a melhor opção para enquadrar-se ao seu perfil e, assim, minimizar os riscos e potencializar os resultados para alcançar suas metas no prazo estipulado para isso.

É importante, então, fazer um planejamento e contar com profissionais qualificados para auxiliar em cada etapa desse processo. No caso de investimentos que necessitem de um intermediário, convém analisar as melhores propostas de diferentes corretoras de valores. Assim, você aproxima-se mais e mais dos valores esperados, mês após mês, e previne-se contra todo tipo de imprevistos.

 

Vale destacar, ainda, que você não precisa encerrar, por aqui, a sua busca por vertentes do mercado financeiro. Caso você queira ir além das dicas que vimos aqui, aceite o nosso convite para curtir a nossa página no Facebook e seguir-nos no Instagram e LinkedIn! Lá, reunimos muitas dicas relevantes sobre o assunto, e você também pode interagir com a nossa base de seguidores!

Comentários Facebook

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.