mensurar o engajamento do funcionário

Mensurar o engajamento do funcionário: aprenda como fazer!

Mensurar individualmente um trabalho que é realizado por uma equipe nunca é uma tarefa fácil. Tendo em vista que cada pessoa realiza uma etapa da demanda, encontrar os gaps e falhas deixados por colaboradores específicos é um dos maiores desafios de qualquer gestor. 

No entanto, mesmo que seja complicada, essa é uma atividade essencial para manter o grupo em harmonia. Afinal, a partir do momento no qual um trabalhador não cumpre a sua demanda, todos os outros serão diretamente influenciados negativamente. 

Além disso, entender como mensurar o engajamento do funcionário é fundamental para garantir a produtividade e, consequentemente, o sucesso de qualquer empresa. O engajamento diz respeito ao comprometimento dos colaboradores com as entregas, com os resultados e a com convivência entre os colegas no ambiente de trabalho. 

Neste post, vamos considerar:

  • a importância de mensurar o engajamento do funcionário;
  • o impacto e os benefícios nos resultados do negócio;
  • as consequências do baixo engajamento;
  • as dificuldades de fazer a mensuração;
  • as maneiras viáveis de medir o engajamento.

A ideia de gerenciar da melhor maneira o engajamento dos funcionários e interpretar os dados coletados no sentido de melhorar a produtividade da equipe pode ser um grande diferencial em sua empresa. Chegando até ao ponto de ser um garantidor de sucesso. 

Para saber como implementar esse método em sua empresa, continue conosco.

A importância de mensurar o engajamento do funcionário

Dentre as diversas medições de desenvolvimento dos colaboradores realizadas pelos gestores e pela equipe de RH, o engajamento do funcionário é uma das mais importantes. 

Mesmo sendo, de certa forma, uma análise subjetiva, o engajamento determina o nível de qualidade da atuação profissional da equipe em relação ao que se espera de resultado das atividades.

Um bom engajamento é identificado quando:

  • os colaboradores estão comprometidos com os desafios diários da empresa;
  • os níveis de estresse ao lidar com as adversidades não são elevados;
  • o relacionamento entre líder e equipe se mantém estimulante;
  • a equipe “veste a camisa” e passa a ser “a cara” da empresa na sociedade;
  • cursos e treinamentos causam resultados perceptíveis a curto, médio e longo prazo;
  • a retenção de clientes é alta;
  • a taxa de turnover da empresa se mantém baixa.

É fato, portanto, que o engajamento do funcionário afeta diretamente o negócio e deve ser analisado por diferentes pontos de vista e em todas as fases de atuação do colaborador.

Além disso, um funcionário que não está trabalhando no mesmo timing que o restante da equipe tende a atrapalhar o andamento das atividades de produção, baixando a produtividade e diminuindo o lucro da empresa.

Além disso, depois de um determinado período, a atitude negativa pode fazer com que outros funcionários se sintam desestimulados a continuarem trabalhando. 

Nesse sentido, a importância de mensurar o engajamento do funcionário está diretamente relacionada não apenas a produtividade individual, mas também com os resultados obtidos pela equipe como um todo.

O impacto e os benefícios nos resultados do negócio

O engajamento está completamente ligado ao comprometimento do colaborador em relação às suas atividades e, consequentemente, às suas entregas finais. Por isso o impacto nos resultados do negócio é direto. 

O alinhamento das expectativas do profissional com os objetivos da empresa faz com que, no dia a dia, essa combinação de interesses se esmiúce para os mais pequenos detalhes.

O impacto, portanto, se dá desde o sentimento de pertencimento do colaborador que garante um dia a dia ágil e colaborativo na empresa, até a preocupação em entregar, na prática, o melhor trabalho nos projetos dos clientes.

Assim, garantir a retenção dos clientes é o principal benefício, pois estabiliza uma empresa e a torna referência em seu setor de atuação. 

Com tantos concorrentes no mercado, ser capaz de reter clientes e de abrir mais frentes de atuação é muito importante e só é possível quando seus representantes traduzem no atendimento e nas entregas quais são os valores da sua marca.

É importante também que fique claro que o engajamento do funcionário depende não só do seu empenho, mas também das condições de trabalho que a empresa oferece. A busca por essa combinação harmoniosa que ditará a velocidade do sucesso.

As consequências do baixo engajamento

As consequências do baixo engajamento podem ser drásticas para a empresa.  Prepare-se para a ordem do caos: equipes desmotivadas entregam trabalhos ruins aos clientes. 

Clientes insatisfeitos não se mantém e tornam-se detratores da empresa. Perda de clientes e má reputação causa insatisfação dos gestores. 

Insatisfação dos gestores causa mais desmotivação nas equipes, que, por fim, deixam seus cargos e aumentam a taxa de turnover da empresa.

Além disso, é importante ressaltar que um funcionário com baixo engajamento muitas vezes não apenas não trabalha da maneira esperada, e sim realiza atividades de forma a atrapalhar o andamento das tarefas da organização. 

Ou seja, as demandas produzidas por esse funcionário, ao invés de ajudarem, acabam gerando consequências como o retrabalho. 

Dentro desse cenário, não apenas a produtividade cai, mas também as possibilidades de lucro diminuem. Sendo assim, a empresa acaba sofrendo com problemas em todos os sentidos.

Impressionante o quanto o engajamento afeta diretamente todos os processos de uma empresa, não é mesmo? Assim, planejar formas de mensurar o engajamento do funcionário é essencial para qualquer companhia crescer.

>> Para assegurar bons resultados, é essencial conhecer quais são os principais processos financeiros da sua empresa. Leia o post Principais processos financeiros de uma empresa: aprenda quais são! e aplique já os conhecimentos. <<

As dificuldades de fazer a mensuração

Por ser uma métrica muito subjetiva, mensurar o engajamento do funcionário demanda uma certa sensibilidade dos gestores e do RH da empresa e assim essa ação deve ser feita com bastante cuidado.

Portanto, é importante, antes de tudo, definir o que é engajamento para a sua empresa, ou seja, quais são os fatores que determinam se está havendo ou não comprometimento dos seus colaboradores no desenvolvimento e na entrega das suas atividades. 

Além da subjetividade, uma grande dificuldade na mensuração do engajamento acontece devido à dificuldade em estabelecer uma comunicação sincera com os colaboradores. 

Por isso, os feebacks, as pesquisas e a solicitação explícita de envolvimento dos funcionários nas decisões da empresa estimulam o empenho e a sinceridade, resultando consequentemente em uma mensuração mais clara e objetiva.

As maneiras viáveis de mensurar o engajamento do funcionário

A abertura para que a transparência entre os colaboradores aconteça de forma natural é a primeira preocupação que se deve ter para garantir maneiras viáveis de medir o engajamento. 

A segunda é a frequência, que idealmente deve ser alta, já que atualmente as situações se transformam muito rapidamente.

Para disponibilizar uma comunicação sincera e acessível aos colaboradores com seus colegas e gestores, seguem algumas formas ágeis de mensurar o engajamento do funcionário:

Produtividade

Defina métricas que avaliem a produtividade dos seus colaboradores. Essas métricas podem ser: 

  • entender o tempo que é necessário para a entrega de demandas específicas;
  • determinar níveis de qualidade claros e objetivos para as entregas;
  • testar diferentes ferramentas e entender seus custos;
  • calcular qual é o retorno financeiro por colaborador;
  • verificar quantas novas oportunidades de negócio foram abertas;
  • ter conhecimento do nível de absenteísmo;
  • coletar feedbacks dos clientes em relação às entregas.

Encontro um por um

Realizar encontros individuais frequentes é uma boa forma de mensurar o comprometimento do colaborador e entender mais profundamente quais fatores estão influenciando seu trabalho para o bem ou para o mal. 

A abertura para uma conversa sincera e transparente, além de possibilitar essa identificação de prós e contras, também fortalece o relacionamento entre os gestores e suas equipes.

Dentro desses encontros é essencial que o gestor também pratique o feedback, sendo sincero quando o desempenho do funcionário não está acontecendo dentro do esperado. 

Desse modo, dá-se a ele a chance de melhorar e se adequar às metas, o que também funciona como uma motivação a mais para trabalhar. 

Pesquisa NPS

Com a pesquisa NPS (Net Promoter Score) é possível quantificar, por meio de perguntas diretas e de notas de 1 a 10, quantos dos seus colaboradores são:

Promotores – aqueles que divulgam e impulsionam a empresa, além de terem orgulho de fazer parte dela.

Neutros – aqueles que não têm uma má impressão da empresa, mas também não vêem um diferencial e não a divulgam por livre e espontânea vontade.

Detratores – aqueles que estão insatisfeitos trabalhando na empresa, podendo chegar até ao ponto de não indicá-la como um bom local de trabalho para outros profissionais.

A pesquisa NPS também pode permitir uma interpretação qualitativa do nível de engajamento do funcionário na empresa por meio da abertura da área de comentários.

É importante garantir o anonimato na realização das pesquisas NPS para que os colaboradores se sintam à vontade para dividirem suas verdadeiras considerações sobre a empresa.

Além disso, as pesquisas de NPS produzem resultados mais assertivos quando permitem que os funcionários apresentem suas considerações sobre o panorama geral da empresa. 

Desse modo, entende-se não apenas seu nível de satisfação na organização, mas os principais fatores por trás dessa posição.

Entrevista de desligamento

Entrevistas diretas com ex-colaboradores são muito úteis para o entendimento de quais fatores influenciam o comprometimento do atual colaborador. 

No processo de desligamento – seja provocado ou voluntário – dos funcionários, é interessante propor uma entrevista rápida e objetiva para colher informações sobre como é vista e sentida a jornada profissional do colaborador dentro da sua empresa.

Explore assuntos como plano de carreira, liderança, remuneração, equipe, entre outros que possam ser determinantes para o bom engajamento.

Fazer um paralelo destes retornos com o nível de engajamento dos colaboradores que continuam na empresa pode gerar insights valiosos para o aprimoramento da experiência do seu cliente interno.

No entanto, é necessário tomar muito cuidado para que essas entrevistas não se tornem um influenciador negativo no clima organizacional

Afinal, é incorreto e antiético por parte da empresa, criar intrigas e mal-estares entre seus colaboradores, mesmo que eles já tenham sido desligados. 

Feedback do cliente

Ter conversas leves e “despretensiosas” com os clientes para colher percepções de como os colaboradores estão trabalhando no atendimento e nas entregas também é uma boa forma de mensurar o engajamento do funcionário.

A experiência do cliente é um ótimo termômetro para entender qual é a percepção que o mercado está tendo da sua empresa. Por isso, não deixe de ter esse alinhamento frequente com seus clientes. 

Para coletar essas informações, a empresa deve agir sempre de forma indireta, para que o cliente não se sinta coagido a passar as informações, transmitindo uma opinião verdadeira e sincera. 

Ouvir os próprios funcionários

Além de todas essas análises, é inquestionável que a percepção do engajamento do funcionário acontece também no dia a dia, por meio da sensibilidade e do senso crítico dos gestores e da equipe de RH. 

Por isso é sempre bom ouvir o que os colaboradores estão dizendo sobre os processos, como estão agindo ao realizar suas tarefas e qual é a qualidade do trabalho que entregam no final do dia. 

O resultado da entrega espelha exatamente qual é o nível de comprometimento que os colaboradores têm com os objetivos da sua empresa.

Para isso, no entanto, é muito importante que os funcionários sintam que o canal de comunicação interna é leve e sem restrições

Sendo assim, é necessário trabalhar de forma intensa no clima organizacional, fazendo com que os contratados entendam o quanto sua opinião é essencial para o bom andamento da empresa.

Consequências da mensuração de engajamento

E como vimos, a mensuração do engajamento pode ser feita de forma qualitativa, quantitativa, orgânica e inorgânica. 

Muitas são as formas de medir, mas o que faz a total diferença é a sensibilidade de percepção dos responsáveis e quais serão as atitudes que serão tomadas a partir da análise dos resultados.

Para que essa percepção se torne aguçada, é muito importante que os líderes e gestores trabalhem para criar uma relação próxima com seus colaboradores. Isso deve ser feito de maneira gradativa e leve, através de atitudes dentro do próprio dia a dia corporativo. 

Além disso, dinâmicas, reuniões e confraternizações são ótimas para aproximar a equipe dos líderes, motivá-la e então perceber o quanto essas atitudes têm influência na produtividade de cada um de maneira individual e afeta na forma de mensurar o engajamento do funcionário.

 

Nosso conteúdo te ajuda a tomar boas decisões? Siga-nos em nossas redes sociais Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn para não perder nenhum outro conteúdo essencial para o desenvolvimento da sua empresa.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.