Isolamento social e saúde mental

Isolamento social e saúde mental: como a quarentena afeta seu bem-estar?

Estudo recente aponta que cerca de 50% da população brasileira tem respeitado as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde em ficar em casa — a popular quarentena. 

Embora o número seja ainda baixo, de acordo com as expectativas para achatar a curva de propagação do vírus Covid-19, existem questões que devem ser analisadas especialmente por quem tem cumprido essa nova rotina. Afinal de contas, isolamento social e saúde mental tem tudo a ver um com o outro.

São tempos novos, que estão nos forçando — literalmente — a repensarmos nosso papel dentro da sociedade. Por isso, é fundamental que entendamos quais são as aplicações dessas transformações e, com isso, consigamos lidar da melhor forma possível para evitar transtornos de toda espécie.

Quer saber mais a respeito? Então, confira conosco qual é a importância da manutenção do seu bem-estar e a relação dele com o isolamento social e a saúde mental! Abaixo, vamos tratar dos seguintes assuntos:

Qual é a relação entre isolamento social e saúde mental?

O Brasil é um lugar onde o estado mental já anda abalado. Estudo recente da OMS aponta que o país concentra o maior número de pessoas ansiosas no mundo inteiro.

Ou seja: isolamento social e saúde mental estão profundamente relacionados, por aqui. Afinal de contas, da noite para o dia nos vimos forçados a ficar dentro de casa — seja a lazer ou para o trabalho do dia a dia.

Vale a pena, inclusive, ficar de olho nas dicas que trouxemos, recentemente, para quem mudou de hábitos e tem que acelerar a produtividade mesmo em casa. Salve a leitura, então, de nosso post com dicas para você trabalhar melhor durante o home office!

Só que o problema vai além da produtividade que os gestores esperam de seus colaboradores, mesmo trabalhando de casa. Com o isolamento social, somos bombardeados com negatividade, como:

  • incertezas sobre o cenário econômico do país;
  • insegurança sobre a sua posição dentro da empresa;
  • preocupação com os entes queridos, expostos ou não ao vírus;
  • temores sobre o futuro do país e ao redor do mundo.

As notícias tampouco ajudam. Estão por toda a parte explorando novas vertentes sobre o assunto e, por ser um assunto ainda fresco na sociedade, toda informação é basicamente uma projeção incerta ainda.

Vale destacar o óbvio também: isolamento social e saúde mental estão unidos por conta, justamente, desse distanciamento. Perdemos o contato com o próximo, o hábito caloroso e empático de estar por perto.

Isso tudo pode agravar qualquer sintoma psicológico (ou estimular o surgimento deles). Daí, a importância em aprender como lidar com essa nova situação em nossas vidas!

Como cuidar do seu bem-estar mental durante a quarentena?

Para que a situação não se agrave e você sinta os efeitos negativos dessa relação entre o isolamento social e sua saúde mental, confira quais dicas a seguir podem servir de auxílio para esse momento!

Filtre bem as informações que você consome durante a quarentena

Hoje em dia, temos acesso a todo tipo de informação. De qualquer lugar, a qualquer hora. E justamente por isso, as notícias em torno da recente pandemia causam tanto alarde.

O smartphone está sempre à mão e, consequentemente, o bombardeio de notícias (algumas delas, fake news) surge no feed das redes sociais, nos sites que você mais acessa e também em outras fontes de informação, como TV, jornais etc..

Não é à toa que as pessoas cedem à pressão de depararem-se com tanta notícia ruim e em tão pouco tempo. Daí, a importância em fazer isso com parcimônia. Em vez de acessar os sites e redes sociais constantemente, crie uma rotina de intervalos mais prolongados para se informar.

Além disso, silencie as notificações de portais de notícias e, principalmente, aprenda a identificar as fake news. A sua saúde mental — e a dos seus entes queridos — agradecem.

Crie uma rotina saudável

Você já tinha uma rotina antes da quarentena, certo? Então, tente replicá-la nos seus atuais dias. Use um horário pré-estabelecido para trabalhar, fazer exercícios, alimentar-se, ter alguns momentos de lazer e, também, de repouso.

Importante, também, acordar e dormir no mesmo horário. O corpo se regula melhor, dessa maneira, e você não fica com a impressão de que está “de férias”. Vale destacar, ainda, que os horários mudaram e você não gasta mais nem um minuto para se deslocar para o trabalho.

Logo, você ganha um tempo a mais, no dia, para estabelecer a rotina que você vinha considerando para ter mais tempo para fazer aquilo que sempre teve vontade — mas não encontrava tempo livre para isso.

Faça exercícios

É claro que você não vai até a academia para isso, mas isolamento social e saúde mental têm tudo a ver com a prática de exercícios (por menores que sejam) na rotina. Você pode fazer yoga e procurar por outras atividades que não façam uso de pesos e halteres usados na musculação.

Uma dica: existem diversos aplicativos que montam cronogramas de exercícios personalizados. Assim, você tem uma rotina dedicada aos seus objetivos e necessidades e que pode ser feita de qualquer lugar, a qualquer hora.

Faça terapia online

Quem fazia — ou não — terapia antes da pandemia aterrissar em nossas vidas, pode mantê-la inserida na rotina por meios digitais. Via videoconferências, por exemplo: uma prática que muitos profissionais estão aderindo para cuidar da saúde mental dos seus pacientes.

Mesmo quem não tinha o hábito, antes disso, pode experimentar uma ou mais sessões. Especialmente, se quadros de ansiedade, estresse e depressão estão se acumulando em seu semblante, comportamentos e atitudes.

Cuidar de si é algo fundamental, independentemente de uma quarentena. Por isso, caso sinta a necessidade de conversar com alguém sobre isso, procure ajuda especializada.

Aproxime-se dos entes queridos por meio da tecnologia

Sabe como muitas pessoas reclamavam que não tinham tempo para rever uma pessoa querida e distante, um parente ou amigos de infância? Não há momento melhor para lidar com isso, atualmente.

Sem falar que você nem precisa sair de casa para isso! Com aplicativos de mensagem instantânea, videoconferências e também por meio das redes sociais, nunca foi tão fácil “dar um alô” para alguém que está no cômodo ao lado ou em outro continente.

Vale destacar, ainda, que essas ferramentas são fundamentais para amenizar os efeitos do isolamento social e a saúde mental. E não estamos falando apenas dos benefícios internos. Afinal de contas, mais pessoas podem estar se sentindo da mesma maneira que você. Então, é uma ótima maneira de ajudar o próximo.

Ajude a fazer a diferença no bem-estar emocional de outros, e não só de você. Quanto mais juntos (mesmo que à distância), melhor!

Faça aquilo que você mais gosta de fazer

Tendo mais tempo livre, que tal dedicar-se aos projetos que você deseja mais fazer, mas vinha atrasando por conta dos mais diversos motivos? Pode ser:

  • aprender um novo idioma;
  • dedicar-se em aprender a tocar um instrumento musical;
  • maratonar as suas séries e filmes favoritos;
  • dar o primeiro passo para o planejamento da sua empresa própria;
  • cozinhar novas receitas para si e/ou para a sua família;
  • montar um canal on-line nas redes sociais.

As possibilidades vão muito, muito além das dicas acima. Basta resgatar da memória aquilo que você deseja fazer, e planeje-se para acrescentar essa atividade ao dia a dia. Pode trazer ainda mais benefícios do que você esperava, acredite.

Pratique meditação

Hoje em dia, muitos sites, aplicativos e mesmo nas redes sociais existem pessoas qualificadas que ensinam e fazem sessões de meditação com os usuários. É a maneira mais prática e acessível para sentir na pele (e na mente) os efeitos positivos da meditação.

Por alguns minutos no dia, você se dedica ao silêncio e à contemplação — algo que ajuda a espantar os pensamentos negativos e a ansiedade, entre outros fatores psicológicos limitantes.

Com a prática, você pode até pegar gosto pela experiência e inserir a meditação na sua rotina quando essa loucura causada pela proliferação do vírus chegar ao fim. Não há mal nenhum nisso, disso você pode ter certeza!

Exercite a sua empatia

Primeiramente, comece com um pensamento positivo o seu dia. Lembre-se que, mesmo com as notícias ruins, nós vamos atravessar e superar essa experiência tão inusitada, perigosa e impactante na vida de todos.

Assim, você pode usar esse positivismo para exercitar também a empatia. Ela é fundamental para que você aprenda a lidar melhor com os seus problemas, e use os seus esforços positivos para ajudar o próximo.

Lembre-se: em uma situação de quarentena, onde todos estão sentindo os seus efeitos, o bem-estar de um significa o bem-estar de todos. De nada adianta a nutrição de sentimentos negativos, então, se ele não ajuda você e tampouco o próximo.

Mais do que nunca, precisamos compreender o que se passa com as pessoas além de nós mesmos. Isolamento social e saúde mental, afinal de contas, é um assunto que tem interferido na vida de todos. A diferença principal é a maneira como ela afeta as pessoas. E se você pode ajudar, por que não?

 

Agora, se você está em busca de mais informações sobre o assunto para aprender a lidar melhor com a sua saúde mental, bem-estar e comportamentos que contribuem com a manutenção de sua saúde em todos os aspectos, aproveite para assinar a nossa newsletter! É só preencher os dados solicitados, no canto inferior do nosso blog, para receber as nossas novidades em primeira mão diretamente na caixa de entrada do seu e-mail!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.