Inteligência emocional no trabalho: como e por que desenvolvê-la?

Na década de 1990, o psicólogo estadunidense Daniel Goleman criou o termo “inteligência emocional”. A ideia desse conceito já havia sido exposta por Charles Darwin, que citou em sua obra a importância do controle das emoções para que o indivíduo seja capaz de sobreviver e se adaptar.

Todavia, a atenção midiática a esse termo se deu após o livro publicado por Goleman, intitulado “Emotional Intelligence”. Desde então, a inteligência emocional no trabalho vem adquirindo cada vez mais importância. Amplamente usado pela psicologia, esse termo significa que, quanto mais o indivíduo consegue ter ciência de suas emoções, mais hábil emocionalmente ele é.

Na contemporaneidade, vemos outra necessidade de controle das emoções, que é a inteligência emocional no trabalho. Como a maior parte da população passa grande parte de seus dias nas corporações, convivendo com cobranças e personalidades completamente distintas, nós podemos imaginar que, sem um autocontrole, o profissional pode acabar por desenvolver diversos tipos de conflitos sentimentais em decorrência dessa pressão.

Vendo a importância desse tema, reunimos nesse artigo algumas dicas valiosas que vão ensinar métodos de desenvolvimento da inteligência emocional no trabalho e auxiliar a manter maior equilíbrio e controle sentimental no cotidiano. Ficou interessado? Então, siga a leitura e confira.

Melhore seu autoconhecimento

O primeiro passo para desenvolver a inteligência emocional no trabalho é ter autoconhecimento. Logo, você deve passar a observar as suas emoções: descubra o que te deixa feliz, o que te deixa com medo ou frustrado, o que faz com que você se motive, enfim. A seguir, note como se faz a construção dos seus pensamentos e sentimentos.

Dessa forma, torna-se possível deixar de repetir comportamentos padrão e passar a controlar melhor suas reações, sua linha de raciocínio e grau no qual as intempéries da vida te afetam. Além disso, conheça seus limites e respeite-os — ter respeito por si mesmo também é fundamental para que você consiga se desenvolver intelectualmente e seja capaz de se manter tranquilo até mesmo nas situações mais complexas do mundo corporativo.

Aumente sua autoconfiança

Duvidar de suas próprias capacidades pode fazer com que você se torne uma pessoa reativa e negativa, que vai agir de forma fechada a novidades e limitar seu processo criativo. Com isso em mente, comece a desenvolver sua autoconfiança. Se um trabalho lhe foi incumbido, significa que você tem capacidade de realizá-lo, então, busque fazer o melhor que puder e acredite que vai conseguir.

Para isso, é interessante contratar um coaching ou iniciar um processo de terapia com um psicólogo. Esses profissionais serão capazes de ajudá-lo a identificar as causas de uma baixa estima, por exemplo, e vão desenvolvê-lo a ponto de eliminar as travas mentais que já estão gravadas em seu subconsciente.

Outra forma que pode ajudá-lo a ter autoconfiança é arriscar-se mais. Busque fazer coisas que nunca fez, expor mais suas ideias, aceitar aquela proposta feita pelo seu líder, entre outras atitudes. À medida em que você for saindo da zona de conforto, será possível gerar resultados e conhecer novos horizontes, assim como descobrir em si mesmo habilidades antes escondidas.

Tenha em mente que o medo nada mais é do que a falta de conhecimento. Quando você experimenta e compreende a realidade da situação, torna-se possível ter mais segurança.

Aprenda a lidar com emoções negativas

As emoções negativas são inevitáveis e ter inteligência emocional não significa entrar em estado de negação em relação a essas emoções. Todavia, é importante ressignificar esses sentimentos, ser capaz de controlar os impulsos e perceber os motivos pelos quais as situações em questão estão gerando esse tipo de sensação.

Portanto, busque se questionar constantemente sobre a motivação das suas emoções. Dessa forma, além de ter controle, você conseguirá encontrar soluções mais sábias para os seus problemas. O ambiente corporativo muitas vezes nos faz ficar inseguros, porém, é preciso ser mais racional e criar atos pautados na análise e na ponderação para não agir equivocadamente.

Aprenda a lidar com a pressão do dia a dia

Para ter inteligência emocional no trabalho, é imprescindível ser capaz de lidar com a pressão do dia a dia. Ou seja, procure pensar com calma, mesmo se as circunstâncias ao seu redor estiverem agitadas, e lembre-se de que algo só pode te afetar se você permitir. Busque realizar seu trabalho da melhor forma possível, mantenha sua produtividade e analise as situações de forma equilibrada.

Ficar com pressa de realizar as tarefas para fugir da pressão do dia a dia é inútil, então, realize de forma dinâmica, mas nunca apressada e sem revisões. Assim, você evita erros e ganha tempo. É interessante ainda criar um cronograma das suas atividades para perder os prazos na entrega de seus projetos e conseguir fazer tudo com qualidade.

Desenvolva a empatia

Empatia é fundamental para a inteligência emocional. Tendo isso em vista, compreenda que há dias em que seu chefe estará mais nervoso, que seu colega de trabalho estará menos receptivo, e que nem sempre as reações das pessoas ao seu redor serão pautadas pelo pensamento racional. Dessa forma, você consegue se colocar no lugar das pessoas e passa a não levar suas reações para o lado pessoal.

Use o afeto para lidar com um conflito, tenha foco na resolução do problema e não em sua causa e explicite aos seus companheiros que você está ali para contribuir e não para gerar críticas e frustrações. Muitas vezes, basta um momento de silêncio e uma abordagem mais sutil para que as coisas se resolvam.

Como vimos, o desenvolvimento da inteligência emocional no trabalho requer uma grande disciplina. Vale lembrar que, no processo inicial de conhecimento das inúmeras facetas da mente, é comum haver recaídas para antigos hábitos e para atitudes que não se encaixam no perfil da sabedoria com as emoções.

Porém, não desanime e cuide de si mesmo, sobretudo, com afeto, compreenda seus limites e vá desenvolvendo suas habilidades com paciência. Com isso, será possível conquistar maior ciência sobre seus comportamentos e aprimorá-los.

E então? Está pronto para desenvolver a inteligência emocional no trabalho? Para receber mais artigos como este e ampliar seus conhecimentos, assine a nossa newsletter!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *