incerteza financeira leva ao desligamento

Incerteza financeira leva ao desligamento: entenda a relação!

É indiscutível que a incerteza financeira leva ao desligamento de funcionários. Afinal, o estresse motivado pelas dívidas prejudica a performance do colaborador, que vai se ver cada vez menos resistente aos problemas. Por isso, convém diagnosticar esse problema internamente para uma tomada de decisão assertiva.

Se você duvida, ainda, que a incerteza financeira leva ao desligamento profissional, aqui vai um dado alarmante: 40,3% da população adulta no país está inadimplente. Ou seja: endividada e ainda em crise econômica.

São 61,8 milhões de pessoas em uma situação delicada, que acumula o estresse no seu semblante e oferece poucas perspectivas de solução se ela se encontra em um momento de estagnação pessoal ou profissional.

A boa notícia é que a empresa pode reverter esse quadro de insatisfação, desmotivação e estresse, obtendo benefícios diretos e indiretos para o seu crescimento.

Quer saber como a incerteza financeira leva ao desligamento — e o que pode ser feito para solucionar esse problema crescente no país? É só seguir com a leitura deste post, então!

O que é estresse financeiro?

Com tantos inadimplentes no país, que tal estabelecermos um panorama do problema?

Acumuladas, as dívidas freiam a conquista de objetivos que demandem o menor investimento. Assim, os dias das pessoas são repletos de desafios e obstáculos para fechar as contas, no fim do mês, evitando que as cifras negativas sejam ainda maiores nos dias seguintes.

Levando esse problema crônico para a rotina das pessoas, esbarramos no estresse financeiro. Uma condição que gera todos os sintomas comuns ao estresse, mas, complementarmente, também gera uma série de infortúnios no dia a dia corporativo.

Qual é a relação entre o estresse financeiro e a produtividade?

Em um país que oscila entre a liderança e a vice no ranking global de estresse, podemos avaliar rapidamente o que isso impacta no desenvolvimento das organizações.

De imediato podemos atestar que a incerteza financeira leva ao desligamento porque a pessoa estressada:

  • tem menos poder de concentração;
  • chega ao trabalho com o nível de estresse elevado;
  • discute e se desentende mais com os colegas, clientes e parceiros;
  • falta mais ao dia de trabalho;
  • tem menos disposição e motivação, além de ter um grau de engajamento inferior aos colegas;
  • desenvolve problemas físicos e psicológicos que impedem-na de trabalhar em elevado índice de performance.

Ou seja: para as empresas, é fácil apontar que a incerteza financeira leva ao desligamento. Qual organização deseja compor um quadro de funcionários com pessoas que não conseguem obter a melhor performance e manter-se em alto nível de competitividade com os colegas?

Acontece que o problema se ramifica a partir daí: medidas drásticas e imediatas, como a demissão dos colaboradores que, nitidamente, sofrem com estresse financeiro não é uma alternativa interessante.

Afinal, demissões custam muito às empresas — direta ou indiretamente. Sem falar que essa decisão desenfreada gera infortúnios de toda espécie para a organização.

Dessa maneira, convém avaliar o quanto esse tipo de problema está afetando a produtividade, a motivação e o engajamento de cada colaborador. Do contrário, vamos viver perpetuamente à espreita de índices que dificultam o crescimento da empresa e impactam a qualidade de vida das pessoas.

Como contornar a questão de que a incerteza financeira leva ao desligamento?

A consultoria PwC, nos Estados Unidos, fez um levantamento que diagnosticou o seguinte: 53% dos trabalhadores do país culpam principalmente as finanças pelo seu estresse.

Dá para ter uma boa noção, quando complementamos com a pesquisa nacional citada no início do artigo, do quanto essa questão é global, e não apenas localizada.

Portanto, convém esticar o pescoço e compreender como as grandes marcas têm trabalhado o problema, a fim der evitar o cenário de que a incerteza financeira leva ao desligamento.

Isso porque, até que seja diagnosticado o problema na empresa, muitos índices negativos também se acumulam. Algo que dificulta a busca por metas e o monitoramento de todo tipo de métrica para que a organização cresça exponencialmente, como:

Então, trabalhar a questão se mostra muito mais eficiente do que, simplesmente, apoiar-se na ideia de que a incerteza financeira leva ao desligamento. Daí, a nossa primeira dica a respeito!

É possível identificar os sintomas do estresse financeiro dentro da empresa?

Com base em todos os apontamentos acima é possível, sim, traçar um sintoma comum aos colaboradores e compreender se o estresse financeiro impregnou na rotina da empresa.

Soma-se a isso os constantes pedidos por aumento salarial — mesmo que a performance esteja em decadência gradual — e a insatisfação com a sua posição na empresa.

Afinal de contas, a primeira resolução que um profissional concebe, para afastar-se da crise, é o aumento de sua renda mensal.

Outra solução é fazer uso de uma pesquisa de clima organizacional, a fim de certificar-se quais são os problemas em comum discutidos pelos colaboradores.

Consequentemente, o setor de RH se municia plenamente contra os efeitos negativos do estresse financeiro e consegue traçar o melhor plano de ação para solucioná-lo.

O que é um programa de bem-estar financeiro?

Uma opção que se popularizou, ao redor do mundo, é a elaboração de um programa de bem-estar financeiro.

Por meio desse tipo de solução, as empresas têm obtido um bom retorno dos seus profissionais, que aprendem mais sobre conscientização financeira, planejamento e, em alguns casos, despontam com o auxílio da empresa de diferentes maneiras.

Entre as principais medidas adotadas dentro de um programa de bem-estar financeiro, podemos destacar os seguintes:

  • gere recompensas por metas atingidas;
  • ofereça palestras e consultorias sobre educação e planejamento financeiro;
  • flexibilize o programa de benefícios oferecido pela empresa;
  • contribua com o pagamento de medicamentos ou o tratamento médico dos colaboradores e/ou parentes próximos;
  • ofereça modelos de pagamento on-demand;
  • crie planos de carreira para que motive os profissionais a crescerem, dentro da empresa, e aumentarem as suas rendas mensais.

Cada alternativa pode ser também mobilizada e personalizada para atender melhor à sua demanda. E veja que o investimento nisso pode ser calculado para ser inferior aos custos com demissões.

Logo, por mais que a incerteza financeira leva ao desligamento, a sua empresa pode ser ativa em resolver o problema de maneira humana, próxima agregar muito mais valor à sua marca com isso.

Na sua empresa esse problema é recorrente, mas as soluções apontadas não surtiram o efeito esperado ou ainda não foram exploradas? Compartilhe a sua experiência conosco, no campo de comentários!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.