guia para sair da dívida

Tenha disciplina financeira com o nosso guia para sair da dívida

Acredite: você não é a exceção. O Brasil possui, atualmente, 62 milhões de pessoas inadimplentes. Um número alarmante, e que pode prejudicar todos os seus objetivos financeiros em curto, médio e longo prazo. Por isso criamos este guia para sair da dívida sem complicações.

Nos tópicos a seguir, reunimos algumas dicas elementares para você quitar os débitos pendentes, gradualmente, permitindo que você comece a planejar-se para sair do vermelho definitivamente!

Você vai aprender como a educação financeira pode ser fundamental no seu dia a dia. Ela serve para controlar os gastos, conhecer os impulsos e também para você poupar de acordo com os seus objetivos. Confira as dicas que separamos para você:

  1. Anote todos os seus gastos;
  2. Tenha metas;
  3. Avalie opções de lazer acessíveis;
  4. Avalie a possibilidade de ter uma renda extra;
  5. Negocie com os credores;
  6. Dê atenção às dívidas com juros maiores;
  7. Mude os hábitos de compra;
  8. Tenha uma reserva de emergência.

Boa leitura!

Por que ter educação financeira?

Educação financeira é a consciência que você adquire para evitar as compras por impulso e, especialmente, para entender a proporção de renda e custos que você tem, mês após mês.

Assim, as dívidas financeiras rareiam, permitindo que a sua rotina seja envolta em menos sufoco, apertos e todos os sintomas comuns ao estresse financeiro.

O primeiro passo depende, então, exclusivamente de você, conferindo as dicas do nosso guia para sair da dívida sem complicações!

Inclusive, deixe a leitura de nosso post em que falamos especificamente da relação entre a sua saúde e o estresse financeiro, após finalizar este artigo:)

Como usar o guia para sair da dívida?

Abaixo, temos algumas dicas que podem ter tudo a ver com o momento que você está vivendo, facilitando a sua familiarização com as alternativas que vão ajudar você a erradicar as suas pendências financeiras!

1. Anote todos os seus gastos

Para começar, considere o seu guia para sair da dívida como um elemento pautado pelo equilíbrio entre a sua renda mensal e os seus gastos. E isso deve ser feito, inicialmente, avaliando todos os custos dos últimos meses — de três a seis meses passados.

Assim, fica fácil entender quais foram os gastos fixos (como as contas de internet, telefone, aluguel etc.) e os variáveis (como a viagem de final de semana, os jantares fora etc.). E, por meio das anotações, você entende, exatamente, aonde a sua renda está sendo destinada.

Com base nisso, fica fácil entender onde estancar as “feridas financeiras” cortando os gastos mais supérfluos.

2. Tenha metas

Sua meta é acabar com as dívidas? Então, use a dica anterior e verifique quanto você gasta, por mês, e quanto você pode economizar. Colocando as contas em equilíbrio, você direciona parte da renda para quitar as contas e, dessa maneira, você tem uma meta e um prazo específicos para sair da dívida.

Se, por outro lado, a ideia consiste em abandonar os custos desnecessários, use as anotações para definir quais são e, com isso, componha um orçamento que destine parte dos seus recursos para liquidar as dívidas e reduzir, consequentemente, os gastos por impulso.

3. Avalie opções de lazer acessíveis

Não pense que você vai deixar de divertir-se ao seguir as dicas deste guia para sair da dívida. Algumas dicas são elementares para substituir uma atividade cara por outra mais acessível.

Por exemplo: em vez de abandonar as idas ao cinema, descubra quais são os dias e horários com preços mais convidativos. Ou, até mesmo, comece a empreender sessões de filmes em casa — com direito a pipoca e tudo.

Se você gosta de shows, verifique quais são as apresentações gratuitas em sua cidade, naquele mês. Ou seja: dá para encontrar algum tipo de lazer e divertimento enquanto o seu orçamento está mais focado no fim das dívidas.

4. Avalie a possibilidade de ter uma renda extra

Que tal passear pelo seu imóvel para entender quais itens não têm mais utilidade para você, mas pode gerar um dinheirinho extra aquele mês?

Ou, ainda: quais talentos e habilidades você e alguém de sua família possui, e pode complementar a renda? Por meio dessas atividades, você consegue agilizar o processo de reduzir a dívida, continuamente — e, quem sabe, não encontra uma nova possibilidade de empreender?

Docinhos, bolos e salgados de festa são bons exemplos que podem ajudar na composição de um dinheiro extra e rápido, ou mesmo serviços de corte e costura, aulas on-line etc.. Vale a pena ficar de olho nas possibilidades para espantar os juros e multas de contas atrasadas definitivamente.

5. Negocie com os credores

Entre em contato com os credores e negocie descontos e melhores condições de pagamento. Isso pode ajudar tanto a reduzir o valor final da dívida, como permite um alívio para que os juros não se acumulem se você respeitar o novo prazo de pagamento.

Aproveite, então, para renegociar a dívida e descobrir como essa atividade pode ser tão benéfica para quanto para os credores.

6. Dê atenção às dívidas com juros maiores

Toda dívida tem uma condição particular: pode ser uma taxa de juros maior ou, ainda, descontos melhores se você quita-a antes do previsto.

Só que para você, é interessante focar as atenções naquela cujos juros se acumulam rapidamente e em menos tempo. Afinal de contas, a bola de neve se acumula rapidamente com esse tipo de situação.

Para isso, elenque um ranking com as dívidas. Isso permite que você visualize quais são as piores, e componha uma estratégia para sanar as contas atrasadas com os piores juros, primeiro.

7. Mude os hábitos de compra

Será que a suposta promoção imperdível, do supermercado, é realmente imperdível?

Crie o hábito de pesquisar antes de fazer qualquer compra. Às vezes, a compra por impulso pode ser prejudicial — especialmente, para quem não precisa imediatamente desse produto ou serviço.

Ao esperar um tempo, essa aquisição pode ser naturalmente mais acessível, em alguns meses. Sem falar que a pesquisa pode apresentar para você uma concorrente que ofereça a mesma coisa, mas com um preço ainda mais camarada.

8. Tenha uma reserva de emergência

Por fim, nosso guia para sair da dívida permite a elaboração de uma condição preventiva para eventuais dívidas que podem surgir: a reserva de emergência.

Afinal de contas, por mais que você tenha composto um orçamento e saiba lidar com as compras por impulso, os imprevistos ocorrem. E, se você tem uma reserva de garantia — preferencialmente, investida em uma opção de fácil retirada —, esses problemas podem não evoluir para uma dívida em longo prazo.

 

Quer saber mais dicas para transformar o endividamento em uma simples memória da qual você não vê a hora de esquecer? Então, curta a nossa página no Facebook e aproveite para seguir-nos no Instagram e no LinkedIn! Lá, nós postamos novidades diariamente que podem ser do seu interesse!

Comentários Facebook

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.