Guardar 100 reais por mês

Guardar 100 reais por mês pode ser um bom negócio?

O que é cem reais pra você? Para alguns, é um jantar a dois ou um capricho pessoal no mês. Para outros, o passe de entrada para o hall dos milionários. Não entendeu? Calma, a gente te explica!

Existem diversos tipos de aplicação que aceitam o valor simbólico de 100 reais como investimento oficial. Considerando as lógicas do mercado financeiro, em cerca de 30 anos, você pode ser muito bem sucedido.

Se você tem esse valor, considere, seriamente, investi-lo. Afinal, o retorno é certo, só depende do tempo. Para guardar 100 reais por mês e estruturar o seu rendimento de maneira inteligente, basta:

  • criar um planejamento financeiro;
  • rever hábitos de consumo;
  • investir em educação financeira;
  • procurar orientação profissional;
  • conhecer os tipos de aplicação do mercado;
  • aplicar o valor no investimento mais adequado.

Se você quiser conhecer mais sobre o mercado financeiro, recomendamos a leitura deste material aqui.

Para entender como guardar 100 reais por mês pode ser um bom negócio, continue acompanhando este post. Separamos as principais informações para te ajudar a começar essa jornada milionária. Boa leitura!

Por que guardar 100 reais por mês pode ser um bom negócio?

De acordo com a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), 58% dos brasileiro não têm nenhum tipo de investimento. E considerando dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), economizar, definitivamente, não é um hábito no país.

Por isso, não se culpe por não ter um super plano de investimentos em ação. A educação financeira não é uma prática popular. 

Contudo, isso não quer dizer que ela não seja importante e nem que você não precise estudá-la. Muito pelo contrário, entender de finanças pode fazer os seus simbólico 100 reais abrirem caminho para uma fortuna.

O mercado financeiro possui diversos tipos de aplicação, alguns exemplos são a poupança, Tesouro Direto, CDB (Certificado de Depósito Bancário), ações, fundos de investimento, dentre outros. 

Conhecendo a fundo suas particularidades, tais como valores de investimento inicial, probabilidade de retorno, alíquotas, prazos, liquidez, riscos, juros, taxas, dentre outros, é possível entender como guardar 100 reais por mês pode render muito dinheiro. 

A lógica do juros compostos, aplicadas em diversos tipos de investimento, pode simplificar essa compreensão, mais adiante vamos explorá-la em detalhes.

Vale ressaltar a importância de buscar orientação profissional de um especialista. Como estamos lidando com investimentos a longo prazo, é importante entender o funcionamento do mercado financeiro e conhecer o fluxo de rendimento da sua aplicação. 

Um profissional de finanças pode apresentar os fundamentos do mercado, ajudar a estruturar um planejamento financeiro apropriado e orientar as suas escolhas de investimento com mais assertividade.

Como funciona o juros compostos?

Assim como dissemos, os juros compostos são estruturas de investimento adotadas por alguns tipos de aplicação. Com ela, fica mais fácil de entender como guardar 100 reais no mês pode trazer retornos expressivos ao longo dos anos.

Vamos fazer uma simulação simples. Considere períodos de investimento de 5, 10, 20 e 30 anos, taxa de juros real de 6% ao ano e descontos de 15% do Imposto de Renda (IR) sobre os rendimentos.

Se você guardar 100 reais por mês por 5 anos, o investimento terá sido de R$ 6.000,00 mas o rendimento será de R$ 6.920,00. Ou seja, você ganha quase mil reais sem o menor esforço.

Vamos expandir o tempo de aplicação, então. Em 10 anos, o investimento seria de R$ 12.000,00, já o rendimento de R$ 15.762,46. Em 20 anos de aplicação, você teria gasto R$ 24.000,00 e resgataria R$ 42.414,89. 

Considere agora o tempo de 30 anos, o valor investidos seria de R$ 36.000,00 e o rendimento seria de R$ 88.721,80. Ou seja, você reembolsa mais de cinquenta mil reais. Conseguiu entender como guardar 100 reais por mês pode te deixar rico?

Pois, é! Se você ainda tiver a condição de aumentar esse valor de investimento, o retorno pode ser ainda mais expressivo. No entanto, vale reforçar que mais do que o valor mensal, o tempo é o protagonista dessa tática de investimento.

Como guardar 100 reais por mês pode render mais dinheiro?

Poupar esse valor mensalmente pode não parecer um grande desafio. Contudo, como estamos falando de investimento de décadas, criar uma disciplina financeira será necessário. Para te ajudar, pontuamos alguns passos básicos a serem adotados na sua rotina. Confira a seguir.

1. Criar um planejamento financeiro

O primeiro passo, sem dúvida, é estruturar um planejamento financeiro eficiente. Somente assim, essa economia pode ser feita sem comprometer a sua saúde financeira.

2. Rever hábitos de consumo

Parte essencial do processo é rever hábitos de consumo. Para guardar 100 reais por mês e ser capaz de aplicá-lo no mercado financeiro, é essencial que você aprenda a economizar. Ou seja, gastos supérfluos deverão ser cortados.

3. Investir em educação financeira

Aprender sobre finanças é indispensável para começar a investir. Além de dar segurança às escolhas, você entende a importância de cada etapa do processo para atingir o seu objetivo.

4. Procurar orientação profissional

Outro passo importante é procurar a ajuda de profissionais. Principalmente para iniciantes, essa orientação mais consciente torna o processo mais fácil e seguro. Além disso, você reforça o propósito de guardar 100 por mês, conferindo as previsões de retorno do especialista.

5. Conhecer os tipos de aplicação

Aqui, o profissional de finanças também é fundamental. Conhecer sua situação e meta financeira, ele é capaz de direcionar as suas escolhas para as opções de investimento mais adequadas. 

6. Aplicar o valor no investimento mais adequado

Por fim, a efetivação do investimento. Ou seja, guardar 100 por mês e aplicá-lo conforme o planejamento e as dicas dos especialistas.

Quais os principais tipos de investimento para começar com 100 reais?

Você provavelmente já está bem interessado, não é mesmo? Estudar finanças e saber aplicar o seu capital de maneira inteligente traz resultados impressionantes e podem transformar a sua saúde financeira. Além de estabilidade, é uma ótima fonte de reserva para situações emergenciais ou imprevistos.

Confira a seguir os principais tipos de investimentos do mercado financeiro brasileiro para começar com 100 reais.

Poupança

A tradicional caderneta de poupança é um dos tipos de aplicação financeira mais comuns do mercado brasileiro. A ausência de um valor mínimos para começar um investimento pode ter sido o fator responsável pela sua popularidade. 

Nela, qualquer valor é suficiente para começar, basta realizar uma transferência ou depósito na conta característica. Além disso, a poupança não possui prazo de vencimento, carência e nem cobrança de IR.

O seu juro nominal é de 70% da Selic + taxa referencial (TR) – a inflação. Desde novembro do ano passado, com a Selic a 5% ao ano, a poupança teve juro real negativo, o que aponta perda de dinheiro. 

O Banco Central (BC) anunciou uma redução na taxa básica de juros que levou esta categoria de investimento a um rendimento anual de 3,5%. Numa base mensal, esse rendimento é de 0,29%. Portanto, guardar 100 reais por mês na poupança é uma opção, mas não é a mais rentável.

De acordo com os dados do CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), 60% dos brasileiros possuem uma conta poupança e metade deles desconhecem outras modalidades de aplicação.

Certificado de Depósito Bancário (CDB)

Não tanto quanto a poupança, mas ainda assim bastante popular entre os investidores brasileiros, o Certificado de Depósito Bancário ou simplesmente CDB também é uma opção de investimento para começar com 100 reais.

Este é um tipo de aplicação emitido pelos bancos para captar recursos. Em outras palavras, o correntista empresta o valor de aplicação para as instituições financeiras emissoras do título, que retornam a quantia aplicada com uma correção, conforme o prazo de vencimento.

Os principais tipos de aplicação do CDB são:

  • Prefixado: o investidor negocia com o banco uma taxa predefinida;
  • Pós-fixado: a negociação com o banco é baseada em alguma taxa de referência, a principal delas é o CDI (Certificado de Depósito Interbancário);
  • Híbrido: a remuneração varia de acordo com um índice de inflação, como o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo);
  • Escalonado: o investidor não tem certeza sobre o tempo de aplicação, por isso a liquidez é diária.

As regras de aplicação variam de banco para banco, por isso uma pesquisa de mercado deve ser feita para assegurar uma aplicação vantajosa.

Títulos públicos do Tesouro Direto

Outra categoria de investimento é o de títulos públicos do Tesouro Direto, uma espécie de empréstimo feito para o governo federal — que, por sua vez, devolve o valor com correção de juros atrativos. É um dos tipos de aplicação mais acessíveis e seguras do mercado.

Nele, qualquer pessoa que porte CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) e que tenha uma conta ativa em uma corretora de investimentos pode começar a investir. Existem três tipos de ativos no Tesouro Direto, que ao guardar 100 reais por mês, você pode aplicá-los:

  1. Tesouro Prefixado: a rentabilidade do investimento é definida no momento de contratação. Portanto, o retorno é prefixado;
  2. Tesouro atrelado à inflação: a remuneração é definida pela variação do IPCA e pela taxa de juros definida no momento de compra do título;
  3. Tesouro indexado à taxa Selic: o rendimento segue a variação da taxa básica de juros da economia.

Os títulos públicos possuem algumas vantagens expressivas para o investidor, algumas delas são: boa rentabilidade, risco baixo, liquidez diária, dentre outros.

Fundos de investimento

O fundo de investimento é outro tipo de aplicação comum no mercado financeiro brasileiro. Sua aplicação é acessível, o que torna o ato de guardar 100 reais por mês uma iniciativa válida para esta categoria.

Esta é uma forma de aplicação financeira formada pela união de vários investidores, também chamados de cotistas. Ou seja, eles reúnem recursos de diversas pessoas, para que sejam aplicados em conjunto no mercado financeiro e de capitais. Os ganhos obtidos são divididos entre os participantes, na proporção do valor depositado por cada um.

Os principais tipos de fundos são:

  • Cambial e de ouro: investem acima de 80% do patrimônio em ativos que sejam relacionados a outras moedas;
  • De ações: investem no mínimo 67% do patrimônio em ações negociadas em mercado de bolsa ou balcão organizado;
  • Multimercado: investimentos com vários fatores de risco, sem o compromisso de concentração especial;
  • Renda Fixa: investem pelo menos 80% dos recursos em ativos de renda fixa;
  • Previdência: investem em fundos de previdência privada (PGBL e VGBL);
  • Imobiliário: investem em empreendimentos imobiliários, sem ter de, necessariamente, comprar um imóvel diretamente.

No Brasil, segundo dados levantados pela Anbima, em agosto do ano passado, os fundos somam um patrimônio de quase R$ 5,2 trilhões.

Ações

Por fim, guardar 100 reais por mês para aplicar no mercado de ações também é uma alternativa de rendimento. Investir na Bolsa de Valores é uma maneira de obter rentabilidade expressiva, mas também envolve um alto risco de perdas. Por isso, é importante contar com a orientação de profissionais.

Existem algumas formas de aplicação em ações, as mais comuns são:

  • Ações ordinárias (ON): o investidor tem  direito a voto nas decisões da companhia;
  • Ações preferenciais(PN): o investidor tem preferência na hora de receber o pagamento de dividendos e compensações;
  • Unit ou Certificado de Depósito de Ações: o investidor tem direito a ativos de diferentes naturezas (ON e PN);
  • Blue chip: o investidor tem ações de empresas com grande valor de mercado;
  • Mid caps: o investidor tem ações de companhias em crescimento;
  • Small caps: o investidor tem ações de empresas de menor capitalização na Bolsa de Valores.

Comprar ações é a forma mais simples de se tornar sócio de uma companhia. E com isso, a possibilidade de obter rendimentos significativos, conforme o desempenho do negócio no mercado. 

Qual o valor ideal para economizar e investir?

Guardar 100 reais por mês é uma tarefa, relativamente, simples. Mas assim como dissemos, se existir a possibilidade de guardar um valor mais alto, melhores serão os seus retornos.

Existem algumas formas de definir valores para economizar e investir conforme faixas salariais, os dois exemplos mais comuns são:

  1. Regra dos 10%: a lógica é guardar 10% do salário para aplicações;
  2. Regra dos 50-15-35: a estratégia é reservar 50% do salário para as despesas básicas (contas de água, luz, aluguel etc.), 15% para investimentos e 35% para atividades de lazer.

Independentemente da regra que você escolher, o mais importante é começar a poupar e aprender a investir com inteligência. Afinal, existem diversas formas de fazer um pequeno montante render resultados impressionantes. Guardar 100 reais por mês pode ser uma forma de criar um patrimônio significativo e preservar a segurança financeira da sua família. 

Portanto, estude os tipos de aplicação que exploramos neste artigo, conheça o funcionamento do mercado financeiro, consulte um profissional capacitado, estruture um planejamento financeiro eficiente e comece a investir o seu capital

 

Gostou do post? Então, siga a gente nas redes sociais Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn! Postamos conteúdos inteligentes toda semana, siga a Xerpa e não perca nenhum!

 

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.