Diferentemente da gestão financeira tradicional, em que as pessoas focam no uso consciente dos recursos, a gestão financeira estratégica aplica o modelo em projeções de médio e longo prazo. Com isso, o setor financeiro da empresa assume a dianteira em uma postura propositiva, ciente e consciente das melhores ações — bem como o momento certo — a serem implementadas. E isso se traduz em:

  • organizar as finanças por meio da avaliação de custos;
  • equilibrar as despesas com as receitas;
  • reuniões periódicas com todas as equipes;
  • monitoramento de métricas;
  • uso de soluções tecnológicas.

 

A gestão financeira estratégica não se aplica, exclusivamente, ao cuidado na utilização de recursos da empresa. Afinal, em uma época tão bem mensurada, como a que vivemos, os dados podem ser usados de maneira diversificada, a fim de enxergar oportunidades variadas.

E isso se aplica aos relatórios de RH e também aos indicadores financeiros e diferentes métricas da empresa. Com o uso integrado dessas informações, as organizações têm tudo para crescer continuamente.

Quer saber como usar a gestão financeira estratégica e quais são as boas práticas que podem fazer a diferença para o seu negócio? Basta seguir com a leitura deste post!

O que é a gestão financeira estratégica?

Não pense que o cheque especial e os juros decorrentes da falta de planejamento financeiro são exclusivos da Pessoa Física. Afinal, nos últimos três anos o país mais fechou as portas do que abriu-as. E a falência está entre os principais problemas relacionados a isso.

Inclusive, vale um dado alarmante para complementar isso: 96% das falências são associadas às pequenas empresas brasileiras

Isso significa que a gestão financeira estratégica pode acabar com todos os problemas dos empreendedores? Não, mas pode reduzi-los, com certeza! E tudo porque estamos falando de pensar no sucesso de sua empresa no médio e longo prazos.

Para tanto, o planejamento se faz fundamental para garantir que a sua empresa use, racione e invista de maneira consciente os seus recursos.

Quais são as funções da gestão financeira estratégica?

Uma vez que o aproveitamento consciente das finanças da empresa é uma agradável consequência dessa gestão estratégica, convém avaliar quais funções ela pode desempenhar na empresa.

Assim, você talvez se convença de que esse plano deve ser elaborado — ou desenvolvido — o quanto antes para fazer parte da sua rotina. Confira, a seguir, as principais funções da gestão financeira estratégica:

 

Planejamento e análise financeira

Isso significa que você pode ter, por meio dessa gestão, o estabelecimento de parâmetros, metas e rumos a serem seguidos por todas as equipes.

Para tanto, lembre-se que um bom planejamento financeiro contempla:

  • projeções em curto, médio e longo prazo;
  • plano de ação para as campanhas definidas;
  • custos relacionados às ações, bem como os seus respectivos benefícios para certificar-se de um retorno positivo para a organização;
  • recursos disponíveis para as empreitadas e, assim, evitar imprevistos;
  • padrões e normas que serão executados;
  • os indicadores e métricas a serem observados.

Com isso, é possível colocar o plano em ação com menos desafios e obstáculos, e com mais certezas do que palpites.

 

Aplicação dos recursos

A gestão financeira estratégica é também usada para que a aplicação de recursos seja feita de maneira pontual e assertiva. Ou seja: sem economizar ou desperdiçar dinheiro — que são prejudiciais, em ambos os extremos.

E quando falamos em aplicação de recursos, isso pode significar:

  • investimentos em equipamentos e imóveis;
  • investimentos na atração, retenção e qualificação dos seus recursos humanos;
  • investimentos na gestão para colocar em prática as estratégias de cada equipe.

Com base no que discutimos no último tópico, fica evidente que a gestão financeira estratégica vai apontar o melhor momento (e a quantia equilibrada) para aplicar tais recursos.

 

Controle sobre a saúde financeira da empresa

O seu financeiro tem o devido controle das entradas e saídas, e o quanto isso impacta o fluxo de caixa e também as previsões imediatas ou futuras da empresa?

Isso importa, e muito, porque é o limiar entre o equilíbrio de receitas e despesas, e também do controle que o seu financeiro deve ter para garantir a contínua lucratividade da empresa.

Como colocar em prática a gestão financeira?

Para assumir o lado estratégico das finanças de sua empresa, dê uma conferida em algumas dicas práticas que reunimos para inspirar a sua equipe:

  • organize as finanças e avalie todos os custos que a empresa tem;
  • equilibre as despesas com as receitas, de maneira a saber o quanto a empresa precisa ganhar para gerar lucro continuamente;
  • reúna-se, periodicamente, com outras equipes para avaliar os rumos que a empresa está trilhando, financeiramente. Isso evita imprevistos e custos elevados;
  • estabeleça métricas para serem monitoradas. Isso ajuda a prever situações problemáticas e projetar novas (e mais ambiciosas) estratégias;
  • use soluções tecnológicas, como softwares de gestão, para obter relatórios precisos, automatizar processos e garantir uma posição mais analítica para a sua equipe.

E, para isso, convém avaliar a gestão financeira estratégica em três pilares elementares!

 

1. Direção

A direção tem que estar a par e alinhada com todas as definições e ações da gestão financeira estratégica. Isso agrega respaldo para a continuidade do projeto, sem que loucuras sejam cometidas.

 

2. Comunicação

A comunicação é o elemento-chave, já que estabelece os parâmetros, riscos e objetivos de maneira objetiva e clara para todos. Assim, evita-se problemas e ruídos (como o desencontro de informações), e favorece a união de todos em prol do mesmo objetivo, ao mesmo tempo.

 

3. Controle

A verificação é crucial para saber se todas as ações estão sendo seguidas conforme o planejado. Do contrário, o financeiro não terá tempo hábil para ajustar eventuais aspectos e, assim, garantir que os resultados projetados permaneçam ao alcance.

Quais são os benefícios de investir na gestão financeira estratégica?

Para finalizarmos o nosso artigo, vamos deixar você com algumas considerações relevantes a respeito dos motivos pelos quais você deveria orientar os colaboradores a buscarem a gestão financeira estratégica. São eles:

  • a promoção de um registro mais eficiente de todos os processos;
  • mais respeito à legislação vigente, já que não existirão mais imprevistos financeiros na empresa;
  • mais transparência com os órgãos públicos;
  • manutenção qualitativa da saúde financeira;
  • maior lucratividade de acordo com os objetivos propostos;
  • melhorias significativas tanto no nível de satisfação dos colaboradores quanto na oferta para seus clientes.

Agora que você já deve estar com muita vontade de aplicar os conceitos da gestão financeira estratégica na sua empresa, compartilhe conosco nos comentários, os grandes desafios que a sua empresa lida nesse setor.

Assim, podemos expandir a discussão e promover uma grande rede de conhecimento sobre as melhores práticas para qualificar a gestão profissional!