Gastos básicos de um casal

Gastos básicos de um casal: aprenda como gerenciá-los

Segundo o educador financeiro Gustavo Cerbasi, autor do livro Os Segredos dos Casais Inteligentes, falta de dinheiro é o 2º maior motivo de separação no mundo. Mas saiba que as despesas não precisam ser um problema desse tamanho. Para evitar conflitos, basta que os dois se planejem e entendam como gerenciar os gastos básicos de um casal.

Quando duas pessoas vivem juntas elas passam a dividir tudo, inclusive as contas. Por isso, é essencial se organizar e conversar sobre dinheiro com transparência e compromisso. Só assim será possível aprender a ter controle financeiro e fugir de problemas no futuro.

Pensando nisso, listamos neste post algumas dicas sobre como gerenciar os gastos básicos de um casal. Se interessou? Confira a seguir!

Quais são os desafios financeiros da vida a dois?

Ao começar uma vida a dois, é normal ter dúvidas sobre como administrar o orçamento da casa. Muita gente demora para perceber que a decisão de iniciar uma família também envolve muita conversa sobre dinheiro, assunto sobre o qual poucos estão habituados falar abertamente.

Afinal, como dividir as contas? Qual é a renda de cada um? Com quanto cada um deve contribuir? São muitas as variáveis que devem ser consideradas ao planejar as finanças da casa, e é impossível que uma só pessoa resolva tudo sozinha.

Sempre deve haver consenso, para que as responsabilidades sejam bem definidas e tudo flua da melhor forma possível. Falar a mesma língua quando o assunto é dinheiro é a chave para garantir a saúde financeira do casal.

Quais são os passos para gerenciar os gastos básicos de um casal?

Assim como quando se é solteiro, administrar os gastos básicos de um casal também envolve muito planejamento e disciplina

A diferença é que agora você não está mais sozinho: há mais de uma renda envolvida e contas a dividir, além de ser necessário conciliar jeitos diferentes de lidar com o dinheiro.

No entanto, se ambos forem comprometidos e honestos um com o outro, esse é um desafio simples de superar. 

Veja abaixo algumas dicas valiosas para facilitar a vida financeira a dois.

Monte um orçamento mensal

Colocar todas as receitas e despesas no papel é a regra número 1 de qualquer planejamento financeiro, e com os gastos básicos de um casal não é diferente. Não deixe de fora nem mesmo os valores considerados pequenos. Acredite, eles mudam muita coisa no final do mês.

Para organizar o orçamento, monte uma planilha e separe os gastos por categorias, como alimentação, contas mensais, financiamentos (se houver), educação, transporte, lazer e investimentos. Caso prefira, você pode substituir a planilha por um app de gestão financeira que facilite a organização.

Apesar de alguns valores variarem, como as contas de água e luz,, tirando uma média dos últimos meses já é possível ter uma base do valor total de despesas da casa.

Com isso feito, é hora de somar a renda total do casal, definir os gastos para cada categoria e dividir o pagamento das contas.  Assim fica mais fácil ter uma visão clara sobre quanto sai, quanto sobra e quais gastos podem ser cortados para gerar mais economia.

Se ao montar o orçamento o casal notar que a renda mensal está abaixo do padrão de vida, será precisa fazer alguns ajustes. Priorize necessidades, como dívidas e contas básicas, e procure reduzir os gastos supérfluos, como idas a restaurantes. E lembre-se: tudo isso deve ser resolvido entre o casal e não por uma só pessoa, a fim de evitar atritos.

Divida os gastos de forma proporcional

A divisão dos gastos básicos de um casal precisa ser proporcional ao salário de cada um. Na maioria das vezes os parceiros não ganham a mesma quantia, então não é justo que ambos precisem contribuir com o mesmo valor.

Pense em um casal em que um ganha R$ 4 mil líquidos e o outro, R$ 2 mil. Na casa deles, as despesas fixas giram em torno de R$ 2.100 por mês.

Se o valor for dividido igualmente, cada um deverá contribuir com R$ 1.050, certo? Só que para a pessoa que ganha R$ 2 mil, isso representa mais de 50% da renda. Por outro lado, para quem recebe R$ 4 mil, a contribuição é de cerca de 25% do salário.

Para que ninguém se sinta prejudicado nem inferior, a solução é dividir os gastos não por valor absoluto, mas sim por porcentagem. No caso desse casal, o ideal é que cada um contribua com 35% do que ganha. 

Desse modo, a pessoa com salário de R$ 2 mil vai gastar R$ 700, e quem ganha R$ 4 mil deverá contribuir com R$ 1.400, totalizando os R$ 2.100.

Não abra conta conjunta

Embora seja bastante comum, a conta conjunta não é a solução para gerenciar os gastos básicos de um casal.

Quando se trata de dinheiro, é necessário preservar a individualidade de cada um, ainda que ambos tenham responsabilidade nas compras de supermercado, contas da casa e outras despesas.

Faz parte de uma relação saudável confiar que o outro fará a sua parte no orçamento da casa, sem que seja necessário colocar toda a renda em uma conta compartilhada.

Dessa forma, quando você quiser comprar algo para si mesmo, não dependerá da aprovação do outro para fazer isso. Afinal, você já cumpriu suas obrigações e tem o direito de usar o seu dinheiro como bem entender, desde que esteja dentro das suas possibilidades.

>> Quer saber mais sobre a vida financeira a dois? Confira esse outro post do blog: Infidelidade financeira: entenda como isso pode afetar a relação <<

Defina metas em conjunto

Metas em conjunto não essenciais para gerenciar os gastos básicos de um casal. Com objetivos em comum, ambos ficarão mais motivados a poupar no dia a dia. Além disso, a cumplicidade é crucial em um relacionamento, e sonhar junto é uma ótima maneira de reforçar esse sentimento.

Pensem no que vocês querem conquistar. Comprar uma casa? Fazer uma viagem inesquecível? Reformar o apartamento? Ter um filho? 

São muitos os objetivos que podem ser compartilhados por um casal, e eles variam de relacionamento para relacionamento. Com certeza você e seu par têm algo que querem muito. Foquem nisso e sigam adiante!

Definido o objetivo, pense em todos os detalhes necessários para atingi-lo, como prazo, valor total e variáveis envolvidas.

A chegada do primeiro filho, por exemplo, envolve contratar um plano de saúde mais robusto, um carro maior, a reforma do quarto e a compra do enxoval, entre inúmeros outros custos que devem ser analisados.

Uma vez que o casal souber a quantia necessária, é hora de se organizar para começar a poupar. Assim como nos gastos cotidianos, a economia também deve ser proporcional ao salário de cada um. 

Além disso, também é importante manter a regularidade ao guardar dinheiro, sem pular nenhum mês ou abrir exceções. Caso contrário, será praticamente impossível chegar ao objetivo no tempo desejado.

Crie uma reserva de emergência

Imprevistos podem acontecer a qualquer momento e é preciso estar preparado para lidar com eles. Nunca se sabe quando você será demitido, precisará consertar algo em casa ou comprar remédios para tratar uma doença.

Já pensou ter que recorrer ao cheque especial sempre que algo assim acontecer? Você acabará trabalhando apenas para pagar juros, sem nunca sobrar nada para você poupar, investir ou gastar com o seu lazer.

Por isso, é essencial construir uma reserva de emergência equivalente a 6 meses de gastos básicos do casal. Esse valor é suficiente para cobrir despesas extras e períodos longos de desemprego, enquanto os dois reorganizam as finanças.

A quantia deve ser colocada em um investimento de alta liquidez, como o Tesouro Direto Selic e algumas outras aplicações de renda fixa. Afinal, você pode ter que sacar essa reserva a qualquer momento.

Priorize quitar as dívidas

Dívidas são um assunto espinhoso, que costuma ser motivo de muitos desentendimentos entre casais. Isso porque muita gente, por vergonha ou medo, acaba escondendo do parceiro quando contrai alguma dívida, agravando o problema quando ele é descoberto.

Outra situação comum é o endividamento de recém-casados, que precisam pagar parcelas da festa, reforma do imóvel, viagem de lua de mel e outros gastos típicos desse momento tão importante.

Isso faz com que o início da vida a dois seja mais apertado financeiramente, o que requer muita consciência para controlar os gastos e passar por esse período sem sufoco.

Enquanto o casal tiver dívidas, elas devem ser prioridade no orçamento. As parcelas devem ser incluídas entre as obrigações básicas, assim como o aluguel, supermercado, contas mensais e outras despesas essenciais para o dia a dia. Essa atitude é indispensável para não perder o controle e ficar no vermelho.

Invista as economias

Investir as economias é uma tarefa importantíssima ao gerenciar os gastos básicos de um casal, pois acelera a construção de patrimônio e a conquista dos objetivos.

A principal dica a respeito disso é: esqueça a poupança. Apesar de ser popular entre os brasileiro, essa aplicação rende abaixo da inflação, o que significa que o seu dinheiro estará perdendo poder de compra ao longo do tempo.

Se o casal for iniciante no assunto e quiser fazer investimentos seguros, aplicações de renda fixa são a melhor opção. Tesouro Direto, CDB, LCI e LCA são alguns exemplos de produtos financeiros que rendem mais que a poupança e não colocam o patrimônio em risco.

Posteriormente, quando ambos tiverem mais conhecimentos sobre o mercado financeiro, colocar uma parte do dinheiro em renda variável pode trazer retornos ainda melhores.

Assim como as contas bancárias são separadas, cada um deve aplicar o seu dinheiro individualmente. No entanto, deve haver muita transparência e diálogo sobre o que está sendo feito com as economias, até porque elas fazem parte de um projeto de longo prazo do casal.

Como vimos ao longo do post, gerenciar os gastos básicos de um casal não é complicado quando ambos se esforçam e se dedicam. Lembre-se: conversar sobre dinheiro não deve ser tabu. Pelo contrário, é a melhor forma de os dois estarem na mesma página em relação à organização das finanças da casa.

 

Se você gostou do artigo, não se esqueça de assinar a nossa newsletter. Assim você recebe diretamente no seu e-mail os nossos melhores conteúdos sobre finanças pessoais!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.