Falta de energia no final do ano: motivo extra para cuidar da sua saúde

Falta de energia no final do ano

A pandemia do coronavírus foi um novo — e longo — capítulo que mudou muitas coisas que já sabíamos no roteiro de nossas vidas. Justamente por isso, devemos tomar cuidado com velhos problemas em novos contextos. Como é o caso da falta de energia no final do ano.

Esse esgotamento, também conhecido como Síndrome de Burnout, já foi reconhecido como uma doença crônica pela OMS, em 2019, e nesse mesmo ano chegou a afetar 33 milhões de brasileiros.

Com tantas mudanças, incertezas e temores, a falta de energia no final do ano deve ser um alerta constante para os profissionais e para a sua empresa orientá-los. Nesse post, vamos discutir alguns dos principais motivos que podem causar o burnout, como:

  • aumento do distanciamento mental do ambiente de trabalho;
  • temores causados pela pandemia do coronavírus;
  • sentimentos de negativismo e incertezas;
  • redução da eficácia no trabalho por conta das mudanças, como as causadas por quem agora está trabalhando em casa.

Também, vamos discutir quais soluções podem prevenir o seu surgimento — e agravamento — e também o que a empresa pode fazer a respeito. Boa leitura!

O que é a síndrome de burnout?

No relatório anual da Workana (plataforma que conecta freelancers a oportunidades de trabalho), 43,7% dos entrevistados destacaram um abalo significativo na saúde mental, nesses meses de isolamento social. Entre eles, destacamos:

  • temores relacionados à situação econômica;
  • segurança (estabilidade) no trabalho;
  • produtividade;
  • instabilidade emocional;
  • dificuldade em dividir-se com os afazeres domésticos e o trabalho remoto em home office.

Isso tudo configura algumas das preocupações que originam a síndrome de burnout — que é um estresse crônico causado no local de trabalho — mesmo que esse ambiente seja, ultimamente, o seu escritório caseiro.

Vale aprofundar-se no assunto, de qualquer maneira, e se você quiser entender tudo sobre burnout, aproveite para acompanhar o nosso artigo completíssimo sobre o assunto assim que finalizar esta leitura!

Como ela se manifesta?

No geral, ela pode se caracterizar pelo sentimento contínuo de exaustão ou de falta de energia para as mais simples tarefas. E, também, pela irritabilidade e instabilidade emocional. Nesses tempos de pandemia, o alerta foi dado para a falta de energia no final do ano por conta de outros fatores únicos vistos em 2020, como:

  • aumento do distanciamento mental do ambiente de trabalho;
  • temores causados pela pandemia do coronavírus;
  • sentimentos de negativismo e incertezas;
  • redução da eficácia no trabalho por conta das mudanças, como as causadas por quem agora está trabalhando em casa.

Consequentemente, diversos sintomas podem ser percebidos. Além dos citados anteriormente, a falta de energia no final do ano pode se manifestar a partir de distúrbios do sono, dores (musculares ou de cabeça), dificuldade de concentração e de memorização e até mesmo falta de apetite e pessimismo e baixa autoestima.

Como resultado, é comum que as pessoas confundam esses sintomas com outros comuns a distúrbios psicológicos diversos, como o estresse, a ansiedade e a depressão.

Como prevenir-se contra a falta de energia no final do ano?

O cenário adverso não deve servir de nutriente para os seus temores, mas como combustível para espantar essa instabilidade emocional. Use o seu fôlego físico e psicológico para combater esse problema já tão comum em nossa sociedade, mas que adquiriu um agravante em decorrência da pandemia.

E, para ajudar, reunimos algumas dicas interessantes, veja só!

Pratique exercícios físicos

Assim como as atividades físicas espantam a tristeza e o mal-estar físico e emocional, a falta de energia no final do ano pode passar longe do seu semblante com uma boa dose de exercícios.

Além disso, pode servir de escape para liberar a tensão acumulada pelo estresse. E, o melhor: você pode fazer de casa mesmo, sem furar o isolamento social e sem colocar-se (e aos outros) em risco. Sites e aplicativos estão cada vez mais populares, oferecendo programas de exercícios sema necessidade de equipamentos de ginástica e que podem ser feitos na sala ou mesmo no seu quarto, ao lado da cama.

Delimite horários para pausar

Muitas pessoas perderam os limites antes estabelecidos entre o trabalho e o lazer. Com o home office instaurado em 46% das empresas brasileiras por conta da pandemia, profissionais foram pegos de surpresa com a transição abrupta do trabalho presencial para o remoto.

Consequentemente, trabalharam demais, sem horários definidos, e com sentimento de culpa para se divertir — uma vez que o escritório e o lar dividem o mesmo espaço físico.

Ainda assim, é importante recuperar uma rotina com horários regrados e permitir-se o repouso gradual para que o corpo e a mente não acusem exaustão.

Exercite a meditação

De carona na ideia de dar uma pausa, experimente a meditação. Por meio dela, você passa a controlar mais a respiração e as suas emoções. O que pode ser de grande auxílio para evitar a falta de energia no final do ano e começar o mês de janeiro com pique para seguir no combate aos maus agouros do isolamento social.

Comece no seu tempo, no seu ritmo e respeite os seus limites. Inclusive, se não tiver ideia sobre como começar a meditar, basta procurar na app store alguns aplicativos que orientam, desde os primeiros passos, o caminho seguro e eficiente para meditar.

Alimente-se bem

Lembre-se que a nutrição é fundamental para a manutenção do bem-estar físico e também o emocional.

Por isso, não descuide-se da alimentação. Monte um cardápio semanal colorido, diversificado e repleto de nutrientes para garantir um bom reforço à sua saúde mental e também ao bem-estar físico.

Outro ponto interessante, sobre o assunto, é que a própria empresa pode ter uma participação ativa nisso. Pode ser, por exemplo, a partir do compartilhamento de receitas e opções saudáveis e balanceadas para que os colaboradores exercitem os dotes culinários, distraiam-se e ainda garantam uma boa alimentação.

Conheça seus limites

Não cruze fronteiras das quais você ainda não sente-se devidamente no preparo para isso. Trabalhe em seus horários fixos, divirta-se dentro dos seus limites também e repouse até sentir o corpo e a mente revigorados.

Excessos — que já não são bem-vindos, normalmente — devem ser evitados, para que a falta de energia no final do ano não seja um problema constante no seu dia a dia.

Como a empresa pode ajudar?

Vale destacar que esse cenário novo não precisa ser explorado às cegas pelos profissionais, apenas. A empresa tem grande parcela de auxílio nesse processo e, em conjunto com as ações do setor de RH e a liderança da organização, a falta de energia no final do ano não vai ser uma estatística interna e negativa.

Confira, abaixo, algumas medidas que podem ser adotadas para garantir que o bem-estar dos profissionais permaneça elevado!

Diálogo entre os líderes e os seus subordinados

Cada pessoa age e reage de uma maneira diferente às mesmas circunstâncias. Isso significa que os líderes devem estar atentos às particularidades dos seus subordinados e ter conversas constantes com eles.

Vale a pena entender as dificuldades que eles estão enfrentando, as adversidades causadas pela pandemia e também a relação deles com o trabalho em regime remoto.

Isso tudo vai fortalecer as relações, garantir harmonia na condução do trabalho e até mesmo aumentar a motivação dos profissionais, que vão se sentir mais amparados.

Horários flexíveis

A mudança na rotina de trabalho pode impactar diretamente a rotina dos seus profissionais. Há quem possa perder-se em novos horários e descuidar dos afazeres domésticos, há quem paralise sem saber por onde organizar o dia a dia etc.

São tantas, as variáveis, que a empresa pode oferecer horários flexíveis, para determinadas atividades que não demandem o contato direto com outros profissionais, para que cada um estabeleça a sua rotina.

Assim, fica fácil organizar um cronograma que não prejudique o indivíduo e ainda seja cômodo dentro das suas próprias características.

Organize reuniões à distância

Essa é mais uma dica para fortalecer as relações humanas e, com isso, minimizar a falta de energia no final do ano. Isso porque, muitas pessoas sentem falta do contato humano em regime home office.

Assim, as reuniões podem ser breves, objetivas e leves. Um pretexto, apenas, para que cada um explique o que está fazendo e para que todos entrem em contato. 

Lembre-se, apenas, que esses encontros devem ter uma finalidade, e não servir como mais um elemento capaz de mastigar o tempo de produtividade dos seus colaboradores à toa.

Elabore campanhas de conscientização

Relembre constantemente os colaboradores que o isolamento social é importante, mas as relações humanas também são. Daí, vale a pena desenvolver campanhas que reforcem atividades que os profissionais podem fazer para espantar a falta de energia no final do ano. Algumas dicas:

  • happy hour com os colegas de trabalho via videoconferência — pode até mesmo rolar uma confraternização de final de ano, cada um em sua casa;
  • sessão de exercícios físicos à distância;
  • fazer ligações para amigos e parentes;
  • capacitar-se em novas habilidades e competências para o desenvolvimento pessoal e profissional.

Entre outras ideias que podem surgir, por aí, e valorizar o seu capital humano nessa época do ano.

Como consequência disso tudo, há como trabalhar a manutenção da qualidade de vida das pessoas, obter performances ainda mais satisfatórias e evitar qualquer risco em decorrência do esgotamento — seja ele físico ou emocional.

 

É possível, entretanto, fazer ainda mais por si e pelos seus entes queridos, sabia: Se você também acha que a falta de energia no final do ano pode ser um problema sério e capaz de acometer aqueles que você conhece, compartilhe este post nas suas redes sociais e faça com que estas dicas alcancem ainda mais pessoas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira outros artigos que você pode se interessar