Métricas são fundamentais para avaliar os resultados de um departamento, e com o RH não é diferente. Por estarem relacionados à gestão do capital humano, os números do setor estão entre os mais importantes para medir o sucesso da empresa. Pensando nisso, listamos neste artigo alguns exemplos de indicadores de RH para você implementar no seu negócio.

Muitos deles podem não ser óbvios em um primeiro momento, mas a são muito importantes para identificar os reais problemas de uma equipe. Para saber mais, é só acompanhar o post!

 

O que são indicadores de RH?

Indicadores de RH são métricas utilizadas para medir o desempenho de atividades ou processos específicos do setor.

Também chamados KPIs (Key Performance Indicators), esses números são usados como base para a tomada de decisões estratégicas, sempre com o objetivo de melhorar os resultados do negócio.

Há quatro características básicas que definem um bom indicador de RH. Para cumprir seu objetivo, ele deve ser:

  • concreto: informação tangível e baseada em metas;
  • mensurável: dados traduzidos em números, para facilitar a compreensão;
  • alcançável: metas e números realistas;
  • relevante: com alto grau de importância para os resultados da empresa.

 

Que exemplos de indicadores de RH posso utilizar na empresa?

1. Índice de absenteísmo

Esse indicador mede a ausência de colaboradores na empresa.

É normal que esse número varie de mês a mês, mas ele deve ser necessariamente baixo dentro de períodos mais longos.

Caso contrário, é preciso ligar o alerta: provavelmente houve uma piora no clima interno da sua organização.

A análise desse KPI é importante para identificar os motivos pelos quais os funcionários faltam ao trabalho.

Uma taxa de 1 a 2% é considerada aceitável, já que a maioria das pessoas fica doente pelo menos alguns dias no ano. Acima disso, é preciso olhar o problema com mais cuidado e descobrir qual é o problema.

A resposta pode estar na gestão dos líderes, no nível de estresse no dia a dia ou na qualidade do relacionamento na equipe. Cada caso é um caso e deve ser solucionado isoladamente.

 

2. Índice de produtividade por colaborador

Avaliar a produtividade de cada colaborador é uma ótima oportunidade para identificar os melhores talentos da empresa.

Hoje, com o crescimento do home office, o tempo de permanência do funcionário no escritório importa muito pouco. O que vale de verdade são os resultados que ele entrega, e é isso o que esse KPI vai medir.

Com esses números em mãos, fica mais fácil decidir quais colaboradores receberão bonificações, recompensas e até promoções.

Basear a gestão na meritocracia é uma forma efetiva de manter toda a equipe motivada para alcançar suas metas.

 

3. Índice de horas extras

Toda equipe precisa fazer horas extras em alguns momentos, seja para resolver uma crise, conquistar um cliente ou concluir um projeto especial.

No entanto, se esse índice se tornar muito alto, é sinal de que está faltando gente na equipe. Ou seja: é hora de contratar mais funcionários.

Sobrecarregar o time é uma economia pouco inteligente. Quando isso acontece, aumenta a insatisfação, cai a produtividade e os funcionários chegam a um alto nível de estresse, correndo risco de burnout.

Contar com uma equipe completa e distribuir as tarefas adequadamente é a melhor forma de garantir um trabalho de qualidade.

 

4. Efetividade dos treinamentos

Para medir a efetividade dos treinamentos, é necessário medir o que as pessoas aprenderam — e isso é muito difícil.

Não basta apenas avaliar o desempenho do colaborador no mês anterior e posterior à atividade. É preciso estabelecer uma média de produtividade e avaliar a evolução por um longo período de tempo.

Outra boa estratégia é definir metas a serem cumpridas ao longo do treinamento, e analisar como os participantes se saíram ao final do curso.

Tenha sempre em mente que o treinamento efetivo é aquele que ajuda o aluno a se tornar um profissional melhor, aumentando seu nível de desempenho.

 

5. ROI de treinamento e recrutamento

O ROI (return on investment) é um indicador utilizado por várias áreas para medir o custo-benefício de determinada ação.

Em RH, é de extrema importância avaliar o retorno de treinamentos e recrutamentos.

Para isso, basta medir a produtividade do funcionário e relação aos recursos investidos para desenvolvê-lo ou contratá-lo. Dessa forma, é possível planejar um uso mais inteligente do dinheiro.

 

6. Tempo médio de recrutamento

Outro bom exemplo de indicador de RH é o tempo médio de recrutamento, ou seja, o período entre a abertura e o preenchimento das vagas da empresa.

Essa métrica é importante para avaliar a eficiência dos processos seletivos, bem como a habilidade do departamento em encontrar candidatos adequados rapidamente.

Afinal, ficar muito tempo com uma equipe desfalcada é prejudicial para a organização em vários sentidos.

Com um profissional a menos no time, a produtividade é menor. Além disso, os outros funcionários ficam sobrecarregados, o que pode aumentar o estresse, a insatisfação e até mesmo o absenteísmo.

 

7. Taxa de turnover

O turnover mede a rotatividade de funcionários, isto é, o número de profissionais que são contratados e desligados em determinado período.

Preste muita atenção na taxa de turnover voluntário, que ocorre quando os colaboradores deixam a empresa por vontade própria.

Uma alta nesse índice significa que a retenção de talentos não vai nada bem.

Nesses casos, é preciso fazer um estudo detalhado dos motivos das saídas desses funcionários.

As razões podem ser as mais variadas: mau relacionamento com o chefe, salário abaixo da média ou má distribuição de tarefas, entre outras.

É essencial identificar o problema e encontrar soluções o quanto antes.

É claro que nem todo turnover é ruim. Se o funcionário sai porque não se identifica com os valores da empresa, é melhor substituí-lo por outro com perfil mais alinhado à cultura.

O principal sinal de alerta deve ser ligado quando a empresa começa a perder talentos promissores com frequência.

 

8. Turnover por equipe

Há uma máxima no mundo corporativo que diz: “as pessoas não trocam de emprego, trocam de chefe”.

Sabemos que nem sempre isso é verdade, mas que ocorre, sim, com certa frequência. E avaliar o turnover por equipe pode ser uma ótima forma de analisar o desempenho dos gestores da empresa.

Existem líderes excelentes em inspirar seus funcionários e se conectar com eles, mas nem todos são assim. Se a rotatividade de uma equipe é muito maior do que a das outras, provavelmente o problema está no gestor.

Uma vez identificada a questão, basta aplicar medidas para desenvolver as habilidades desse líder, para torná-lo mais eficiente.

Podem ser treinamentos, workshops ou até uma simples conversa. Se a tentativa não der certo, considere fazer uma troca.

 

Esses foram os principais exemplos de indicadores de RH para você implementar na sua empresa.

Agora que você já está por dentro do assunto, que tal aplicar o que aprendeu na prática?

Escolha os melhores KPIs para as necessidades do seu negócio e mãos à obra! Com isso, certamente seu planejamento estratégico se tornará cada vez mais efetivo.

 

Gostou do artigo? Deixe um comentário no post e compartilhe conosco suas dúvidas e opiniões! Será um prazer ajudar você no que precisar.