Manter os colaboradores satisfeitos é um dos maiores desafios das empresas atualmente. Mais do que isso, é uma necessidade. Afinal, gente feliz produz mais e dificilmente procura oportunidades em outros lugares.

Entre todos os fatores que impactam na felicidade no trabalho, um dos mais importantes é observar como o estresse financeiro aumenta a rotatividade de funcionários.

Neste artigo você verá o que é estresse financeiro e por quê ele influencia tanto no dia a dia das organizações. Também traremos dicas para resolver o problema e manter a qualidade de vida na sua empresa sempre em alto nível. Quer saber mais? Continue conosco!

O que é estresse financeiro?

Estresse financeiro é o desgaste mental que ocorre em decorrência de dívidas e má administração do dinheiro. A preocupação com o saldo bancário, contas a pagar e juros de empréstimos desencadeia uma série de problemas na vida pessoal e profissional, como alterações no humor e falta de foco.

Segundo um estudo dos EUA, dinheiro é a principal causa de estresse para 64% dos americanos. Entre os millennials adultos, entre 18 e 35 anos, a taxa é ainda maior: 75% não têm total controle sobre as finanças pessoais.

Portanto, reduzir o estresse financeiro é resolver uma necessidade particular dos colaboradores.

Ter a conta bancária sob controle aumenta exponencialmente a qualidade de vida, o que resulta em mais saúde mental e física. Tudo isso traz enormes benefícios para a empresa, como veremos mais à frente.

Quais são os impactos do estresse financeiro nos funcionários?

Para entender como estresse financeiro aumenta a rotatividade de funcionários, é preciso observar quais são seus impactos na rotina da equipe. Veja a seguir alguns deles.

Preocupação constante

Quem passa por estresse financeiro vive em um estado de preocupação constante.

Enquanto as dívidas correm e os juros se acumulam, a pessoa não dorme direito, tem oscilações no humor e perde a capacidade de se concentrar.

Tudo o que a pessoa pensa é: “como eu vou conseguir pagar essas contas?”.

Queda de produtividade

Com a preocupação constante, o profissional não consegue colocar 100% do seu foco no trabalho, o que leva à queda de produtividade.

Muitas vezes a pessoa gasta horas do expediente resolvendo problemas com dinheiro, deixando de lado suas tarefas do dia a dia. E nos momentos em que tenta realizar as atividades, os resultados deixam muito a desejar.

Tais fatos são comprovados por números. Em uma pesquisa da Society for Human Resources Management, 83% dos profissionais de RH afirmaram que o estresse financeiro prejudica o desempenho dos colaboradores.

A queda de produtividade é, inclusive, um dos motivos pelos quais o estresse financeiro aumenta a rotatividade de funcionários.

Quando o desempenho cai, muitos gestores decidem desligar o profissional antes mesmo de avaliar as causas do problema.

Com isso, o turnover aumenta, assim como os custos com recrutamento, seleção e treinamento de novos colaboradores.

Falta de motivação

Em muitos casos, os problemas financeiros geram uma alta insatisfação com o salário.

A pessoa se sente desmotivada por achar que está recebendo menos do que poderia, e começa a buscar oportunidades em outras empresas.

Essa é uma das principais explicações para como o estresse financeiro aumenta a rotatividade de funcionários.

A boa notícia é que isso pode ser prevenido. O RH e as lideranças devem observar o comportamento do funcionário agir rapidamente ao identificar o problema.

Quando houver insatisfação com o salário, considere os resultados do profissional para estudar um aumento. Pode ser que realmente a remuneração da pessoa esteja defasada.

Se não for o caso, converse com o colaborador e aponte o caminho que ele deve seguir para conquistar um salário mais alto.

Deixe claro que o reajuste está atrelado a resultados, e que a pessoa pode consegui-lo se tiver um bom desempenho na sua função.

Aumento do absenteísmo

Já sabemos que o estresse financeiro aumenta a rotatividade de funcionários, mas não é só isso. O problema também pode gerar o crescimento da taxa de absenteísmo, ou seja, no número de faltas e atrasos.

Quando a mente não está bem, o corpo cobra o preço. A preocupação excessiva pode causar hipertensão, insônia e deixar a pessoa mais distraída e vulnerável a acidentes. Com tantos riscos, as chances de o funcionário precisar se ausentar por questões médicas são muito maiores.

Como o RH pode lidar com o estresse financeiro?

Para garantir a qualidade de vida dos funcionários, o RH deve trabalhar junto com as lideranças para montar um programa de bem-estar financeiro. Esse tipo de iniciativa já teve ótimos resultados em muitas organizações.

Segundo o Hay Group, empresas que investem nesses programas têm equipes 43% mais produtivas. De acordo com a Gallup, evitar o estresse financeiro dos profissionais reduz em até 51% a rotatividade.

Mas como implementar um programa de bem-estar financeiro eficiente na companhia?

As alternativas mais comuns se dão em duas frentes. Confira mais detalhes sobre elas a seguir.

Educação financeira

Promover a educação financeira é uma excelente maneira de aumentar a qualidade de vida dos funcionários.

É possível estruturar um conteúdo educacional multimídia, com o uso de vídeos, textos, áudios e até jogos interativos com foco em finanças pessoais.

Nesse caso, o direcionamento deve ser feito de acordo com as necessidades do colaborador. Assim, quem tem perfil poupador não receberá as mesmas dicas de quem está gerenciando dívidas, por exemplo.

Outra boa alternativa são sessões de orientação com especialistas. Esses coaches podem ensinar aos colaboradores a importância de montar um orçamento mensal, fazer controle de gastos e construir uma reserva de emergência.

Depois de abordar o básico, é possível até oferecer cursos sobre investimentos e assuntos mais avançados posteriormente.

Pagamento por dia

Uma das grandes tendências do mercado para evitar o estresse financeiro é oferecer pagamentos por dia.

Nesse sistema, a remuneração fica disponível para resgate ao final do dia de trabalho. Assim, não é preciso esperar uma data específica para ter acesso ao salário do mês.

Essa pode ser a solução que a pessoa precisa para pagar uma conta dentro do prazo e evitar empréstimos, por exemplo.

Dessa forma, o profissional tem muito mais controle sobre o próprio dinheiro e evita cair em armadilhas financeiras.

Agora que você já sabe como o estresse financeiro aumenta a rotatividade de funcionários, que tal colocar o que aprendeu em prática?

Observe o comportamento dos colaboradores e implemente um programa de bem-estar financeiro na organização. Assim você conseguirá garantir a qualidade de vida da equipe e um baixo turnover no seu negócio!

Se você gostou do artigo, siga-nos nas redes sociais e acompanhe nossos conteúdos em primeira mão! Estamos no Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn.