Empréstimo na crise

Empréstimo na crise: quais as melhores opções, riscos e os cuidados a tomar?

Diante disso, do COVID-19 e das perturbações financeiras, os empréstimos na crise estão sendo cada vez mais procurados.

A crise do novo coronavírus vem impactando a realidade dos brasileiros de forma acentuada, comprometendo severamente áreas como:

  • saúde,
  • segurança sanitária,
  • estabilidade emocional,
  • convívio comum,
  • condições financeiras.

A necessidade de distanciamento social para evitar uma disseminação colossal da doença levou a quarentena voluntária e obrigatória a ser uma realidade no país. Assim, grande parte da economia foi paralisada, criando lacunas financeiras para milhares de pessoas.

Cálculos de empréstimos financeiros estão sendo feitos como saída a essa instabilidade. Neste post, vamos abordar os principais cuidados que devem ser tomados ao contratar empréstimo na crise.

Acompanhe o post e entenda os riscos da relação entre crises financeiras e empréstimos, principalmente, em épocas de crise econômica e aprenda os principais cuidados que você deve ter ao contratar esse serviço. Boa leitura!

Por que empréstimos na crise podem ser perigosos?

Empréstimos são operações de crédito, em que uma pessoa física ou jurídica recebe dinheiro assumindo o compromisso de pagar, no futuro, o valor disponibilizado acrescido de juros e encargos.

Entre os fatores a serem definidos em acordo comum entre as partes e registrados em contrato, estão:

  • prazo de quitação,
  • o número de parcelas,
  • os valores mensais,
  • as taxas de juros,
  • tarifas.

Diferentemente de operações de financiamento, em que os recursos financeiros emprestados possuem uma destinação específica, como a aquisição de bens de consumo duráveis, os empréstimos não exigem uma destinação exclusiva. Ou seja, a pessoa ou empresa pode utilizar o dinheiro para diversos fins. E é, justamente, aí que mora o perigo.

Segundo dados do Banco Central (BC), essas operações de crédito são buscadas para cobrir despesas inesperadas, como as que estamos vivendo agora no país.

Mesmo que atendam a uma situação emergencial, cálculos de empréstimos financeiros devem ser feitos com critério, análise e muita organização financeira.

A falta de um bom planejamento financeiro pessoal para lidar com uma dívida a longo prazo pode comprometer a sua saúde pecuniária, gerando novos problemas ainda mais sérios como:

Quais os tipos de empréstimo na crise disponíveis no mercado?

Agora que você já entendeu os riscos de negligenciar medidas de organização e planejamento ao realizar cálculos de empréstimos financeiros em meio a crises financeiras, confira as opções mais populares desse serviço de crédito disponíveis no mercado.

Empréstimo pessoal

Também conhecido como crédito pessoal, esse tipo de operação é usada para:

Os valores extras atrelados ao benefício, variam de instituição financeira para instituição financeira, entre eles podemo citar:

  • tarifas de abertura do serviço e contratação,
  • despesas incidentes nas operações de crédito,
  • Custo Efetivo Total (CET), dentre outros.

E empréstimos não são um benefício universal, vale lembrar que eles só são liberados mediante analise e  aprovação de crédito.

Leia também: Tenha disciplina financeira com o nosso guia para sair da dívida

Empréstimo pessoal com garantia

No caso do empréstimo pessoal com garantia, além da análise de crédito, os bancos também exigem a alienação de um bem livre de ônuscarro ou imóvel, por exemplo – como uma garantia de pagamento.

Os cálculos de empréstimos financeiros como esse exigem ainda mais atenção, uma vez que a falha no cumprimento do acordo pode significar a perda do bem para a instituição financeira.

Empréstimo pessoal consignado

Situações de crise geram, naturalmente, aflições financeiras e empréstimo passam a ser uma opção de emergência.

Na modalidade consignada, ou empréstimo para aposentado, o pagamento da prestação é feito diretamente como desconto na folha de pagamento ou no benefício previdenciário.

Esse tipo de empréstimo é exclusivo para:

  • aposentados,
  • pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social),
  • servidores públicos,
  • servidores privados de empregadoras exclusivas, que possuam parcerias com a instituição financeira ou banco.

Como o recebimento do dinheiro é feito direto das folhas, os risco para a instituição credora é baixo.

Justamente por isso, as taxas de juros dessa modalidade costumam ser vantajosas diante das opções no mercado.

Quais as medidas do Estado em relação aos empréstimos na crise?

Para auxiliar economicamente a população durante a crise do Covid-19, medidas financeiras e empréstimos facilitados foram anunciados pelo governo.

Confira a seguir algumas das medidas mais importante em relação à concessão de empréstimos na crise.

Medidas vantajosas

Liberação da renda emergencial

Foi autorizada a liberação de uma renda emergencial no valor de R$600 por três meses para socorrer pessoas:

  • desempregadas,
  • trabalhadores informais,
  • microempreendedores individuais (MEI).

As regras gerais para receber a renda emergencial estão disponíveis no site da Caixa Econômica Federal.

Liberação de crédito para PME

Outra medida do governo para facilitar o acesso ao crédito nesta crise financeira é a liberação de R$40 bilhões numa linha de crédito constitucional exclusiva para PME (Pequenas e Médias Empresas) com faturamento entre R$360 mil e R$10 milhões por ano.

As regras gerais deste benefício podem ser verificadas no site do Governo Federal (GF).

Além disso, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) autorizou a destinação de R$5 bilhões em crédito para PME com faturamento anual de até R$300 milhões.

No site do BNDES, as particularidades desse benefícios poderão ser consultadas.

Suspensão temporária da cobrança de empréstimos

O BNDES também anunciou a suspensão da cobrança em cálculos de empréstimos financeiros por 6 meses.

Serão atendidos por esse benefício os setores de:

  • Petróleo e Gás,
  • Aeroportos,
  • Portos,
  • Energia,
  • Transporte,
  • Mobilidade Urbana,
  • Comércio e Serviços,
  • Indústria,
  • Saúde.

Redução do limite de taxas em operações de empréstimo consignado

O limite da taxa de juros nas operações de empréstimo consignado foi reduzido.

O valor da taxa cai de 2,08% para 1,80% ao mês.

A medida foi aprovada pelo Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS), que também:

  • liberou a ampliação do prazo máximo dos contratos, de 72 meses para 84 meses,
  • reduziu a taxa máxima de juros do cartão de crédito consignado de 3% para 2,7% ao mês.

Ajuste do Bolsa Família

O governo federal também autorizou o repasse de R$3 bilhões para o programa do Bolsa Família. Com isso, o programa beneficiará 14,3 milhões de famílias.

Os detalhes do repasse podem ser verificados no site do GF.

Medidas desvantajosas

Suspensão de contrato de trabalho e corte de jornada e salário

Foi autorizada a MP (Medida Provisória) 936 que permite suspender contratos de trabalho por dois meses e reduzir drasticamente salários em 25%, 50% e 70% por até três meses, e que conta com o seguro-desemprego como base da compensação.

O governo irá bancar parte dos salários reduzidos, mas somente até o teto do seguro-desemprego.

Isso significa que todos os trabalhadores que recebam mais de um salário mínimo terão sua renda comprometida.

Os detalhes da MP podem ser verificadas no site do Planalto ou nesta cartilha.

Alteração das Leis Trabalhistas

Outra medida pouco vantajosa anunciada pelo governo é a alteração das Leis Trabalhistas.

A MP 927 altera regras da CLT (Consolidação das Leis de Trabalho) referentes a direitos como férias e FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e mexe em pontos como saúde e segurança do trabalho e fiscalização de auditores do trabalho.

Todas as mudanças poderão ser acessadas no site do Planalto.

Lentidão na tomada de decisões econômicas

O governo federal apresentou uma demora expressiva para anunciar medidas econômicas que amenizem a crise decorrente da pandemia da Covid-19. E agora, mesmo com grande parte das medidas aprovadas, o Estado é lento para colocá-las em prática.

Neste ritmo, o PIB (Produto Interno Bruto) deverá resultar em queda, em um momento de grande tensão social e deterioração acentuada da situação fiscal do país.

Falta de apoio a despesas imobiliárias

Mesmo diante da situação de paralisação, não está isento o pagamento do aluguel. O locatário deve renegociar diretamente com o locador, sem suporte legal.

Em caso de recursos, além da necessidade de comprovar a ligação entre a incapacidade de pagar o valor do aluguel e a crise do coronavírus, o locatário deverá apresentar alternativas para quitar a dívida no futuro.

Quais os cuidados que você deve tomar ao pedir um empréstimo na crise?

É natural que a crise traga aflições financeiras e empréstimos na crise sejam buscados como saída.

Mas como dissemos é indispensável que nessa busca, um planejamento financeiro inteligente e seguro seja elaborado.

Para te ajudar a evitar problemas ao realizar os cálculos de empréstimos financeiros, preparamos uma lista de dicas especiais. Confira a seguir!

1. Faça uma pesquisa e conheça suas opções

A primeira dica é evitar empresas desconhecidas. Faça uma pesquisa criteriosa para escolher uma instituição financeira e empréstimos vantajosos.

Esse tipo de operação envolve prazos longos e valores expressivos, por isso devem ser feitos em bancos de confiança.

2. Conheça o contrato de adesão

É importante ler o contrato de adesão com muita atenção antes assiná-lo.

Tendo domínio sobre todo conteúdo acordado, você não será pego de surpresa caso ocorra algum ajuste, exista a necessidade de cancelamento, e assim por diante.

3. Conheça todas as taxas e condição de pagamento

Situações fora da normalidade geram preocupações financeiras e empréstimos na crise, muitas vezes, são a única opção.

Contudo, mesmo que a aprovação desse benefício seja rápida, não deixe se levar pela emoção.

Antes de assinar, verifique:

  • valores e encargos envolvidos,
  • prazos de pagamentos,
  • formas de quitação,
  • número de prestações.

Considere também o CET, ou custo efetivo total, para analisar as vantagens dessa contratação.

4. Cuidado com golpes

Infelizmente, pessoas mal intencionadas podem se aproveitar da situação desesperadora provocada pela crise do novo coronavírus, para aplicar golpes financeiros. Por isso, não realize pedidos de empréstimos por telefone e se a proposta estiver muito atrativa, desconfie.

Leia também: Empréstimo pessoal online: o que é , como usar e vantagens do crédito!

5. Não pague nenhum valor para garantir o seu crédito

A cobrança de qualquer valor antecipado, seja para simulação ou liberação de crédito crédito consignado, é proibida.

Você não deve realizar depósitos ou efetivar pagamentos para assegurar o seu crédito.

É importante saber que essa não é uma prática comum do mercado financeiro, e por isso, caso ocorra, ela deve ser denunciada.

6. Planeje o pagamento

Feito os cálculos de empréstimos financeiros, é preciso estruturar o seu planejamento de quitação.

Tenha controle sobre suas finanças, conheça gastos, despesas e ganhos a fundo para que empréstimo não se torne um fardo e nem gere uma nova dívida. Tente cortar gastos nesse momento.

7. Organize os seus gastos mensais

Ao contratar um empréstimo consignado, o salário será disponibilizado já com o desconto da parcela. Isso significa que, se você não fizer bem os cálculos de empréstimos financeiros, a diferença na sua renda mensal poderá implicar dificuldades significativas.

A relação entre crises financeiras e empréstimos é clara.

Os cálculos de empréstimos financeiros, quando bem feitos, podem ser a solução que situações emergenciais necessitam.

Por isso, siga essas dicas antes de firmar qualquer tipo de operação de crédito, e proteja o seu equilíbrio financeiro, mesmo quando estiver em busca de empréstimo na crise.

Como fugir do empréstimo na crise?

Um empréstimo na crise pode se tornar uma grande armadilha financeira, por isso, buscar soluções alternativas pode ser uma escolha melhor.

Se você trabalha ou é dono de uma empresa saiba que a organização pode contribuir muito para ajudar seus colaboradores quitarem suas dívidas.

Cuidar da saúde financeira dos colaboradores vai garantir:

  • mais produtividade;
  • menores taxas de turnover;
  • menos estresse no trabalho, além de trazer muitos outros benefícios.

Por isso, que tal levar uma dica super estratégica para a gerência da empresa?

Xerpay é um sistema que permite empresas adotarem o modelo de salário on demand.

Trata-se de um benefício corporativo oferecido aos funcionários, que visa:

Em consequência também reduz gastos da empresa com demissões e acordo trabalhistas.

A integração é rápida e simples. Assim que seus funcionários se cadastrarem, eles podem fazer saques imediatamente.

Fale com um especialista e descubra ainda mais ganhos que a sua empresa pode ter ao oferecer um benefício como o Xerpay.

Ainda em dúvida? Então, confira este outro artigo relacionado, que traz todas as dicas para ajudar os seus funcionários a não se endividarem.

Gostou do artigo? Então, siga a Xerpa nas redes sociais Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn e veja conteúdos como esse toda semana!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.