Descubra a relação entre RH e economia colaborativa nas empresas

Você já ouviu falar em economia colaborativa? Essa tendência consiste em quebrar paradigmas na utilização de bens e serviços. No cenário atual, o principal objetivo da maioria das empresas é acumular recursos e aumentar a competitividade, em uma mentalidade baseada no individualismo. Porém, isso vem mudando nos últimos tempos.

Na economia colaborativa, o foco é o compartilhamento de recursos, sejam eles humanos, físicos ou intelectuais. Ou seja, não é preciso possuir muitos bens, apenas fazer o melhor uso deles. Pouco a pouco, essa noção vem sendo incorporada na vida das pessoas e organizações.

Você pode estar se perguntando: qual a vantagem desse modelo? Como aplicá-lo no mundo corporativo? Para responder a essas questões, reunimos neste post tudo o que você precisa saber sobre a nova realidade do mercado. Quer saber mais? Confira a seguir!

Quais são as vantagens da economia colaborativa?

Os benefícios trazidos pela economia colaborativa são muitos. Não é à toa que o modelo vem ganhando tanto espaço no mercado. Uma de suas maiores vantagens é o uso mais inteligente dos recursos disponíveis. Bens são limitados: uma empresa tem disponível um número certo de máquinas e funcionários, por exemplo. Por outro lado, necessidades humanas são ilimitadas e surgem a todo o momento.

É aí que entra a nova filosofia: se tenho algo que não está sendo usado, empresto a outra pessoa por determinado tempo e valor. O negócio é bom para ambas as partes: o dono consegue transformar uma ferramenta ociosa em um recurso rentável, e o usuário tem sua necessidade suprida a um preço muito mais baixo.

Por falar em finanças, a redução de custos é outra grande vantagem da economia colaborativa. Soluções nesses moldes são muito mais baratas, já que envolvem o compartilhamento de recursos que já estão prontos para uso. Afinal, o que custa menos: comprar uma máquina nova ou alugar uma máquina ociosa de outra empresa? Colocando na ponta do lápis, fica fácil perceber que o individualismo sai bem mais caro.

Trocar a competitividade pela confiança também torna a sociedade mais sustentável. Atividades industriais, como construir carros, prédios e máquinas, trazem grandes prejuízos ao meio ambiente (poluição, acúmulo de lixo e uso massivo de recursos naturais). Quando se otimiza o uso de ferramentas que já existem, a criação de novos recursos fica em segundo plano.

Além de contribuir para a natureza, o compartilhamento também ajuda na superação do consumo exacerbado. Com isso, as pessoas conseguem atingir o objetivo de produzir mais com menos, tanto na vida pessoa quanto na profissional.

Como a economia colaborativa pode ser aplicada nas organizações?

Para dar certo nas empresas, a economia colaborativa deve caminhar lado a lado com a cultura organizacional. O estímulo ao compartilhamento, o incentivo ao trabalho em equipe e o estreitamento de laços de confiança devem fazer parte do DNA da empresa. Caso contrário, a companhia ficará presa ao passado e não conseguirá se adequar a essa nova tendência.

Muitas empresas, inclusive, usam a economia colaborativa como base de seus modelos de negócio. A Uber, por exemplo, tornou-se uma das maiores empresas de transporte do mundo apenas estimulando o compartilhamento de carros, sem possuir um único automóvel em sua frota. A AirBnb funciona de forma parecida, incentivando que as pessoas abram as portas de suas casas para turistas.

Vale lembrar que o modelo não se restringe apenas a produtos e serviços. Partilhar recursos, conhecimentos, visões e socializar os processos de trabalho são uma ótima forma de modernizar as práticas da sua organização.

Qual a relação entre RH e economia colaborativa?

O RH tem papel fundamental na aplicação da economia colaborativa em uma organização, já que lida diretamente com as pessoas que trabalham nela. Confira a seguir algumas ações de compartilhamento que podem ser estimuladas pelo setor de Recursos Humanos.

Compartilhamento do conhecimento

Cada funcionário deve dividir com seus colegas toda e qualquer informação valiosa sobre o ambiente de trabalho. Descobriu uma técnica para tornar a produção mais rápida? Teve acesso a estratégias que podem tornar um serviço mais eficiente? Diga a todos os outros colaboradores, a fim de melhorar os processos da empresa inteira.

Uma ideia interessante é promover eventos de mentoria, nos quais os profissionais mais experientes ajudem ou tirem dúvidas dos demais. Trajetórias de carreira e dicas práticas para o dia a dia podem gerar um aumento muito grande nos resultados da organização.

Incentivo ao trabalho em equipe

Estimular o bom relacionamento e a interação entre as equipes é essencial para criar uma cultura colaborativa dentro da empresa. Essa atitude estreita laços e melhora a produtividade, o que traz ótimos benefícios para os resultados e clima interno na companhia.

Além de integrar os funcionários no ambiente de trabalho, também estimule o contato entre os colaboradores fora da empresa. Promova festas, happy hours e outros eventos em que as pessoas possam interagir de maneira descontraída.

Gestão de caronas

Que tal organizar um quadro com os dias de carona e seus beneficiários? Essa medida incentiva a economia colaborativa em sua forma mais pura: compartilhamento de veículos entre pessoas que vêm e vão para os mesmos lugares. Isso faz com que os funcionários gastem menos em seus deslocamentos, além de trazer benefícios ao meio ambiente.

Plataformas de crowdsourcing

Nesse tipo de plataforma, profissionais internos e externos podem contribuir para os projetos da empresa. Essa é uma ótima maneira de usar a inteligência coletiva a serviço da organização, atingindo boas soluções para as demandas do mercado.

Para utilizar essa ferramenta é preciso ter a mente aberta e senso de auxílio mútuo, já que pode ser muito difícil abrir mão de centralizar decisões importantes. Podemos citar como exemplo de sucesso em crowdsourcing a Fiat, que leva em conta sugestões dos próprios clientes para criar carros colaborativos.

Utilize o coworking

Alugar salas ociosas para coworking pode ser uma ótima medida colaborativa para a sua empresa. Receber outras pessoas em seu próprio espaço, mesmo que elas tenham pouco a ver com o seu negócio, fomenta criatividade e inovação. É possível trocar experiências e até observar os processos de trabalho desses parceiros, fazendo uma espécie de benchmark informal.

Gostou das nossas dicas sobre economia colaborativa nas empresas? Agora que você já sabe tudo sobre essa nova tendência, é hora de colocar o que aprendeu em prática! Lembre-se: a participação do RH e a adequação da cultura organizacional são fundamentais para estimular o compartilhamento no ambiente de trabalho. Tenha isso sempre em mente e mãos à obra!

Não se esqueça de deixar um comentário aqui no post. Estamos ansiosos para conhecer suas experiências, opiniões e tirar todas as suas dúvidas!

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *