A diferença entre trabalho remoto e telecomutação (ou teletrabalho) é que, o primeiro, consiste em ter um ou mais profissionais permanentemente distantes da empresa, realizando suas atividades sempre remotamente. O segundo, por sua vez, é a flexibilização da rotina de trabalho, permitindo aos profissionais um ou mais dias, na semana, para trabalhar de casa.

 

Não se engane: nesse contexto digital, recheado de novos termos, seus especialistas de RH podem estar referindo-se a um tipo de profissional quando, na verdade, estão em busca de alguém com outro perfil e/ou características e habilidades.

É aí que entra a importância em compreender a diferença entre trabalho remoto e telecomutação. Acredite, trata-se de um equívoco bastante comum — especialmente, porque tendem a ser usados de maneira complementar entre as empresas, hoje em dia.

Que tal acompanhar-nos ao longo desta leitura, então, e aprender a diferença entre trabalho remoto e telecomutação — além de entender a relevância de cada um no desenvolvimento de sua empresa? Confira, aqui!

O trabalho remoto

Antes de explorar a diferença entre trabalho remoto e telecomutação, convém destacar a essência de cada um. Trabalhar remotamente, por exemplo, significa que a gestão da sua empresa tem que lidar com um ou mais profissionais que não estão, presencialmente, no escritório.

Eles podem estar em casa, em outra cidade ou mesmo a milhares de quilômetros de distância. O desafio, para a gestão, está em consolidar um horário em comum em que ambos estejam on-line e produtivos para atender à demanda do outro, respectivamente.

Outro desafio, e que expõe antecipadamente a diferença entre trabalho remoto e telecomutação, é a tentativa de evitar qualquer tipo de falha comunicação — como o serviço de internet instável, em um dos lados desse elo comunicativo.

Felizmente, isso pode ser resolvido, em grande parte, com as mais recentes tecnologias de videoconferência, entre outros aplicativos de mensagens.

 

Mais desafios do trabalho remoto

Outra questão que coloca uma série de interrogações nos gestores e profissionais de RH, com relação ao trabalho remoto, é a ciência da produtividade dos colaboradores que estão fora do escritório.

Para isso, talvez, você possa solicitar ao trabalhador remoto que ele conclua um determinado número de relatórios ou outras tarefas em determinado período. Os líderes devem evitar o microgerenciamento e saber o que todos da equipe estão fazendo, e como anda o desenvolvimento de cada tarefa — independentemente de onde ele esteja.

Por isso, é importante ter uma relação aberta e transparente com os profissionais, oferecendo boas condições de trabalho de ambos os lados dessa equação profissional e com amplos benefícios para todos os envolvidos.

A telecomutação

Agora, vamos entender em definitivo a diferença entre trabalho remoto e telecomutação. Afinal, essa segunda opção — também conhecida como teletrabalho — é a possibilidade de permitir aos colaboradores (que trabalham corriqueiramente no escritório) possam trabalhar em casa uma ou mais vezes na semana.

O objetivo, aqui, é agregar mais flexibilidade à rotina de trabalho, permitindo aos seus recursos humanos um pouco mais de autonomia para equilibrarem as suas vidas pessoal e profissional.

Além disso, o nível de engajamento, motivação e satisfação se torna maior, permitindo mais capacidade de retenção de talentos, bem como a possibilidade de atrair novos profissionais.

É claro que, além da diferença entre trabalho remoto e telecomutação, há algo em comum a ser observado: em ambos os modelos, a empresa tem que contar com meios para monitorar e acompanhar o trabalho dos seus funcionários.

Com isso, os gestores permanecem com a elevada — e desejada — produtividade, sabe quando intervir, e como, diante de cada necessidade, e os profissionais podem se sentir melhor amparados.

Vale destacar, apenas, que o objetivo da telecomutação (ou teletrabalho) é a garantia, para os colaboradores, de que eles podem ser mais felizes, no ambiente de trabalho, e que a sobrecarga vai passar bem longe de suas respectivas rotinas.

O valor da força de trabalho remota

Não é surpresa que a Era Digital tenha introduzido uma nova onda de trabalhadores remotos. A tecnologia tornou possível que muitas responsabilidades sejam concluídas remotamente, o que pode beneficiar empresas que desejam aumentar a sua capacidade produtiva, agregar mais diferenciais competitivos e isso tudo sem grandes investimentos — e, o melhor: em curto prazo.

Daí, a importância em compreender a diferença entre trabalho remoto e telecomutação. O que nos leva à pergunta: você já trabalha com um ou ambos na rotina de sua empresa? Compartilhe sua opinião conosco, no campo de comentários deste post!