Você sabe qual é o real custo de um funcionário da empresa?

O custo de um funcionário é um processo de cálculo que engloba gastos como salário, 13°, transporte, horas extras e muito mais. Saiba a melhor maneira de fazer esse cálculo e evitar prejuízos financeiros.

Neste artigo falaremos sobre a importância do custo de um funcionário no planejamento financeiro e estratégico da empresa. Apresentaremos os principais gastos mensais com os colaboradores e daremos dicas sobre como calcular o custo real de um funcionário. 

 

Por que calcular o custo de um funcionário

O custo de um funcionário tem papel fundamental e decisivo nos resultados da empresa. Mas a pergunta que toda a empresa deve-se fazer é: “qual o custo real do meu funcionário?”.

O Brasil possui uma legislação trabalhista cheia de regras e complexidades, que exige cada vez mais atenção do departamento pessoal. Empresas que não tem controle sobre os gastos com seus colaboradores podem quebrar e ir a falência.

Ter na ponta do lápis o valor de salários, encargos e alíquotas podem evitar processos trabalhistas. Saber o ônus real para manter um colaborador é o que influencia decisivamente na saúde financeira da sua empresa.

Listamos um passo a passo para você conseguir calcular corretamente o custo de um funcionário.

 

Gastos mensais

Mensurar o custo de um funcionário é uma necessidade para que todas as empresas consigam calcular seus gastos mensais. E para começar a detalhar cada real que sai do seu caixa é preciso avaliar alguns custos que são quase fixos na maioria das empresas.

Separamos alguns desses gastos para vocês começarem a colocar na ponta do lápis e conseguirem fechar as contas do mês.

  • 13º salário;
  • Gastos com transporte;
  • Férias (1/3 constitucional);
  • Plano de saúde (Benefício que algumas empresas oferecem individualmente ou em grupo);
  • Seguro de vida (Benefício oferecido por algumas empresas);
  • Gastos com possíveis faltas ou afastamentos;
  • Gastos com horas extras;
  • Contribuição previdenciária;
  • Gastos anuais com reajustes salariais obrigatórios, conforme o sindicato.

 

Impostos e encargos

O custo de um funcionário pode ser até três vezes maior do que o salário dele. Tudo pode variar conforme o sindicato, ramo de atividade, entre outros diferenciais.

Cada empresa se adequa dentro de um tipo de imposto e abaixo falaremos mais sobre eles para não haver dúvidas sobre como fazer o cálculo do custo de um funcionário.

 

Simples nacional

O simples nacional é um regime tributário com alíquotas diferenciadas e direcionado para empresas que faturam até R$ 4,8 milhões. Esse valor respeita a Lei Complementar nº 155, do mês de outubro de 2016.

Além de permitir em uma única guia o recolhimento de tributos estaduais, municipais e federais, o simples nacional oferece outros tipos de benefícios.

Concorrência em algumas licitações do governo, como desempate, facilidade para cumprir obrigações previdenciárias e trabalhistas, são alguns dos benefícios do simples nacional.

Abaixo os tributos do simples nacional:

  • Férias: 11,11%;
  • 13º salário: 8,33%;
  • FGTS: 8%;
  • FGTS/Provisão de multa para rescisão: 4%;
  • Previdenciário sobre 13º/Férias/DSR: 7,93%.

Total de gasto mensal: 39,37%.

 

Lucro Real e Lucro Presumido

O lucro presumido é o regime tributário que se encaixa para as empresas que faturam até no máximo R$ 78 milhões anuais. Já o lucro real tem quase a mesma forma de tributação do presumido, apenas com valores diferentes.  

No lucro real, a tributação é calculada com base no lucro líquido. Abaixo separamos as regras para calcular o custo do funcionário se o regime tributário adotado pela empresa foi esse.

  • Férias: 11,11%;
  • FGTS: 8%;
  • 13º salário: 8,33%;
  • Previdenciário sobre 13º/Férias/DSR: 7,93%;
  • INSS: 20%;
  • Seguro acidente de trabalho (SAT): 3%;
  • Salário educação: 2,5%;
  • Incra / SENAI / SESI / SEBRAE: 3,3%;
  • FGTS/Provisão de multa para rescisão: 4%.

Total de gasto mensal: 68,18%.

 

Como fazer o cálculo

Para exemplificar o cálculo do custo de um funcionário, montamos as contas com um salário base no valor de R$ 1000,00 e baseado no regime tributário do simples nacional.

Confira o custo de um funcionário caso a empresa tenha adotado o simples nacional.

 

Gasto Mensal

  • Salário base: R$ 1000,00;
  • 8% de FGTS – R$ 80,00;
  • Provisão Mensal (8% de FGTS anual/12 + férias + 1/3 sobre férias + 13º) – R$ 210;
  • Vale-refeição – R$ 15,00 por dia = R$ 330,00 (mensal/22 dias úteis);
  • Vale-transporte – R$ 8 por dia = R$ 176,00 (mensal/22 dias úteis – O funcionário arca com 6% do seu salário e a empresa com o restante).

Total Mensal: R$ 1796,00 (A empresa arca com R$ 1656,00/ Colaborador arca com 8% de INSS (R$ 80,00) e 6% do vale-transporte (R$ 60).

 

Gastos anuais

  • 8% de FGTS do valor anual – R$ 186,67;
  • Férias – R$ 1.000,00 (valor anual);
  • 1/3 sobre férias – R$ 333,33 (valor anual);
  • 13º salário – R$1. 000,00 (valor anual);

Total anual: R$ 21.392,00 (Aproximadamente, podendo haver variações, conforme dias trabalhados, horas extras e benefícios).

 

Gastos com capacitação

Capacitação e treinamentos também precisam estar dentro do custo de um funcionário. A qualificação é uma necessidade e um grande apoio para os resultados. Inclusive nesse ponto é possível incluir os planos de carreira e as estratégias para reter os talentos.

Esse tipo de gasto com a carreira de um colaborador pode gerar até maior competitividade da sua empresa no mercado, já que os colaboradores estarão mais bem preparados.

Profissionais atualizados na área tendem a render mais e estarem mais dispostos com os objetivos da empresa.   

Por esse motivo, quando incluímos no custo de um funcionário os gastos com formações, capacitações e treinamentos é um investimento vantajoso, quando bem planejado.

 

Planeje tudo antes de executar

Tendo como base do seu planejamento estratégico todos os custos e gastos com os colaboradores, fica mais fácil efetuar novas contratações, demissões necessárias e etc.

Avaliar seus gastos com o funcionário apenas com base no salário é um grande erro. Por isso, não mensurar os gastos que citamos acima é fazer uma conta errada do que sua empresa terá que gastar e consequentemente pode abrir um rombo nas suas finanças.

Assim, como todas as ações da sua empresa, o custo de um funcionário precisa de um planejamento e estratégias antes da execução.

Dessa forma, é necessário sempre ter profissionais preparados e atualizados para lidar com as regras tributárias e os direitos do colaborador.

 

O departamento pessoal precisa sempre estar alinhado com a contabilidade para mensurar todos os gastos. Assim é possível evitar custos desnecessários e problemas financeiros ou trabalhistas. Quer saber tudo sobre o RH, gestão de colaboradores, retenção de talentos e muito mais? Siga a Xerpa nas redes sociais e fique atento a todas as novidades Facebook, Instagram e LinkedIn.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *