cultura orçamentária

Cultura orçamentária: o que é, qual a importância para o negócio?

Mais do que nunca, diante de uma crise econômica sem precedentes, noções do impacto real ou previsões de duração, o cuidado com as questões financeiras se torna indispensável para as organizações. 

Mais do que estruturar um controle eficiente que otimize resultados, é uma forma de assegurar a sua sobrevivência no mercado e minimizar os problemas trazidos pela pandemia do novo coronavírus (COVID-19). É aqui que a cultura orçamentária reforça seu papel como um recurso valioso. 

Grosso modo, cultura orçamentária é a estruturação de um planejamento financeiro, que controle gastos, faça projeção de resultados, analise investimentos organizacionais, dentre outros, de maneira globalizada. Ou seja, toda empresa compartilhe os mesmos valores e condutas para atingir suas metas pecuniárias, direta ou indiretamente atreladas. 

Se você quiser saber mais sobre finanças corporativas, recomendamos a leitura deste material aqui.

Para entender melhor o que é cultura orçamentária e qual a sua importância para o negócio, continue acompanhando este post. Preparamos um resumo com tudo o que você precisa saber para direcionar as estratégias e os esforços financeiros da empresa com mais qualidade e eficiência. Boa leitura!

O que é cultura orçamentária?

Cultura é um conceito amplamente estudado pela antropologia que representa um conjunto de tradições, crenças, atitudes, valores e costumes compartilhados por um determinado grupo social. No cenário empresarial, temos a cultura organizacional.

Dentro dela, podemos ter outras subculturas essenciais para manter o negócio em crescimento, uma delas é a orçamentária.

A cultura orçamentária, como o próprio nome sugere, é um conjunto de práticas e características ligadas ao orçamento da empresa, mas que não se limita ao departamento financeiro, contábil ou administrativo. Como uma cultura, deve ser usado por todos os membros do grupo social, ou seja, por toda força de trabalho.

O planejamento financeiro costuma envolver atividades como a projeção de custos, controle de despesas operacionais, expectativas de faturamento e retornos, perspectivas de investimento e aplicações, e assim por diante. Tudo estruturado para planejar o desempenho financeiro da empresa para os próximos meses ou anos.

No entanto, esse plano só trará os resultados esperados se todos os setores o seguirem como guia fundamental e todas as metas estabelecidas estiverem alinhadas ao planejamento estratégico do negócio. 

Em outras palavras, o plano financeiro deve passar por uma expansão de fronteiras e tornar-se parte essencial da vida corporativa para que uma cultura orçamentária seja construída.

Quais os tipos de metodologia orçamentária usadas no mercado?

Existem  diversos tipos de metodologias orçamentárias usadas no ambiente corporativo, cada organização emprega a opção mais adequada para sua realidade.

Por isso, o primeiro passo é conhecer a fundo a real situação do negócio, suas características financeiras, demandas, prioridades, possibilidades, e assim por diante.   Feito isso, é preciso conhecer as particularidades das metodologias disponíveis para avaliar a sua compatibilidade. Somente assim essa escolha será apropriada e trará resultados eficientes para a empresa. 

Para te ajudar nessa missão, preparamos um súmula com as informações básicas das principais metodologias orçamentárias usadas atualmente no mercado. Confira a seguir.

Orçamento Estático

O Orçamento Estático é um tipo metodológico bastante empregado por grandes corporações. Isso porque ele facilita a gestão e o controle de diversas áreas pela unificação da distribuição de recursos.

Assim como o nome indica, ele permanece inalterado independentemente da situação comercial do negócio. Por exemplo, se a empresa separa R$ 10 mil para o Marketing, todas as áreas correlatas devem ser beneficiadas por esse recurso e o valor não será ajustado caso os resultados não sejam os esperados, tanto para melhor quanto para pior. 

Orçamento Flexível

O Orçamento Flexível é um tipo de metodologia que oferece margens de manobra. Ou seja, custos, despesas e investimentos podem ser ajustados conforme o andamento dos resultados comerciais.

Usando o mesmo exemplo anterior, se Departamento de Vendas se destacar mais do que o de Planejamento, os recursos gerais destinados ao Marketing poderão ser redistribuídos, favorecendo a área mais produtiva. Isso porque para trazer melhores resultados, despesas como comissões, impostos, matérias-primas, funcionários, dentre outros também podem crescer proporcionalmente.

Orçamento Baseado em Atividades 

Já o Orçamento Baseado em Atividades, é um tipo de metodologia auxiliar que usa de parâmetro os recursos empregados na produção de bens e serviços, tais como funcionários, máquinas, tecnologia, materiais, dentre outros. 

Ou seja,  o cálculo orçamentário é feito a partir dos recursos necessários para suportar as atividades comerciais do negócio. Todas as atividades envolvidas para cumprir com o planejamento são consideradas nesta metodologia.

Orçamento Contínuo (ou Rolling Forecast)

O Orçamento Contínuo é a opção metodológica mais dinâmica para lidar com o planejamento financeiro de uma empresa. Todas as suas práticas são revistas mensalmente, projetando resultados para até um ano.

Por exemplo, se no final do mês a área de Marketing precisar de mais um período para atingir suas metas, todo orçamento será revisto para assegurar sua conclusão. Além de ter o orçamento sempre atualizado, as metas se tornam mais realistas e a empresa trabalha com dados mais precisos.

Orçamento Ajustado ou Revisado (Forecast)

Assim como o Orçamento Contínuo, o Ajustado ou Revisado também permite que os recursos sejam alterados conforme a necessidade do negócio. Esse tipo de metodologia orçamentária permite que as reações às mudanças sejam mais rápidas e com menos impactos negativos. Afinal, ele é estruturado para planos mensais e é revisado periodicamente. 

Considerando o exemplo da área de Marketing, imagine que o valor de R$ 10 mil seja para aplicações anuais deixando cada mês do ano com um valor aproximado de R$ 833. Caso o investimento de qualquer mês supere o valor previsto no planejamento financeiro, as revisões periódicas podem ajustar essas lacunas e assegurar o cumprimento do resultado final.

Quais os benefícios da cultura orçamentária para o negócio?

Ter uma cultura orçamentária estruturada no negócio é uma forma de garantir que a gestão financeira cumpra o planejamento pecuniário com primazia, não só pela capacitação técnica e domínio mercadológico mas pelo alinhamento e comprometimento da força de trabalho.

Quando esse compromisso é devidamente instaurado, os benefícios para a empresa são evidentes. Confira a seguir algumas das vantagens mais interessantes.

Auxílio nas tomadas de decisões estratégicas

Um dos principais benefícios de ter uma cultura orçamentária é a facilidade de visualizar a real situação do negócio de forma global. Assim, a tomar decisões pode ser feita com mais precisão, agilidade e assertividade. 

Todos os dados dos diversos departamento da empresa estarão organizados no mesmo padrão, em um local de fácil acesso e seguindo os indicadores financeiros mais apropriados para cada situação. 

Com todos os colaboradores comprometidos e conhecendo em detalhes os planos orçamentários, o direcionamento das atividades é feita com mais responsabilidade. 

Mais organização e foco na meta 

Outro benefício da adoção de uma cultura orçamentária é a melhora na organização das etapas do planejamento para atingir uma meta financeira específica. Principalmente para empresas que possuem mais de um objetivo para o mesmo período, controlar todos os passos e atividades envolvidos pode se tornar um desafio.

A gestão contínua das finanças e a participação direta e conjunta dos diversos setores nas etapas operacionais permitem que os recursos sejam alocados com mais clareza, as etapas ganhem um norte mais claro e as metas sejam alcançadas com mais qualidade e menos desperdício.

A cultura orçamentária ainda pode colocar metas de produtividade para garantir um desempenho ainda mais expressivo das equipes.

Mais engajamento com os indicadores de desempenho

Uma das características mais interessantes de uma gestão orçamentária é a inexistência de “achismos”, pelos menos nas gestões qualificadas. Todas as operações são feitas de maneira calculada, medida, baseadas em métricas e KPIs (Key Performance Indicator) financeiros, dentre outros. E ter esse padrão como cultura é uma vantagem ímpar.

Planejar e agir seguindo dados e informações concretas é uma forma de assegurar operações mais inteligentes e seguras.

Qualquer empresa pode se beneficiar com uma cultura orçamentária?

Sim! Essas vantagens abordadas anteriormente podem ser conquistadas por diferentes tipos de empresas, com cultura organizacional diversas, tais como as hierárquicas, adhocráticas, mercadológicas, de clã, dentre outros.

Para identificar a cultura organizacional usada na sua empresa, veja agora algumas características que definem as mais comuns.

Hierarquia

A cultura organizacional hierárquica é adotada por empresas, em que todas as decisões são tomadas pelos gestores. O ambiente é formal, burocrático, rigoroso, a administração é vertical, o poder é centralizado, dentre outros. É comum que a força de trabalho acabe sendo mais resistente à novas ideias. 

Neste caso, a cultura orçamentária seria uma imposição, uma regra e os colaboradores a implantariam pela configuração geral do negócio.

Clã

O Clã é outro tipo de cultura organizacional que merece a sua atenção. Ele é regido por uma política colaborativa, em que todas as atividades do negócio são feitas em equipes. O ambiente é flexível, as lideranças adotam uma postura mais motivadora, e assim por diante.

Para o clã, a cultura orçamentária seria estruturada sem grandes dificuldades. Afinal, a colaboração é pilar fundamental do negócio e, certamente, a alimentação dessa tradição seria mantida pelos colaboradores

Mercado

A cultura organizacional de Mercado é aquela em que a competição do mercado externo dita as regras do ambiente interno. Ou seja, os colaboradores são forçados a atingir metas, que muitas vezes podem estar fora da realidade do negócio. A pressão é constante, a rivalidade é o combustível e o lucro é uma regra.

Neste cenário, a implementação de uma cultura orçamentário pode ser mais desafiadora devido ao perfil rígido da força de trabalho. No entanto, também é explicitamente necessária, porque sendo pautada por dados e números reais, as estratégias de ação e correção ganham eficiência e vantagem competitiva.

Adhocracia

A Adhocracia é um modelo de cultura organizacional em que a criatividade é a grande protagonista do negócio. As lideranças visam estimular a inovação, flexibilidade, horizontalidade, liberdade individual, autonomia, e assim por diante. 

Para este caso, a implementação de uma cultura orçamentária também pode vir a ser um desafio. Isso porque a estrutura liberal do negócio pode dificultar o cumprimento de regras, levando a ajustes constantes e fiscalização inadequada. 

Contudo, ela pode sim ser implantada neste modelo de negócio. Os gestores deverão buscar alternativas para estruturá-la como parte fundamental da cultura geral da empresa.

Quais as principais dicas para implementar uma cultura orçamentária na empresa?

Agora, para facilitar a implementação de uma cultura orçamentária na sua empresa, confira algumas dicas especiais.

Conheça a sua cultura organizacional

Como vimos anteriormente, entender o tipo de cultura organizacional usada no negócio é essencial. Por isso, uma pesquisa criteriosa com os colaboradores deve ser feita para conhecer as principais características que definem o perfil da empresa.

Avaliando os pontos mais relevantes da sua cultura, os gestores são capazes de identificar os aspectos que precisam ser melhorados para implantar uma cultura orçamentária com qualidade.

Conte com a liderança do negócio

Toda mudança na cultura de uma empresa precisa do suporte da liderança para ser bem-sucedida. Isso porque eles são os responsáveis por educar a força de trabalho e guiar a  implementação e alimentação da cultura orçamentária. 

Aposte na realização de benchmarks

Outra forma inteligente de facilitar a implementação de uma cultura orçamentária na empresa é realizando benchmarks e escutando organizações mais experientes. Conhecer as formas com que outras empresas lidaram com as principais dificuldades do processo pode ser uma grande vantagem e um acelerador.

Empregue KPIs estratégicos

Estabelecer indicadores-chave de desempenho (KPIs) também é uma dica fundamental, porque permite que os gestores acompanhem e verifiquem se a implementação da cultura orçamentária está seguindo a direção certa. Contudo, vale ressaltar que a escolha desses KPIs faz toda diferença, por isso deve feita com critério e conhecimento técnico.

Mantenha o valor da transparência

Principalmente por se tratar de dinheiro, a transparência precisa ser um valor presente. A implementação da cultura orçamentária deve ser apresentada e explicada em detalhes aos colaboradores, para provar a necessidade dessa medida para a segurança e o desenvolvimento saudável do negócio.

O sucesso de todo e qualquer empreendimento depende do uso inteligente de seus recursos, especialmente os financeiros. A adoção de uma cultura orçamentária garante, justamente, a qualidade desse uso e ajuda os gestores a tomar decisões mais estratégicas e rentáveis.

 

Curtiu o artigo? Então, compartilhe nas suas redes sociais com amigos que também possam se interessar!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.