Cultura de aprendizagem: o que é e como implementar?

cultura de aprendizagem

A cultura de aprendizagem data de meados da década de 1990, mas permanece atual. Afinal, são os esforços do RH e da liderança da empresa em desenvolver profissionais engajados, em contínuo processo de lapidação para crescer interna e externamente.

 

As novas gerações não chegaram apenas nutridas por um conhecimento veloz e adaptável às novas tecnologias. Estamos diante de trabalhadores com uma fome insaciável por conhecimento.

Você já deve ter se deparado, inclusive, com esse perfil dinâmico. São os learning workers — um aprimoramento do que era conhecido, até então, como knowledge workers.

O que isso significa para o RH da empresa? Mais do que uma atenção focada apenas nos perfis encontrados no processo de seleção e recrutamento, cabe a eles nutrir essa demanda.

E, sem dúvidas, a cultura de aprendizagem é parte fundamental desse processo.

Neste post, inclusive, vamos tratar desse conceito, os diferenciais agregados para a empresa, ao implementá-la, e o caminho para colocar a cultura de aprendizagem em ação. Inspire-se conosco!

 

O que é a cultura de aprendizagem?

Sabe aquela sede por conhecimento, que temos quando somos ainda crianças? Pois então, imagine que os profissionais não foram saciados pelas respostas obtidas anos atrás.

Pelo contrário: eles querem mais. Portanto, a cultura de aprendizagem é a resposta para uma empresa que precisa dessa demanda, estimulando, incentivando e engajando os colaboradores.

E não para por aí: se não ocorre esse apoio da empresa, os funcionários se motivam menos, ficam insatisfeitos e vão ao mercado de trabalho enfrentarem novos desafios.

Portanto, adotar a cultura de aprendizagem na empresa não é só uma maneira de nutrir o quadro de funcionários, mas de criar um diferencial competitivo para a sua marca.

Inclusive, uma pesquisa idealizada pela Bersin destacou que os empreendimentos que adotaram a cultura de aprendizagem têm, ao menos, 30% a mais de chances de desenvolverem-se como líderes dos seus ramos de atuação.

 

Como funciona a cultura de aprendizagem?

Inicialmente, a ideia de uma cultura de aprendizagem corporativa foi disposta no livro de autoria do cientista Peter Senge: A Quinta Disciplina, de 1990.

Até hoje, a obra é tida como uma das mais inspiradoras do gênero, permitindo um aprofundamento nos aspectos humanos — o que inclui o trabalho.

Assim, popularizou-se a ideia de que uma cultura de aprendizagem — que não abre mão da presença de um ou mais líderes na empresa — permite a expansão dos influenciadores.

Ou seja: a construção de valores e propósitos que gerem a identificação dos colaboradores. E que essas qualidades transpareçam no trabalho.

Mas não fica apenas nisso: os líderes compartilham o conhecimento com as suas equipes por meio de curtos, workshops, reuniões, eventos de integração e palestras, entre outras possibilidades.

 

Quais são os benefícios disso?

Lembre-se, novamente, do seu “eu” infantil e o bombardeio de informações que os pais, os amigos e a escola — além de outras fontes de aprendizado — agregaram à sua formação.

Imagine a diferença se você não tivesse absorvido essa maciça quantidade de informações? O mesmo se aplica dentro da cultura da empresa!

Sabe por quê? O envolvimento dos colaboradores, em decisões e planejamentos, já é uma importante ferramenta de motivação.

E a cultura de aprendizagem trabalha diretamente com isso: a aproximação da liderança e o compartilhamento de experiências que se traduzem em uma tomada de decisão mais assertiva.

Como consequência desse processo de constante formulação e aprimoramento, a empresa se destaca por:

Sem falar que, internamente, os profissionais da sua empresa passam a corresponder às expectativas: sempre em evolução, sempre ávidos por mais.

 

Como implementar a cultura de aprendizagem na empresa?

Vamos entender, na prática, como essa ideia pode ser semeada, na cultura organizacional da empresa, visando o contínuo aprendizado de todos?

 

Formação e desenvolvimento pessoal

Quais são as competências, habilidades, atitudes e comportamentos que a empresa espera dos seus colaboradores?

Além de ter isso muito bem definido, nos seus processo seletivos, compartilhar essas informações com o quadro de funcionários permite um alinhamento mais eficaz.

Assim, cria-se também facilidades para que o RH planeje treinamentos e outras ações para valorizar essa cultura e contar com o engajamento dos seus profissionais.

 

O uso dos modelos mentais

Um trabalho psicológico, que consiste em minimizar os efeitos negativos das relações interpessoais, e usá-las para fortalecer o espírito de equipe, o ambiente colaborativo e a empatia com o próximo.  

 

Visão compartilhada

Cabe à empresa, nessa ideia de cultura de aprendizagem, ser mais objetiva, transparente e eficaz na sua comunicação.

Quando os colaboradores estão cientes dos projetos e alinhados aos objetivos e metas da empresa, mais fácil é a identificação entre ambas as partes. Isso promove motivação e o empenho coletivo.

 

Pensamento sistêmico

Por fim, é importante trabalhar o pensamento sistêmico — aquela compreensão interdisciplinar de todo o processo e fluxo da empresa.

Isso permite que todos entendam melhor a organização, os seus valores, objetivos e desafios. E, principalmente, facilita que todos olhem para a mesma direção em busca de resultados.

 

Quais ações contribuem com o aprendizado?

Além das etapas acima citadas para implementar a cultura de aprendizagem, o RH e a liderança da empresa podem se encarregar de algumas ações para reforçar o conceito.

Abaixo, nós destacamos algumas das mais populares e eficientes, nesse sentido, que são:

  • recompense a cultura de aprendizagem com metas e gratificações com os resultados;
  • estimule os colaboradores a proporem ideias, divergirem, assumirem responsabilidades e a trabalharem em equipe, sempre;
  • gere uma cultura de avaliações de desempenho e feedbacks. Isso permite o constante desenvolvimento — pessoal e profissional — do indivíduo, que vai compreender os aspectos que necessitam de melhorias;
  • lidere por meio da inspiração. Ou seja: tenha líderes que engajem, trabalhem com os subordinados e sejam verdadeiras fonte de inspiração para os outros;
  • identifique o perfil profissional desejado previamente, visando um processo seletivo no qual os colaboradores já tenham, intrínsecas, as características que melhor absorvem a cultura de aprendizagem.

Por meio dessas ações é possível estabelecer uma estrutura sólida, de cultura de aprendizagem, e moldá-la de acordo com as necessidades da empresa.

Com o tempo, essas estratégias são também absorvidas no cotidiano e se tornam naturais, inseridas no DNA da empresa.

Algo que, como já havíamos adiantado, promove a empresa interna e externamente — sem falar no desenvolvimento de cada indivíduo!

Mas não pense que você pode parar por aí, nos ideias de desenvolvimento da sua empresa!

Para garantir que você não perca nenhuma de nossas dicas e novidades, aproveite para curtir a nossa página no Facebook e seguir-nos no Instagram, Twitter e LinkedIn. Complemente os seus conhecimentos e, assim, replique-os na sua organização!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *