rdb

Corretagem: o que é e como funciona esse tipo de taxa?

Corretagem é o nome dado a taxa cobrada pelas corretoras para realizar operações de compra e venda de ativos de renda variável, sendo sua principal fonte de receita.

Saber o que é corretagem é obrigatório para quem se interessa pelo mercado financeiro e deseja construir um patrimônio com renda variável.

Mesmo que não seja o único elemento a ser levado em conta na hora de escolher uma corretora de valores, entender essa taxa é um fator importante para tomar essa decisão.

Além disso, conhecer os custos operacionais das suas aplicações é fundamental para se planejar financeiramente e fazer uma gestão saudável da sua carteira de investimentos.

Pensando nisso, explicamos neste post tudo o que você precisa saber sobre corretagem: o que é, como funciona e em quais tipos de aplicações essa taxa incide. Quer saber mais? Confira a seguir!

O que é corretagem?

Corretagem é a taxa cobrada pelas corretoras de valores para realizar operações de compra e venda de ativos de renda variável. Ela serve para bancar os custos que envolvem essas movimentações e para remunerar o trabalho das corretoras, sendo sua principal fonte de receita.

As decisões sobre os valores das taxas e como elas são cobradas são tomadas individualmente por cada corretora, seguindo suas próprias estratégias e diretrizes. 

Nos últimos anos, muitas delas passaram a adotar a política de taxa zero para investimentos de pessoas físicas, com o intuito de atrair mais clientes e lucrar com a sua fidelização.

Por que é importante conhecer essa taxa?

Saber o que é corretagem e como ela funciona é essencial para investir de forma mais inteligente e consciente. Isso porque essa taxa faz parte do conjunto de custos operacionais que diminuem o lucro do investidor, pois abatem uma quantia importante das suas aplicações.

Isso significa que você pode comprometer seus ganhos caso não busque as melhores taxas, mesmo que escolha os investimentos mais rentáveis do mercado. Em longo prazo, os impactos de uma má decisão podem ser enormes.

Por ter uma influência tão grande nos resultados dos investimentos, a taxa de corretagem é um importante diferencial competitivo para as corretoras: elas concorrem o tempo inteiro para oferecer as melhores condições aos clientes.

Por isso, antes de investir em renda variável, conheça as taxas praticadas pelas corretoras, avalie o custo-benefício e veja se elas se encaixam na sua estratégia de investimentos. Assim você garante que os custos com corretagem não atrapalhem o seu orçamento.

>> Quer saber mais sobre como escolher a sua corretora? Confira este outro post do blog:
Qual a melhor corretora para investir? Por que investir e como escolher <<

Quais são as taxas das corretoras?

Como dito anteriormente, cada corretora tem liberdade para determinar como vai cobrar sua taxa de corretagem. Apesar de as políticas variarem, elas sempre se encaixam em três tipos: corretagem fixa, variável ou mista. Saiba mais sobre cada uma delas a seguir.

Corretagem fixa

Nesse modelo é definido um valor fixo para cada ordem de compra ou venda emitida pelo investidor. Se a pessoa realizar seis operações no dia, a corretagem será cobrada seis vezes.

Os valores movimentados não importam: seja um investimento de R$ 100 ou de R$ 100 mil, a taxa será a mesma.

Corretagem variável

Na corretagem variável é o cobrado um percentual sobre o valor total das operações. Ou seja: se um investidor realizar 8 aplicações de R$ 100 cada, com taxa de 10% por operação, gastará R$ 80 só com corretagem.

Corretagem mista

A corretagem mista cruza as características da fixa com a variável, aplicando uma taxa fixa + percentual sobre o total investido. Isso não significa necessariamente que é um modelo mais caro que os outros.

Ao oferecer a taxa mista, as corretoras costumam calculá-la de modo que ela seja tão atrativa quanto a fixa e a variável.

Qual é a diferença entre a corretagem e outros custos do mercado de renda variável?

o-que-e-corretagem

Corretagem, custódia, emolumentos… Quem já leu um pouco sobre renda variável certamente já se deparou com esses termos algumas vezes. 

Todos eles estão relacionados a custos extras do mercado de renda variável, mas cada um funciona de um jeito. A seguir, saiba mais sobre essas e outras taxas que incidem sobre os seus investimentos.

Taxa de custódia

Muita gente pensa que a taxa de custódia é sinônimo de corretagem, mas elas têm finalidades diferentes.

Apesar de também ser cobrada pelas corretoras de valores, a custódia está relacionada aos custos de armazenamento dos títulos ou ações que você tem em carteira. Em outras palavras, é como se fosse a cobrança do aluguel onde vivem as suas aplicações.

Assim como a corretagem, a taxa de custódia pode ser fixa ou variável, mas muitas corretoras decidem zerar esse custo para os clientes. Essa isenção pode ser integral ou a partir de determinado volume ou tipo de investimento.

ISS

O Imposto sobre Serviços (ISS) incide sobre o valor da taxa de corretagem com alíquota de até 5%. Ou seja, se você pagar uma corretagem de R$ 10 ao realizar uma operação, a valor do ISS será, no máximo, R$ 0,50.

Emolumentos

Os emolumentos são os custos cobrados pela Bolsa de Valores (B3) sobre as operações de compra e venda de ativos. O valor dessa taxa varia bastante, pois depende do tipo de ativo e do volume financeiro negociado.

Imposto de Renda

Investimentos em renda variável têm incidência de Imposto de Renda (IR). Para operações que duram mais de um dia, a alíquota é de 15%; para negociações day trade, que começam e terminam em menos de 24 horas, a taxa é de 20%.

Por outro lado, vendas de ações num total de R$ 20 mil no período de um mês têm isenção de IR para pessoas físicas.

Como funciona a corretagem

Em geral, a corretagem incide sobre aplicações feitas no mercado de renda variável, mas a forma como ela é cobrada se diferencia de acordo com o tipo de ativo. Confira mais detalhes a seguir.

Contratos futuros

O contrato futuro é um compromisso de compra e venda entre dois investidores programado para uma data posterior ao fechamento do acordo.

Esse tipo de operação é muito comum em negociações de commodities no Mercado Futuro como dólar, café, milho e índices financeiros, entre outras.

A taxa de corretagem para contratos futuros varia entre os diferentes tipos de negócios, mas na maioria dos casos o valor cobrado é referente a cada contrato operado.

Ações

Para negociações de ações em day trade, ou seja, que são finalizadas no mesmo dia, a corretagem é aplicada por ordem de compra. No entanto, isso não é regra: algumas corretores preferem fazer essa cobrança sobre a quantidade de operações realizadas.

Também é comum a prática de estabelecer taxas proporcionais de acordo com o volume financeiro investido. Por exemplo: se o investidor operar até R$ 1.000 em ações no dia, a corretagem é de R$ 10, mas se o montante for maior, a taxa passa a ser de R$ 8.

Bancos

Apesar do nome, a corretagem não é exclusiva das corretoras de valores: muitos bancos também cobram essa taxa ao intermediar negociações de ativos de renda variável.

No entanto, investir por meio de bancos não é uma prática recomendada, pois o valor da corretagem costuma ser bem maior. Além disso, você pode encontrar outras custos que não existem nas corretoras, aumentando ainda mais o prejuízo.

Outro ponto negativo é a pouca variedade de produtos de investimento, o que limita muito as opções disponíveis. Por isso, embora grandes bancos pareçam ser boas opções por gozarem de prestígio no mercado, prefira sempre fazer suas aplicações por meio de uma corretora.

Agora que você já sabe o que é corretagem e como funciona essa taxa, está pronto para escolher a sua corretora de investimentos de um jeito mais consciente!

Porém, não se atenha apenas a isso: estude bem os tipos de aplicações e os outros custos envolvidos, para montar uma carteira rentável e eficiente.

Salário sob demanda: o seu dinheiro para não usar o dinheiro do banco

A relação com os bancos vem acompanhada de taxas que podem gerar dívidas gigantes se o orçamento sair do controle. Para evitar essa bola de neve no orçamento e abrir espaço para os investimentos, novas ferramentas podem ser implementadas nas empresas.

Conheça a ferramenta Xerpay e saiba como funciona o sistema que implementa o pagamento sob demanda, ou seja, os colaboradores de uma empresa podem antecipar parte de seus salários quando precisarem.

Essa ferramenta está mudando a forma como os funcionários lidam com o seu salário e gerando mais satisfação e motivação no trabalho.

O Xerpay pode ser um dos benefícios mais valorizados por quem trabalha em sua empresa. Fale com um especialista e conheça mais!

Gostou do artigo? Compartilhe-o nas redes sociais e ajude mais pessoas a aprenderem o que é corretagem e sua importância nos investimentos.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.