Convivendo em isolamento

Convivendo em isolamento: 7 dicas para melhorar a convivência na quarentena

A pandemia de Covid-19 mudou completamente a rotina de vários lares: os adultos fazem home-office, as crianças estudam em casa e todos ficam no mesmo ambiente 100% do tempo. Essa mudança gerou alguns desafios no dia a dia, já que as famílias nunca estiveram tão próximas quanto agora.

Se por um lado isso é bom para estreitar os laços, por outro pode aumentar os atritos e desentendimentos. Então, como se adaptar convivendo em isolamento para que a rotina seja a mais harmoniosa possível?

Pensando nisso, reunimos algumas dicas que pode ajudar você a melhorar a convivência familiar neste período de quarentena. Se interessou? Confira o post!

Quais são os principais desafios convivendo em isolamento?

A verdade é que na vida em família sempre existiram motivos para pequenas discussões, como bagunça, acúmulo de tarefas e pertences espalhados pela casa, entre outros. A diferença é que agora, com o convívio mais próximo, problemas que antes eram resolvidos com tranquilidade passaram a causar mais estresse. 

A razão é simples: como as pessoas estão passando mais tempo juntas, as características que incomodam os outros aparecem mais vezes, fazendo com que a tolerância aos erros seja menor.

Um dos problemas mais evidentes é a adaptação dos adultos ao home-office. Muitos lares não contam com um cômodo exclusivo para o trabalho remoto, o que torna necessário dividir o espaço com crianças brincando, cachorro latindo, barulho alto de TV e outras distrações.

A rotina de estudo das crianças e adolescentes também é motivo de estranhamento. Embora muitas escolas estejam dando aulas por ferramentas virtuais, a experiência é muito diferente da proporcionada pela sala de aula, o que pode gerar dificuldades de aprendizado.

Além disso, por estarem em casa, muitos alunos tendem a ser menos disciplinados. Por isso, é essencial que os pais determinem uma rotina os filhos (principalmente os mais novos) com horário para dormir, comer, fazer tarefas escolares e, é claro, ter algumas horas de lazer.

Há, ainda, questões de convivência, humor, privacidade e outros pontos que podem influenciar na harmonia da casa. Nos tópicos a seguir, conheceremos esses problemas mais a fundo e daremos dicas para contorná-los.

>> Quer mais dicas para encarar o isolamento? Confira este outro post do blog: Coronavírus: como manter o bem-estar na quarentena? <<

O que fazer para melhorar a convivência na quarentena?

Para que a família se dê bem convivendo em isolamento, é preciso que todos estejam dispostos a contribuir para um clima leve e positivo na casa.

Veja abaixo dicas valiosas para melhorar o relacionamento com seus familiares na quarentena:

  1. Respeitem os momentos de privacidade;
  2. Criem uma rotina;
  3. Tenham momentos de diversão em família;
  4. Dividam as tarefas domésticas;
  5. Conversem e cuidem uns dos outros;
  6. Exercitem a tolerância;
  7. Tenham calma em desentendimentos.

1. Respeitem os momentos de privacidade

Embora toda a família esteja em casa 100% do tempo, isso não quer dizer que vocês precisam fazer tudo juntos.

Todos têm suas obrigações individuais, como trabalho e estudo, e precisam de um tempo a sós para algumas atividades de lazer, como ler, assistir séries, jogar videogame e participar de videochamadas com os amigos.

Nessas horas, ninguém gosta de ser interrompido. Por isso é preciso ter tato para perceber quando algum familiar precisa de silêncio ou de algumas horas sozinho. Respeitar esses momentos também é uma maneira de melhorar a relação e evitar brigas desnecessárias.

2. Criem uma rotina

Já abordamos a necessidade de os pais criarem uma rotina para os filhos nos estudos, mas o ideal é estender essa prática a todos os moradores da casa.

Ter hora para acordar, comer, trabalhar e se dedicar ao lazer ameniza o estresse causado pelas transformações recentes no nosso dia a dia. Afinal, com a pandemia, as crianças não vão à escola, os pais trabalham em casa e ninguém sai para curtir com os amigos ou fazer algo que não seja realmente essencial.

Criar um cronograma também ajuda a aliviar a ansiedade, pois dá a sensação de controle sobre a própria vida. 

Por exemplo: por não precisarem se deslocar para o escritório, algumas pessoas acabam acordando todos os dias em cima da hora de começar a trabalhar. Assim, saem da cama e vão direto para o computador, sem trocar de roupa, tomar café, organizar a casa e se cuidar.

Ao deixar esses importantes rituais de lado, é fácil ter a impressão de que sempre há pendências para resolver, o que aumenta o estresse no dia a dia. Por outro lado, quando existem horários bem definidos, tudo parece mais em ordem.

3. Tenha momentos de diversão em família

O lazer em família é necessário em qualquer época, mas durante a pandemia ele se tornou ainda mais importante. Afinal, essas são as únicas pessoas com as quais você vai conviver de perto por alguns bons meses, então é fundamental encontrar formas de dar risadas, conversar e passar o tempo juntos.

Mesmo que existam diferenças de idades e gostos, é possível encontrar um meio termo e ter ideias de atividades que sejam divertidas para todos, como:

  • jogos de tabuleiro;
  • filmes e séries;
  • cozinhar em grupo;
  • videogames;
  • olhar fotos antigas da família.

Quem tem crianças em casa deve ser ainda mais cuidadoso neste aspecto, pois os pequenos precisam ter com quem brincar e se entreter. Caso contrário, eles podem ficar deprimidos, ansiosos e começar a ter problemas de comportamento.

Como eles não podem ter contato com os amigos da escola ou primos da mesma idade, cabe aos pais usar a criatividade para tornar a quarentena dos filhos um pouco mais leve.

4. Dividam as tarefas domésticas

Um dos maiores motivos de estresse convivendo em isolamento é a sobrecarga de tarefas domésticas. Passar mais tempo em casa significa mais sujeira, bagunça, refeições e louça para lavar. Então, é indispensável que todo mundo faça a sua parte para manter a casa em ordem.

A divisão, é claro, deve ser feita de acordo com a idade de cada um. As crianças não conseguem cozinhar nem lavar o banheiro, mas podem muito bem recolher os brinquedos, arrumar a cama e tirar os pó dos móveis.

Outras tarefas, como preparar as refeições, lavar a louça e estender as roupas, devem ser distribuídas entre os adultos e adolescentes, para que ninguém fique sobrecarregado.

Respeitar a disponibilidade de cada um também é importante. Quem estiver trabalhando ou estudando, por exemplo, não pode ser incomodado. O ideal é seguir um cronograma e reservar horários pré-definidos para cuidar da casa, levando em conta os horários livres de cada membro da família.

5. Conversem e cuidem uns dos outros

Devido ao momento que o mundo atravessa, é normal nos sentirmos tristes ou cansados em alguns momentos. Nessas horas, é essencial que os membros da família estejam lá para cuidar uns dos outros.

Se você perceber que alguém na sua família parece abalado, não deixe de demonstrar o seu carinho. Gestos simples, como um abraço, uma palavra de apoio ou até uma surpresa agradável, podem fazer toda a diferença no dia dessa pessoa.

Também aproveitem esse tempo para conversarem mais. Tome a iniciativa de puxar papo sobre temas mais profundos e pessoais, compartilhe o que sente e ouça seus familiares na essência. 

No dia a dia comum, às vezes ficamos tão imersos nos nossos próprios problemas que acabamos falando com as pessoas de casa apenas sobre amenidades.

6. Exercitem a tolerância

Por mais que os membros da família se apoiem no dia a dia, é inevitável uma hora ou outra alguém estar mais estressado que o normal. 

Às vezes, por não estarmos em um dia legal, acabamos fazendo birras, reclamações e deixando o clima tenso. Também é comum ficarmos magoados porque o outro não foi capaz de perceber que precisávamos de algo.

Se você estiver em um momento assim, seja franco e direto no pedido de colaboração, e procure não descontar a sua raiva, tristeza ou frustração nos outros.

Caso você esteja do outro lado, seja compreensivo com o seu familiar que está em um dia ruim. Ceder e relevar algumas situações é essencial para criar um ambiente harmônico convivendo em isolamento.

7. Tenha calma em desentendimentos

Mesmo em lares onde todos se esforçam por um ambiente pacífico, desentendimentos são normais. Por isso, quando eles acontecerem, esteja preparado para lidar com eles de forma calma e equilibrada.

Coloque-se no lugar do outro, reconheça seus erros e peça desculpas. Busque resolver as tensões com diálogo, sem levantar a voz ou mostrar agressividade. Não existem famílias que não brigam: o que faz a diferença é a forma superar as discussões. 

Como vimos ao longo do post, conviver em isolamento tem suas dificuldades, mas também tem um lado bom. Pense bem: quando na vida você terá outra oportunidade de passar tanto tempo perto da sua família? Então, aproveite para conhecê-los melhor, se divertir com eles e estreitar cada vez mais esses laços tão importante para a sua vida.

 

Se você gostou do artigo, não se esqueça de compartilhá-lo nas suas redes sociais. Assim, você ajuda mais pessoas a aprenderem como melhorar a convivência na quarentena!