Festas de fim de ano, alta temporada do comércio e contratação nas férias, grande parte das empresas fica diante desse cenário ao longo do ano. E o contrato temporário é uma das alternativas para àquelas que precisam suprir a grande demanda de trabalho no período.

O Brasil está entre os países que mais aposta nesse tipo de contratação, de forma temporária. Uma pesquisa da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem) e Caixa Econômica Federal mostra um crescimento nesse tipo de vaga.

Entre setembro e dezembro, segundo a pesquisa, serão geradas mais de 434,4 mil vagas temporárias nos setores do comércio, indústria e serviços.

Esses números tem como influência principal a alta demanda das vendas em períodos como dia das crianças, natal e ano novo. O que exige das empresas a contratação de funcionários temporários.

Em comparação com o ano de 2017 houve um crescimento de 10% no total de vagas criadas. Contudo, a contratação nas férias, de forma temporária, precisa ser feita conforme as obrigatoriedades da lei, principalmente após as mudanças com a reforma trabalhista.

Neste artigo preparamos algumas dicas para seu departamento pessoal não errar na hora de realizar uma contratação temporária.

 

A contratação temporária e a lei

A contratação temporária pode ser realizada em apenas dois casos, conforme cita o artigo 2 da Lei Nº 13429 de 31/03/2017.

Esse tipo de contratação só pode ser realizada quando há uma substituição de um colaborador em contratação nas férias ou afastamento. Ou ainda para uma demanda complementar seja por fatores previsíveis ou imprevisíveis.

Art. 2º Trabalho temporário é aquele prestado por pessoa física contratada por uma empresa de trabalho temporário que a coloca à disposição de uma empresa tomadora de serviços, para atender à necessidade de substituição transitória de pessoal permanente ou à demanda complementar de serviços.

É importante ressaltar que a empresa não pode realizar uma contratação temporária diretamente com o colaborador. É necessário possuir um cadastro específico no Ministério do Trabalho (MTE) e preencher um requerimento solicitando a contratação temporária.

O pedido pode ser aceito ou não pelo MTE. Sendo assim, é sempre necessário a presença de uma empresa prestadora de serviço no processo.

Outro ponto importante é que no contrato deve constar o motivo da contratação. É também estritamente proibido que a empresa desloque o colaborador para outra função que não seja a descrita no contrato.

 

Prazo do contrato e direitos

O prazo máximo para esse modelo de contrato é de 180 dias com possibilidade de prorrogação de mais 90 dias. Isso se a empresa comprovar a manutenção das mesmas condições do momento em que foi realizada a contratação.

Além do que, se esse prazo de contratação nas férias não for cumprido reconhece-se que há um vínculo empregatício entre as partes. Podendo gerar inúmeros problemas processuais e de multa para o contratante, caso o acordo não seja cumprido.

O trabalhador temporário possui inclusive todos os direitos de um colaborador que trabalha em outro regime de contratação. Ele tem direito a horas extras, adicional noturno, 13º salário proporcional, férias proporcionais e etc.

 

Principais áreas que empregam trabalhadores temporários

Devido à alta demanda em determinados períodos, os setores que mais empregaram entre setembro e novembro de 2018 para vagas temporárias foram:

  • Indústria (65% das vagas);
  • Serviços (20% das vagas);
  • Comércio (15% das vagas).

O trabalho temporário, no caso desses segmentos, costuma vir como um alívio para atender a todo o excesso de trabalho que possa aparecer.

 

Dados por setor

O setor de vestuário, segundo dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) é o que mais emprega trabalhadores temporários. São mais de 47,9 mil vagas no total.

Logo atrás vem os hipermercados e supermercados com a geração de mais de 11 mil vagas temporárias. O segmento de artigos doméstico e uso pessoal figura em terceiro na lista com mais de 8 mil vagas.

Confira os cinco primeiros setores quando o assunto é geração de empregos temporários.

  • Vestuário (47,9 mil vagas);
  • Hipermercados e supermercados (11,5 mil vagas);
  • Artigos domésticos e de uso pessoal (8,8 mil vagas);
  • Eletrodomésticos e móveis (3 mil vagas);
  • Livrarias, farmácias, comunicação, perfumarias e informática (1,4 mil vagas).

O salário de admissão, segundo a CNC, está na faixa de R$ 1.230,00. São Paulo é o estado com o maior número de vagas, conforme a ASSERTTEM (Associação Brasileira de Trabalho Temporário), com 67,27% do total.

 

Dicas para a contratação de trabalhadores temporários

Para efetuar a contratação nas férias é importante se atentar a alguns detalhes para não errar. Preparamos algumas dicas para lhe ajudar nesse processo. Confira!

 

Defina as prioridades da empresa

Ninguém sabe mais das necessidades da sua empresa do que você mesmo e esse é um fator essencial para realizar uma contratação nas férias corretamente.

Do que a sua empresa precisa para o momento? Um perfil jovem e que precisará de formação? Ou um profissional mais experiente e que assuma mais rapidamente o trabalho devido ao grande volume?

Acertar na montagem do perfil para a vaga, com base nas suas necessidades, é o grande diferencial das empresas que contratam certo e das que contratam errado.

 

Seja assertivo na construção da vaga

O anúncio da vaga e a triagem dos currículos são dois passos que não podem faltar em um processo de contratação nas férias. Descrever corretamente sua vaga e no meio correto pode evitar erros ao longo do processo de escolha.

Descreva na vaga o que você busca. Seja habilidades necessárias para a função ou objetivos da empresa.

Além é claro de descrever os detalhes como salário, horário de trabalho, benefícios e etc. Reexaminar perfis de profissionais que já trabalharam com você também é uma opção.

Escolha o espaço de divulgação que seja mais adequado e viável para sua empresa. As redes sociais, por exemplo, como LinkedIn e Facebook dão a possibilidade de anúncios sem custos.

Sites especializados, por outro lado, também são uma boa opção para atrair candidatos com habilidades mais específicas ao que você está buscando.

 

Abra o processo com antecedência

A concorrência por contratação nas férias não é só por parte dos trabalhadores que buscam uma oportunidade, mas também por um grande número de empresas. Todas querendo de alguma forma encontrar um talento que esteja livre no mercado.

A concorrência é grande, portanto quanto mais cedo você começar seu planejamento e o processo de contratação, maiores as chances de encontrar o perfil ideal para a vaga.

Além disso, terá mais tempo para treinar o profissional e adequá-lo à rotina da sua empresa.

 

Faça da contratação uma experiência única

Transforme o período de contratação nas férias em uma experiência única para seus novos contratados. A pior coisa que uma empresa pode fazer nesse relacionamento temporário é tratar esse profissional como descartável.

Isso porque no próximo ano, sem dúvida, você precisará realizar novas contratações temporárias e pode precisar novamente de seus serviços e sem dúvida ele recusará.

Ofereça algum tipo de benefício exclusivo, como salário semanal ou pagamento diário.

A ideia é construir um ambiente que crie uma boa experiência para que esse profissional seja o porta-voz da sua marca e queira voltar mais vezes a trabalhar com você.

 

Organize um banco de currículos

Todos os anos muitas empresas investem em contratação nas férias e uma maneira de facilitar esse trabalho é construindo um banco de dados, com os currículos dos participantes.

Esse banco pode facilitar a sua busca e seu processo de seleção futuramente.

Se um empregado não foi selecionado naquele momento, não quer dizer que ele não servirá para sua empresa em um futuro breve.

Aliás, é importante mensurar a atuação de todos os empregados temporários, para que eles façam parte do seu radar em futuras contratações efetivas.

Deixe sempre as portas abertas da empresa, para que ela seja bem falada no mercado e atraia os maiores talentos.

 

O aumento da contratação nas férias no Brasil

A contratação nas férias é uma realidade no Brasil. O país ano a ano aumenta o número de empregados temporários e conhecer a lei é essencial para que se cumpra todos os direitos desses profissionais.

Além disso, concorrer no mercado com tantas empresas que estão na disputa por uma contratação não é tarefa fácil e exige organização e planejamento das empresas.

A contratação nas férias ou temporária pode ser também o suporte que a sua empresa precisa para não ter uma queda de rendimento ou de produtividade.

Essa mão de obra a mais, mesmo que seja temporária, pode manter o ritmo do trabalho mantendo o desempenho das equipes elevado.

 

Quer saber mais sobre as contratações nas férias? Deixe um comentário no nosso post e ajudamos você a entender mais sobre esse assunto.