Consórcio: vale a pena? É um bom investimento?

consorcio-vale-a-pena

Você pode ainda não saber se um consórcio vale a pena ser considerado diante dos seus objetivos e necessidades. No entanto, no resto do Brasil, muita gente tem visto valor nesse negócio.

Só no ano de 2019, houve um aumento de 15% em adesões entre os meses de janeiro e agosto comparado ao ano anterior. 

Há quem diga, então, que o consórcio é um bom investimento. Só que isso não significa que cuidados não devam ser tomados antes de contratá-lo ou mesmo de planejar a sua utilização para a compra de algum bem.

Para facilitar a sua decisão, neste post vamos contar tudo para você a respeito do assunto, para que você entenda se o consórcio vale a pena ou não. Boa leitura!

O que é um consórcio?

Consórcios são investimentos em grupo popularmente usados para a compra de um bem de elevado valor — como um automóvel ou um imóvel.

Eles são adquiridos por cotas, cujo valor total do bem desejado vai ser diluído em parcelas mensais. Além disso, mensalmente ocorrem sorteios que podem contemplar os participantes com o valor total do bem que deseja-se adquirir.

Assim, você pode comprar o item desejado antes mesmo de quitar todas as parcelas do seu consórcio. Mas isso não é uma regra, até porque especialistas apontam que o consórcio vale a pena bastante para pessoas que:

  • não têm dinheiro para comprar o bem à vista;
  • não têm urgência para ter o bem em sua posse;
  • não têm disciplina e/ou conhecimento a respeito de investimentos para substituir pelo consórcio.

Para esse grupo de pessoas, consórcio vale a pena. É claro que isso não limita o perfil de interessados nessa modalidade, mas tendem a ser características comuns a elas.

Como funciona um consórcio?

Basicamente, o consórcio que você planeja adquirir tem o custo aproximado do bem mais uma taxa de administração — no valor de 18%.

Em seguida, grupos são formados com duração de 12 a 180 meses (entre 1 e 15 anos, portanto) e ocorrem os sorteios mensais, como havíamos adiantado.

Vamos a um exemplo: digamos que você queira adquirir um automóvel no valor de R$ 50 mil. No consórcio, se você fizesse um planejamento para quitar o valor em 5 anos (ou 60 meses), você teria parcelas mensais de R$ 983,33 — incluindo aqui a taxa de administração de 18%, que corresponde à empresa que cuida de todos os trâmites das operações.

No geral — embora as taxas devam ser sempre observadas com atenção —, o consórcio é um bom investimento se comparado com o financiamento e outras modalidades de empréstimo, como o refinanciamento.

Quais são as regras para saber se o consórcio vale a pena?

Para saber se o consórcio vale a pena, veja quais são as regras comuns a esse modelo de negócios:

  • existe um período e número máximo de participantes estipulado;
  • existem regras tanto para contemplar os participantes via sorteio ou por meio de lances;
  • a taxa de administração existe para todas as instituições que oferecem o consórcio;
  • existe a possibilidade de transferir a sua cota para terceiros — não é válido para todas as empresas que oferecem o consórcio.

Com base nisso, vamos entender agora se o consórcio vale a pena ou não com base nas situações em que ele é um investimento bem-vindo e nas quais deve-se tomar bastante cuidado antes de contratá-lo!

Vale a pena fazer um consórcio?

consorcio-e-um-bom-investimento

Abaixo, reunimos as situações em que um consórcio vale a pena. Confira!

Para quem tem tempo

Imagine que você pretenda sair do aluguel e adquirir um imóvel nos próximos 5 anos. Nessas situações, você pode arcar com as parcelas mais em conta do consórcio e vai pagando as parcelas mensais sem pressa para ser contemplado.

Com isso, o consórcio serve até mesmo como uma “poupança programada”, já que você está depositando, mensalmente, um valor relativo à aquisição futura desse bem.

Para quem quer fugir dos juros elevados

Os juros abusivos são alguns dos vilões mais conhecidos do consumidor brasileiro. E o consórcio sai na frente de outras modalidades de crédito no mercado financeiro, porque as taxas desse modelo de negócio são basicamente concentradas nas taxas de administração.

Para quem não pode arcar com parcelas enormes

Com taxas mais em conta e prazos flexíveis, as parcelas do consórcio valem a pena porque ficam mais em alinhamento às suas necessidades.

Assim, mesmo que você consiga poupar um pouquinho que seja ao mês, é possível estabelecer um contrato que não vá prejudicar o seu planejamento financeiro.

Inclusive, se o que você está em busca é de maior disciplina com as suas finanças, deixe salva para depois a leitura de outro artigo nosso, que explica detalhadamente como você pode montar um bom planejamento financeiro para 2021!

Quais cuidados tomar com um consórcio?

Como já destacamos acima, o consórcio vale a pena para determinados perfis e de acordo com algumas situações.

Por outro lado, existem, sim, pontos de atenção que devem ser considerados antes de contratar um plano para adquirir o bem desejado por você. Veja, a seguir, quais são!

O tempo de espera pelos sorteios

Quem procura por uma compra em curto prazo — ou mesmo imediata —, o consórcio não vale a pena. Afinal de contas, é preciso ser contemplado para adquirir a carta de crédito no valor desejado e isso foge ao controle dos participantes.

Os lances têm custos elevados

Vamos falar aqui dos lances. Não mencionamos antes porque é algo específico para quem tem pressa em adquirir o bem.

Isso porque, além dos sorteios, as pessoas podem fazer lances — que são adiantamentos das suas parcelas (às vezes, o valor disso corresponde a 60% do total).

Ou seja: nem todos possuem esse dinheiro para dar os lances e antecipar a contemplação. Não à toa, torna-se um benefício para poucos, apenas.

Cancelamentos e estornos são desafiadores

Embora as taxas sejam baixas, em geral, o consórcio vale a pena mais para quem tem disciplina para manter os pagamentos em dia e também para quem tem certeza do que pretende comprar em longo prazo.

Afinal, após os sete dias previstos para desistir do consórcio sem multas, o cancelamento e a inadimplência podem incorrer multas e até mesmo a exclusão do participante.

O jeito mais fácil para livrar-se de um consórcio que você não pode mais assumir as parcelas é, portanto, encontrando alguém com interesse em dar continuidade para adquirir o bem do próprio interesse dela, mas no valor similar ao da sua carta de crédito.

Existe, ainda, a Nova Lei de Consórcios, que prevê as seguintes situações para devolução de dinheiro:

  • desistentes ou excluídos do consórcio têm o dinheiro de volta somente 30 dias após o encerramento do grupo ao qual eles faziam parte — isso, com contratos assinados até 05/02/2009;
  • desde 06/02/2009, portanto, os participantes só recebem o dinheiro de volta quando forem sorteados.

Deve ser mencionado, também, o cuidado em selecionar a administradora do consórcio. Faça uma pesquisa profunda, e não se esqueça de analisar a idoneidade da empresa. Afinal de contas, ela vai tomar conta do seu patrimônio por um bom tempo.

Dinheiro com segurança e custo baixo: o brasileiro não abre mão

Além do consórcio, outra opção mais vantajosa pode ser contar com o apoio da empresa onde trabalha para conseguir conduzir seus projetos pessoais.

Conheça a ferramenta Xerpay e saiba como funciona o sistema que implementa o pagamento sob demanda, ou seja, os colaboradores de uma empresa podem antecipar parte de seus salários quando precisarem.

Essa ferramenta está mudando a forma como os funcionários lidam com o seu salário e gerando mais satisfação e motivação no trabalho.

O Xerpay pode ser um dos benefícios mais valorizados por quem trabalha em sua empresa. Fale com um especialista e conheça mais!

Quer ficar por dentro de mais dicas para saber se um consórcio vale a pena e se existem outras modalidades de crédito mais alinhadas aos seus objetivos?

Então, assine a nossa newsletter — é só preencher o seu endereço de e-mail em nosso blog — para receber todas as nossas novidades diretamente na caixa de entrada do seu e-mail!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira outros artigos que você pode se interessar