Conflito de gerações: como lidar com ele nas empresas?

Se você atua em uma grande empresa, já deve ter ouvido falar em problemas gerados pelo conflito de gerações. E não é para menos: atualmente, temos no mercado profissionais nascidos desde a década de 50 até os anos 2000.

Há de se considerar que o mundo muda e se torna cada vez mais moderno — e, com ele, as formas de atuação no mercado de trabalho também se transformam. Essas transformações têm aspectos positivos e negativos e, é claro, não ocorrem de um dia para o outro.

Por serem mudanças graduais, faz parte da rotina de quase todas as empresas lidar com funcionários de gerações distintas, o que, frequentemente, gera alguns conflitos com os quais o RH deverá lidar.

Para te ajudar a entender melhor essa questão, preparamos esse post sobre conflito de gerações no qual você vai descobrir:

  • O que é o conflito de gerações;
  • Quais suas principais causas;
  • Como lidar com o conflito;
  • Como evitá-lo em sua equipe.

Acompanhe os próximos tópicos para saber mais sobre o assunto:

O que é o conflito de gerações?

Chamamos de conflitos de gerações todos os atritos relativos a formas antigas e atuais de se trabalhar que ocorrem entre colaboradores de faixas etárias muito diferentes entre si.

Atualmente, encontram-se no mercado de trabalho profissionais de três gerações distintas: os Baby Boomers, a geração X e a geração Y. Essas são gerações que apresentam características bastante distintas, afinal, esses profissionais foram criados em contextos sociais e econômicos muito diferentes.

As gerações

Os Baby Boomers são os profissionais nascidos entre as décadas de 1940 e 1960, em um contexto em que o mundo se recuperava economicamente e socialmente de duas grandes Guerras Mundiais. Nessa época, a educação era bastante rígida e com base na disciplina.

Do ponto de vista profissional, são pessoas que entraram para o mercado de trabalho bastante cedo e por necessidade de sustento. Não tiveram muita liberdade de escolha na carreira e não fizeram curso superior antes de ingressar na profissão.

A geração seguinte, chamada de geração X, é composta por pessoas nascidas entre os anos 1960 e 1980. Essa geração se formou em um contexto de muitas transformações e presenciaram grandes marcos da história, como movimentos revolucionários e golpes políticos. Os profissionais da geração X tiveram mais poder de escolha sobre suas carreiras do que os Baby Boomers e se prepararam academicamente para elas.

Finalmente, temos os nascidos entre as décadas de 1980 e 2000: a tão famosa geração Y. Marcada pelo contato cotidiano com as inovações tecnológicas e um contexto histórico e econômico bastante favorável. Os profissionais dessa geração puderam basear sua trajetória profissional de acordo com seus desejos. É uma geração de pessoas que buscam o “emprego dos sonhos” e que teve bastante preparo acadêmico para ingressar no mercado de trabalho.

O que causa o conflito de gerações?

Vale lembrar que as maiores transformações do mundo, especialmente quando falamos em tecnologia, vêm ocorrendo há menos de 150 anos — basta pensar no pequeno espaço de tempo que separa a invenção da lâmpada elétrica e o surgimento da internet, por exemplo.

Por isso, mais do que nunca, as gerações presentes atualmente nas empresas aprenderam a trabalhar usando recursos e ferramentas muito diferentes. Isso influencia, inclusive, em sua maneira de pensar, se relacionar em solucionar problemas no ambiente de trabalho.

A geração dos Baby Boomers, por exemplo, têm no trabalho sua principal prioridade, agem com foco em resultados e costumam ser bastante competitivos no ambiente de trabalho.

Eles costumam ter alguma dificuldade com o uso de tecnologias no dia a dia, enxergam a liderança como uma posição de controle e têm dificuldades com a perda de status dentro da empresa.

Os profissionais da geração X, por sua vez, dedicam-se bastante ao trabalho e são comprometidos aos valores e objetivos da empresa em que atuam. Como líderes, valorizam a competência de seus liderados e têm medo de serem demitidos. São pessoas que buscam um equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, além de lidarem bem com a tecnologia.

A geração Y já nasceu hiperconectada. São profissionais criativos e que buscam desafios, valorizam a flexibilidade no ambiente de trabalho e procuram empregos alinhados a seus valores pessoais.

Esses profissionais têm boa autoestima, são multitarefas e gostam de sair da rotina. No entanto, costumam ser impulsivos e têm problemas com processos fechados e burocracias.

Como você já deve imaginar, diante de tantas inovações nas empresas e no mercado, grande parte dos profissionais da geração anterior temem perder espaço para os profissionais da geração Y.

Como o RH deve lidar com essa situação?

Essas diferenças comportamentais são bastante significativas e podem causar conflitos de geração que afetam diretamente a harmonia entre os times. Nesse momento, o RH deve agir de forma estratégica e atuar como um mediador.

O primeiro passo é manter um diálogo aberto com o time, além de incentivar que isso aconteça também entre os colaboradores. Para isso, pode ser interessante criar momentos amistosos e descontraídos. Assim, os colaboradores podem se conhecer melhor e desconstruir possíveis rótulos sobre seus colegas de trabalho.

Diante de um diálogo aberto, é muito mais fácil criar um ambiente colaborativo, em que todos possam aprender com os pontos fortes uns dos outros. Essa também é uma oportunidade de fazer com que cada um se sinta mais valorizado em suas habilidades positivas.

Finalmente, conhecer as particularidades de cada uma das gerações é uma forma de aprender a gerenciar os colaboradores de maneira mais inteligente, respeitando suas restrições, trabalhando suas fortalezas e ajudando-os a superar suas dificuldades.

Trabalhar a inteligência emocional da equipe é outra forma positiva de lidar com essa situação. Além de um ambiente mais harmonioso, a empresa também ganha em produtividade e resultados.

É possível prevenir essa situação?

Segundo uma pesquisa feita pela Amcham Brasil, atualmente, 75% das empresas do país enfrentam problemas relativos ao conflito de gerações em seu dia a dia. Um número bastante significativo e que representa a realidade da maioria das empresas de grande porte. Mas, afinal, é possível prevenir essa situação? A resposta é não.

Isso só seria possível caso a empresa escolhesse contratar funcionários exclusivamente de uma geração. O que é prejudicial para a saúde do empreendimento como um todo, visto que a diversidade é um dos fatores de maior importância para o sucesso de uma empresa.

No entanto, é possível encontrar maneiras de evitar os conflitos. Os líderes e gestores têm papel fundamental nesse momento, atuando para fomentar um ambiente de colaboração e harmonia, em que todos os funcionários se sintam valorizados.

A diversidade de faixas etárias dentro de uma empresa pode causar conflito de gerações. Porém, é uma ferramenta valiosa para o crescimento constante da organização.

 

Se você quiser saber mais sobre isso, aproveite para ler o nosso post sobre os benefícios da diversidade nas empresas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *