Como fazer uma previdência privada: descubra o plano ideal para você

como-fazer-uma-previdencia-privada

Para quem está em busca de mais alternativas para ter um futuro seguro e confortável financeiramente, os tipos de investimentos logo surgem entre as possibilidades. E para quem se interessa pela modalidade, ensinamos neste post como fazer uma previdência privada.

Fazer um plano de previdência privada inclui as seguintes etapas:

  1. a busca pela melhor instituição para montar o seu plano;
  2. a programação do aporte mensal de acordo com o seu objetivo financeiro e orçamento;
  3. a escolha do melhor tipo de previdência privada para as suas necessidades e objetivos;
  4. a manutenção do seu planejamento financeiro para investir continuamente, até alcançar a sua meta;
  5. o resgate do valor acumulado no futuro.

Embora muitos brasileiros conheçam essa modalidade de investimento, são poucos aqueles que sabem como fazer uma previdência privada.

Afinal de contas, existem particularidades que podem ajudar na rentabilidade dos seus investimentos, bem como características de planos que não ajudam na concretização dos mesmos.

Por isso, é fundamental entender a relevância dessa modalidade antes mesmo de entender como fazer um plano de previdência privada.

E, seguindo com a leitura deste post, vamos responder a todas as suas dúvidas sobre o assunto. Vamos lá?

O que é a previdência privada?

De maneira simplificada, a previdência privada é um investimento de longo prazo — rendimento fica mais em conta a partir de seis anos de contribuição — e cujos perfis de investidores estão mais associados à procura por uma rentabilidade estável e cômoda para o futuro.

Há quem considere esse tipo de investimento para gerar mais bem-estar na transição para a aposentadoria, por exemplo, ou mesmo para criar um fundo de reserva para o ensino universitário dos filhos. 

Vale destacar também que a previdência privada é um investimento com baixo risco para as pessoas. Mesmo assim, a poupança segue como a modalidade mais popular entre os brasileiros

E nós arriscamos um fator principal para isso: muitas pessoas ainda não sabem como fazer uma previdência privada.

Motivos para fazer um plano de previdência privada

Em comparação imediata com a poupança, podemos citar a rentabilidade de cada investimento. A previdência privada pode render muito mais para o investidor — especialmente, em longo prazo.

Não à toa, boa parte da recomendação de especialistas financeiros concentra-se na ideia de que as pessoas desistam da poupança e comecem desde cedo a investir em uma previdência.

E detalhe: não é preciso muito conhecimento para saber como fazer uma previdência privada, você vai ver.

Inclusive, existem alguns motivos que você deveria considerar para optar por essa modalidade de investimento. E, a seguir, vamos destacar algumas delas:

  1. o procedimento é mais seguro para o investidor;
  2. você pode aprender como fazer uma previdência privada com sua instituição financeira ou mesmo com uma corretora de valores;
  3. existem boas taxas a serem consideradas, se você pesquisar e comparar cuidadosamente;
  4. a dedução tributária do Imposto de Renda ocorre conforme os seus aportes (também varia de acordo com o plano escolhido, entre PGBL e VGBL);
  5. alíquota de Imposto de Renda (R) mais atrativa, de apenas 10%, quando você opta pelo modelo tributário regressivo e invista durante uma década;
  6. não existem cobranças antecipadas pelo IR;
  7. existe a possibilidade de portabilidade — ao substituir o seu corretor ou seguradora, por exemplo.

Portanto, aprender como fazer uma previdência privada pode ser algo benéfico para você, independentemente de ser jovem ou uma pessoa idosa preocupada com uma aposentadoria mais tranquila.

Como fazer uma previdência privada

O processo é bastante simples, mas convém avaliar alguns aspectos importantes para você entender como fazer uma previdência privada que são:

  • a busca pela melhor instituição para montar o seu plano;
  • a programação do aporte mensal de acordo com o seu objetivo financeiro e orçamento;
  • a escolha do melhor tipo de previdência privada para as suas necessidades e objetivos;
  • a manutenção do seu planejamento financeiro para investir continuamente até alcançar a sua meta;
  • o resgate do valor acumulado no futuro.

Vale destacar que você pode sacar todo o valor acumulado de uma vez ou recebê-lo em parcelas (seja por um período específico ou em parcelas mensais contínuas).

Quais aspectos são importantes antes de fechar um plano?

Não existem grandes segredos para aprender como fazer uma previdência privada. Entretanto, como vínhamos falando, vale observar certos fatores para que você tenha a rentabilidade esperada — e sem imprevistos ao longo do percurso.

Rentabilidade

Avalie quanto você vai receber enquanto mantém os aportes mensais e procure compará-la com outras formas de investimento, de acordo com os seus objetivos financeiros. 

Com a ajuda de um bom corretor de valores, é possível identificar um plano à altura das suas expectativas e totalmente alinhado ao seu perfil de investidor.

Custos

Aqui, podemos resumir a questão com base nas taxas e nos tributos associados ao seu plano de previdência privada. E para facilitar, compare os planos cujas taxas fiquem mais próximas de zero. Ou seja: menos custos para você e cifras menores na hora de resgatar o valor acumulado.

Tipos de previdência privada

Mencionamos anteriormente, os tipos de previdência privada em duas propostas:

  • VGBL;
  • PGBL.

O VGBL é o tipo recomendado para o investidor que não declara Imposto de Renda (ou o faz, mas de maneira resumida). O PGBL, por sua vez, é mais indicado para as pessoas que fazem uso do formulário completo para o IR.

Um ponto de atenção que faz o PGBL ser mais recomendado, é que o modelo pode ter os aportes abatidos diretamente no IR — uma taxa que pode chegar a apenas 12%.

E tem também o regime tributário que você deve selecionar, entre progressivo e regressivo.

O primeiro consta entre 15 e 27,5% retido na fonte. O segundo, por sua vez, começa em 35% e pode chegar a apenas 10%. O cálculo é o seguinte: quanto mais tempo o seu dinheiro permanecer aplicado, menor será a alíquota.

Portanto, tenha em mente que mesmo que você saiba como fazer uma previdência privada, recomendamos a conversa com um especialista para que você identifique o melhor tipo de investimento para os seus objetivos e necessidades.

Por exemplo, você pode ficar em dúvida entre a previdência privada ou o Tesouro Direto, e esse profissional pode orientar da melhor forma possível. 

Agora, caso você ainda tenha qualquer tipo de dúvida a respeito de como fazer uma previdência privada, aproveite para deixá-la logo abaixo, no campo de comentários. Assim, podemos expandir essa discussão e sanar todas as suas inseguranças e dúvidas a respeito do assunto!

Mais autonomia para o seu dinheiro: salário sob demanda

A autonomia em relação ao próprio dinheiro é um benefício inovador que uma empresa pode oferecer para os seus funcionários. Com a ferramenta certa, a metodologia do salário sob demanda pode se tornar uma realidade no seu negócio.

A Xerpa desenvolveu o Xerpay que vai transformar a relação dos seus funcionários com o próprio salário. Ao se cadastrarem no sistema, os seus colaboradores podem sacar seus pagamentos quando quiserem de forma simples e instantânea.

O Xerpay já trouxe resultados para diversas empresas como:

  • 10% de aumento de retenção de talentos;
  • 20% de melhoria da produtividade dos seus colaboradores;
  • 100% de aumento de atração de candidaturas às novas vagas.

Conheça mais sobre o Xerpay e agregue mais esse benefício para a equipe da sua empresa.

.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira outros artigos que você pode se interessar