O dinheiro permanece como a principal causa de estresse na América hoje. Ou seja: o endividamento, a ausência de renda para fechar as contas e, também, para melhorar a condição de vida. É aí que o problema se torna uma questão de alarme para as empresas, já que o estresse financeiro acompanha as pessoas em suas rotinas profissionais, prejudicando as suas respectivas performances.

Caso você ainda não tenha ouvido falar no termo estresse financeiro, recomendamos a atualização urgente nesse conceito. Afinal de contas, recente pesquisa compartilhada pela CBS News apontou que, a principal causa de estresse na América hoje é a falta de dinheiro.

Ou, simplesmente, o dinheiro. Que, por vezes, não é suficiente para liquidar as contas do mês ou  para o alcance de metas pessoais.  

Acontece que a causa de estresse na América hoje interfere e muito na rotina corporativa, sabia? E, neste post, vamos mostrar o quanto as finanças pessoais podem ser um grande problema para o crescimento das empresas e o bem-estar (físico e psicológico) dos colaboradores. Boa leitura!

O que é estresse financeiro?

Você sabia que, nos Estados Unidos, a dívida média com os financiamentos estudantis girou em torno de US$ 1,46 trilhão em dezembro de 2018? Ou seja: cifras absurdas que se acumulam na vida de um profissional recém-formado.

Agora, transponha isso para os primeiros passos de sua trajetória: ansiedade, pressão por um salário elevado, um horizonte completamente inexplorado e todas as incertezas da juventude e de um ambiente do qual o profissional pouco conhece.

Não é difícil entender, então, qual é a principal causa de estresse na América hoje, não é mesmo?

Inclusive, essa causa tem um nome específico: estresse financeiro. Que, basicamente, se traduz nos efeitos do estresse, mas causados pelo endividamento, a falta de renda para a realização de objetivos (em curto, médio ou longo prazo) e todos os problemas decorrentes disso, como o cheque especial e os juros de outros empréstimos — além da dificuldade para fechar as contas do mês.

Como resultado disso, estamos construindo uma América muito mais:

  • ansiosa;
  • desmotivada;
  • deprimida;
  • estressada;
  • irritadiça;
  • improdutiva;
  • acometida por problemas de saúde físicos e psicológicos;
  • desconcentrada.

Sabe, agora, o quanto a principal causa de estresse na América hoje causa problemas para a empresa?

Como o estresse interfere no crescimento da empresa?

Em uma época na qual tanto se fala na importância da gestão de pessoas, o estresse financeiro é um monstro que paira sobre a mente das pessoas como uma sombra extensa. 

Tudo porque essa grande causa de estresse na América hoje atrapalha diretamente na performance dos colaboradores. E, se a empresa não foca diretamente em trabalhar o problema, de nada vai adiantar aumentar o número de demissões para melhorar os índices da organização.

Afinal de contas, o turnover elevado é um prejuízo e tanto, e em múltiplas camadas, para qualquer empreendimento. E de que adianta demitir um funcionário se, ao contratar outro, você já pode estar investindo em alguém que também convive com os mesmos sintomas do antigo colaborador?

 

Onde a principal causa de estresse na América hoje se encontra?

Na pesquisa que destacamos da CBS News, ficou registrado que a principal causa de estresse na América hoje é o aspecto financeiro. E na seguinte proporção com outros problemas:

  • 64% dos adultos reclamaram das finanças;
  • 60% dos entrevistados apontaram o trabalho como a fonte do estresse;
  • 47% destacaram os desafios das responsabilidades familiares;
  • 46% atestaram que os problemas de saúde geram mais estresse.

E é com base nesses dados que podemos entender o papel determinante, da organização, na minimização daquela é que tida como a principal causa de estresse na América hoje!

Qual é o papel da empresa nisso?

Anteriormente, destacamos que os sintomas do estresse financeiro devastam a produtividade e até mesmo o clima organizacional de uma empresa, como uma nuvem tóxica e contagiante.

E de nada adianta recorrer às soluções extremas e imediatistas de fazer demissões em massa: como vimos, você pode só estar trocando os perfis de quem vai cumprir as suas responsabilidades diárias, e não removendo o problema em si.

Nesse aspecto, portanto, o RH e a gestão podem aplicar a gestão de pessoas com uma série de ações relevantes para reduzir potencialmente a principal causa de estresse na América hoje!

 

Orientação emocional

Imagine que, é possível reunir-se com os colaboradores, entender os seus problemas e apontar algumas saídas importantes para ajudar na resolução de problemas.

Por meio de avaliações de desempenho, uma cultura próxima e transparente e reuniões individualizadas e pesquisas de clima contribuem ativamente para entender quais são as causas de estresse na empresa e, assim, trabalhar ativamente na erradicação delas.

 

Programas de bem-estar financeiro

Cada vez mais, as grandes marcas têm investido em programas de bem-estar financeiro, que são meios para orientar, auxiliar e até mesmo contribuir com o auxílio no planejamento da renda dos colaboradores.

Isso pode ser explorado por meio de algumas estratégias, como:

  • consultorias com empresas especializadas;
  • palestras e treinamentos sobre educação financeira;
  • pagamentos on-demand (como é o caso do Xerpay).

Assim, a participação da organização não se restringe às orientações genéricas, mas à exploração personalizada e individualizada de cada funcionário. E, consequentemente, obtém-se um aumento no bem-estar financeiro dos colaboradores.

Quais são os benefícios em resolver o estresse financeiro?

Existe, logicamente, um aumento na produtividade se a estratégia da empresa impactou diretamente na raiz do problema. Em curto e médio prazo, o investimento em ajudar na solução da principal causa de estresse na América hoje pode se converter em uma série de benefícios para a organização, como:

  • mais engajamento dos colaboradores;
  • gratidão, que se configura em um senso de pertencimento maior à organização;
  • maior poder de retenção dos talentos;
  • percepção positiva de marca, traduzindo-se em mais atração de talentos também.

Ou seja: você consegue transformar os eventuais prejuízos decorrentes da baixa produtividade, desmotivação e de todos os aspectos negativos do estresse financeiro em resultados a partir de um bom investimento.

Esperamos que este artigo tenha ajudado a fazer com que o seu setor de RH se ocupe, cada vez mais, da principal fonte da causa de estresse na América hoje. E aproveite para compartilhar conosco as suas experiências: como a sua organização tem se mobilizado sobre o assunto? Deixe a sua opinião, no campo abaixo!