Há tempos, os especialistas de RH alertam para a importância do bem-estar emocional dos funcionários, cujo equilíbrio se traduz em mais produtividade e satisfação na realização das suas atividades. Isso passa, inclusive, diretamente pela manutenção de um ambiente de trabalho harmônico e livre de estresses e pressão exacerbada.

 

Estresse, depressão, desmotivação e até mesmo a síndrome de burnout são alguns dos distúrbios psicológicos que mais afligem os profissionais, hoje em dia.

Inclusive, o estresse está presente em nove a cada dez profissionais no Brasil. E isso, por si só, já deveria levantar o sinal de alerta, do seu RH, a respeito da importância do bem-estar emocional dos funcionários.

Você sabe mensurar o nível do bem-estar emocional dos funcionários da sua empresa? Independentemente da sua resposta, neste post, nós vamos destacar o valor dessa estratégia para que o seu RH valorize ainda mais os seus ativos para gerar resultados positivos para todos. Confira!

O conceito de bem-estar emocional dos funcionários

No geral, o bem-estar se traduz em um equilíbrio da nossa saúde física e psicológica, elementares para que possamos realizar as nossas atividades com prazer e sem desgastar o corpo e a mente no processo.

Só que, no cenário nacional, essa consequência — que deveria ser natural nas empresas — se tornou um verdadeiro desafio. Em 2017, por exemplo, 75 mil pessoas foram afastadas dos seus cargos para tratar dos sintomas de depressão. Um número elevado, e que só reforça a importância em cuidar do bem-estar emocional dos funcionários.

E o que isso seria, em teoria? A atenção do RH aos níveis de saúde dos seus colaboradores, algo que pode se estender tanto às situações dentro da empresa, quanto aquelas que ocorrem fora dela, mas que impactam no semblante e nas atitudes e comportamentos dos seus profissionais.

Os motivos que podem interferir no bem-estar das pessoas

Internamente, uma série de fatores pode ligar o sinal de alerta para os seus especialistas de RH, como:

  • competitividade elevada;
  • muita pressão por resultados, e poucos profissionais para alcançá-los;
  • ameaças contínuas da liderança da empresa (como demissões);
  • poucos (ou muitos) desafios sem o auxílio para qualificar a rotina de trabalho;
  • baixos salários;
  • clima organizacional ruim;
  • assédios de todo tipo.

Não se trata, apenas, de bem-estar emocional dos funcionários, mas de questões que podem qualificar o ambiente de trabalho.

No geral, quando existe uma atuação próxima para melhorar a saúde coletiva, as empresas adquirem mais produtividade, foco nas atividades, gratidão e reconhecimento (que promovem a retenção e atração de talentos) e mais colaboração nas atividades.

Portanto, esse tipo de questão agrega valores não apenas intrínsecos ao bem-estar dos colaboradores, mas de toda a empresa. Que tal vermos, então, como colocar em prática as ações estratégicas promovidas pelo RH nesse sentido?

>> Neste livro digital você descobrirá todos os passos para criar um programa de bem-estar financeiro que engaje todos os colaboradores (e você também)! Clique aqui e acesse agora mesmo.

As ações para investir no bem-estar de toda a empresa

A seguir, você pode descobrir como o RH tem participação ativa no desenvolvimento e na manutenção do bem-estar emocional dos funcionários!

 

Invista em ginástica laboral

Medida simples, mas eficaz para dar um tempo nas atividades e esticar o corpo. A ginástica laboral ajuda a reduzir os problemas de saúde dos seus profissionais no exercício da profissão, e ajuda na criação do foco, controle e percepção corporal.

Dessa maneira, momentos de tensão são rapidamente identificados e resolvidos com exercícios de alongamento e respiração, por exemplo, ajudando também na avaliação mais racional dos problemas.

 

Trabalhe a ergonomia no ambiente de trabalho

A ergonomia está entre os principais fatores para evitar um acidente de trabalho, já que está alinhada aos princípios de condições psicofisiológicas. Ou seja: a empresa passa a oferecer os meios para que os colaboradores passem boa parte dos seus dias em uma posição menos desgastante, bem como ajuda-os a manterem a postura e o trabalho produtivos e sem desgastes desnecessários à mente e ao corpo.

 

Ofereça massagens periódicas

Tensão e estresse são comuns, no dia a dia? Que tal quebrar essas amarras por meio de massagens periódicas na empresa? 

Com esse tipo de atividade interna, os colaboradores trabalham mais relaxados e satisfeitos, o que pode aumentar os níveis de produtividade e, ainda, reduzir o estresse acumulado.

 

Promova treinamentos e palestras

Conscientização é a palavra-chave aqui: explique os riscos em não aderir às ações de bem-estar emocional dos funcionários, e explore os seus benefícios no dia a dia de cada equipe.

Além disso, os treinamentos podem ajudar a fazer com que os profissionais conheçam mais a si mesmos. Algo fundamental para que eles mesmos evitem que as situações estressantes se acumulem.

 

Crie e sustente a sua cultura organizacional

Se a empresa tem a sua parcela de responsabilidade no bem-estar emocional dos funcionários, nada melhor do que compor uma cultura organizacional que promova a saúde e a valorização das pessoas.

Isso ajuda a disseminar a competitividade agressiva, os conflitos internos e os problemas de gestão que prejudicam o ambiente de trabalho.

Quando a colaboração está presente em todas as etapas do fluxo de trabalho, o estresse é menor e todos sabem, exatamente, o seu papel na construção de um local produtivo, eficiente e harmônico. Convém, inclusive, apostar em bos regras de conduta para evitar problemas internos.

 

Ofereça feedbacks

Uma dica interessante para melhorar o bem-estar emocional dos funcionários: ofereça feedbacks periódicos. Assim, o colaborador entende, antecipadamente, o que ele está fazendo de positivo, e o que não auxilia no seu desenvolvimento dentro da empresa — ou mesmo fora dela.

Dessa maneira, a empresa participa ativamente na construção de um ambiente de trabalho mais saudável e sempre focado no crescimento de todos — do colaborador aos resultados almejados.

 

Saiba dar um feedback

Feedbacks podem ser positivos ou negativos, portanto, é importante que o gestor saiba dar o feedback de maneira com que o funcionário não se sinta prejudicado ou atingido, de forma que ele entenda o que pode ser melhorado, levando isso como algo positivo e que o faça crescer dentro da empresa.

 

Com essas medidas, toda a empresa passa a ser mais produtiva, focada em autoconhecimento e em medidas práticas e funcionais para promover a comunicação eficiente, bem como a saúde física e mental de todos!

E na sua empresa, como anda a preocupação com o bem-estar dos funcionários? Compartilhe as suas experiências conosco, no campo de comentários deste post!