analises vertical e horizontal

Análises Vertical e Horizontal: aprenda o que é e como fazer!

Quando falamos em análises vertical e horizontal estamos nos referindo a métodos distintos para ter em mãos as demonstrações contábeis da empresa. E isso, embora seja parcialmente verdade, apenas denota o quanto o seu negócio tem que se amparar em diferentes modelos a fim de evitar imprevistos e ter mais controle sobre a sua saúde financeira.

E é justamente sobre ambos os modelos que trataremos ao longo deste artigo. A fim de desburocratizar a informação sobre o assunto e ampliar o seu alcance, reunimos neste post tudo o que você precisa saber a respeito das análises vertical e horizontal. Confira, logo abaixo!

Demonstrativos contábeis essenciais para qualquer empresa

Antes de adentrarmos no assunto, especificamente, vamos dar um passo para trás e compreender a relevância dos demonstrativos contábeis no geral e também no contexto das análises vertical e horizontal.

Os demonstrativos concentram boa parte das informações mais importantes sobre a sua empresa. Neles, ficam claros aos investidores e outros interessados a evolução financeira e também a sua estabilidade.

Internamente, serve como um bom indicativo do que está funcionando e do que deve ser reavaliado para garantir a saúde financeira do seu negócio. E esses são os mais usados pelos especialistas do setor:

  • balanço patrimonial, que refere-se à distribuição do patrimônio da empresa em ativos (que são os bens e direitos) e os passivos (que incluem as obrigações e os deveres da empresa);
  • demonstrativo de resultados do exercício, também conhecido como DRE, que é um resumo dos resultados obtidos em determinados períodos e aponta se houve lucro ou prejuízo no tempo monitorado;
  • fluxo de caixa, que é um relatório importante para o monitoramento de qualquer movimentação financeira do caixa — ou seja: tanto as entradas quanto as saídas.

Provavelmente, esses indicadores não são tão desconhecidos de sua rotina, mas vale a pena explicá-los para que as análises vertical e horizontal sejam facilmente explicadas.

As análises vertical e horizontal

Em vez de compararmos as análises vertical e horizontal vamos fazer um exercício de observá-las isoladamente, e então compreender as aplicações de ambas!

A análise horizontal

O objetivo básico da análise horizontal é a elaboração de um comparativo que contemple diferentes períodos de demonstrações financeiras.

Assim, fica mais fácil determinar se a organização teve um crescimento, nesse intervalo de tempo, ou se foi diagnosticado um período de perdas. Para tanto, os especialistas financeiros podem fazer uso de qualquer uma das demonstrações citadas no tópico anterior, entre:

  • balanço patrimonial;
  • DRE;
  • fluxo de caixa.

Como resultado desse esforço, o planejamento financeiro é melhor desenhado, permitindo que sejam observados os acertos e os pontos de melhoria das últimas estratégias aplicadas.

Outro ponto relevante da análise horizontal consiste em um comparativo com a concorrência ou mesmo com o seu setor de atuação. Uma maneira interessante de observar o mercado financeiro, como um todo, para entender o cenário em torno dos seus próprios resultados.

O meio de calcular a análise horizontal

A fórmula usada para o cálculo da análise horizontal é bastante simples. É uma simples divisão do valor atual pelo anterior (conhecido como valor base) conforme o exemplo da fórmula a seguir:

Análise Horizontal = (Valor Atual / Valor Base) – 1

Para ilustrar o nosso exemplo vamos usar o Balanço Patrimonial do Banco Itaú que registrou os seguintes valores em 2019 e em 2018, respectivamente: 33.242 e 37.159.

Aplicando a fórmula acima, obtemos o resultado de -0,105. Em termos de porcentagem, foi analisada uma queda de 10,5%, no período, no caixa da instituição financeira.

A análise vertical

Imaginando que as análises vertical e horizontal sejam distintas, vale observar que o conceito explicado acima refere-se a uma linha do tempo reta em um período temporal.

Assim, podemos entender que a análise vertical trabalha o diagnóstico financeiro a partir de outro eixo: de cima para baixo, para que seja encontrada a representatividade de um fator com relação ao todo de um valor. Como consequência disso, fica mais fácil observar os elementos que mais exigem a atenção dos seus profissionais.

Ainda, é interessante avaliar que os resultados menos expressivos também podem ganhar a sua atenção. A interpretação dos seus analistas é significativa, nesse processo, pois reforça uma perspectiva mais precisa e direcionada — especialmente, quando comparamos os objetivos das análises vertical e horizontal.

O meio de calcular a análise vertical

A fórmula para o cálculo das análises vertical e horizontal são simples. Logo, o meio de cálculo deste conceito é prático de ser aplicado. Veja só qual é:

Análise Vertical = valor da conta / valor total do grupo de contas analisadas

Para exemplificar, vamos nos apoiar no mesmo Balanço Patrimonial do Banco Itaú que usamos no último tópico. Digamos que nosso objetivo é a compreensão da representatividade dos ativos atualmente — no ano de 2019 — com base em depósitos compulsórios feitos no Banco Central. Esse valor foi de 91.851 no período. Já os ativos, no total, do Banco Itaú ficaram em 1.438.026.

Portanto, aplicada a fórmula acima temos o resultado de 0,063. Em porcentagem, podemos dizer que o agrupamento tem a ver com 6,3% dos ativos financeiros, no total, do Banco Itaú.

Se focarmos no passivo da instituição, podemos focar nossas atenções na representatividade das obrigações com depósitos — que foi de 463.259 — em comparativo com o custo amortizado do banco: 1.113.858.

Com a mesma fórmula aplicada, chegamos ao resultado de 41,6%. 

As diferenças entre as análises vertical e horizontal

Com base nas fórmulas de cada uma das análises vertical e horizontal, deve ter ficado claro que a grande distinção entre elas é o período analisado. Além disso, a análise vertical compreende grupos diferentes (contas ou grupos de contas) em um mesmo prazo. A análise horizontal, por sua vez, compara períodos diferentes, mas levando em conta as mesmas contas.

Só que isso tende a levantar algumas dúvidas em especialistas do mercado. Afinal de contas, existe um meio de análise considerado melhor?

E a resposta é simples: não. O que existe, no lugar, é um meio mais adequado para analisar tendo como base as suas necessidades e objetivos. Mas não prejudica a sua organização ter dados confiáveis sempre à disposição, tornando o uso das análises vertical e horizontal igualmente efetivo.

A importância em fazer as análises vertical e horizontal

Como destacamos, ambas as análises são relevantes para uso interno e também para a avaliação do mercado, como um todo. Algo que faz toda a diferença para encantar os olhos de possíveis investidores.

E, como mostramos no final do tópico anterior, o uso combinado das análises vertical e horizontal possibilita a resolução de questões importantes. Aí vai uma ideia: digamos que, por meio da análise horizontal, você identificou que as despesas financeiras da organização aumentaram em 50%.

Acontece que, após realizada a análise vertical, percebeu-se que a linha analisada representa apenas 6% do total. A sua tomada de decisão, portanto, pode ser ainda mais qualificada (e ser mais ágil também) quando tem-se as informações mais precisas sobre o seu negócio.

O uso de ambas as análises no seu dia a dia

É inegável que o controle financeiro se faz fundamental para a manutenção e o desenvolvimento de qualquer empresa — independentemente do seu porte ou ramo de atuação.

Hoje em dia, inclusive, não faltam meios, técnicas e tecnologias que facilitem esse trabalho constante e que exige monitoramento de maneira gradual.

Aí vão, então, algumas dicas complementares para você que interessou-se pelo uso das análises vertical e horizontal!

Considere o uso de soluções tecnológicas

Que tal explorar, no mercado, os melhores softwares de gestão financeira? Por meio desse tipo de solução, é possível automatizar processos, gerar relatórios e acompanhar a evolução dos números em tempo real.

Para tanto, basta saber quais são os objetivos e as necessidades de cada empresa a fim de personalizar o produto e obter um monitoramento efetivo. Sem falar que soluções digitais permitem mais produtividade, agilidade e menos erros causados pela sua equipe. A confiança em cálculos automáticos torna o processo de análise muito mais rápido e eficiente.

Faça as análises vertical e horizontal periodicamente

Você já deve saber que a melhor forma de prevenir-se contra imprevistos é o acompanhamento dos números obtidos em determinados períodos, certo?

Portanto, implemente mecanismos que permitam essa segurança a mais para a manutenção do seu negócio. E, preferencialmente, monte um time campeão do setor para garantir que não existam problemas no crescimento da sua marca.

Para saber mais a respeito desse assunto, em particular, aproveite para conferir outro artigo nosso, que explora agora a melhor estrutura para o setor financeiro!

Integre outros relatórios e técnicas de análise

Por fim, lembre-se que as análises vertical e horizontal podem ser aplicadas a outros relatórios e indicadores de desempenho. Como já mencionamos, isso só tem a beneficiar o seu negócio, uma vez que os dados sempre à mão são benéficos para qualquer organização.

 

Mas, agora, fica com você o desafio de ir além na importância das análises vertical e horizontal: para isso, basta compartilhar este post nas suas redes sociais — e aproveite para marcar os colegas que vão adorar saber tudo a respeito do método visto ao longo deste artigo!

 

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.