Ação ordinária

Ação ordinária: 5 dicas para começar a investir

A bolsa de valores possui um leque infinito de possibilidades para quem decide se aventurar nela. Um dos investimentos mais comuns na bolsa é em ações das empresas. Entre os principais modelos de ativos podemos destacar a ação ordinária e a ação preferencial.

Enquanto em uma você tem direito de voto e influencia nas decisões da companhia, ação ordinária, em outra você se torna um acionista preferencial na divisão dos lucros, ação preferencial.

Uma pesquisa da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) mostrou que, entre março e maio de 2020, os fundos de ações captaram R$ 9,8 bilhões líquidos.

Apesar desse número promissor de investidores, para quem está começando a investir essas definições técnicas se parecem com um bicho de sete cabeças. Porém, entender o funcionamento dessas ações é mais fácil do que se imagina.

Por isso, para te ajudar no desafio de conhecer o processo de investimento em ações e dar um suporte para você começar a investir na bolsa de valores, vamos detalhar neste conteúdo o que é ação ordinária e quais as principais diferenças para a ação preferencial.

O que são ações?

Antes de falarmos sobre o que é ação ordinária e ação preferencial, vamos definir o que seria uma ação. Também conhecida como “papéis” no mercado, as ações são uma parcela ou fração do capital social das empresas.

Elas são negociadas na Bolsa de Valores e quem adquire uma ação se torna sócio dessa companhia. O principal objetivo para uma empresa lançar uma ação no mercado é expandir o negócio. Afinal, com a venda de suas ações está arrecadando dinheiro.

Atualmente existem mais de 1,9 milhão de brasileiros com cadastro na Bolsa de Valores e muitos investem constantemente em ações. Comparado a 2018 a alta de participação dos brasileiros nesse mercado é de 164%.

As ações mais conhecidas do mercado são as ordinárias e preferenciais. Falaremos mais sobre elas abaixo

O que são ações ordinárias?

Ação ordinária é um ativo representado na bolsa de valores pela sigla ON. Ela é identificada sempre pelo dígito 3, que vem ao final da ação. Por exemplo, ações ordinárias da Petrobrás – PETR3, Vale – VALE3, AMBEV – ABEV3 e etc.

Esse ativo dá direito ao acionista, que adquire ela, de participar de votações em assembleias da empresa. Isso quer dizer que ele tem influência nos rumos que a organização irá tomar no mercado.

É importante ressaltar que quanto maior o grau de participação do investidor na compra de ações ordinárias, maior o direito dele nas tomadas de decisão da empresa. No entanto, é bom que o investidor sempre consulte o estatuto da companhia.

Uma vez que, o pequeno investidor pode ter maior ou menor influência nas decisões e o peso de seu voto pode ser maior ou menor, dependendo da empresa.

Em algumas mesmo o investidor individual pode impactar diretamente nas estratégias da organização, até mesmo impedindo compras em fusões. Já em outras companhias a participação dos investidores individuais é bem pequena.

O que são ações preferenciais?

As ações preferenciais são denominadas pela sigla PN e quem adquire esses ativos têm preferência no recebimento dos lucros da organização. As ações preferenciais terminam com final 4. Exemplos: Petrobrás – PETR4, Itaú – ITUB4, Bradesco – BBDC4.

Ela também é conhecida no mercado por ter uma boa liquidez, ou seja, é mais fácil de comprá-la e de vendê-la no mercado.

Quais as diferenças entre a ação ordinária e a preferencial?

Conhecendo o significado da ação ordinária e da preferencial listamos abaixo as principais diferenças entre elas.

  • Na ação ordinária permite direito a voto / ação preferencial apenas voto restrito ou segue o estatuto;
  • A ação preferencial dá prioridade aos acionistas na divisão de lucros / ação ordinária fica em “segundo plano”;
  • Ação preferencial tem maior liquidez que a ação ordinária;
  • A ação ordinária possui o tag along* e no caso da ação preferencial ela não é garantida por lei.

*O tag along é um mecanismo de proteção aos acionistas. Em caso de mudança no controle da companhia, venda da empresa, o acionista minoritário tem direito a receber pelo menos 80% do valor de cada ação, podendo chegar a 100%, dependendo do estatuto.

Quais dicas seguir para começar a investir?

O mercado de ações é repleto de desafios, portanto, é importante seguir algumas dicas básicas antes de começar a investir com segurança. Confira algumas delas a seguir.

Defina seu perfil de investidor

Antes de escolher entre uma ação ordinária ou preferencial o investidor deve definir o seu perfil de mercado. É fundamental ter a clareza sobre isso para que as decisões sejam assertivas.

Pense e reflita se você tem um perfil mais conservador ou arrojado. Seus objetivos são de curto ou longo prazo? Uma observação: a bolsa de valores, normalmente, contempla objetivos de longo prazo. 

Atente-se também a volatilidade e a liquidez, pois esses dois pontos podem fazer toda a diferença sobre qual o melhor momento para comprar ou vender determinada ação.

Já mostramos em outro artigo como descobrir o seu perfil de investidor.

Faça uma análise do mercado

Escolher em qual empresa investir e se deve optar por ação ordinária ou preferencial é um dos grandes desafios do mercado. A grande verdade é que não existe uma receita de bolo devido à volatilidade da bolsa de valores.

Todavia, é possível fazer dois tipos de análise de investimentos que tomam como base o mercado de ações. São elas: análise técnica e análise fundamentalista.

Elas servem principalmente como um objeto de referência para definir qual o melhor momento para negociar as ações. Fazendo projeções de valores ou de possíveis retornos.

A análise técnica leva em conta o gráfico de preços e o comportamento das ações no mercado, para vislumbrar padrões e circunstâncias.

 Já na análise fundamentalista se faz um estudo minucioso do lado financeiro da  empresa, levando em conta o fluxo de caixa, balanços patrimoniais, perspectivas de crescimento e influência de fatores como juros e inflação. 

Conheça as regras de governança

Outro passo importante antes de sair investindo em ações no mercado é entender as regras de governança. Qual será a reputação da companhia em que você quer investir? Ela é bem administrada?

Muitas empresas de capital aberto aderem um conjunto de regras, chamada de governança corporativa da B3, para colocarem suas ações na bolsa de valores. Isso tudo para atrair mais investidores e oferecer maior segurança a esses futuros acionistas.

Essas regras de governança permitem uma visão melhor sobre a segurança do investimento.

Permitindo ao acionista que visualize seus direitos a partir daquele investimento como sua influência nas tomadas de decisão, acesso aos balanços, prestação de contas e igualdade no trato dos investidores da companhia.

Estar atento a essas regras pode fazer toda a diferença futuramente caso haja necessidade de cobrar algo com base na legislação. Evitando possíveis abusos de empresas que negociam suas ações sem aderirem esse conjunto de princípios.

Informe-se sobre a liquidez dos ativos

A liquidez dos ativos também é um ponto importante para definir sua atuação dentro da bolsa de valores. Nessa escolha tem que ser levado em conta o seu perfil de investidor.

Dado que, a ação ordinária tem uma liquidez menor que a preferencial. Pois, a ação preferencial oferece uma facilidade maior de compra e venda na bolsa, permitindo até que o retorno sobre o investimento seja mais rápido.

Em ações ordinárias é comum que os investimentos sejam de longo prazo, principalmente pela garantia do tag along.

Escolha a melhor corretora

Para realizar investimentos na bolsa de valores é necessário que o investidor crie uma conta em uma corretora que esteja apta e autorizada a atuar na bolsa.

O mercado está repleto de opções e escolher a melhor nem sempre é tarefa fácil para quem está iniciando a vida na bolsa de valores. Por isso, se atente a reputação da corretora no mercado e aos seguintes pontos para fazer a escolha correta:

  • Qual a taxa de corretagem;
  • Facilidades da plataforma para as negociações;
  • Se a instituição oferece Orientações sobre investimentos;
  • Como são os relatórios gerados sobre os investimentos realizados;

Com base nessas informações e alinhado ao seu perfil fica mais fácil de definir a corretora mais próxima de atender seus objetivos.

Investimento é planejamento

Investir em ações requer antes de tudo planejamento. É impossível, mesmo que para um investidor inicial, entrar na bolsa de valores sem conhecer nada. Até porque as chances de perder dinheiro serão enormes.

Um dos primeiros passos é entender as ações e o que cada uma delas representa. No caso das ações ordinárias podemos dizer que ela é destinada principalmente para quem deseja ter voz nas decisões da empresa.

Dado que, o direito de voto em assembleia lhe dá essa possibilidade, podendo influenciar em investimentos, compras e vendas da companhia.

Além disso, a ação ordinária costuma atrair quem pensa em investimentos de longo prazo, principalmente pela garantia proporcionada pelo tag along.  Em contrapartida se você pensa em liquidez a melhor opção são as ações preferenciais.

Portanto, antes de investir avalie o momento do mercado, trace o seu perfil de investidor, contrate uma boa corretora de valores e leve em conta as opiniões de quem entende do assunto.

 

Entendeu como funciona a ação ordinária e a preferencial? Deixe um comentário no post falando sobre qual o tipo de ação mais te atrai.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.