O sucesso de uma empresa depende diretamente do tratamento dado aos seus funcionários. O capital humano é o ativo mais importante de uma organização. Os altos índices de absenteísmo e rotatividade podem ser indicadores de problemas mais sérios na cultura organizacional.

Neste post, vamos falar sobre a relação entre os dois indicadores e em quais situações o absenteísmo pode levar a uma demissão e consequentemente, o aumento da rotatividade.

 

O que é absenteísmo?

O absenteísmo está ligado ao índice de faltas, atrasos e saídas dentro do horário de expediente estipulado em contrato. Essas faltas, independentemente de serem justificadas ou não, contam como absenteísmo para a empresa.

Quando ocorre com frequência, afeta a produtividade e traz prejuízos. Afinal, a organização está pagando por um trabalho que não é realizado. Isso pode afetar a entrega de projetos e o relacionamento com os clientes.

 

O que é rotatividade?

Também conhecida como turnover, a rotatividade é a substituição dos funcionários da empresa, seja por decisão do empregado ou do empregador.

O cálculo da taxa de rotatividade leva em consideração o número de empregados desligados e o total de colaboradores da empresa, chegando a um índice percentual.

A rotatividade é um forte indicador da estrutura interna de uma organização. Ela pode dar pistas sobre o nível de satisfação dos funcionários.

Empresas cuja política prejudicam a saúde física ou mental dos colaboradores tendem a ter altos índices de turnover.

 

Como o absenteísmo pode levar ao aumento da rotatividade?

Nas empresas em geral, independentemente do porte, é comum que o RH e a gerência percebam uma conexão entre o absenteísmo e rotatividade.

As faltas constantes dos funcionários podem ser o primeiro passo para demissões voluntárias em breve, mostrando o descontentamento em relação às condições de trabalho e aumento a taxa de rotatividade da organização.

Há diversos fatores que ligam o absenteísmo de um funcionário ao seu desligamento da empresa:

  • falhas na gestão;
  • nível de satisfação com o trabalho;
  • qualidade do relacionamento com a liderança e equipe;
  • estruturação dos planos de carreira na empresa.

Vamos detalhar cada uma dessas situações, nas quais as faltas e atrasos constantes realmente levam à demissão do funcionário.

Quando esse comportamento é observado em muitos colaboradores, é hora de revisar algumas políticas internas!

 

Qualidade do recrutamento e seleção

Os processos de recrutamento e seleção devem avaliar não só as competências técnicas dos candidatos, como também suas tendências comportamentais.

Quando o profissional não consegue desenvolver o trabalho com a devida qualidade, é natural que fique desmotivado e acabe saindo da organização.

O mesmo acontece com pessoas que não se identificam com o fit cultural. Ao encontrar dificuldades para se adaptar ao ritmo de trabalho e se enturmar com os colegas, o colaborador acaba por se ausentar mais da empresa e começa a procurar por novas oportunidades no mercado.

 

Condições de trabalho

As condições de trabalho e as expectativas dos funcionários também devem ser consideradas para avaliação do absenteísmo e da rotatividade.

Quando o espaço é agradável e oferece a estrutura necessária para o bom desenvolvimento das tarefas, há uma grande possibilidade de que o colaborador fique mais à vontade e se sinta mais produtivo.

O conforto no local de trabalho faz com que os funcionários se tornem propensos a trabalharem na organização por muito mais tempo.

Lugares que não oferecem as condições necessárias costumam experimentar taxas de absenteísmo e turnover maiores.

 

Plano de carreira

Um problema muito comum em empresas com altos índices de rotatividade é a falta de perspectiva de crescimento.

Sem um plano de carreira bem estruturado, os funcionários perdem a motivação e começam a procurar por outras oportunidades nas quais possam ser reconhecidos por sua dedicação e crescerem.

Em alguns casos, o aumento do absenteísmo ocorre justamente porque esses colaboradores estão participando de processos seletivos nos concorrentes. O pedido de demissão é só questão de tempo.

 

Liderança

Outro fator importante que afeta o absenteísmo, e consequentemente a rotatividade, é o estilo de liderança.

Gestores com uma abordagem mais humana, dispostos a ouvirem e apoiarem os funcionários, contam com equipes presentes e engajadas.

Quando o líder consegue encontrar um ponto de equilíbrio entre a disciplina e a compreensão, essa ética de trabalho contamina a equipe.

Desta forma, o líder gera um grau de engajamento, produtividade e bem-estar raramente observado nas empresas. O ambiente positivo contribui muito para que o absenteísmo seja evitado e consequentemente, o turnover.

 

Relacionamento com a equipe

O relacionamento com os colegas também impactam a participação e a frequência dos funcionários na empresa.

Trabalhar diariamente com pessoas de difícil convívio acaba com o entusiasmo de qualquer um e acaba estimulando um afastamento que poderia ser evitado.

Em alguns casos, a situação fica tão insuportável que o funcionário decide arrumar emprego em outro lugar.

Os gestores devem ficar atentos a esse tipo de situação e procurar ajuda do RH para solucionar questões de convivência, antes que o problema traga consequências mais sérias.

 

Nem sempre o absenteísmo vai levar ao desligamento.

O funcionário pode estar passando por graves problemas pessoais, como doença na família, divórcio ou a perda de um ente querido. Nesses casos, a empresa pode prestar apoio e se disponibilizar a ajudar esse colaborador como for possível.

Essa postura aumenta o engajamento do profissional e vai ser percebido por toda a equipe, mostrando o reconhecimento e a valorização da organização em relação aos seus colaboradores.

Identificar a relação entre absenteísmo e rotatividade, reconhecendo quando um acontecimento vai levar ao outro é uma estratégia importante para defender a marca empregadora e evitar custos com rescisões e novos processos seletivos.

Ao perceber faltas e atrasos constantes, o RH pode realizar pesquisas de clima para entender o nível de contentamento dos funcionários e detectar problemas antes que eles levem a uma perda significativa dos talentos.

 

E você, como encara a relação entre o absenteísmo e o turnover? Deixe um comentário no post sobre o assunto ou sobre situações em que você percebeu que o funcionário estava prestes a pedir demissão.